Parabéns ao Observador

Mais uma distinção a juntar-se à mais importante – o reconhecimento dos leitores – para um projecto que, nestes poucos meses de existência, tem conseguido provar que é possível fazer algo diferente para melhor no panorama mediático português: Observador ganha prémio de “Lançamento do Ano”

About these ads

Conferência Instituto Mises Portugal – 1 de Novembro no Porto

Conforme já por aqui foi publicitado várias vezes, realiza-se no próximo Sábado a partir das 14:00, no Porto (no Pólo da Foz da Universidade Católica), uma conferência organizada pelo Instituto Ludwig von Mises Portugal.

Pela minha parte, participarei num painel sobre finanças públicas, juntamente com José Bento da Silva (da Universidade de Warwick) e Ricardo Valente (da Faculdade de Economia do Porto), agendado para as 15:45.

Mais informações sobre a conferência estão disponíveis na página do evento no Facebook.

A entrada é livre, mas sujeita a inscrição aqui.

Breaking News: mais uma greve no Metro de Lisboa

Metro de Lisboa volta a parar a 13 de novembro

Os sindicatos dos trabalhadores do Metro de Lisboa marcaram uma nova paralisação de 24 horas, para o dia 13 de novembro, uma quinta-feira.

Leitura complementar: Pela libertação do Metro de Lisboa.

O Governo que disse “Não” aos banqueiros

Banqueiros pediram a Maria Luís que injetasse dinheiro da troika no BES. Ministra disse que não

Na última semana de julho, cinco banqueiros pediram à ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, para injetar dinheiro da linha da troika no BES, segundo a SIC. O “não” da ministra obrigou o Banco de Portugal a optar pela medida de resolução que, a 3 de agosto, dividiu o antigo BES em dois: Novo banco e bad bank.

Continuar a ler

Charles Murray sobre Ayn Rand

Um excelente artigo de Charles Murray: How Ayn Rand Captured The Magic Of American Life: Ayn Rand was a philosophical hypocrite, but a magical novelist.

In 1991, the book-of-the-month club conducted a survey asking people what book had most influenced their lives. The Bible ranked number one and Ayn Rand’s “Atlas Shrugged” was number two. In 1998, the Modern Library released two lists of the top 100 books of the twentieth century. One was compiled from the votes of the Modern Library’s Board, consisting of luminaries such as Joyce Carol Oates, Maya Angelou, Edmund Morris, and Salman Rushdie. The two top-ranked books on the Board’s list were “Ulysses” and “The Great Gatsby.”

The other list was based on more than 200,000 votes cast online by anyone who wanted to vote. The top two on that list were “Atlas Shrugged” (1957) and “The Fountainhead” (1943). The two novels have had six-figure annual sales for decades, running at a combined 300,000 copies annually during the past ten years. In 2009, “Atlas Shrugged” alone sold a record 500,000 copies and Rand’s four novels combined (the lesser two are “We the Living” [1936] and “Anthem” [1938]) sold more than 1,000,000 copies.

Continuar a ler

Dilma reeleita Presidente do Brasil

No Brasil, ganhou a candidata de esquerda e perdeu o candidato do Partido da Social Democracia Brasileira, que defendia a “reestatização” da Petrobras e a ampliação do programa Bolsa Família: Dilma Rousseff reeleita presidente do Brasil

Dilma conseguiu 51,56% dos votos, Aécio Neves 48,43%. Minas Gerais, o segundo maior círculo eleitoral do país, e terra de Aécio, acabou por ser decisivo: Dilma venceu lá.

Sobre os testes de stress do BCE

ECB Announces Stress Test Results: Here Are The 25 Banks That Failed

The central bank’s punchline: “[the] Exercise delivers high level of transparency, consistency and equal treatment. Rigorous exercise is milestone for the Single Supervisory Mechanism starting in November.”

And this is what it’s all about from Vítor Constâncio, Vice-President of the ECB. “This unprecedented in-depth review of the largest banks’ positions will boost public confidence in the banking sector. By identifying problems and risks, it will help repair balance sheets and make the banks more resilient and robust. This should facilitate more lending in Europe, which will help economic growth.” Or, as Bloomberg called it, “The ECB has staked its reputation on Monday’s stress test results”… what reputation?

(…)

Some quick observations: not a single major bank failed the stress test and the cumulative capital shortfall among the 25 failures is precisely €25 billion, less than the €27 billion shortfall reported during the 2011 stress test when 20 banks failed, and when Banco Espirito Santo, Dexia and Bankia all passed with flying colors. Oh, and just in case it was lost the first time, the Bank of Cyprus supposedly passed.

O chumbo do BCP no teste de stress

BCP um dos 25 bancos da zona euro a chumbar testes de stress com rácio de 3% no cenário adverso
Défice tarifário da EDP ditou “chumbo” do BCP
BCP: Carência de capital relevada no teste de stress “já se encontra suprida”

O enviesamento de esquerda dos jornalistas

Os jornalistas são preguiçosos ou serão todos de esquerda? Por Helena Matos.

O que temos como elemento redutor e distorcivo de boa parte das notícias é uma outra coisa. Uma outra coisa que faz com que o problema não esteja no que escrevem sobre Passos, mas sim no que não escreveram sobre Sócrates. Ou que em algumas redacções tal só tenha acontecido por absoluta impossibilidade de evitar o assunto. Tal como o problema não é o que escrevem sobre os cortes nos salários, mas sim que em quarenta anos de democracia se contem pelos dedos das mãos as reportagens dignas desse nome sobre os sindicatos – de que vivem; quantos trabalhadores representam ou como são realmente escolhidos os seus dirigentes – ou sobre o mundo paralelo das empresas públicas.

Continuar a ler

Sobre as greves no Metro de Lisboa

O meu artigo de hoje no Observador: Pela libertação do Metro de Lisboa.

No meio desta verdadeiramente deplorável situação – que nenhum Governo parece ter coragem para resolver – a CGTP tem ainda o descaramento de repetidamente invocar que a regular paralisação do Metro de Lisboa é feita em nome da defesa do “serviço público”. Na realidade, o que a CGTP realmente faz é aproveitar a circunstância de basicamente controlar uma empresa estatizada num sector onde é relativamente fácil por razões técnicas bloquear completamente o funcionamento do serviço. A partir daí, e em total desrespeito pelos utentes, as greves e plenários no Metro de Lisboa são convocados ao sabor da agenda política do PCP, compensando mediaticamente a fraca representatividade e capacidade de mobilização dos sindicatos na generalidade dos sectores de actividade.

Manuel Pinho, Ricardo Salgado e o BES

Manuel Pinho exige mais de dois milhões de euros ao BES

O ex-ministro Manuel Pinho vai avançar com um processo judicial contra o Banco Espírito Santo para receber uma reforma antecipada que lhe terá sido prometida por Ricardo Salgado. Em causa está um valor superior a dois milhões de euros.

Continuar a ler

Esticar até rebentar…

Relativamente ao Reino Unido, a política actual da União Europeia parece ser a de esticar a corda até rebentar. Não antevejo um final feliz para o orçamento “comunitário”: Fatura de 2,1 mil milhões de euros deixa Governo britânico em polvorosa

A confirmarem-se estas contas, os maiores prejudicados serão certamente o Reino Unido e a Holanda. E, por isso mesmo, ambos os países já fizeram sentir a sua indignação.

Continuar a ler

“já podemos outra vez gastar mais, já?”

Excelente intervenção de Rui Rio: Rui Rio contra o “já podemos outra vez gastar mais, já?”

“A sociedade portuguesa acha que a crise é económica. Eu acho que a crise é política e a crise económica é filha da política”, disse, antes de desenvolver a tese de que se tem de “caminhar para orçamentos equilibrados”.

Num discurso em que falou também da reforma dos regimes políticos, Rio disse que “40 anos a pedir emprestado deu uma dívida gigantesca” a Portugal, defendendo a necessidade de repetir esta ideia “muitas vezes”. “O que é preciso é repetir isto porque a noção que eu tenho é que à primeira folga que possa haver não vão faltar vozes em Portugal a pedir ‘agora sim já podemos outra vez gastar mais, agora sim já podemos?’, afirmou.

Leitura complementar: O Tribunal Constitucional, o BES, o Orçamento 2016.

Fidel Castro e o tráfico de droga “revolucionário”

Patria o Muerte: Livro de memórias envolve Fidel Castro em redes de tráfico de droga

No livro “A Face Oculta de Fidel Castro”, Juan Reinaldo Sánchez afirma que em 1988 ouviu inadvertidamente através do circuito interno de vigilância e gravação o presidente cubano a autorizar a proteção temporária de um traficante sul-americano (“lanchero”) no país a troco de 75 mil dólares.

“Foi como o céu me caísse em cima. Aturdido, incrédulo, petrificado, queria acreditar que ouvira mal ou que estava a sonhar, mas, infelizmente, era a realidade. Em poucos segundos, todo o meu universo, todos os meus ideais caíram por terra”, escreve Juan Reinaldo Sánchez, que a partir desse momento viu desmoronar-se a imagem que tinha de Fidel Castro.

Continuar a ler

António Costa, a EMEL, Angola e Cabo Verde

PSD e Helena Roseta unem-se contra Costa

Reunião de câmara aprovou esta semana alteração aos estatutos que permitem à Emel ter negócios em Angola e Cabo Verde. Oposição une-se para suspender decisão, que em 2011 tinha sido travada.

Adelino Vera Cruz Pinto

adelino_vera_cruz_pinto

Brasil descobre foragido em festa de Costa

Adelino Vera Cruz Pinto, ex-vice-cônsul de Portugal em Porto Alegre, acusado de ter desviado 2,5 milhões de reais (788 mil euros) da Arquidiocese da Igreja Católica da Capital, é notícia no Brasil, depois de ter sido visto ao lado de António Costa nas comemorações da vitória do presidente da Câmara Municipal de Lisboa nas eleições primárias do PS.

Continuar a ler

Manuel Valls e o futuro do PS francês

Uma discussão interessante, já aqui destacada pelo João Cortez: Ser ou não ser socialista? Valls quer mudar o nome

A ideia é apenas uma: mostrar que o PS francês (PSF) não está agarrado ao passado e que é um partido “pragmático, reformista e republicano” e, por isto, o primeiro-ministro francês defendeu a mudança de nome do histórico partido europeu. Manuel Valls já o tinha defendido em 2007 e 2011, mas, agora, nas funções de primeiro-ministro, propõe a mudança que está a gerar polémica em França.

António Costa: um hayekiano inconsistente

Interesses Impróprios. Por José Manuel Moreira.

A este propósito regista-se com agrado a afirmação de pendor hayekiano de António Costa sobre as cheias de Lisboa: “temos de ter humildade de perceber que o ser humano não tem capacidade para controlar tudo.”

Continuar a ler

Recordando Leonard Liggio (6)

Leonard Liggio e a tradição da liberdade. Por João Carlos Espada.

Leonard Liggio pensava que todos esses preconceitos continentais partiam de um erro original: a crença de que a liberdade é uma invenção moderna, em ruptura com a tradição cristã medieval. Daí as suas insistentes contribuições sobre temas relacionados com a tradição pré-moderna da liberdade e com o contributo crucial do cristianismo para a emergência do conceito de liberdade da pessoa e da sua consciência.

Continuar a ler

Guião para a antecipação das legislativas

Três passos para antecipar as legislativas. Por David Dinis.

Chegado aqui, há três passos que deviam ser considerados para que este acordo se faça sem que seja entendido como uma manobra política.

– A antecipação deve ser por dois meses, para início de julho, que é quanto basta.
– A antecipação deve ser feita com um acordo entre partidos para mudar a Constituição e a lei eleitoral já no início da legislatura, alterando de vez os prazos para eleições (para que nada disto se tenha de discutir outra vez).
– E, já agora, deve ser feita num compromisso entre os principais partidos sobre os objetivos que devem ser cumpridos no próximo orçamento (e nos seguintes). O Governo terá de entregar um documento desses a Bruxelas em abril e talvez não fosse mau que ele e António Costa se entendessem nisso. Não é nas medidas, é só nos objetivos – e depois logo se via. É capaz de ser pedir demais, mas, enfim, sempre me ensinaram que a pedir nunca se é modesto. E quem sabe, se for o Presidente a fazê-lo…

Recordando Leonard Liggio (5)

Leonard Liggio, R.I.P. Por Steve Davies.

At the close of his life Leonard left a large and rich legacy, of institutions he had helped to build and strengthen, and of persons whose lives he had touched and whose thinking and careers he had nurtured. His intellectual legacy, both directly and through the work of people he directly inspired and influenced is perhaps the one that will live longest. There are several elements of classical liberal thinking that have only survived or attracted renewed interest because of his efforts. The most important are the class theory and analysis of classical liberalism, the critique of expansionist and interventionist foreign policy and reaffirmation of traditional liberal ideas about peace and international order, the classical liberal approach to historiography and the study of history, and rich and growing tradition of Christian and particularly Roman Catholic liberalism. As with all intellectual builders he leaves a work unfinished in all of these areas and with much more to do, but his own work, his character and his life leave a model to all of us.

Leitura complementar: Leonard Liggio: uma vida dedicada à liberdade.