Racismo no NYTimes exposto

Anúncios

Lições de propaganda

O meu texto desta semana no Observador.

‘Perante isto, o que dizer do comportamento dos ministros durante a ação de propaganda? Percebo que o ministro Cabrita deu o melhor uso possível àquele pedaço de tempo: dormiu. Quem nunca reprimiu um bocejo quando de repente, quase à traição, ouviu a voz de Costa na televisão ou na rádio? Também me solidarizo com Maria Manuel Leitão Marques, que resolveu ler jornais ou por as mensagens e o mail em dia. Bom uso do tempo, ou não fosse uma mulher. De resto era a única que sobressaía pela cor da roupa, num mar de ministros visualmente entediantes. E, de facto, não se deseja ao pior inimigo, nem sequer a um ministro da geringonça, uma tarde a ouvir António Costa.

Mas e a mensagem que passaram, de ignominioso desinteresse pelas respostas que o querido líder dava à amestrada assistência? Sopapos e anos de cadeia talvez sejam excessivos para Cabrita e Leitão Marques, mas que tal enviá-los em licença prolongada para a Mongólia Interior? Ou para as zonas ardidas este ano (há uma ampla escolha neste critério) para um campo de reeducação pelo trabalho?

Depois dos desaires do cenário composto pela universidade e dos ministros que não revelaram adequada veneração pelo seu bom pastor, felizmente a assistência portou-se à altura quanto à devoção e ao respeito pelo aniversariante governo. Não houve perguntas difíceis, foram exibidas publicamente simpatias por tão excelso grupo, só faltou alguma das senhoras questionadoras assumir uma paixão secreta por Mário Centeno e enviar-lhe o número de telefone tossicando em código Morse.’

O texto com princípio meio e fim está aqui.

Trapalhadas dos dias em que as vacas voam

O Homem-Elástico, a opinião de Paulo Tunhas no Observador.

(…) Por estes dias, esta visão das coisas, tudo o indica, tem-se tornado mais comum. Houve os fogos, houve Tancos, houve a legionella, houve a trapalhada com o Panteão, houve a justiça salomónica do caso do Infarmed (Lisboa, Porto – e finalmente Lisboa/Porto), houve a história com os professores, houve as perguntas pagas de Aveiro, com os ministros a dormirem e gracinhas ao ministro das Finanças (“Senhor ministro das Finanças, olhe que investir hoje na saúde é poupar amanhã no sistema de saúde”) e houve a querela da contribuição sobre as energias renováveis. O Homem-Elástico bem pode dizer, com “nervos de aço e serenidade”, que está “com ganas” de abrir novos caminhos e de traçar, com regra e esquadro, novas avenidas para a Pátria, num processo sem fim: “E mesmo quando chegarmos ao fim da estrada, vamos continuar a abrir a estrada, porque a nossa estrada não tem fim. A nossa estrada é uma estrada que abrimos sempre, porque há sempre novos caminhos para abrir”. Mas a história aos quadradinhos já não entusiasma ninguém. Tudo conhece um limite de elasticidade e as estradas têm sempre fim. Em política, quando o limite de elasticidade foi ultrapassado e não se deu por isso, começa o delírio. O delírio, salta à vista, já começou. (…)

Retrato do herói catalão

Imagem que se tornou independente da conta @____tuan

Mr. Bean en Bruselas, por Isabel San Sebastián.

Si no hubieran provocado una catástrofe social, económica y política de consecuencias gravísimas, las andanzas del golpista catalán huido serían dignas de una película protagonizada por Mr. Bean. Porque a Groucho Marx no llega el exalcalde de Gerona. A Carles Puigdemont le faltan clase, ingenio, inteligencia y profundidad para aproximarse al genial Julius Henry, el más brillante de los magistrales hermanos. Lo de nuestro turista en Bruselas se sitúa en la órbita del personaje que interpreta en la pantalla Rowan Atkinson con el pelo engominado, sonrisas babeantes y una mirada tan iluminada como la del «president» a la fuga. Un tipo un tanto ridículo, a caballo entre lo cómico y lo patético, cuya conducta errática acaba provocando situaciones que escapan a todo control. La perfecta encarnación del friki. Solo que en este caso no se trata de un actor interpretando un guion cinematográfico con el propósito de hacernos reír, sino de un presunto delincuente escapado de la Justicia y determinado a reincidir. Un gestor acusado nada menos que de malversación de caudales públicos, prevaricación, sedición y rebelión, a quien demasiados medios de comunicación españoles otorgan honores de gran dirigente. ¡Lo nunca visto! (…)

Socialismo Resumido Em 100 Segundos

Ao fim de 100 anos e de 100 milhões de mortes… “it’s time to recognize the evil for what it was“.

Coreia do Sul força jovens universitários a sairem juntos

South-Korean-teenagers-881593

South Korea students forced to date as desperate government attempts to lift birth rate.

STUDENTS at two South Korean universities are being offering courses that make it mandatory for them to date their classmates as the country battles to reverse one of the lowest birth rates in the world.

Bem, eu adoro o ar entusiasmado com que o casal cumpre o castigo.
Pelo ar da coisa, não sei é se vai adiantar muito.
Mas, para bem do governo, esperemos que com outros casais esteja a correr melhor.

Recordo que o fenómeno herbívoro (Sōshoku(-kei) danshina Ásia é bem mais forte que o fenómeno MGTOW anglófono e é mais profundo que o simples Hikikomori. Esta é mais uma tentativa de resposta, numa tendência que só vejo a multiplicar-se nos próximos anos.

Women Rights or Islam?

For the record, eu prefiro Direitos Femininos ao modo como os Islamistas tratam as mulheres.

Agora, o modo como estas feministas nesta manifestação negam a realidade… é épica.

António Costa: Afirmações Versus Factos

Opiniões são opiniões, mas factos são factos. Quando se fazem afirmações sobre factos, estas afirmações ou são verdadeiras ou falsas.  A tabela abaixo, é retirada deste artigo do Adolfo Mesquita Nunes, onde é feita uma compilação de afirmações versus factos de António Costa enquanto primeiro ministro.

A lista acima exclui ainda os seguintes episódios:

  • A candidatura da Agência Europeia do Medicamento, com António Costa a dar o dito por não dito (ver a cronologia aqui);
  • A transferência do Infarmed para o Porto (ver Infarmed. Documento desmente versão de António Costa).
  • O episódio da assinatura do acordo de concertação social (ver aqui).
  • A afirmação de António Costa de que a carga fiscal tinha baixado/iria baixar em 2017  (ver aqui) quando na própria proposta de orçamento de estado para 2018 o governo reconhece que aumentou em 2017 (ver aqui).
  • A afirmação de António Costa a chamar a si os louros da redução da àrea ardida (ver aqui).

Ninguém (incluíndo o humilde autor deste post) esté imune a enganos e erros – todos somos humanos. No entanto, é uma questão de carácter reconhecer os erros, retratá-los e pedir desculpa. No entanto quer a capacidade de pedir desculpa, quer de reconhecer e retratar erros é algo que parece não estar presente no nosso actual primeiro ministro.

Não dizer a verdade é mau. Que seja o primeiro-ministro dirigindo-se ao parlamento ou ao país, é péssimo. Que não peça desculpa e se retrate, é ridículo.

Há várias maneiras de qualificar uma pessoa que falta sistematicamente à verdade: uma pessoa mal informada, uma pessoa equivocada, uma pessoa intelectualmente desonesta… …na minha terra, chamamos-lhe simplesmente mentiroso. Com António Costa enquanto primeiro-ministro, pode ser que o M na abreviatura de PM passe a ter outro significado.

O confisco institucionalizado

“A moda das contribuições extraordinárias não é nova nem vem deste Governo. Este Governo tem-se simplesmente limitado a manter a política.”

Destaque do meu artigo de hoje no ECO – Economia Online. Sobre a característica efectiva das contribuições extraordinárias sectoriais.

Pós-Graduação em Escola Austríaca de Economia 2018

Apresentação do Curso 2018

Trata-se de um curso de Pós-Graduação, com a duração de um semestre (120 horas), que versará sobre o pensamento económico, filosófico e político da Escola Austríaca de Economia, e os seus principais autores e representantes, onde se destacam Carl Menger, Eugene Bohm-Bawerk, Ludwig von Mises, Friedrich Augus von Hayek e Murray Rothbard.

O curso incidirá sobre aspetos de Economia, Direito e Filosofia Política, assim como versará temas relacionados com o liberalismo político e económico, o libertarianismo, fazendo o contraponto com as doutrinas e o pensamento marxista e keynesiano.

É um curso inspirado noutros que existem em Universidades europeias e americanas, entre elas a Universidade Rey Juan Carlos, em Madrid, a Universidade Francisco Marroquín, na Guatemala, a George Mason University, nos EUA e a Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

Horário:
Sextas-feiras, 18,30 – 21,30
Sábados, 9,00 – 13,00 (de 15 em 15 dias intervalando com as 5ª feiras)

Podem saber mais e candidatarem-se nesta página da Univ. Lusófona do Porto.

PGEAE

Conferência CGD 30/11/2017

Na próxima 5ª feira dia 30/11/2017 estarei na Culturgest para participar no Ciclo de Conferências Caixa. Farei parte do primeiro painel dedicado ao tema “A Banca e a Economia Portuguesa”. Os leitores d’O Insurgente serão muito bem vindos.

A ética republicana da geringonça e as casas ardidas que pagam IMI II

A esquerda não tem vergonha. As cinzas vão mesmo pagar IMI.

 

Leitura complementar: A ética republicana da geringonça e as casas ardidas que pagam IMI

Socialismo = Miséria

 

Problemas De Expressão

Andam para aí a circular umas imagens naturalmente falsas com algumas frases atribuídas a Pedro Nuno Santos, que como todos sabemos tem alguns problemas de expressão. Não tendo estas imagens falsas sido denunciadas pel’ Os Truques da Imprensa Portuguesa, cabe a’O Insurgente a responsabilidade de realizar este serviço público.

Deixamos aos leitores o desafio de perceber quais notícias e imagens são verdadeiras, e quais são falsas.

Irlanda e Portugal: descubra as diferenças

Ireland to repay €5.5bn in bailout loans after ESM approval

European authorities have given Ireland the green light to fast-track the repayment of €5.5 billion in outstanding loans from the International Monetary Fund (IMF), Denmark and Sweden.

Continue reading “Irlanda e Portugal: descubra as diferenças”

Excesso de zelo

Porque é que não há mais mulheres Liberais?

Aconselho também o vídeo do TFM referido logo no início, disponível aqui.

Parabéns às poucas Libertárias que frequentam este blog.
A estas deixo 2 perguntas: Já tentaram converter para o Liberalismo alguma congénere feminina? Como correu?

O Feminismo mata mulheres – como homens agora evitam fazer CPR a uma mulher

Women are less likely to receive CPR ‘because people are reluctant to touch their breasts’, study finds (outros: Verge, US News, Elle UK)

Women are less likely than men to receive CPR from a bystander and more likely to die, a new study suggests.

Researchers believe it might be down to a general reluctance to touch a woman’s chest and move clothing out of the way for better access.

Only 39 percent of women suffering cardiac arrest in a public place were given CPR versus 45 percent of men, and men were 23 percent more likely to survive, the study found.

It involved nearly 20,000 cases around the country and is the first to examine gender differences in receiving heart help from the public versus professional responders.

Se virem uma mulher a precisar de CPR na rua, corram… na outra direção. Afinal, hoje simplesmente dar um beijo já pode ser considerado “violação”. Não é só a Bela Adormecida que hoje não seria salva (more) , são mulheres reais. Parabéns feministas.

Coisas Que Não Se Inventam

Afinal, a transferência do Infarmed para o Porto tratava-se apenas de uma intenção, e não uma decisão. Quer me parecer que a estratégia de comunicação da Geringonça precisa de mais focus groups. Imagens retiradas daqui e daqui.

O vício corporativo e o próximo colapso

O cancro da democracia. Por João César das Neves.

A doença mortal da nossa democracia volta a manifestar-se. É a maleita que arruinou liberalismo e Primeira República, gerou as várias ditaduras que suportámos, causou a dívida que hoje nos oprime e a recessão de que ainda recuperamos. É ela que gerará o próximo colapso que, após as manifestações recentes, está cada vez mais próximo. O vírus é o corporativismo exacerbado, com grupos poderosos esquartejando o país a seu favor, exigindo condições acima das possibilidades, destruindo o desenvolvimento, justiça social e equilíbrio nacional.

Continue reading “O vício corporativo e o próximo colapso”

Requisito Para Pertencer À Geringonça: Desonestidade Intelectual

Menos de um ano separam as duas entrevistas abaixo de Pedro Nuno Santos – actual secretário de estado dos assuntos parlamentares. As imagens foram retiradas daqui e daqui.

Saber que se existissem eleições hoje, provavelmente a geringonça voltaria a formar governo, só dá vontade de saír do país.

Informação Complementar: 

A ética republicana da geringonça e as casas ardidas que pagam IMI

Costa a abraçar uma contribuinte passiva cuja casa ardeu num incêndio florestal e que acaba de chegar da repartição das finanças, onde pagou o IMI.  A contribuínte não tem casa mas cumpiu o dever patriótico e cívico. Não tem nada a ver com os figurantes, a Aximage e o focus group. 

 

Ontem choquei de frente com este tweet da Margarida B. Lopes.  E pensei: mesmo para a evidente falta de nível político, ético e moral da geringonça, é mau demais para ser verdade. Erro meu.
Pelo menos 110 pessoas morreram, vítimas de incêndios florestais. Milhares ficarem sem sustento, sem nada. E o que fazem o PS, o BE e o PCP a propósito de uma iniciativa do PSD de isentar de IMI (referente a este ano e ao próximo) as pessoas que perderam as casas (prédios urbanos, rústicos e industriais)? Chumbam a proposta dos sociais-democratas, obrigando estas vítimas a pagarem IMI sobre imóveis que foram destruídos pelos fogos.
Por uma questão de higiene, vale a pena seguir a discussão na página da Margarida B. Lopes.
E para os mais distraídos em geral e em particular, aos deputados nacional-socialistas de rosto humano, a autora do tweet relembra que existem várias propostas da geringonça para isenções de IMI no OE 2018 e aprovadas na Assembleia da República.
Em resumo: a geringonça não aprovou a medida proposta pelo PSD porque entendeu não o fazer. Em jeito de conclusão: a decisão da geringonça mesmo levando em linha de conta os baixos padrões da geringonça, é monstruosa.
Às criaturas do PS, Bloco de Esquerda e do Partido Comunista que de livre vontade o fizeram, desejo que seja insuportavelmente pesada a terra que levarão em cima.

“A adorar o ressabiamento de alguns”

Um país sem remédio, a opinião de Alberto Gonçalves no Observador.

(…) A julgar pelos gastos, porém, o forte do Infarmed são as viagens. No BASE, embora misteriosamente limitadas ao período 2008-2014, existem 521 viagens dos senhores do Infarmed, sempre rumo a encontros, congressos e reuniões essenciais ao futuro da humanidade. À luz da física, é compreensível a recusa da maioria dos funcionários em se mudarem para o Porto: eles vivem em permanente mudança para Bruxelas, Estrasburgo, Londres ou Paris. Apenas não se compreende o argumento da família, que os referidos nómadas contemporâneos invocam de modo a fugir à deslocação para norte. Dada a quantidade de voos, escalas, táxis e hotéis, há ali desgraçados que não vêem os filhos desde 2009.

Contas feitas, o episódio do Infarmed serve dois propósitos, ambos redundantes. O primeiro é mostrar os abismos de descaramento, demagogia e trafulhice a que o governo é capaz de descer. O segundo é lembrar que, apesar dos esforços do Infarmed, o país não tem remédio: ignoro se por manha ou criancice, toda a gente deseja acolher o Estado no quintal a título de dádiva, na presunção de que a proximidade ao entulho oficial constitui uma esperança e uma oportunidade. No máximo, conheço uns dezassete compatriotas que, caso pudessem, enviariam a administração pública em peso para a Papuásia, de resto a atitude própria de pessoas crescidas e saudáveis. (…)

Não têm vergonha? II

Pelos vistos, a pessoa que fez as perguntas à deputada Margarida Balseiro Lopes na imagem do post anterior (aqui abaixo), fê-las no papel de “advogado do diabo” para que as respostas fossem (muito bem) o que foram. Não me parece que, perante o recorte apenas, eu tenha feito uma interpretação abusiva das perguntas, até porque estou demasiado escaldado. Mas parece que sim, que a intenção de quem as fez não era a que eu entendi. E assim aqui ficam as minhas desculpas e não, não é um imbecil. Para já.

No iPhone do Ricardo…(32) Canto Tibetano, Mosteiro Maitri Vihar

Não têm vergonha?

 

(correcção em post mais acima)

É raro acontecer-me mas não creio que a língua do Camões e do Bocage me faculte vernáculo suficiente para isto.

Quando ontem vi um post da deputada Margarida Balseiro Lopes (PSD) em que esta dizia que os deputados do Partido do Pote de Sebo, da boneca Chuckie e do Avô Cantigas e respectivo apêndice tinham votado contra uma proposta de isentar de IMI em 2017 e 2018 as pessoas que perderam as casas nos incêndios deste ano da (des)Graça de 2017, não quis acreditar. Achei que era talvez um lapso, ou parte da politiquice. Já me habituei a ser céptico quanto ao que dizem os políticos e ardinas, excepção feita a dois ou três que conheço. Fui saber e é mesmo verdade.

Os que votam e apoiam a solução que nos pastoreia não têm vergonha? São capazes de olhar um espelho sem uma vontade irreprimível de suicídio? Conseguem dormir? Passam os dias nessa insuportável posição de superioridade moral, na suposta defesa dos mais frágeis e desfavorecidos, a apregoar um suposto humanismo e suposta preocupação com os que menos podem e são capazes de aprovar uma barbaridade destas? O que isto vem mais uma vez demonstrar (como se fosse preciso) é que nesse mundinho adolescente da eterna luta do Bem contra o Mal, são V Exas as bestas. Isto é maldade pura. Continue reading “Não têm vergonha?”

“Like all great Stasi institutions”

Beware the modern-day heretic hunters

Like all great Stasi institutions, the university will not explain the exact crime. Nor reveal exactly what the accused is accused of. Nor reveal who the complainant is. Shepherd is not allowed to be told whether one student has complained. Or many. Or all. But she is informed that showing a viewpoint that is contrary to the currently prevailing dogma is akin to an act of violence. This, in turn, is against the Ontario Human Rights Code. All the current torture-terms are there. Things are ‘problematic’. Shepherd is guilty of ‘targeting’. Her actions are ‘discriminatory’ and make people feel ‘unsafe’. One of the apparatchiks even uses the term ‘positionality’ where the word ‘position’ would be perfectly adequate. Presumably because in his particular bubble there is no point in using the correct word when an elongated (and incorrect) one could give off an air of greater authority, the better to intimidate underlings with.

Assim vai a relação do Presidente com o Governo…

Marcelo soube da transferência do Infarmed no dia do anúncio

A comissão de trabalhadores da Autoridade do Medicamentos (Infarmed) enviou um pedido de audiência urgente ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e alguns elementos vão ser recebidos pela Casa Civil do Presidente da República na segunda-feira à tarde.

Na carta de resposta ao pedido da comissão de trabalhadores, o chefe da Casa Civil refere que “o Chefe de Estado tomou igualmente conhecimento da decisão [da transferência da sede do Infarmed] com o anúncio público da mesma”.

Leitura complementar: Governo/2 anos: Tempos mais difíceis para Costa com pressão da geringonça e de Belém.

Carlos Guimarães Pinto no Blasfémias

A estreia do Carlos Guimarães Pinto no Blasfémias, que assim concretizou uma contratação verdadeiramente galáctica: O segundo país mais pobre da União Europeia.

Encenação E Propaganda Da Geringonça Paga Com O Dinheiro Dos Contribuintes

Ainda a propósito desta notícia, fiquem os contribuintes a saber que a encenação e a propaganda do governo da Geringonça é paga com o dinheiro dos vossos impostos. Imagens retiradas daqui e daqui.