PS promete aumentar retenção salárial

António Costa defende que o subsídio de Natal deve ser pago em Novembro e não em duodécimos. “É assim que deve voltar a ser”, afirma o líder socialista.

O que António Costa está a prometer é que as entidades empregadoras retenha os duodécimos uma média de 6 meses. Um empréstimos sem juros dos trabalhadores aos empregadores que irá significar uma redução dos salários reais.

As contas do PS: impactos, riscos e perplexidades

“As contas de Centeno – compilação” de Pedro Romano (Desvio Colossal)

o grupo de economistas do PS divulgou uma versão mais alargada do seu cenário macroeconómico, com mais medidas e informações mais detalhadas. A má notícia é que os detalhes do modelo continuam por conhecer, e há pormenores do exercício que não são completamente claros. A boa notícia é que os números divulgados já permitem perceber um pouco melhor o que vai na cabeça (ou no excel) dos economistas e pelo menos fazer algumas contas de costas envelope.

É isso que esta série de posts tenta fazer. Para tornar a série compreensível – e não assustar os leitores com menos tempo -, a análise é separada em quatro partes.

A primeira elenca algumas questões de base relacionadas com a quantificação das medidas (os inputs do exercício, chamemos-lhe assim). São sobretudo números que não batem certo, dúvidas em relação às opções tomadas e perplexidades diversas que foram surgindo à medida que comecei a compilar e contrastar valores. A segunda e a terceira tentam perceber em que medida é que os impactos na actividade económica e no emprego são realistas. E a quarta faz um pequeno exercício de riscos orçamentais

Continue a ler aqui

À falta da espiral recessiva a coisa desculpa-se com a sazonalidade

Observador

Primeira estimativa do INE para a taxa de desemprego em julho aponta para mais uma descida, para 12,1%. É o número mais baixo desde outubro de 2010. O valor de junho foi revisto em baixa para 12,3%.

Mas claro que não!

No Observador

“Qualquer pessoa inteligente percebe que a posição do PS nada tem que ver com a posição do Syriza desde o princípio, desde antes de o processo grego ter começado”, disse Ferro Rodrigues, acrescentado que a posição do partido grego “foi uma posição suicidária, que levou a que o próprio Syriza esteja neste momento completamente esfrangalhado”.

FerroRodrigues_Syriza

antonio_costa_syriza

A radicalização do PS: entre Fernanda Câncio e Ascenso Simões

Artigo do André Azevedo Alves no Observador

Não se pretende com isto sugerir que António Costa é, ele próprio, um radical esquerdista. Todos os indícios apontam aliás para que Costa, à semelhança de José Sócrates, tenha uma relação flexível e pragmática com os princípios e ideias políticas. Mas a verdade é que tanto Sócrates como Costa abriram espaço a elementos mais radicais, com a agravante de Costa até agora não dar mostras do carisma e das qualidades de liderança patenteadas por Sócrates. O futuro do PS – e também do sistema partidário português – dependerá em boa parte do desfecho deste impasse. Na ofensiva contra os sociais-democratas moderados no interior do partido o que está em causa é o perigo efectivo de radicalização do PS num contexto internacional de elevado risco.

O mandatário do PS e os “delatores”

Recordando a curiosa opinião de António Arnaut sobre o tristemente célebre episódio da pressões aos magistrados que em 2009 investigavam um caso que envolvia José Sócrates

O socialista António Arnaut comentou hoje o caso das pressões alegadamente exercidas por Lopes da Mota aos dois procuradores que investigam o processo Freeport acusando estes magistrados de “delação”, por terem permitido que chegasse à opinião pública “uma conversa privada”.

PS chega à conclusão que a “ajuda do estado” é desnecessária

PS atribui aos empresários mérito da recuperação da produção industrial

Agora só falta perceber que a intervenção estatal é contraproducente. Já não falta tudo para deixar de ser socialista.

Eu também não fui

Observador

O PS garante que os cartazes não eram da autoria de Athayde. Fontes da direção dizem que foi Vítor Tito, publicitário portuense. Tito diz que nada tem que ver com os cartazes. O mistério adensa-se.

Ainda a propósito dos cartazes falsos do PS, acho extremamente curioso que tenham conseguido “enganar” dirigentes do próprio partido.

Previsível

Ascenso Simões demite-se da direção de campanha do PS

“Quem é responsável por uma máquina deve assumir todas as falhas”. Ascenso Simões escreve na sua página no Facebook que já informou António Costa da sua demissão, a menos de dois meses das eleições.

Surpresa!

‘Taxa Google’ fracassa em Espanha com prejuízo de dez milhões para os media

Seis meses depois da entrada em vigor da chamada ‘Taxa Google’ em Espanha, a balança pende mais para os danos que a medida trouxe ao sector do que para os benefícios. Uma análise, realizada a pedido dos editores espanhóis, estima um prejuízo de dez milhões de euros para os media ao fim de um ano e diz que “não existe qualquer justificação, seja teórica ou empírica, para a introdução de uma taxa a ser paga pelos agregadores”. A conclusão é taxativa e relança o debate sobre a sustentabilidade dos meios de comunicação social na era digital.

LEITURAS COMPLEMENTARES: Balsemão quer pagar tráfego à Google; Editores Espanhois Querem O Regresso Do Google News; Internet sem Google

I wonder

Perante estes dados será que continuam a haver defensores da tese que teria sido melhor nacionalizar o BES?

Dívidas de 2614 milhões de euros e ativos de apenas 193 milhões de euros. Estas serão as contas ao passivo e ao ativo que ficaram no Banco Espírito Santo depois da resolução, segundo avança a TVI que aponta para uma insuficiência, um “buraco”, de cerca de 2400 milhões de euros no BES

Não se faz

i040815-cartazPS

A justificação não podia ser mais convincente

Esta decisão surge depois de o PS ter percebido que “a função do cartaz já estar cumprida”. Introduz “uma linguagem de rutura com comunicação política corrente para marcar a viragem de página e reforçar a associação de confiança a António Costa e ao PS”, explica uma fonte em declarações ao i

.

Che Guevara, la máquina de matar

Alvaro Vargas Llosa no El Pais

En enero de 1957, como indica su diario de Sierra Maestra, Guevara mató de un disparo a Eutimio Guerra porque sospechaba que estaba pasando información al enemigo: “Acabé con el problema con una pistola del calibre 32, en el lado derecho de su cerebro… Sus pertenencias ahora son mías”. Luego dispararía a Aristidio, un campesino que expresó su deseo de abandonar la lucha cuando los rebeldes se trasladaran a otro lugar. Mientras se preguntaba si esta víctima en concreto “realmente era lo suficientemente culpable como para merecer la muerte”, no le tembló el pulso a la hora de ordenar el asesinato de Echevarría, hermano de uno de sus camaradas, por crímenes no especificados: “Tenía que pagar el precio”. En otras ocasiones simulaba ejecuciones, aunque no las llevara a cabo, como método de tortura psicológica.

1984

José Meireles Graça no Gremlin Literário

Sempre suspeitei que o cartão de cidadão, com a possibilidade de armazenar dados, e os seus três ou quatro pins que é preciso memorizar, era uma pedra na tumba das liberdades; e que seria apenas uma questão de tempo até que um dos controleiros que pululam no governo e fora dele – a falta de respeito pela liberdade é, na esquerda, um dado adquirido em nome da igualdade e, na direita, quando ocorre, em nome da segurança, da eficiência, da ignorância ou da inconsciência – começasse a tirar partido do mundo de possibilidades que a informática oferece.

Aí está. E em vez de se ver a iniciativa por aquilo que é, um perigoso passo para amanhã se começarem a tratar dados e com base neles se imiscuírem Savonarolas da saúde pública, como o Secretário Leal, na relação médico-doente, ensinando uns a prescrever e outros a adoptar os comportamentos que as autoridades acham recomendável, censura-se os médicos porque – ó escândalo! – apenas metade “tem Cartão do Cidadão ou da sua Ordem”.

O Estado não tem mãos

José Carlos Alexandre na Destreza das Dúvidas

A esquerda gostaria que as empresas (pelo menos, as “estratégicas”) estivessem nas mãos do Estado. O problema é que o Estado não tem mãos, quem tem mãos são os indivíduos. A esquerda fala como se o governo pudesse ser incompetente ou corrupto, mas o Estado, vá-se lá saber porquê, estivesse naturalmente investido de nobreza e dignidade e pairasse sempre acima das fraquezas e vícios humanos. Infelizmente, o Estado não é nada disso. O Estado são pessoas, muitas vezes escolhidas e nomeadas pelo tal governo “incompetente e corrupto”.

Com prateleiras vazias o impacto será ainda menor

Diário Económico

Atenas impôs um preço máximo para alguns consumíveis vendidos em locais públicos como aeroportos, estações, ‘ferrys’, hospitais ou escolas para compensar em parte a subida de 10 pontos percentuais do IVA, imposta pelos credores internacionais

Quando começam a escassear os produtos com preços fixados administrativamente normalmente seguem-se as acusações de “açambarcamento”, maior regulação da distribuição, multas, prisões, etc. Perguntem aos venezuelanos.

.

Benchmarking

Resta saber quem está a aprender com quem: Venezuela y Grecia fortalecen cooperación bilateral

Este martes el viceministro de Cooperación Económica de la cancillería venezolana, Calixto Ortega, sostuvo un encuentro con el secretario general de Relaciones Económicas y de Cooperación de Desarrollo de la cancillería de Grecia, Giorgos Tsipras, con el objetivo de fortalecer lazos de integración bilateral entre ambas naciones

Varoufakis: Louco, Megalomano e Revolucionário

Luís Aguiar-Conraria

Aqui está a transcrição de grandes partes da conversa de Varoufakis a explicar como planeava, com mais quatro pessoas, criar um sistema bancário paralelo na Grécia depois de piratear os dados dos números de contribuinte. O tipo nem sequer parece ter noção da enorme operação de logística informática que o seu plano envolveria.

Para quem ainda não acredita nas notícias, pode ouvir o homem de viva voz aqui.

Podemos, todos, finalmente, concordar que o tipo é louco, megalómano, radical e revolucionário?

Estranhamento, há quem continue sem perceber e mesmo a negar a natureza do personagem. Houve mesmo quem não encontrasse qualquer problema nos seus planos.

LEITURA COMPLEMENTAR: O Surreal Plano B de Varoufakis

A lenta recuperação do emprego

Publico-280715-desemprego20anos

No Público dão conta de um relatório do FMI que prevê uma lenta recuperação dos níveis de desemprego até aos níveis pré-crise. Como não podia deixar de ser, à esquerda, alguns tentam usá-lo como arma eleitoral e mesmo (inexplicavelmente) fazê-lo contrastar com alguns sintomas de retoma empresarial.

No entanto, o que daqui se releva é que a recuperação vai ser lenta e é impossível reverter as perdas no espaço de uma legislatura. E é importante também para percebermos o enorme impacto da bancarrota e de algumas “paixões” e “opções estratégicas” do passado e procurarmos ser mais cuidadosos no futuro.

Sérgio Figueiredo acerca da polémica com Augusto Santos Silva

“Para acabar de vez com um monólogo patético e deprimente” de Sérgio Figueiredo (DN)

Sim, é verdade: Augusto Santos Silva não voltou à TVI24. Mas por ser malcriado, não porque a sua voz é incómoda. Qual liberdade de expressão!!! É de decência que se trata. E da ética que ele tanto apregoa. Há limites para tudo e, até hoje, evitei participar neste exercício de vitimização deprimente e patético. A armadilha traiçoeira que montou a Paulo Magalhães e a desconsideração soez que revelou por Fernando Medina autoqualifica a personagem e revela a raça de um egocêntrico. Se é assim com os amigos…

Nem quero imaginar com teria sido se o achasse “reprovável”.

MedinaSocrates 270715

Confesso que inicialmente pensei tratar-se de mais um “tesourinho deprimente”. Uma declaração de amor proferida há uns valentes meses e recuperada agora. Estava enganado. É parte de uma entrevista públicada hoje.

Espantoso

Nos outros casos ainda havia a desculpa de se tratarem de banqueiros sem escrúpulos (embora fossem heteroxos nas ligações políticas) mas não percebo como isto foi suceder num banco com tantos progressistas nos orgãos sociais.

O Banco de Portugal denunciou a Caixa Económica Montepio Geral ao Ministério Público por não comunicar operações suspeitas de branqueamento de capitais que tiveram origem no Finibanco Angola, que é detido pela Caixa Económica, avança o jornal Público.

Segundo o jornal diário, o supervisor terá detetado falhas nos mecanismos de controlo de operações financeiras com indícios de configurarem crimes de branqueamento de capitais e de financiamento ao terrorismo.

Estou bem mais descansado

No Observador: “SATU. PGR investigou suspeitas de corrupção, mas só encontrou um mau negócio”

Afinal não existiu corrupção. A conclusão óbvia é que o SATU foi apenas mais um caso de incompetência e inconsciência dos autarcas que ou calcularam mal os custos ou esqueceram-se que alguém teria de pagar a conta.

Se fosse corrupção, ainda que enviesada, haveria pelo menos uma réstia de racionalidade em todo o processo.