Cuba e os Estados Unidos

Agora que os Estados Unidos reataram as suas relações diplomáticas com a ditadura cubana, vale a pena ler o excelente artigo que o grande ensaísta americano John Jeremiah Sullivan publicou em 2012, sobre uma viagem à ilha com a sua mulher, para lá visitar a família dela:

The cook at the omelet station, when he asked where I was from and I told him, put up his fists like a boxer, as if we were about to have it out, then started laughing. He told me that he had family in the United States, in Florida. That’s what everyone says. You can’t understand the transnationally dysfunctional, mutually implicated relationship between Cuba and Miami, that defies all embargoes and policies of “definitive abandonment,” until you realize that the line often cuts through families, almost always, in fact. People make all sorts of inner adjustments. I told the man I hated the embargo (the blockade, as they call it) and thought it was stupid, which was both true and what he wanted to hear. He gave me a manly clap-grasp. I didn’t go on and say, of course, that I disliked the embargo most because it, more than anything, has kept the Castros in power for half a century, given them a ready-made Goliath for their David. Thanks to the embargo, when the Castros rail against us as an imperialist enemy, they aren’t really lying. We have in effect declared ourselves the enemy of the Cuban people and done it under the banner of their freedom, hitting Cuba in a way that, after all, makes only the people suffer, and far from punishing those in power, rewards them and buttresses their story. As for the argument that to deal with tyrants would render our foreign policy incoherent, we deal with worse every day — we’ve armed worse — and in countries that don’t have a deeply intimate history with ours, going back centuries. All this because a relatively small but highly mobilized exile community holds sway in a state that has the power to elect presidents. There was no way to gauge how much of this the man would agree with. We left it at mutually thinking the embargo sucked.

(…)On the way back to the hotel, Manuel asked what I did. When I told him I was a reporter, he said: “You’d hate it here. There is no freedom of expression here.”

He launched into a tirade against the regime. “It is basically a prison,” he said. “Everyone is afraid.”

The things he said, which I had heard many times before — that you can go to prison for nothing, that there’s no opportunity, that people are terrified to speak out — are the reason I can never quite get with my leftie-most friends on Cuba, when they want to make excuses for the regime. It’s simply a fact that nearly every Cuban I’ve ever come to know beyond a passing acquaintance, everyone not involved with the party, will turn to you at some point and say something along the lines of, “It is a prison here.” I just heard it from one of the men who worked for Erik, back in the hometown. I remarked to him that storefronts on the streets looked a little bit better, more freshly painted. It was a shallow, small-talky observation.

“No,” he said, turning his head and exhaling smoke.

“You mean things haven’t improved?” I said.

“There is no future,” he said. “We are lost.”

(…)There was a time Mariana took me to Cuba, and we went to a town called Remedios, in the central part of the island. (…)At a certain moment, a woman appeared in the passageway that led from the front room into the main part of the house, a woman with rolls of fat on her limbs, like a baby, and skin covered in moles. She walked on crutches with braces on her knees. She had a beautiful natural Afro with a scarf tied around it. She was simply a visually magnificent human being. She told us the prices of her works, and we bought a little chicken carving. She said almost nothing otherwise — she had difficulty speaking — but when we stood up to leave, she lifted a hand and spoke, or rather delivered, this sentence. It was evidently the message among all others that she deemed most essential for U.S. visitors. “I know that at present there are great differences between our peoples,” she said, “but in the future all will be well, because we are all the sons and daughters of Abraham Lincoln.”

About these ads

Uma triste campanha

(Artigo publicado no Diário Económico de hoje)

Há dias, o Governo anunciou que não voltará a prolongar a redução de 50% do pagamento do trabalho em feriados e horas extra. A organização corporativa que defende os interesses dos donos de algumas empresas e a organização corporativa ligada ao PCP que zela pelos interesses dos trabalhadores nela inscritos dividiram-se quanto aos méritos da decisão. Mas méritos ou deméritos desta ou outra medida serão algo que ficará ausente do debate partidário, pois nenhuma será discutida pelas agremiações concorrentes em função de outra coisa que não a sua coreografia para a longa e triste campanha eleitoral que nos atormentará.

Já se percebeu que os meses que nos separam das eleições legislativas serão tudo menos edificantes. Falando de “caravelas”, “mexilhão” ou “donos disto”, Governo e oposição degladiam-se ferozmente, esforçando-se por se suplantarem no que à falta de seriedade diz respeito. E a tendência é para a coisa piorar: PSD e CDS precisam de dar uns rebuçados a um eleitorado cansado de austeridade e simultaneamente convencê-lo de que o “despesismo” do “punho erguido” será uma desgraça. O PS argumentará que “uma desgraça” foi o estado em que o Governo deixou Portugal, procurando que esse refrão não convença os eleitores de que a situação do país impedirá o PS de melhorar as suas vidas. Por outras palavras, PSD e CDS terão de mostrar que governaram bem, mas não “demasiado bem” ao ponto de tudo estar resolvido e ser seguro devolver S. Bento ao PS, e o PS precisa de mostrar que a crise continua, mas é possível voltar a viver como se ela nunca tivesse ocorrido. Ninguém de bom senso acreditará em qualquer um deles, claro, e o resultado será o “parlamento pendurado” que por aí se antecipa. Quanto aos problemas que realmente afectam os portugueses, nada será dito ou feito. Nada, também, que nos deva surpreender.

“Esquerda” e “Direita” não querem dizer nada

Há uns meses, a Universidade de Verão do PSD resolveu chamar esses dois grandes intelectuais (particularmente versados no tema “como ter uma lista de contactos extensa e prestável”) que são Miguel Poiares Maduro e Rui Tavares para discutirem a “actualidade” da distinção entre “a Esquerda” e “a Direita”: Maduro, num argumento típico de um oportunista, dizia que as diferenças entre uma e outra se tinham esbatido. Rui Tavares, como seria de esperar de alguém habituado a fechar os olhos e o pensamento a tudo o que seja complicação, achava que a distinção fazia todo o sentido. Nenhum deles dizia aquilo que qualquer pessoa com dois dedos na testa percebe: o problema do uso dos termos “esquerda” e “direita” não está em não existirem diferenças, está em esses termos não serem capazes de as traduzir. Felizmente, há quem consiga ver o que Tavares e Maduro não conseguem, como James Kirkup num interessante artigo no Daily Telegraph sobre a imigração e o “Transatlantic Trade and Investment Partnership”:

“The London Mayor’s latest foray into the politics of immigration are just the latest evidence of something that’s increasingly clear about British politics: the terms “Right” and “Left” are becoming meaningless. After all, if those labels were useful, they’d tell us how people who carry them would think about particular subjects. Left-wingers, for instance, would be hostile to free markets and big business, while Right-wingers would embrace them. It’s a nice, clean theory, but the reality is much messier. (…)

Boris is hardly alone in his argument that the free movement of people across borders enriches us. While Ukip, the Conservative leadership and at least some of the Labour Party talk up their willingness to restrict immigration, a curious band of political actors is putting the contrary view.

Among the most enthusiastic supporters of a more liberal approach to immigration are the Institute of Directors and the Adam Smith Institute, generally perceived as bastions of the free-market Right. Vince Cable, regarded by some of his (mistaken) critics as an old-school socialist, is on the pro-immigration list too. So is being liberal on immigration a Right-wing thing, or a Left-wing one? Or could it just be that the terms don’t really mean very much any more? There’s another test of the old way of understanding politics currently underway, a fascinating experiment being conducted in the wonderfully boring world of international trade policy.

The Transatlantic Trade and Investment Partnership (TTIP) is a trade deal that might – but probably won’t — be signed by the end of this year. Depending on who you talk to, it will either make us all a little bit richer and the world a tiny bit safer, or it will enslave us and our democratic governments beneath the yoke of multinational dominance. For some, the sort of people who support TTIP, our best interests lie in opening up our markets, our society and yes, perhaps even our public services, to the world. Who cares where your shoes or sandwiches come from, as long as they’re as cheap and as good as can be? Does it really matter if the nurse who gives you your flu jab carries a foreign passport or a British one? And if that same nurse is employed directly for NHS or for a company that is largely owned by US private equity investors and which has signed a legal contract to treat NHS patients in exchange for public sector? Isn’t the quality of the care you receive the only measure that counts here, distantly followed by the cost? This aspect of the TTIP row is really just part of a wider debate about the nature of public services — how open should they be to non-State organisations?

Ukip and the Labour Party have raised significant objections to TTIP, especially around corporate interests in the health sector. Among its defenders are most Conservatives, lots of Liberal Democrats (especially Mr Cable) and, most passionately of the lot, that man Boris again. Mr Johnson has gently described TTIP objectors as numbskulls, and argued persuasively that Churchill would have backed it, if only to tie Europe and the US together in an age when the US is looking more towards the Pacific than the Atlantic. Perhaps appropriately for the mayor of a truly global city, Mr Johnson is arguably the leading voice for open politics in Britain today.

So keep watching TTIP. Dry and dusty it may be, but the way our politicians deal with it will tell you much more about them than any label putting them on some meaningless left-right spectrum.

Forget Left and Right. The real political division of the 21st Century is the same as it was in the 19th. Should we be open or closed?”

“Sampaio da Nóvoa vai pensar o país durante 2015″

Sampaio da Nóvoa vai pensar o país durante 2015, diz o Observador. O país, por sua vez, não vai pensar nem um minuto que seja no dr. Sampaio da Nóvoa (ou “da Névoa”, como dizia uma jornalista da SIC Notícias no Congresso do PS), seja em 2015 seja em 2016.

The Dirk Diggler Story

O novo filme de Paul Thomas Anderson, Inherent Vice, está prestes a estrear nos EUA (não faço ideia de quando chegará ao nosso país). O site americano Grantland (cuja leitura e acompanhamento fiel não posso recomendar o suficiente) dedica a semana à carreira de Anderson, e hoje publica uma “história oral” sobre o filme Boogie Nights (o “pun”, julgo, é mais que “intended”). A meio do artigo, está um link para um vídeo de pouco mais de 30 minutos no Youtube, em toda a glória do VHS, intitulado “The Dirk Diggler Story”: um filme amador, realizado por Anderson em 1988´(aos 17 anos), que é uma primeira versão do que anos mais tarde viria a ser Boogie Nights.

Assembleia Geral

No Assembleia Geral da ETV da passada sexta-feira, falei sobre “a falta de consenso político no IRS”, e a forma como o “posicionamento” dos partidos em relação a esta questão mostra como estão mais preocupados em agradar aos eleitores do que em melhorar as suas condições de vida.

http://rd3.videos.sapo.pt/playhtml?file=http://rd3.videos.sapo.pt/ac9nhezBlL3DEHn2FOPk/mov/1

O mexilhão, o polvo e o caviar (2)

A propósito da já celebre declaração do Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho acerca de como “o mexilhão” não foi tão sacrificado com a crise, e que os que têm mais pagaram “muito mais”, o Carlos citou aqui uns dados da OCDE, demonstrando como a desigualdade diminuiu em Portugal nestes últimos anos, e concluiu que “que esta realidade aborrece muitos que dizem querer defender o mexilhão, quando o que querem proteger é o polvo. Ou, na melhor das hipóteses, o seu próprio direito ao caviar”. Não contesto a validade dos dados da OCDE (quanto mais não seja porque não tenho competência para o fazer), nem critico o Carlos por criticar quem quer “proteger o polvo” sob o manto da defesa “do mexilhão” ou do seu “direito ao caviar”. Mas há um aspecto que tanto o post do Carlos como (e isso é muito mais grave) a afirmação de Passos ignoram: que podendo ser verdade que em termos absolutos “quem tem mais pagou mais”, a crise e muitas das medidas deste Governo e do anterior causaram um impacto muito mais grave nos que têm menos. A forma como “o polvo” que nem eu nem o Carlos queremos defender agiu fez com que parte do “mexilhão” tenha sofrido mais do que os que comem “caviar”, por muito mais que estes tenham pago. Quem perdeu o emprego porque, por exemplo, o restaurante onde trabalhava fechou por ter perdido condições para continuar a funcionar, não por uma “destruição criativa” do mercado mas por um “(un)intelligent design” do Criador de Impostos através da subida do IVA sofreu um impacto maior e porventura mais duradouro nas suas vidas; as pessoas cujo pequeno estabelecimento comercial teve de fechar (só na pequena terra onde vivo ocorrem-me logo dois, e é possível que tenham sido mais)devido aos custos impostos pela obrigatoriedade de adoptar as máquinas de registo das facturas (e suas vergonhosamente constantes actualizações, porque o fisco precisa de actualizar regularmente a entrada de novo dinheiro nos seus cofres) viram a sua vida ser bem mais dificultada; as pessoas que todos os dias são atormentadas pelos abusos da Autoridade Tributária, que lhes exige em tom ameaçador pagamentos de impostos e multas que elas não devem, só porque há uma enorme necessidade de alimentar “o polvo” para diminuir o défice sem cortar nos seus tentáculos vêem a sua vida cada vez mais complicada; isto para não falar de toda a classe média que vê a sua carga fiscal aumentar cada vez mais enquanto o “polvo” não deixa de distribuir benesses fiscais com o propósito de “atrair investimento” que pelos vistos não seria viável sem que lhe fosse “inventado” uma espécie de “Portugal fictício” com condições que não se aplicam ao resto da sociedade. O Carlos pode ter razão ao apontar uma certa falta de rigor aos críticos da afirmação de Passos Coelho. Mas essa mesma declaração pecava por uma grande falta de noção da realidade da vida de muitos dos portugueses que fazem parte do tal “mexilhão”. Compreendo que o Primeiro-Ministro já esteja a pensar nas eleições, mas viver num bunker não costuma dar bom resultado, nem para a vida de quem vota nem para a de quem anda à caça dos votos.

Poder ao povo

(artigo publicado no Diário Económico de hoje)

“Every year is the same”, dizia uma canção dos The Who, quase como se fossem observadores atentos do debate sobre Educação em Portugal: todos os anos, mal saem os “rankings” das escolas, logo uma multidão se entrega à discussão acerca de se a “Escola Pública” (sempre com maiúsculas) é ou não inferior ao ensino privado. É um pouco como debater o sexo dos anjos, já que estas coisas não existem: não há uma “Escola Pública” mas muitas escolas públicas diferentes, umas melhores e outras piores que algumas escolas privadas, nem um “ensino privado”, mas muitas escolas privadas, umas melhores e outras piores que algumas escolas estatais. O problema do ensino público não está em quem é o “dono” das suas escolas, mas em não ser dado aos portugueses poder para premiar as boas e penalizar as más.

Hoje, é o Estado que distribui os recursos pelas várias escolas a seu cargo. Estas, em vez de responderem às necessidades dos seus “clientes” (os pais dos alunos), respondem às do seu “patrão” (o Ministério). E a desigualdade social que a mítica “Escola Pública” pretende anular é perpetuada: os pais mais ricos podem colocar os filhos nas melhores escolas privadas ou em “explicações” que colmatem as insuficiências do seu ensino, enquanto os mais pobres são forçados a manter os rebentos na escola problemática em que andam, sem que, em casa, tenham meios para complementar o ensino deficiente que recebem. As más escolas não são penalizadas, os bons professores não são premiados, e os alunos com problemas ficam sem forma de os ultrapassar.

A solução passa, como a “esquerda” gostava de dizer mas não de fazer, e a “direita” nunca foi capaz de perceber, por dar “poder ao povo”: se o Estado deixasse de financiar directamente as suas escolas (que, como as privadas, teriam de cobrar uma propina), e em alternativa desse a todo e cada pai sem rendimentos suficientes os meios para os seus filhos acederem à escola que preferissem (privada ou detida pelo Estado), nenhuma escola que não fosse reconhecida como boa por um número suficiente de pais poderia continuar a operar, e os mais pobres teriam forma de sair da armadilha em que nascem. Talvez no ano seguinte a conversa fosse outra.

O Zelig da política portuguesa continua a fazer das suas

António Costa, Wikipédia.

António Costa, Wikipédia.

Tiago Barbosa Ribeiro, um militante do PS que o recentemente ostracizado Francisco Assis descreveu como “um jovem dirigente socialista portuense destinado a exercer a muito curto prazo altíssimas responsabilidades no plano local”, manifestou hoje o seu regozijo com “o rumo traçado” por António Costa para o PS. Segundo Barbosa Ribeiro, “as suas escolhas, em especial as do Secretariado Nacional, garantem que não nos desviaremos um milímetro” do tal rumo. Tenho notado o grande entusiasmo de todos aqueles que sonham com um PS frentista, ansioso por se coligar com tudo o que seja partido de política demagógica e anti-moeda única apesar de tal coligação ser incompatível com o programa e o “ADN” do PS. Tenho, no entanto, de avisar essas pessoas de que se arriscam a ter uma grande desilusão. E nem vale a pena citar Hollande, basta ver o que disse o próprio António Costa no mesmo discurso que tanto os excitou. Ao contrário do que a sempre preguiçosa comunicação social portuguesa relatou, Costa não disse exactamente que não faria nenhuma coligação com “a direita”. O que disse foi que não faria coligações com quem “defenda esta política” (a que tem sido seguida pelo Governo), uma formulação suficientemente vaga para que, caso o PSD ou CDS aceitem, daqui a uns meses, apoiar políticas diferentes (mesmo que só superficialmente) ele possa dizer que, precisamente, “sempre disse que o problema não é de nomes”. Como sempre, o Zelig da política portuguesa diz e faz aquilo que permite – e com o oportunista intuito de permitir – que cada um veja nele aquilo que quer ver. Quem queira ver nele o “socialismo do punho erguido” é presenteado com umas quantas frases que sugerem que será feita a sua vontade. Quem vê nele um sucessor do socratismo olha para o Secretariado e vê uma série de caras anteriormente vistas a fechar os olhos a tudo o que veio associado à carreira do mais recente habitante de Évora. E quem espere um António Costa “responsável” e que governe “ao centro” pode sempre escudar-se na margem de manobra que o homem criou para si com as suas cuidadosas formulações verbais. Numa altura em que o país precisa de políticos que digam claramente o que entendem ser preciso fazer, Costa prefere actuar como uma espécie de camaleão político, que adopta a forma de quem quer que esteja a olhar para ele. Nada que espante, tendo em conta o seu passado.

O Congresso do PS (antes de ter acontecido)

No Assembleia Geral da ETV da passa sexta, falei sobre o Congresso do PS e o caso judicial do recluso preventivo José Sócrates.

http://rd3.videos.sapo.pt/playhtml?file=http://rd3.videos.sapo.pt/whnrENZ7M1yJ1gmMklwr/mov/1

Lamentável

Usar o lamentável destino das mulheres vítimas de violência doméstica para fazer propaganda política (como o PS agora fez com Maria do Céu Guerra, a meio do discurso de António Costa, a ler os nomes das mulheres que morreram vítimas desse tipo de crime) é um acto, também ele, lamentável.

“Isso diz tudo”

Um “anónimo” do PS, entrevistado pela RTP Informação no Congresso, diz que “a obra-prima do mestre não tem nada a ver com a prima do mestre de obras, e isso diz tudo”. Curiosamente, eu fiquei com a impressão que não queria dizer nada.

De quem falamos quando falamos de José Sócrates

Como seria de esperar, as atribulações do recluso preventivo José Sócrates continuam a encher os jornais e blocos informativos das televisões. Hoje, deu-se grande destaque à carta que enviou através do seu advogado, protestando a sua inocência e atacando a acção do sistema de Justiça contra a sua excelsa pessoa. É normal que uma pessoa se defenda e jure a sua inocência. Mas convém que não nos esqueçamos de quem estamos a falar. Há pouco mais de um ano, uma jornalista da revista Sábado contactou José Sócrates, para lhe fazer algumas perguntas acerca da sua tese de mestrado. Perguntou-lhe, por exemplo, se o tema da dita era, como ela julgava ter sabido de fonte fidedigna, a tortura. Sócrates respondeu categoricamente que não, que a jornalista não o escrevesse na revista já que “estará a enganar e a induzir em erro os leitores”. Menos de um mês depois, o Expresso noticiava, usando o próprio Sócrates como fonte, que a sua tese seria editada em livro, e que o tema era, precisamente, a tortura. A Sábado contactou Sócrates novamente, para saber por que razão Sócrates tinha mentido acerca desta questão, ao que este terá respondido “Você disse que a minha tese era sobre tortura e não é. A minha tese não é sobre tortura. É sobre tortura em determinadas circunstâncias, embora, é claro, eu não tenha na altura acrescentado essa informação” e que “aproveitei uma imprecisão da sua parte para lhe dizer que não”. Ou seja, acerca de um assunto tão comezinho – e que seria tornado público pouco depois – José Sócrates mentiu descaradamente, justificando o facto de ter mentido com o ter tido oportunidade de mentir. É de alguém assim, com uma relação de conflito com a verdade que roça o patológico, que estamos a falar. Não tendo até agora nenhuma informação que me possa fazer ter opinião acerca da culpabilidade ou inocência de Sócrates no caso que o coloca em Évora, e sendo verdade que cabe à Justiça provar que (se houver culpa) ele é culpado e não a Sócrates provar que é inocente, eu (que como bem diz o João Miguel Tavares, estou apenas a formar um juízo sobre a sua pessoa e não a decidir sobre se deve estar em liberdade ou atrás das grades) olho para o passado de José Sócrates e não consigo deixar de partir do princípio de que tudo o que ele possa dizer é mentira. Porque é fácil de verificar que ele é capaz de mentir acerca de qualquer coisa.

Mário Soares e a comunicação social

Ao contrário do Miguel Noronha, não deixo de comentar as declarações de Mário Soares à porta da prisão onde este visitou o preso preventivo José Sócrates. Como seria de esperar, as declarações indignaram uma série de gente, o que se compreende, dado o seu teor inenarrável. Mas o que me indignou – passe o exagero – a mim foi a atitude da comunicação social, que, ao lhe dar atenção e destaque, explora um senhor de idade bastante avançada e – aparentemente, pelo menos – com cada vez maior debilidade, aproveitando-se dessa sua condição e do carácter bombástico das suas declarações para encher a sua programação noticiosa e criar ruído para a continuar a alimentar. Quem leia isto talvez ache que estou a atacar Soares de forma meio irónica e velada, criticando a comunicação social só para usar a oportunidade de chamar “senil” a Soares. Não estou. Acho verdadeiramente impressionantes e condenáveis as imagens de um senhor de quase 90 anos a ver a sua natural debilidade a ser explorada por uns senhores que deviam ter maior responsabilidade (para não falar em consideração pelas pessoas: também eles tiveram ou têm pais e avós que chegaram ou vão chegar aquela idade; também eles terão um dia aquela idade), mas que dão prioridade a terem rastilho para uma polémica que, como bem sabem, aquelas palavras iriam criar.

Assembleia Geral

No Assembleia Geral da ETV da passada sexta-feira, falei sobre a votação parlamentar sobre as subvenções vitalícias aos ex-detentores de cargos políticos.

http://rd3.videos.sapo.pt/playhtml?file=http://rd3.videos.sapo.pt/GVYfYgEa4aYoyIOzFBuO/mov/1

Prisão preventiva

Muita gente, especialmente afecta ao PS, tem manifestado a sua indignação com a prisão preventiva de José Sócrates e dos outros três envolvidos no caso que o trouxe à Justiça, e acerca de como essa prisão preventiva fere severamente as suas vidas. Há muitos anos que sou, em virtude das evidências mais que demonstradas nos “casos” da licenciatura, da TVI, etc., da opinião que José Sócrates esteve envolvido em actividades “pouco legítimas” (para ser simpático), e que o seu lugar é num qualquer condomínio fechado gerido pelo Ministério da Justiça. Mas sou também da opinião que nenhum cidadão devia poder estar preso sem ser sequer acusado de um crime. Pena que o PS liderado por José Sócrates, por exemplo, não tenha mudado a lei para acabar com esse atentado aos direitos dos cidadãos.

O iliberalismo português

JustiçaUma das mais abundantes reacções à sucessão de casos mediáticos de práticas de corrupção envolvendo “altas figuras” do Estado e da sociedade portuguesa – do BES a Sócrates, passando pelos “vistos gold” – tem sido a de regozijo com o suposto facto de a Justiça estar a “começar a funcionar” e de que “acabou a impunidade dos poderosos”. Para além de abundante, é curiosa e um pouco assustadora, pois revela como, apesar de haver na sociedade uma forte revolta contra os poderes das instituições do Estado e das entidades que vivem na sua orla, o seu carácter é tudo menos liberal; mostra que, como escrevia em tempos Pacheco Pereira, “uma vaga de anti-estatismo percorreu, e percorre, a sociedade portuguesa. Mas esse anti-estatismo não é liberal, é populista”.

Admitamos que esta sucessão de casos significa realmente que uma suposta renitência anterior da Justiça em “enfrentar” os “poderosos” corruptos chegou, agora, ao fim. A “impunidade” dos “poderosos” está longe de ser o único problema da Justiça portuguesa, e o seu fim, a ser verdadeiro, não nos deve fazer esquecer dos que lhe sobrevivem, como por exemplo a penalização de pessoas, poderosas ou não, sem motivo para serem penalizadas: as pessoas que passam anos e anos para verem resolvidos processos em tribunal; indivíduos que ficam em prisão preventiva sem que depois existam sequer provas suficientes para os acusar; as mulheres violadas que são responsabilizadas pelo acto, por terem entrado “na coutada do macho ibérico” e que por isso deviam estar avisadas para o que as esperava; as pessoas a quem o Fisco cobra impostos que não devia cobrar e que têm de percorrer um longo e tortuoso labirinto burocrático para tentarem provar que são inocentes dos crimes fiscais de que abusivamente são acusados; e as pessoas que são condenadas por crimes que efectivamente não cometeram. E não só essa injustiça da penalização de pessoas que não deviam ser penalizadas sobrevive à hipoteticamente terminal impunidade dos poderosos, como é bem mais injusta que ela: o dano causado, por exemplo, pela condenação de uma pessoa inocente é infinitamente maior que aquele que é causado por um criminoso permanecer livre, não só porque o próprio certamente não trocaria a sua liberdade pela prisão de um criminoso, mas também porque nenhum membro de uma sociedade se pode sentir seguro de que lhe basta cumprir a lei para poder levar a sua vida em paz, quando inocentes são tratados como culpados. E é por isso que uma qualquer sociedade liberal – uma sociedade que preze as liberdades dos seus cidadãos – acha menos mau que um criminoso seja deixado impune do que uma pessoa sem culpa ser considerada criminosa.

Em Portugal, pelo contrário, guiada pela ânsia de pôr fim à tal “impunidade” dos “poderosos”, a opinião pública não hesita em aprovar com o seu aplauso, e exigir com os seus protestos, novas leis que atribuem cada vez mais poderes a um sistema de Justiça que, por ser composto de seres humanos, não consegue evitar cometer ele próprio as mais variadas injustiças. Em nome de se pôr fim aos – muito condenáveis – abusos de poder e tráfico de influências dos que estão instalados no edifício estatal português e nas redes clientelares que vivem da sua parasitagem, a opinião pública portuguesa fecha os olhos à degradação da protecção das suas próprias liberdades e direitos. E só porque vê gente como José Sócrates ou Ricardo Salgado a serem postos diante da Justiça, entusiasma-me por achar que a Justiça está “finalmente” a “funcionar”, esquecendo todas as injustiças causadas por ela que diariamente continuam a ter lugar. É por isso que por muito positivo que eu ache uma figura nebulosa como José Sócrates ser forçada a responder acerca das dúvidas que existem acerca da forma como obteve a sua fortuna, não deixo de achar muito preocupante a percepção de que tudo está bem só porque isso está acontecer.

Só para lembrar

Um ou dois casos mediáticos em que eventuais práticas de corrupção poderão ter sido descobertas não significam que o sistema de Justiça português tenha deixado de ser um caos que atrapalha a vida de muita gente. A Autoridade Tributária ter sido instrumental na captura de um político corrupto não apaga a forma atentatória dos direitos dos cidadãos com que ela se comporta diariamente. Não é por um ex-Primeiro Ministro que destruiu o país estar de momento preso que o país e a vida dos que nele habitam passam a estar melhores. Por muito que uma chuva de artigos de opinião o digam, o país não mudou esta semana.

2005 e 2014

Corre “pelos facebooks” (como diria Paulo Futre) uma grande alegria com a detenção do “engenheiro” José Sócrates. Compreende-se, dada a natureza “Sopraniana”, digamos, da figura. Mas gostava de saber quantos dos que tanto rejubilam com a sua detenção neste ano da Graça de 2014 se contavam entre os que, em 2005, lhe deram com a cruzinha no boletim de voto o poder que ele terá usado para fazer o que agora talvez lhe dê um bilhete de entrada no condomínio fechado da Carregueira. Tendo em conta que o senhor teve uma maioria absoluta, não devem ser poucos.

Autoridade

(artigo publicado no Diário Económico de hoje)

Quando Miguel Macedo anunciou a sua demissão do cargo de ministro da Administração Interna, esperava certamente estar a fazer um favor ao Governo a que até então pertencera. Afinal, apresentava-a por sentir que “a autoridade” necessária ao “exercício pleno das suas funções” estava “diminuída”: por muito que não tenha “qualquer responsabilidade pessoal” no caso dos vistos gold, Macedo sabia que as suas ligações pessoais a alguns dos suspeitos seriam alvo de abundantes suspeições e acusações por parte da oposição, fragilizando um Executivo tudo menos robusto.

No entanto, Macedo conseguiu apenas o contrário. Não por a sua opção ter merecido críticas, mas por ter sido universalmente elogiada, com António Costa (o do PS, não o do DE) a louvar uma “lucidez” que se “exigia” a “outros Ministros”, e Jorge Costa, do BE, a compará-la às “demissões que ficaram por fazer” para “vergonha” dos que (até aqui, pelo menos) não seguiram a via de Macedo: ao sair para poupar o Governo a clamores pela sua exoneração, Macedo acabou por dar força às vozes que pedem a saída de Nuno Crato e Paula Teixeira da Cruz depois das atribulações a que respectivamente presidiram. Ao se demitir por sentir não ter “autoridade”, apenas retirou a pouca que restava aos seus ex-colegas.

Claro que quanto mais a “esquerda” exige estas demissões, menos Passos estará disposto a promovê-las, para não dar uma “vitória” à oposição. Oposição essa que sabe também sabe perfeitamente que assim é, e insiste nas saídas de Crato e Cruz não para que saiam, mas para “desgastar” o Governo: de um lado e de outro, todos agem de acordo com a sua coreografia no teatro mediático em que participam, sem pretenderem qualquer consequência prática na vida dos portugueses. No fundo, nem Governo nem oposição têm grande “autoridade” para dizerem o que quer seja. O que nunca foi suficiente para os demover

“He’s a lumberjack and he’s OK”

A propósito desta notícia do Observador sobre os “lumbersexuals”(“a nova tendência da moda é uma ode à virilidade e tem inspiração nos lenhadores americanos. São os lumbersexual e querem acabar com a artificialidade”), só me ocorre lembrar um famoso sketch de Monty Python’s Flying Circus:

Uma lição “gold”

Quando o Estado atribui a certas pessoas ou entidades determinados “regimes especiais” diferentes das condições gerais que aplica a todos os outros, logo se cria um mercado – pouco dourado e muito sombrio – para a “compra” e “venda” da decisão de atribuição do “benefício” em causa. Quando se pisa o mercado da livre interacção de indivíduos iguais perante a lei, apenas se consegue criar o mercado da influência, política ou de outra ordem.

Poucos ricos, muitos apoios

A Ministra das Finanças afirmou hoje que como “não há muitos ricos em Portugal” e se “procura sempre proteger quem tem menos recursos”, a “classe média acaba por ser a grande sacrificada” pelas medidas orçamentais que têm de ser implementadas. Realmente, há “poucos ricos” em Portugal e por isso a Grande Redistribuição fiscal que alimenta os sonhos de muita gente não poderá nunca passar dos minutos de REM do seu soninho diário. Mas a Ministra esqueceu-se de dizer que, para além da escassez de gente abastada, há também uma abundância de “boys” e “girls” que dependem do que o orçamento vai tendo para oferecer, e de quem, por sua vez, as lideranças partidárias – dos partidos do Governo, claro, mas também do PS – estão também bastante dependentes. Não é assim de espantar que pessoas como a dra. Albuquerque – acerca de quem muitos artigos, em vários jornais, têm sido plantados, retratando-a como uma “surpreendente” candidata à sucessão de Passos no PSD, com o exclusivo propósito de criar a até então inexistente percepção de Albuquerque como “candidatável” – acabem por preferir aumentar a carga fiscal à tal “classe média” em detrimento de deixarem cair aqueles que os seguram ou irão segurar no futuro.

A (falta de) alternativa socialista

No Assembleia Geral da ETV da passada sexta-feira, falei acerca de como António Costa e o PS não são uma alternativa credível ao actual Governo.

http://rd3.videos.sapo.pt/playhtml?file=http://rd3.videos.sapo.pt/qOkZVCZ4JLAK6DH8m4tF/mov/1

Mais quatro anos?

Imagem retirada da página do Facebook do PSD

Imagem retirada da página do Facebook do PSD

Longe vão os tempos em que Pedro Passos Coelho dizia com orgulho – e suspeito que com pouca sinceridade – “que se lixem as eleições”. Hoje, a um ano – ou menos – das ditas, o Primeiro-Ministro parece pensar em pouco mais. Não só garante aos nervosos fiéis (e a hipotéticos adversários internos) que não se vai embora, como faz discursos “aguerridos” contra “jornalistas e comentadores” para animar as tropas (sempre dadas a criticar qualquer pessoa que pense de forma diferente, ou que pense, pura e simplesmente). Faz até promessas para um novo mandato, cuidadosamente desenhadas para dar à campanha eleitoral que aí vem a mesma “responsabilidade” que, embora escassa na acção política, tem sido abundante na retórica que tem emanado de São Bento.

É compreensível que o próximo acto eleitoral não saia da cabeça de Passos Coelho. Afinal, não serão poucas as dificuldades que o esperam até ao dia em que os portugueses colocarão o rabiscado papelinho na urna da sua Junta de Freguesia ou Centro Comunitário. A maior delas, sem dúvida, será a de explicar aos eleitores por que razão devem ele e os seus correligionários governar por mais quatro anos. Afinal, se Passos procura um novo mandato é porque entende que ainda há coisas a fazer. E é natural que o entenda, dado que reconheceu – se bem que involuntariamente – que o Governo fracassou nos últimos anos, ao dizer, como disse no último debate sobre o Orçamento, que “qualquer um gostaria de ter impostos mais baixos”, mas que teve de os colocar no nível actual por não se ter reduzido a despesa de forma a que a carga fiscal pudesse ela própria ser reduzida. Mas, se ainda há coisas a fazer, depois de quatro anos de governação, é apenas e só porque Passos não as fez nos primeiros quatro anos em que teve a oportunidade – e, já agora, a tal “responsabilidade” – de as fazer. Se quer governar por mais quatro anos, terá agora de explicar o que falhou nesses quatro anos e por que razão os hipotéticos quatro adicionais seriam diferentes.

O Primeiro-Ministro, justiça lhe seja feita, parece ter consciência do problema. E não se tem escusado a dar uma explicação, que repete a todos aqueles que o queiram ouvir (um conjunto cada vez mais reduzido de pessoas): o Governo quis cortar a despesa e fazer “reformas”, mas o Tribunal Constitucional não deixou. Deixemos de lado os méritos ou deméritos da explicação, e a duvidosa premissa de que as tais “reformas” eram mais do que meros remendos do sistema vigente, mantendo-o intacto apenas com menos dinheiro para distribuir, e aceitemos como verdadeira a defesa do Governo: a Constituição de 2015 a 2019 será a mesma de 2011 a 2015, e por isso, aquilo que não foi feito por ser inconstitucional nos primeiros quatro anos de Governo PSD/CDS não terá apreciação muito diferente nos quatro seguintes. A não ser, claro, que se mude a Constituição. Mas isso é algo que Passos Coelho não pode prometer aos portugueses, pela simples razão de que só com o apoio e colaboração com o PS poderá ser promovida uma tal Revisão Constitucional. Ou seja, o que Passos Coelho, sem querer, diz aos portugueses quando diz que não fez o queria nos seus primeiros quatro anos de Governo por causa das decisões do TC, é “se me derem mais quatro anos, não vou fazer nada de diferente”.

Haveria uma explicação alternativa, que dispensaria Passos Coelho de se colocar nesta posição de impotência e que teria ainda a vantagem de ser bem mais verdadeira: houve, da parte do Governo, uma mistura incapacidade e de falta vontade para ultrapassar bloqueios, obstáculos e grupos de interesses instalados no Estado, na sociedade e nos próprios partidos do Governo, que viam nas reformas de que o país precisa e de que o Governo falava incessantemente, sem as passar do papel (ou que nem ao papel chegaram), uma ameaça ao seu bolso, poder e modo de vida. O problema está em que também esses bloqueios, obstáculos e grupos de interesse se mantêm intactos, e que por isso, tudo aquilo que fez com que o Governo não tenha tido capacidade ou vontade para mudar produzirá, de 2015 a 2019, o mesmo resultado que provocou de 2011 até hoje.

E assim se vê a razão dos temores do Primeiro-Ministro: não se vislumbra como Passos Coelho possa explicar a necessidade de mais quatro anos em São Bento sem passar à sua pessoa e aos seus quatro anos de governação um atestado de incompetência ou compadrio, nem ao mesmo tempo colocar enormes dúvidas sobre a possibilidade de poder ser diferente nos restantes quatro. E sem isso, não poderá ser levado a sério, e mesmo que por milagre ganhe as eleições, o seu futuro será igual ao passado. É aliás por isso – e pelo facto do PS não constituir uma verdadeira alternativa – que entendo que o melhor que Passos Coelho teria a fazer seria anunciar a sua intenção de renunciar à liderança do PSD, abrindo caminho a quem no partido queira fazer uma análise séria do que correu mal nestes anos, e seja capaz de explicar aos portugueses aquilo que Passos, manifestamente, não pode.

Natureza Humana

De vez em quando, um qualquer jornal publica um artigo de alguém a mostrar o seu receio dos avanços tecnológicos que se avizinham e o seu impacto no comportamento humano. Mas quem, como eu, tem de utilizar os comboios da CP na Linha de Cascais com alguma regularidade sabe que não há nada a temer e que a evolução tecnológica não muda a natureza humana. Nos anos 90, era comum um energúmeno (ou um grupo deles) carregar um “tijolo” emanando “música” com que incomodar os temporários vizinhos de carruagem. Hoje em dia, utilizam os bem mais maneirinhos telemóveis, mas dispensando os “headphones” com que poderiam circunscrever o sofrimento aos seus privados ouvidos. A tecnologia avança, mas a propensão para chatear o próximo mantém-se.