‘he go crazy’

Já por várias vezes pensei em escrever sobre Sampaio da Nóvoa, mas tenho descoberto que o candidato presidencial é um tema difícil. Rio-me imenso a ler a pomposidade e auto-encantamento do senhor e ainda não estou convencida que a sua candidatura não seja um plano de alguém maquiavélico (e com um tremendo sentido de humor) com algum objetivo que eu ainda não vislumbrei (além de enredar o PS nesta ridicularia). As únicas palavras que me ocorrem para escrever são ‘a criatura é lunática’. Poderia eventualmente referir os sapatos de padre que o senhor usa, mas essa essa informação tem copyright da Margarida Bentes Penedo e ficar-me-ia mal roubar as observações alheias. Na verdade, quando penso em Sampaio da Nóvoa recordo-me sempre deste pequeno interlúdio do Fawlty Towers:

Pelo que o melhor é lerem este maravilhoso texto de Paulo Tunhas sobre Sampaio da Nóvoa, quase tão hilariante como a personagem que descreve.

Do imperialismo chega o golfinho

golfinho

O mamífero marinho foi apanhado pelo Hamas em plena actividade subversiva. Terá sido presente a juíz e aguarda a presença de um tradutor.

Leitura complementar: Do imperialismo chega o cisne.

 

 

Perfil dos leitores d’O Insurgente

Aqui ficam alguns dados sobre o perfil da comunidade Insurgente (com base nas adesões à página d’O Insurgente no Facebook):

– A maioria (58%) está entre os 25 e os 44 anos.

– Em termos de países o top 10 é o seguinte:

1 – Portugal
2 – Brasil
3 – Reino Unido
4 – Angola
5 – EUA
6 – Espanha
7 – Alemanha
8 – Suíça
9 – França
10 – Bélgica

– Em termos de cidades o top 10 é o seguinte: Continuar a ler

230.000

A página d’O Insurgente no Facebook, que agrega já mais de 7.000 pessoas, atingiu nos últimos dias 7 dias pela primeira vez um alcance superior a 200.000 pessoas, mais exactamente: superior a 230.000.

Obrigado ao autor anónimo pelos cartazes e a todos os leitores pela preferência e divulgação.

Blogar faz mal à saúde

Blogger Hacked to Death in Bangladesh, Fourth This Year

Attackers armed with machetes killed a blogger in Bangladesh on Friday, the fourth killing of an online critic of religious extremism in less than six months.

Niloy Chatterjee, 40, who advocated secularism, was killed in his flat in the capital Dhaka, said police official Mustafizur Rahman.

“We are speechless. He was demanding justice for the killing of other bloggers,” said Imran Sarker, head of a network of activists and bloggers.

“Who will be next for demanding justice for Niloy?”

Chatterjee, who used the pen-name Niloy Neel, was a critic of religious extremism that led to bombings in mosques and the killing of civilians, Sarker said.

Chatterjee was also one of hundreds of bloggers driving a movement demanding the death penalty for Islamist leaders accused of atrocities in Bangladesh’s 1971 war of independence.

O melhor mês de sempre d’O Insurgente

Conforme já aqui havia dado conta, Julho de 2015 foi o melhor mês de sempre em termos de audiências n’O Insurgente. O mês terminou com mais de 348.000 visitas registadas no site, com a média de visitas diárias a superar em Julho de 2015 pela primeira vez a marca das 11.000.

No que diz respeito a outros canais de divulgação, para além das muitas pessoas que seguem O Insurgente através dos mais variados readers e por email, a página d’O Insurgente no Facebook agrega já mais de 6.700 pessoas e o blogue conta também com mais de 1.900 seguidores via Twitter.

Obrigado a todos os leitores pela preferência.

Julho de 2015: o melhor mês de sempre d’O Insurgente

Ainda faltam alguns dias para o final do mês mas Julho de 2015 é já o melhor mês de sempre em termos de audiências n’O Insurgente. Depois de terminado o mês haverá números mais exactos, mas a média de visitas diárias deverá superar este mês pela primeira vez a marca das 11.000.

Obrigado a todos os leitores pela preferência.

a gente mais reles que o mundo produziu

Já tinha apanhado ontem os comentários ignóbeis de uma criatura (supostamente humorista) cuja falta de educação só é igualada pela falta de piada. Mas hoje, depois de ler este texto de Ana Sá Lopes, percebi que não tinha sido só a criatura supostamente humorista a pegar na aparição de Laura Ferreira sem cabelo. A ultra-socrática Estrela Serrano também achou por bem meter as suas colheradas. Bom, que alguém use uma mulher a recuperar de um cancro – que, como Ana Sá Lopes bem diz, viveu a sua doença dignamente e discretamente – para atacar um político (que também não anda a alardear a doença da mulher) é do mais soez e vil que se consegue. Mas, sinceramente, cada vez mais me convenço pelo que vou vendo que ser/ter sido socrático é estar moralmente e eticamente em estágio sub-humano (apesar da paradoxal propensão desta gente para dar lições de moral).

Mas o texto de Estrela Serrano é mais sórdido ainda noutro nível que não o político. Vejam o que diz a pessoa: ‘tratando-se de um evento oficial, seria difícil evitar a presença de fotógrafos e ainda mais difícil que estes deixassem de fotografar Laura Ferreira, sobretudo encontrando-se ela numa situação singular. A decisão de se expôr, foi, assim, em primeiro lugar sua e de Passos Coelho.’

Laura Ferreira está, portanto, num estado em que se aparece em público está-se a ‘expor’ – e, já agora, expor não tem nem nunca teve acento circunflexo (eu não costumo fazer de corretor ortográfico humano, mas aqui não há perdão de nada). É, como se retira do texto da pessoa Serrano, alguém que não está em condições de estar em locais com fotógrafos e onde fica difícil não ser fotografada. Está, presume-se, como os leprosos da idade média, bons para se fazerem ver cobertos de panos ou, melhor, permanecerem escondidos nas leprosarias.

Mas que gente é esta?! A senhora (a senhora é a Laura, não a outra pessoa, evidentemente), tem toda a dignidade humana em si mesma, tem tanto direito a passear-se pela rua como a pessoa socrática. Não é vergonha nenhuma ter um cancro, não é vergonha nenhuma estar sem cabelo. Pelo contrário, Laura Ferreira foi de uma ENORME CORAGEM ao apresentar-se assim, sem cabelo mas segura. Foi mesmo um ato de esperança para qualquer pessoa que perca o cabelo durante o tratamento de um cancro. E por ser mulher, este ato de Laura Ferreira tem uma carga verdadeiramente libertadora. Não que as feministas idiotas – como lhes chama Ayaan Hirsi Ali – consigam perceber isto. Na verdade, a chicktv levezinha tem mais espessura intelectual do que estas criaturas nacionais do sexo feminino. É verem o vídeo abaixo, da temporada de Sex and the City quando a Samantha teve o cancro da mama.

Quanto ao resto que a pessoa Serrano também diz, referindo-se ao ‘sentimento de compaixão que a sua [de Laura] imagem  sem cabelo provoca’, não tem que se preocupar. Quem, que esteja já no estádio humano, olha para Laura vê apenas uma mulher corajosa. Já quem olha para Estrela Serrano e quem lhe bate palmas e quem faz piadas sobre um cancro, vê que essa gente merece compaixão. Porque há faltas muito mais graves do que a falta de cabelo. E que se notam à vista desarmada e são, essas sim, visualmente assaz repugnantes.

Para a Laura: desejo-lhe boas melhoras. Não aprecio particularmente o seu marido, mas da Laura fiquei muito orgulhosa. E sim, reflete bem no seu marido o seu ato. Não por, como dizem, expor a doença da mulher à procura de compaixão mas, ao invés, por estar orgulhosamente ao lado de uma Laura sem cabelo.

Grécia: O que o “desamparo aprendido” nos pode ensinar

Desamparo apreendido / Learned helplessness pode ensinarmos muito sobre a esquerda em geral e a esquerda grega em particular. Especialmente interessante é a experiência com cães feita por Seligman e Maier:

A experiência consistia em prender e tratar de forma diferente três grupos de cães.
No grupo 1, os cães simplesmente foram presos por uns tempos e depois foram libertados (grupo de controle).
Nos grupos 2 e 3, os cães eram colocados em pares.
Um cão no grupo 2 seria intencionalmente submetido a choques elétricos, podendo pará-lo pressionando um botão.
Um cão no grupo 3 foi ligado ao cão respetivo no grupo 2, recebendo choques de intensidade e duração igual (pois eram parados pelo cão do grupo 2), mas o seu botão não impedia que os choques elétricos.
Para um cão no grupo 3, parecia que o choque terminava de forma aleatória, parecendo que o choque era “inevitável”.
Nos grupos 1 e 2, os cães recuperaram rapidamente da experiência. Contudo, no grupo 3, os cães tinham aprendido a ser indefesos, e apresentaram sintomas semelhantes a depressão clínica crónica.

O povo precisa de ilusões. Como por ex, que pode apoiar o Nepal sem custo, só com um Like no Facebook – para sentir que fez alguma coisa numa situação que à partida o incomodava e que não podia influenciar. Ou por ex, que pode melhorar a sua situação financeira com um voto.
É por isso que os políticos mentem: porque a população se sente melhor assim.

shocks

Marinando

kafkaEu, hoje no Diário Económico sobre a redução do número de pessoas a receber subsídios de desemprego.

Havendo com certeza alguma relação com o aumento do emprego, essa relação não é proporcional. Isto significa que haverá mais gente a frequentar cursos do IEFP e a fazer o eufemístico “trabalho socialmente necessário” bem como muita gente que, sem trabalho, não dispõe de qualquer apoio público.

O resto pode ser lido aqui

Uma nota: fomos convidadas quatro pessoas ( duas ditas de esquerda, duas ditas de direita) para escrever para o DE sobre este assunto. Fico muito satisfeito com o que escrevi, não porque esteja bem particularmente escrito ou seja uma perspectiva original do assunto. Não está nem é uma coisa nem outra. Estou satisfeito porque dos quatro convidados, dois atacam o Governo, um defende o Governo e o quarto, eu, nem uma coisa nem outra. Estou fartinho de comissários dos Partidos e de politiquice. Sabiam que há ideias, práticas e Mundo além da vossa paroquiazinha Governo/Oposição?

O tempo passa num instante II

Devidamente explicado no site da UNESCO. E que o NYT não terá ligado.

Inhabited for more than 2,500 years, the city was given official status in the second century BC when it was an outpost of the Yemenite kingdoms. By the first century AD it emerged as a centre of the inland trade route. The site of the cathedral and the martyrium constructed during the period of Abyssinian domination (525-75) bear witness to Christian influence whose apogee coincided with the reign of Justinian. The remains of the pre-Islamic period were largely destroyed as a result of profound changes in the city from the 7th century onwards when Sana’a became a major centre for the spread of the Islamic faith as demonstrated by the archaeological remains within the Great Mosque, said to have been constructed while the Prophet was still living. Successive reconstructions of Sana’a under Ottoman domination beginning in the 16th century respected the organization of space characteristic of the early centuries of Islam while changing the appearance of the city and expanding it with a second city to the west. The houses in the old city are of relatively recent construction and have a traditional structure.

Leitura complementar: O tempo passa num instante.

Em Sesimbra, as águas andam agitadas

Sesimbra Cultural: CDU destrói economia local a Sesimbra e culpa site regional.

Há malta em Sesimbra que começa a compreender a diferença entre a retórica “amiga do povo” do PC e a realidade nua e crua de uma gestão decidida em comité central.

 

Luxos socialistas (ou, a verdadeira importância da TAP) II

Luxo, versão lunática socialista.

PS suspende privatização se vencer eleições

Partido já reagiu ao anúncio do Governo e garante que vai suspender o negócio se ganhar as próximas eleições. Socialistas entregaram pedido para ouvir Pires de Lima no Parlamento com urgência.

O tribunal decidiu, está decidido

RB

O Supremo Tribunal da Arábia Saudita confirmou a sentença ao blogger Raif Badawi. Caso sobreviva às mil chicotadas, terá que cumprir uma década na prisão por ter insultado o Islão em 2012 e pagar uma multa de mais de 191 mil euros.

Leituras complementares: Os bons ventos que sopram da Arábia Saudita; Ser Charlie na Arábia Saudita e na Câmara de Lisboa; Bloggar faz mal à saúdeDas religiões que são superiores aquilo da liberdade.

Adenda: Saudi Arabia hosts UN-backed human rights summit ‘on combating religious discrimination’

Saudi Arabia has hosted an international conference on human rights, attended by the president of the UN Human Rights Council, and resolved to combat intolerance and violence based on religious belief.

The kingdom convened the fifth annual meeting of the Istanbul Process as its Supreme Court prepared to rule on the case of blogger Raif Badawi, sentenced to 10 years in prison and 1,000 lashes for “insulting Islam through religious channels”. It later upheld the sentence.

The UN HRC recently faced criticism over Saudi plans to head up the council from 2016, in what critics said would be the “final nail in the coffin” for the international body.

Promoção 1º de Maio (2012)

Três anos atrás foi assim:

Boas leituras :)

1.000.000

O Insurgente continua a bater recordes de audiência e, apenas nos primeiros quatro meses deste ano, já superou a bela marca de um milhão de visitas, estando 2015 em excelente posição para ser o melhor ano de sempre.

A título de comparação, em todo o ano de 2011 o blogue registou pouco mais de 1.200.000 visitas, sendo que só em 2013 o total de visitas anual ultrapassou pela primeira vez os dois milhões.

No que diz respeito a outros canais de divulgação, para além das muitas pessoas que seguem O Insurgente através de readers e por email, a página d’O Insurgente no Facebook está a escassas dezenas de atingir as 6.000 pessoas e o blogue conta também com mais de 1.700 seguidores via Twitter.

Obrigado a todos pela preferência.

Paulo Guinote em entrevista ao i

Uma entrevista que vale a pena ler, independentemente da concordância que possam ou não merecer cada uma das opiniões expressas: Paulo Guinote. “Em alguns momentos, achei que estava a correr riscos muito altos para o meu próprio bem”

Obrigado, Rui Moreira

Quero acreditar que a peça do NYT sobre Lisboa só se tornou realidade porque o mayor da Invicta fartou-se de desbravar caminho pela imprensa internacional.

Portugal’s Syriza

No The Portuguese Insurgent, estará Portugal a caminho de ter um governo Syriza?

(Certamente por coincidência os links para site estiveram bloqueados logo após pblicar este artigo há 2 dias. Estão a funcionar normalmente agora)

O Insurgente goes international

Está já a funcionar a versão em inglês do Insurgente. O blog “The Portuguese Insurgent” pode ser visitado aqui. Também pode seguir o novo blog no Facebook e no Twitter.

No post inaugural tentei fazer um breve resumo da história política e económica de Portugal para por a par leitores menos conhecedores da realidade portuguesa:

(…)After achieving independence from Spain in 1640, Portugal started its most prosperous period in history. This prosperity was then interrupted when Napoleon decided to attack in early XIX century. The royal family moved to Brazil, a move that started the economic and political decline that lasts until today. The royal family liked Brazil so much that some decided to stay, even after Napoleon was gone. Soon after, they declared Brazil an independent kingdom.

The departure of the royal family to Brazil and subsequent independence led to a century long political and economic crisis. The kingdom was so fragile that no one really noticed when Portugal became a Republic in 1910. Instability continued. The cost of achieving political and financial stability was a heavy-handed conservative dictatorship led by a finance university professor who led the country for 36 years. For some years, the economic and financial decline halted, but at the expense of heavy political repression.

The fight against the right wing dictatorship was led by communists supported by the Soviet Union, and by socialist freelancers.(…)

Ler o resto aqui

Ainda há margem para piorar

O copy/paste a que temos direito.

“(…) O jornal israelita Haaretz aponta as grandes surpresas das eleições em Israel. A primeira é (…)
Como segunda surpresa apontada pelo diário Haaretz (…)
Outra das surpresas apontadas pelo diário israelita foi (…)
De acordo com o diário Haaretz (…)
O fracasso total das sondagens é a outra das surpresas apontadas pelo diário Haaretz (…)”

My take

picture_kafka_drawing“A young lady has felt that my treatment of women in my lyrics and social comments has not been particularly positive. And there’s no reason why it should be. You should take your lumps along with everybody else because women do stupid fucking things, just like the guys do. And if I say guys are stupid and a woman does something stupid, don’t be a whimp about it, just because you got that thing between your legs is no problem.” – Frank Zappa

 

My turn. Maria João, para o peditório das gajas já dei. Não me sobra uma centelha de respeito por seja quem for queira discriminação positiva ou ter prerrogativas especiais porque tem aquela coisa entre as pernas, porque tem uma cor de pele mais escura, porque tem preferências sexuais diferentes, porque tem um dedo a mais ou um fetiche por cavalos. Uma pessoa é uma pessoa, e nos conselhos de administração, o que há, são pessoas. Quero lá saber se são gajas ou não. E quanto a boicotes, devo começar a boicotar empresas em cujos conselhos de administração a média de alturas seja superior a 1,70m ou tenha menos de 50% de canhotos ou mais de 30% sejam gordos ou não fumadores?

Nas sociedades desenvolvidas as mulheres não são discriminadas em coisa nenhuma e, quanto a mim, mal. Sabes o que diz a minha sogra? Filhos são nossos, do pai, serão ou não. Portanto, para mim, o Dia da Mulher, (pelo menos da minha) é todos os dias, quanto a hoje, podem fazer um rolinho.

Já o Nelson Évora, sim é ridículo. Qual empatia? Empatia é ser eu a dar banho à cria todos os dias e a dar os biberons da madrugada. Empatia é ser eu quem passa a ferro e faz o jantar. Empatia é ouvir-vos quando a única coisa que vocês precisam é um saco de pancada para descarregar. Empatia é perceber que hoje, amanhã, depois de amanhã, no dia seguinte e no outro ainda vos dói a cabeça e não vos apetece. E vocês porem-se nos nossos sapatos? Fazem a mínima ideia do que é ser homem, pai, marido, branco e heterossexual? Não, não fazem, nem vos passa pela cabeça a carga que temos que suportar nem as bestas que socialmente somos. Somos nós os únicos culpados e responsáveis pelos males do Mundo. Se alguma coisa corre mal, garanto, a culpa é dos gajos como eu e a gente carrega-a. Pro peditório do gajedo, não dou. Aguentem-se, o que têm no meio das pernas não vos dá direito a serem pessoas especiais, são iguais a mim e aos outros homens todos.

António Costa descoberto II

Existem actualizações no post de António Balbino Caldeira no Portugal Profundo sobre a cobertura descoberta.

Por uma questão de orientação e facilidade de leitura, as novidades encontram-se no Pós-Texto 1 (18:46 de 7-3-2015): A penthouse duplex de Costa e no Pós-Texto 2 (21:38 de 7-3-2015): As explicações de Costa ao CM.

Leitura complementar: António Costa descoberto.

Ai Lello, recordar é viver

lello

José Lello não declarou conta de 658 mil euros Deputado do PS esteve 14 anos sem declarar este valor ao Tribunal Constitucional

Leitura complementar: Pode um homem que tenha falhado o pagamento de impostos no passado ser primeiro-ministro de Portugal?