Sobre Ricardo Campelo de Magalhães

Economista Austríaco. Consultor de Previdência Privada.

Lula não vê diferença entre Sócrates e Passos…

… e por isso deu-se mal.

Ainda sobre o caso aqui referido pelo André, convém recordar que Lula sempre foi um amigo próximo de Sócrates. Agora, foi ter com Passos e falou-lhe de mais uma negociata. Lula falouPassos ouviu mas não deu o seguimento habitual e a privatização acabou por ser feita com a suma (notícia oficial). Tudo isto, vindo do operário que prometia por travão à corrupção, lutando pelo povo que jura amar.

Alguém imagina como teria sido decidido isto entre o grupo do amigo Carlos Silva e o do amigo Lula da Silva, fosse Sócrates ainda 1º Ministro?Soares Lula Sócrates

Mas afinal… onde é que é o túmulo da Nossa Senhora de Fátima?

Geronimo Jeronimo

Geronimo, ou Jeronimo. Tem um mosteiro em sua honra em Lisboa, parece

Perguntas dos turistas que nos visitam. Eles querem e não conseguem saber:

  • Onde é o túmulo da Nossa Senhora de Fátima?
  • Mosteiro dos Jerónimos foi feito em honra do Índio Jerónimo?
  • Cristo está sepultado nos Jerónimos?
  • D. Pedro IV é D. Pedro I no Brasil por causa do fuso horário?
  • Que mouro ou romano construiu a Torre dos Clérigos?
  • Como é que Salazar matou D. Carlos (em 1908)?
  • Qual é o autocarro que faz Lisboa – Madeira?
  • Quando foi a Revolução dos Escravos? Em 1974?

Mais um dos inúmeros problemas de termos turistas a mais =)

A Grécia não é a Albânia

Foi a Albânia senhores, foi a Albânia. Helena Matos no Observador:

Uma coisa é ser demagogo, fazer bluff, levar o povo para aventuras desastrosas. Tudo isso Tsipras fez mas cedeu quando percebeu que, se não assinasse um acordo com os credores, só lhe restava ver a Grécia transformada no próximo parque temático dos esquerdistas europeus. E esse destino os gregos conhecem-no bem pois têm-no ali mesmo ao lado, na Albânia.

A Albânia que não cedeu ao capitalismo, a Albânia que lutou contra o revisionismo. A Albânia que estava contra os grandes blocos. A Albânia que disse não. A Albânia que acabou tão irrelevante e tão pobre que os albaneses nem têm direito a que se fale da sua crise humanitária, pois a miséria que na Grécia comove, na Albânia chama-se qualidade de vida. Traço pitoresco nas notas dos viajantes, relato de jornalistas em busca do “autêntico”.

E o leitor, quando foi a última vez que ouviu falar nesse paraíso que é a Albânia?

Tirana - Albania

Insultos aos salvadores do governo grego

Greek politics 2015

Pequeno carro da oposição ajuda governo a passar medidas anti-populares do governo do Syriza. Enquanto isso, o Syriza continua a insultar a oposição com insultos como colaboracionistas ou nazis.

Em Portugal também acontece este nível de insultos a quem, mal ou bem, está a salvar o país da bancarrota. Mas na Grécia neste momento ainda é mais evidente: a direita grega apoia o governo do Syriza, sem o qual aquele nem andava, e ainda é “nazi”.

PS: Nazi quer dizer, literalmente, nacional socialista. O que ainda consegue adicionar mais um nível de ironia neste episódio.

 

Direito à opção

Cidadão recusou ligar-se à água de Paços de Ferreira. O tribunal deu-lhe razão.

“a sentença proferida pelo tribunal determina que nenhum cidadão é obrigado a ligar-se à rede pública de água da concessionária Águas de Paços de Ferreira (AGS), tratando-se de uma relação jurídica de natureza privada”.
“nenhum consumidor pode contra a sua vontade ser obrigado a manter um serviço que não deseja, cabendo ao consumidor denunciar o contrato se nisso tiver interesse”.

Esta regra básica de Liberdade aplicada a muitos outros setores teria certamente resultados interessantes.

E agora, Tapados?

Havia recentemente (ainda há?) uma associação chamada “Não Tap os olhos“.
Segundo a sua declaração de princípios, “é uma necessidade ter uma companhia que assegure a proximidade entre continente e regiões autónomas“.

Isto é um disparate tão grande, que é inacreditável que pessoas adultas e, por vezes, bem sucedidas nas suas profissões defendam um disparate destes (mais um caso de racionalidade irracional, por certo).

Como provar o erro da frase a negrito? Simplesmente abrir o mercado e deixá-lo funcionar. Bem, foi precisamente isso que os Açores fizeram. O resultado?
Continentais só estavam à espera das low cost para viajarem até aos Açores.

Açores

Livraria Lello no Porto cobra entradas

A partir de dia 23, quem quiser entrar na livraria para tirar uma foto, paga. 3€ (!)
O valor é dedutível na compra do 1º livro. Esperam-se os indignados do costume.

Venezuelanos postam vídeos de saques a supermercados

Enquanto na Grécia, a deriva para a esquerda parece estar a ser travada a fundo, na Venezuela a marcha para a libertação completa dos bens materiais continua determinada. Segundo a BBC Brasil, nas redes sociais, venezuelanos compartilham vídeos de saques a supermercados:

Toda semana, vídeos mostrando pessoas saqueando um supermercado ou caminhão são compartilhados nas redes sociais pelos venezuelanos. Alguns são vistos milhares de vezes e mostram a crise de abastecimento de alimentos pela qual passa o país.

Com sua moeda em queda livre e altas taxas de inflação, a falta de produtos básicos tornou-se a norma na Venezuela. A crise se instaurou no início do ano, quando milhares de pessoas postaram fotos na internet de prateleiras vazias – e, agora, a situação parece ter piorado.

Fica também uma imagem do Twitter: 150713131927_saqueos5

Vale a pena eleger um partido de extrema esquerda?

Façamos uma cronologia rápida. Eles certamente levam isto ao charco em poucos meses. Depois, como eles só vivem com o dinheiro dos outros, acabam a pedir dinheiro a alguma entidade internacional. Como qualquer credor, essa entidade vai pedir uma mudança de vida. Em contexto de crise, consegue-se aprovar no parlamento um pacote de reformas do mercado laboral, um enorme pacote de privatizações e diversas medidas que estavam há muito em gavetas. Como bónus, a malta que é cega como uma porta e anda por clubismos, ainda acaba a defender essas mesmas medidas. Dá que pensar…

O Euro, a Grécia e a campanha eleitoral em Portugal

Cataventos

Ricardo_campelo_MagalhaesO meu artigo de ontem no Diário Económico:

“A democracia matou o padrão ouro”. Charles Rist referia-se ao aumento da pressão por programas de redistribuição que obrigam governos a obedecer ou a sair na próxima eleição. A situação do euro prova mais uma vez como esta frase foi profética.

O povo não compreende as vantagens de uma moeda forte,as elites políticas acreditam que compensa retirar um euro a dez milhões para dar um milhão a dez apoiantes, e quem devia explicar a falácia da composição prefere tentar beneficiar do sistema, empurrando o problema para a frente.

Assim, o sistema gera políticos como António Costa: no verbo, solidário com todos e disponível para todos os esquemas redistributivos; na ação, focado na sua sobrevivência a qualquer preço e nos que lha possam proporcionar. Logo, ora o Syriza é a esperança da Europa quando ele ganha, ora se distancia quando aquele leva a Grécia ao abismo; ora promete mais despesa do Estado, ora afirma a sua fé no euro para todos.

Nos próximos meses, o PSD será o oposto da Grécia, o PS será o seu reflexo: um partido que defende tudo e o seu contrário, cheio de conflitos e contradições, incapaz de tomar posições firmes, e em que a única certeza é que vai navegar para onde sopre o vento.

Neo-Liberal grego aprova pacote de austeridade no parlamento

Com 219 votos a favor e 81 contra. (Ver caderno Futuro da Grécia, no Observador)

Resta saber se também o fez tapando os olhos, como Cunhal ao votar em Soares.

Neo-Liberal grego elogia ideia de Passos Coelho

Segundo o DN:

Primeiro-ministro grego diz que não abandona o cargo e que vai aplicar plano de austeridade, mesmo não acreditando nele. E até elogiou a solução proposta por Passos Coelho para o fundo exigido por Merkel.

O caminho de Tsipras…

 

… pode ser magistralmente resumido nesta frase de Dogbert:

O Comunismo é o caminho mais doloroso entre o Capitalismo e o Capitalismo

Ou, adaptando ao caso em questão:

A renegociação grega é o caminha mais doloroso entre a Austeridade e a Austeridade.

The Dogbert Cartoon dt891212dhc0Original do cartoon aqui.

 

BCE decide manter linha de liquidez a bancos da Grécia

Noticia o Diário Económico:

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou hoje, segunda-feira que mantém a linha de liquidez de emergência (ELA) para os bancos gregos, mas ajustada ao haircut dos colaterais fornecidos pelas instituições financeiras da Grécia. O BCE vai “ajustar” o valor das garantias – isso significa que não são aceites pelo seu valor facial, mas sofrerão “descontos”, para se adequar ao risco económico da Grécia. A ajuda só pode ser fornecida com garantias suficientes.

“O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu decidiu hoje manter a ELA para os bancos gregos, cuja decisão tinha sido tomada a 26 de Junho de 2015, dia do anúncio do referendo grego, depois de analisar um pedido feito pelo Banco da Grécia”, disse o BCE numa declaração publicada no seu site. Nesse dia o crédito autorizado era de 89 mil milhões de euros.

A força imparável do lirismo grego choca com o objecto inamovível de Frankfurt.
Mas quem é que no seu perfeito juízo antecipava um desfecho diferente?
Mais um passo na direcção da previsão do RAF.

Leituras adicionais: Business Insider: Greece will not be getting any more cash from the ECB, BloombergECB Tightens Collateral Terms for Greek Bank Liquidity Aid, Financial Times: Q&A: ECB’s emergency loan lifeline for Greek banks.

11703157_10155717948165361_7906080182334538495_n

Gaspar Vs Varoufakis

Muito há a elogiar e a criticar sobre o legado de ambos. No final, uma diferença parece clara:

Gaspar, atravessou o período mais difícil, e saiu quando as coisas ficaram mais fáceis.
Varoufakis fez o oposto.

Goodbye Greece: No Vote Means Grexit Is Finally Inevitable

Chris Wright na Forbes, no seu artigo de hoje:

Greece has spoken – and it says ‘oki’.

That’s no, to most of us: no to further austerity, no to a previous deal offered by the EU, IMF and other creditors, and no, effectively, to staying in the euro. The rhetoric from Greece (…) seems to suggest that the government believes it can stay in the euro and use its referendum as a method to strength its own negotiating position. But the problem is, nobody with any power in Europe seems to share that view. They all think Greece has effectively voted to leave.

Imaginem se fosse com a Caixa…

Querida Caixa Geral de Depósitos,

Tem sido muito complicado pagar os empréstimos que eu pedi. Ontem, durante o jantar, falei do assunto com a família e sufraguei a coisa. Só o mais novo votou a favor do pagamento da dívida. A esmagadora maioria votou contra qualquer tipo de penhora sobre os bens que comprei com o vosso dinheiro. Posto isto espero que a vossa administração tenha em conta a votação lá de casa e se acalmem com essa coisa das cobranças. Afinal…somos uma democracia.

Cordialmente,

Rodrigo Moita de Deus

PS: Este mês estou um pouco apertado por causa das férias. Queiram por favor transferir algum para o NIB do costume. Obrigado.

Imaginem a resposta da CGD.
Pois. A Alemanha não deverá reagir de forma diferente.
Vocês fá-lo-iam?

Como estava a Grécia antes do Syriza?

O PIB a começar a crescer novamente, a Dívida a parar de crescer. Greece out of abyssFonte: The Economist.

Leituras adicionais recomendadas: 10 anos de folia grega. E agora, quem paga?, Grécia: revisão da matéria dada – O resgate e o ajustamentoGrécia: revisão da matéria dada – Onde tudo começou.

O que anda AC a beber?

877x658Para trocar “com” e “sem”?
Situação na Grécia é a «dramática ilustração» do que aconteceria em Portugal sem o PS, diz Costa.
Vídeo na TVI24.
Parece mais uma brincadeira do FuturoPMCosta.

Grécia: O que o “desamparo aprendido” nos pode ensinar

Desamparo apreendido / Learned helplessness pode ensinarmos muito sobre a esquerda em geral e a esquerda grega em particular. Especialmente interessante é a experiência com cães feita por Seligman e Maier:

A experiência consistia em prender e tratar de forma diferente três grupos de cães.
No grupo 1, os cães simplesmente foram presos por uns tempos e depois foram libertados (grupo de controle).
Nos grupos 2 e 3, os cães eram colocados em pares.
Um cão no grupo 2 seria intencionalmente submetido a choques elétricos, podendo pará-lo pressionando um botão.
Um cão no grupo 3 foi ligado ao cão respetivo no grupo 2, recebendo choques de intensidade e duração igual (pois eram parados pelo cão do grupo 2), mas o seu botão não impedia que os choques elétricos.
Para um cão no grupo 3, parecia que o choque terminava de forma aleatória, parecendo que o choque era “inevitável”.
Nos grupos 1 e 2, os cães recuperaram rapidamente da experiência. Contudo, no grupo 3, os cães tinham aprendido a ser indefesos, e apresentaram sintomas semelhantes a depressão clínica crónica.

O povo precisa de ilusões. Como por ex, que pode apoiar o Nepal sem custo, só com um Like no Facebook – para sentir que fez alguma coisa numa situação que à partida o incomodava e que não podia influenciar. Ou por ex, que pode melhorar a sua situação financeira com um voto.
É por isso que os políticos mentem: porque a população se sente melhor assim.

shocks

Las diez vergüenzas de Grecia

Um excelente apanhado do Libremercado sobre a Culpa da situação Grega. Excerpto:

Y es que, el origen de la tragedia griega, muy al contrario de lo que defienden Syriza o Podemos, no radica en la pretendida austeridad, sino en su desbocado e insostenible sector público. Grecia fue el país de la UE que más aumentó su gasto público real (un 80% entre 1996 y 2008) y su deuda pública (un 400% superior a sus ingresos públicos en 2011) durante los felices años de la burbuja crediticia. Pero estas grandes cifras, siendo relevantes, se tradujeron en hechos muy concretos, cuya realidad ocultan hábilmente partidos como Syriza en Grecia o Podemos en España.

A continuación, se resumen las diez grandes vergüenzas de Grecia que la izquierda europea se niega a reconocer. La ruina helena es una historia llena de mentiras, despilfarros y una enorme hipocresía.

O Futuro da TAP é Azul

O meu artigo de ontem no Diário Económico:

Até 2015, o futuro da TAP era negro. Com o Estado proibido de injectar capital, com uma dúzia de sindicatos fortes que ostensivamente provocava prejuízos, com muitos clientes desiludidos e com uma gestão interessada em satisfazer ‘slogans’ políticos, a empresa definhava.

Com a privatização, o futuro da TAP é azul. Movido pelo retorno do investimento, a conversa mudou completamente: dezenas de novos aviões, dezenas de novas rotas, centenas de milhões de investimento. Para reduzir custos sem despedimentos, avança-se com crescimento e eficiência. A companhia está de cara lavada e representará em breve o país em mais cidades americanas e brasileiras.

Esta é a diferença entre uma liderança cujo património pessoal não paga o preço do erro e uma liderança cujo património beneficia directamente da qualidade da sua gestão e da energia positiva que injecta na companhia. Para os donos da TAP ganharem, os clientes têm de ganhar. No fim, o que vai fazer a diferença é este foco no cliente.

Mises sobre um boom como o da Grécia

Depois de ler este excelente artigo do Carlos Guimarães Pinto, lembrei-me de Mises sobre o boom induzido pelo crédito, naquela que é uma das minhas citações favoritas:

É impossível evitar o desmoronamento da actividade económica causada pela expansão do crédito. A escolha é somente se o colapso virá mais cedo, como resultado do abandono voluntário de políticas de crédito artificial à Economia, ou mais tarde como uma crise catastrófica do sistema financeiro.”, Mises

Podem usar esta citação (em Inglês) no vosso fundo de ecrã (blog) (link para imagem):

Conferência Call for Liberty II

Depois do sucesso de Conferências como “Conferência do Liberalismo Clássico” e “Call for Liberty“, o Instituto Mises Portugal organiza este Sábado a “Call for Liberty II“.

A conferência é no próximo Sábado (27 de Junho) na Nova School of Business and Economics, em Lisboa. Das 14 às 20h, estarão em debate os temas:

  • Croney Capitalism vs Free Market Capitalism – por Helio Beltrão (Pres. Mises-BR)
    (Austrian Scholars Conference, Google+ sobre Mises-BR, 1º Hangout Mises.BR)
  • A Cultura Intervencionista no Brasil – por Bruno Garschagen (Mises-BR) (Vídeos)
  • Portugal 2016: Como Encolher o Estado – por Miguel Botelho Moniz, Mário Amorim Lopes e Ricardo Campelo de Magalhaes (O Insurgente)
  • Bitcoin: As Criptomoedas como Foco de Liberdade – por Carlos Novais (Causa Liberal) e Pedro Cunha (1º Português a transaccionar um imóvel em Bitcoin)

A conferência na Nova é gratuita, bastando para isso inscreverem-se no evento de Fb.

Call for Liberty - Mises Portugal