Sobre João Cortez

Libertário no Espírito e Tradição da Escola Austríaca

António Ou António?

Prestando serviço público, O Insurgente apresenta aqui um cheat sheet para os militantes e simpatizantes do PS que se encontrem indecisos nas eleições primárias entre o António Costa e o António José Seguro.

AntonioEAntonio

Continuar a ler

Hollandolandia

No livro “Thanks for the Moment da ex-primeira dama Valerie Trierweiller, esta revela que afinal François Hollande detesta os pobres

He likes to come across as a man who doesn’t like the rich,” she writes, according to excerpts published today by the daily Le Monde. “In reality, the president doesn’t like the poor. This the man of the Left, calls them in private ‘the toothless,’ very proud of his brand of humor.”

Scotland Independence Referendum

Longe vão os tempos de William Wallace… Faltando menos de vinte dias para o referendo na Escócia sobre a sua independência que será realizdo no dia 18 de Setembro, o SIM parece ir ganhando algum momentum depois dos debates entre Alex Salmond (SIM) e Alistair Darling (NÃO). O NÃO ainda vai mantendo a liderança, mas eu mantenho a esperança na vitória do SIM.

ScotlandReferendumLeitura complementarSpain and Belgium ‘would veto an independent Scotland’s EU membership’.

Estratégia António vs. Estratégia António

Independente do resultado das primárias do PS, creio que a nação ficará bem servida dada a excelente qualidade das propostas inovadoras e fracturantes apresentadas tanto por António Costa como por António José Seguro.

AntonioEAntonio

PS (pun intended): quem é simpatizante do PS e ainda não se inscreveu para as eleições primárias pode fazê-lo aqui, depois de passar este teste de despistagem.

À Atenção Do Jorge Barreto Xavier

Já que a nova lei da cópia privada pretende aumentar as receitas dos autores/artistas por via do aumento do preço aos consumidores acompanhar o progress tecnológico, apenas gostaria de chamar a atenção do Jorge Barreto Xavier – do governo mais liberal de sempre em Portugal – para não se esquecer de taxar o armazenamento na cloud. Espero que ainda vá a tempo!

CloudStorage

O Socialismo Dura Até Se Acabar O Dinheiro Dos Outros…

Dívida pública continua a subir e atinge 134% do PIB no primeiro semestre. “A dívida pública contabilizada na óptica de Maastricht, isto é a utilizada como referência nas instituições europeias, atingiu os 134% do produto interno bruto (PIB), ou 223,3 mil milhões de euros no primeiro semestre, revelam dados do Banco de Portugal.Este valor representa um aumento de 1,2 pontos percentuais face à dívida de 132,8% do PIB registada no primeiro trimestre, então nos 220,7 mil milhões de euros. Este ano a dívida pública aumentou 9,6 mil milhões de euros.

Dívida pública total já é de 165,1% do PIB: Uma outra medida do endividamento público também divulgada pelo banco central considera todas as entidades públicas não financeiras, mesmo aquelas que não são admitidas no perímetro contabilístico das regras europeias. Estão lá, por exemplo, algumas empresas públicas e créditos comerciais assumidos por entidades públicas. Neste caso o endividamento do sector público não financeiro é de 275 mil milhões de euros, calcula o Banco de Portugal.

Um Estado De Negação

Quem seguir em Portugal a comunicação social com a participação de diversos comentadores, partidos políticos, sindicatos, tribunal constitucional, etc. ficará com a impressão de que:

  1. O país não esteve a um passo da bancarrota em 2011 (com Teixeira dos Santos a afirmar que só existia financiamento até Maio desse ano).
  2. O país não efectuou um pedido de ajuda internacional e não foi sujeito a um plano de ajustamento assinado com a troika pelo PS, PSD e CDS.
  3. O país não tem uma dívida pública perto dos 130% (a este propósito, ler este post).
  4. O pais não teve um crescimento do PIB anémico na década que precedeu a intervenção da troika, não obstante o enorme aumento da despesa pública.
  5. Portugal, como membro da zona Euro, não esteja sujeito ao tratado orçamental que obriga o país a atingir um défice estrutural máximo de 0,5% do PIB (sem recurso a receitas extraordinárias) e a reduzir a parcela da dívida pública acima de 60% do PIB numa taxa média de um vigésimo por ano numa média de três anos.
  6. Não existe um problema de sustentabilidade da Segurança Social, sobretudo devido a alterações da composição demográfica.
  7. Existem várias e diversas gorduras do Estado – sem considerar salários dos funcionários públicos e prestações sociais, onde seria fácil cortar na despesa, não existindo apenas vontade política.

Para contrapor esta realidade alternativa, ficam aqui três gráficos – os primeiros dois construídos com dados do Pordata, e o terceiro retirado daqui.

PIB_DívidaPública

EvoluçaoGruposEtarios

GordurasDoEstado

O Dono Disto Tudo

Neste país falido, em que o princípio da igualdade e o princípio da confiança servem para justficar tudo e o seu contrário, apenas o aumento da receita (via aumento de impostos) e o aumento de despesa parecem ser constitucionais.

Joaquim

Título e imagem roubados ao Carlos Guimarães Pinto.

Uma Agenda Para Uma Década

Creio que o colapso da União Soviética se ficou a dever a um horizonte de planeamento central demasiado curto – apenas de cinco anos. Felizmente, este país à beira-mar plantado, brindou-nos com o António Costa, um homem com visão para propor um plano para uma década, e que vai tornar o país “mais próspero, mais eficiente, mais inovador, mais sustentável, mais coeso e solidário, mais culto, mais influente na União Europeia e no Mundo“; e ao que eu acrescentaria, com mais regressos da Troika.

E qual é a solução mágica, milagrosa e inovadora apresentada pelo António Costa? – deve-se interrogar o caro leitor. A solução passa por quatro pilares muito específicos, concretos e nunca antes experimentados:

  1. A valorização dos nossos recursos, as pessoas, o território, as nossas comunidades, a língua, e as relações privilegiadas com todos os que a falam.
  2. A modernização das empresas e do estado.
  3. O investimento no futuro, na cultura, na ciência e na educação.
  4. O reforço da coesão social

Boa sorte lá com isso, António!

AgendaDecada

“A Vulgata da Direita Liberal e dos Falcões da Austeridade”

O António Costa bem que pode ir preparando cartazes para agradecer ao próximo prémio Nobel da Economia. António José Seguro descobriu – ao contrário “da vulgata da direita liberal e dos falcões da austeridade“, que o problema fundamental do país é o fraco crescimento económico.

Leitura complementar: Desacato no RatoPrimárias PS: moção política de (in)Seguro

A Sério, Costa?

António Costa falou ontem sobre “três questões políticas” de curto prazo. A saber:

  1. ASerioCostaLutar por uma nova leitura do tratado orçamental que se ajuste às metas do ciclo económico de modo a “cumprir as necessidades da dívida mas também de investimento” – resumidamente, mais défice, mais dívida e condescendência da União Europeia.
  2. Pedir uma maioria absoluta, excluir o entendimento com os actuais PSD e CDS e abrir a porta a um entendimento com os partidos mais à esquerda – medo.
  3. Implementar “um plano de recuperação económica e social” que consiste em “travar a austeridade para dar confiança”, dar “estabilidade das pensões já formadas” e recorrer ao BCE, ao BEI e ao próximo Quadro Comunitário de Apoio para “capitalizar as empresas” – também mais défice e mais dívida ao mesmo tempo que se espera que a Europa continue a transferir indefinidamente fundos para cá.

A sério, Costa? É este o melhor calibre que o nosso sistema político consegue produzir?

Mais Do Que As Palavras, Venham Os Actos

AlbuquerqueSegundo Maria Luís Albuquerque, a despesa pública representou cerca de 49% do produto interno bruto (PIB) em 2013. Para a ministra, “este valor traduz um peso excessivo do Estado na economia”. Excessivo, sustentou, “porque não permite libertar recursos para o investimento privado, excessivo porque em 2011 conduziu a uma situação de bancarrota iminente e em 2014 [esse peso] é suportado por uma carga fiscal reconhecidamente elevada – uma carga fiscal ainda necessária para equilibrar as contas públicas, mas que não incentiva adequadamente o trabalho e o investimento privado”. Foi neste contexto que a ministra considerou a redução da despesa um “imperativo” que possa abrir caminho à descida da carga fiscal.

Subscrevo por inteiro o diagnóstico e o tratamento. Mas muito mais importante do que as palavras, são os actos.

Liberdade, Igualidade e Solidariedade

Estão abertas as inscrições para os simpatizantes do PS participarem nas eleições internas do partido para escolherem o candidato a primeiro-ministro.

PrimariasPS

Além do grande dilema existencial que envolve a escolha entre Seguro e Costa que certamente fará os simpatizantes passarem muitas noites em claro, estes simpatizantes devem ainda concordar integralmente com a declaração de princípios do partido. Na linha de grandes filósofos e poetas, esta declaração rege-se pelos valores da liberdade, igualdade e solidariedade… se bem que quem os redigiu deveria explicar melhor o que significa igualdade (perante a lei? igualdade de oportunidades? igualdade de resultados?, outro?) e também deveria saber que solidariedade coerciva não é solidariedade; e que a coercão é incompatível com a liberdade.

“Impostos Verdes” São Impostos

As principais propostas da reforma fiscal verde incluem:

  • Aumento do preço do litro da gasolina e gasóleo entre 1,4 e 8 cêntimos.
  • Aumento do Imposto Sobre Veículos (ISV)
  • Três euros (taxa fixa) por bilhete de avião e pacotes de viagens
  • Dez cêntimos por saco de plástico

Desacato No Rato: Seguro vs. Costa

Escreve José Diogo Quintela no Público online (destaques meus):

O consenso sobre Seguro diz que ele é, e uso aqui o termo técnico de engenharia, uma parede. Que não tem uma única ideia e que está basicamente (‘basicamente’ nos dois sentidos: de ‘essencialmente’ e de ‘como um básico’) à espera que chegue a sua vez de ser primeiro-ministro. (…)

Mas não é verdade. Seguro até tem ideias. Tem uma ideia, vá. Mas chega-lhe. A ideia é que se a recessão económica é negativa, então vamos pelo crescimento económico, que é positivo. Pronto, este problema está resolvido, podemos ir almoçar.

Eis a Doutrina Tozé Seguro. (…) É uma ideia simples, mas tão poderosa que substitui um programa político. E mesmo um programa de vida, já que tem aplicação universal:

Viver mal é maçador, viver bem é agradável.

Desemprego é negativo, positivo é o emprego.

Tristeza é má, alegria é que é boa.

Estamos a perder? Então vamos ganhar!

Ter borbulhas é feio, opte-se antes por ter pele lisa.

Chove e isso molha. Faça-se sol.

Tenho 1,67, mas vou passar a ter 1,85.

Levar com um pau nas costas aleija. É preferível não levar para não doer.

Ser pobre é pior do que ser rico.

Dificuldades devem ser substituídas por facilidades.

Entre um pneu careca e um novo, escolha o segundo.

Parecem verdades óbvias. E são. Estes truísmos podiam ser da autoria de António José Seguro. Ou de uma criança de sete anos. É justamente esse o ponto forte de Seguro: quem é que não gosta de crianças? E o povo português começa a tratar Seguro como uma criança, não ligando ao que ele diz.

Agora, substitua António José Seguro por António Costa. É isto que o PS tem para oferecer: a escolha entre dois alquimistas que prometem criar riqueza a partir do ar.

Esta semana soube-se que a cultura está com António Costa. Mas os seus apoios são mais vastos. Tenho a certeza de que a agropecuária também apoia Costa. Um homem que olha para vacas magras e sentencia, com convicção, que afinal se trata de vacas gordas, só pode ser o candidato predilecto dos criadores de gado. Engordar uma manada por decreto, eis a marca de um líder socialista. Mal posso esperar por Setembro para saber quem vai conduzir o país à próxima época de prosperidade.

É Jorge Coelho quem vai supervisionar o processo de escolha. Estou entusiasmadíssimo. Afinal, foi Jorge Coelho que proclamou: “Quem se mete com o PS leva!” Ora, sucede que, neste momento, António Costa se está a meter com uma parte do PS. Por outro lado, António José Seguro está a meter-se com a outra parte do PS. Logo, segundo Jorge Coelho, ambos devem levar. É por isso que a melhor maneira de resolver isto é à porrada. Cabe a Jorge Coelho organizar um combate de boxe entre Seguro e Costa. A Maria de Belém põe um biquíni e anuncia os assaltos. Antes do combate principal, haverá uma luta de pesos-mosca para aquecer o público: a fratricida bulha entre Galambas.

Falta só um título para promover a refrega. Tipo Thrilla in Manila ou Rumble in the Jungle. Eu sugiro Desacato no Rato.”

A Government That Robs Peter to Pay Paul Can Always Depend On The Support Of Paul

António Costa promete Ministério da Cultura.

António Costa com apoio de mais de 600 personalidades ligadas à cultura.

Obama: O Pior Presidente Desde A Segunda Grande Guerra?

Poll after poll has charted President Obama’s dipping approval rating in recent months, but Wednesday brought perhaps the cruelest cut to date: A new Quinnipiac University survey found that voters rate Mr. Obama as the country’s worst president since World War II.” (fonte)

ReaganObama

ObamaApproval

Depois de Londres, Lisboa (Here We Go Again)

O presidente da ANTRAL defendeu hoje que o serviço de mobilidade da Uber que permite encontrar um motorista privado em qualquer lugar, «é ilegal» e, por isso, «não pode ser feito» em Lisboa”. (fonte).

Já em Londres, os taxistas organizaram protestos contra o uso desta aplicação, cuja cobertura mediática, ironicamente, levou a um aumento de 850% de novos registos de utilizadores.

Leitura complementar: Petição dos Fabricantes de Velas de Frédéric Bastiat

uber

O Tribunal Da Interpretação Do Tribunal Constitucional

Dada a recusa do pedido de aclaração por parte do Tribunal Constitucional creio que enquanto não existir um Tribunal da Interpretação do Tribunal Constitucional que o governo poderá interpretar o acordão do Tribunal Constitucional como bem entender.

Com O PS Nunca Haverá Superavit

“Rio não foi tão bom gestor quanto isso”, critica PS. Isto porque, “o PS considera que o resultado positivo obtido pela Câmara Municipal do Porto em 2013, 23,6 milhões de euros, mostra que “Rui Rio não foi tão bom gestor como isso, porque podia ter feito mais pela cidade e não fez“. Isto dito por um partido para quem a consolidação das contas públicas é ter conseguido um défice de 3,7%.

Ou seja, havendo dinheiro é sempre para gastar – não interessa em quê. Não havendo dinheiro, deve-se gastar também – sempre se faz mais pela cidade e pelo país.

Venezuela, O Paraíso Socialista Onde Há Falta De Àgua

venezuelaDepois do papel higiénico, agora é a àgua que escasseia na Venezuela (apesar de ser um país abundante em àgua). Isto porque entre pagar aos credores internacionais ou importar àgua engarrafada, a Venezuela decidiu pagar aos crededores internacionais – esses grandes especuladores capitalistas!

A Alternativa Do Costa

Aqui está a solução de António Costa para o país (destaques meus) – como é que nunca ninguém se lembrou disto antes?:

Costa“É preciso romper com a visão de curto prazo, com o ciclo vicioso e precário em que o Governo se bloqueou e bloqueou o país, subindo impostos para aumentar a receita ou cortando salários e pensões para baixar a despesa. Portugal precisa de uma nova agenda mobilizadora”, decretou.

“Os objectivos políticos, sociais e económicos devem ser acompanhados por uma preocupação permanente da sua sustentabilidade. Não podemos estar sempre a desfazer o que conseguimos fazer de bom, nem podemos viver permanentemente na ameaça da instabilidade, da precariedade, do retrocesso da regressão. Temos de dar consistência, durabilidade e estabilidade ao que fizermos”, disse.

E depois assumiu que é preciso garantira sustentabilidade demográfica, a sustentabilidade energética e ambiental, a sustentabilidade financeira, a sustentabilidade económica, a sustentabilidade do modelo social e a sustentabilidade do Estado”.

Para o conseguir – disse – “precisamos de reunir vontades, construir compromissos, mobilizar energias. Precisamos de uma maioria sólida, forte, ampla, dinâmica e polarizadora, capaz de assegurar sustentabilidade e uma nova agenda para Portugal”.