Trump & Sanders

Tendo em conta os resultados no New Hampshire, que premiaram Trump e Sanders, o meu artigo no jornal ‘i’ de 28 de Janeiro último parece premonitório.

Hillary. Porque sim.

O meu texto de hoje no Observador.

‘Há oito anos, quando Obama ganhou pela primeira vez as presidenciais americanas, Tara Wall – mulher, negra e republicana (donde, votante em McCain) – disse na cobertura da noite eleitoral na CNN ‘today you can’t be black in America and not be proud of what Barack Obama has achieved’ (estou a citar de memória – que costuma ser fiável).

Eu não fiz parte da corte de enamorados do discurso, tão evidentemente vazio que até doía, ‘esperança e mudança’ de Obama. Gozei com fartura nos blogues com a semelhança dos discursos de Obama e as tiradas do presidente Bartlett na série televisiva West Wing e não me surpreendi por ver que o supostamente pacifista presidente tornar o mundo mais perigoso (sim, o querido ISIS) retirando a correr do Iraque. (Se lá deviam ter ido ou não depois do 11 de setembro é outra questão.) A melhor parte (para mim) da presidência de Obama foi a espécie de redenção de um país com uma história de escravatura, de segregação racial, da luta pelos direitos civis e de racismo tão entranhado ao eleger para seu representante cimeiro um negro.

As eleições de novembro também vão ter a sua novidade. Pela primeira vez poderão eleger para a presidência uma mulher (Hillary Clinton), um judeu (Bernie Sanders) ou um latino (Marco Rubio ou Ted Cruz).

Destes todos prefiro a Hillary e não escondo que o sexo da candidata é o fator decisivo. E não, por favor não me macem com a conversa ‘não se deve votar num candidato por ser mulher’. Ser mulher é um fator da identidade do candidato como qualquer outro – na verdade mais marcante do que muitos outros – pelo que o argumento de não se valorizar o sexo tem tanto sentido como não valorizar se tem um doutoramento ou se nem sequer frequentou a universidade, se foi Secretária de Estado ou se foi presidente da associação de pais, se era advogada na vida antes de Washington ou se escrevia livros de poesia experimental.’

O resto do texto está aqui.

O poder da ilusão sobre os iludidos

Totos

O primeiro-ministro deve “viver” numa realidade alternativa e espera que todos partilhem dessa ilusão. Observador:

António Costa não gosta de pôr as culpas em Bruxelas, mas afirmou, neste sábado, que “o Orçamento do Estado estava melhor antes da intervenção da Comissão Europeia”.

Pois… não olhem aos detalhes. Os números apresentados são mais importantes que as fórmulas usadas para os atingir. Fechem os olhos e acreditem na capacidade da geringonça tornar realidade o mais fantástico sonho. Existem unicórnios!

Só quem já viu o filme Inception (“A Origem”) percebe o seu significado, mas Costa e seus acólitos estão a precisar de um totem (objecto que que permite distinguir sonho de realidade):

 

Um sinal tranquilizador do Presidente Marcelo

Uma escolha realçada por João Marques de Almeida:

Marcelo Rebelo de Sousa escolheu Fernando Frutuoso de Melo para chefe da Casa Civil, A escolha não poderia ter sido mais acertada, dada a experiência e competência demonstrada por FFM nos anos que trabalhou na Comissão Europeia. Além disso, Rebelo de Sousa terá um canal directo para Bruxelas, sem depender das informações dadas pelo governo. Num momento em que Bruxelas faz parte da política nacional, o novo Presidente escolheu muito bem.

A descristianização e o suicídio da Europa

Viva a Vénus capitolina! Por P. Gonçalo Portocarrero de Almada.

Esconder a Vénus capitolina e outras estátuas clássicas, que são honra e glória da civilização europeia, foi uma atitude vergonhosa. Que respeito merece um país que não assume a sua cultura e valores?

Continuar a ler

As charlatanices orçamentais da “geringonça”

Artigo do André Azevedo Alves no Observador

A vontade de poder a qualquer custo de Costa depois da derrota eleitoral colocou o PS, o governo e o país reféns da extrema-esquerda. Os efeitos desse preocupante arranjo começam a tornar-se evidentes(…)

O resultado final, bem patente no duro parecer da Comissão sobre o esboço orçamental apresentado pelo Governo de António Costa, dificilmente podia ser mais claro: em poucos meses, a “geringonça” destruiu o (frágil) capital de credibilidade lenta e dolorosamente acumulado ao longo dos últimos 4 anos.

O descrédito é evidenciado desde logo na (expectável) rejeição da inacreditável tentativa de classificar como medidas temporárias a reposição de salários na função pública e a anulação dos cortes aplicados às pensões mais altas(…)

A vontade de poder a qualquer custo de António Costa depois de uma pesada derrota eleitoral colocou o PS, o governo e o país reféns da extrema-esquerda. Os efeitos desse preocupante arranjo – afinal a grande inovação da “geringonça” – começam a tornar-se demasiado evidentes. O caminho que leva das charlatanices orçamentais até uma nova bancarrota pode ser muito curto e a “geringonça” arrisca-se a sair muita cara aos portugueses.

Pato Donald Costa

http://www.nytimes.com/politics/first-draft/2016/02/03/donald-trump-tells-crowd-in-arkansas-i-think-i-came-in-first-in-iowa/

Usando uma tradição muito querida entre alguns políticos portugueses e descoberta nas eleições de 2015, o candidato Republicano à nomeação para as eleições presidenciais nos EUA, decidiu declarar que era vencedor de umas eleições primárias no Iowa em que tinha ficado em segundo e atrás do candidato Ted Cruz por mais de 3 p.p.

Tenho dúvidas que Donald Trump se alie com alguém para conquistar a Presidência, para além da sua própria imagem no espelho, seja ou não engraçadinho. Por outro lado as semelhanças com o tom de pele e de cabelo do actual PM português são escassas. No entanto a capacidade de re-interpretar os resultados de um dia eleitoral a seu favor permitem acalentar que um dia os EUA terão um Presidente a mandar embora todos os mexicanos e muçulmanos para os seus países de origem.

Já o nosso PM terá que esperar que não haja mexicanos, nem muçulmanos a querer vir para Portugal para evitar a aritmética e a contabilidade difícil dos seus aliados com as integrações e os direitos sociais das minorias.

Mas ainda que sem mexicanos o nosso Costa não se vai livrar de uma segunda vaga de brasileiros empurrados pelos êxitos económicos da petista Dilma, em especial se eles tiverem conversado antes com os amigos que por cá andaram numa primeira vaga e saibam quão magnânimo é o contribuinte português .

Há patos para todos os gostos , seja entre o eleitorado brasileiro, português ou americano. No final exclamarão todos eles “quack, quack” tal como o Pato Donald, o que traduzido quer dizer : fui depenado !!!

Zika e Zico

Depois da gripe das aves, da febre das vacas loucas, do vírus Ébola e das famosas polémicas sobre a Hepatite C que ninguém sabe exactamente quanto custam ao SNS , temos uma nova epidemia da OMS e da indústria farmacêutica nos Media, já com contornos de pandemia nas Américas, onde os mosquitos e o Zico se destacam na popularidade.

E eu que julgava que a microcefalia era hereditária nos socialistas e os mosquitos só davam comichão …

A revolução e o terrorismo

morte

Os Marxistas-Leninistas-Maoistas da França e da Bélgica  E os Ataques dos Jiadistas Franceses e Belgas a Paris, pelo Camarada e Educador da Pátria Arnaldo Matos.

(…)É o que acontece, segundo me dizem, com o camarada Lúcio, emigrante operário de Guimarães, um dos mais antigos militantes do Partido, que voltou agora, depois de uma viagem a França, para condenar o terrorismo islamista de 13 de Novembro em Paris. Se a informação é verdadeira, Lúcio abandonou o marxismo-leninismo e o internacionalismo proletário e assentou praça nas fileiras ideológicas reaccionárias do imperialismo francês, ao lado de François Hollande, de Manuel Valls, de Sarkozy, de Marine Le Pen… e de Alain Badiou.

Se ainda se acha comunista e revolucionário, Lúcio tem a estrita obrigação de saber que a violência é a parteira da história e que, enquanto marxista-leninista, tem o dever de repudiar, de todo em todo, o ponto de vista ideológico contra-revolucionário da pequena burguesia relativamente à violência, como qualquer coisa que seria essencialmente e sempre má e imoral.

No plano dos princípios, nós, comunistas, nunca rejeitámos nem podemos rejeitar o terror. O terror é um dos aspectos da guerra, que pode convir perfeitamente e pode mesmo ser indispensável em determinados momentos do combate. Os ideólogos hipócritas do imperialismo e da reacção é que condenam o terror como estratégia de combate das forças anti-imperialistas, do mesmo passo que ocultam o terror quotidiano dos imperialistas contra os povos explorados e oprimidos do mundo.

É certo que os comunistas rejeitam o emprego do terror fora do quadro de operações de um exército revolucionário combatente, articulado a todo um sistema de luta, isto é, rejeitam-no como meio de ataque isolado, independente de uma força armada e em si mesmo auto-suficiente – cfr. Lenine, Por Onde Começar? Obras Completas, Vol. V das Edições Sociais, Paris, 1976, pág. 15.

Mas os jiadistas franceses, nascidos em França, não praticaram os seus actos de guerra como actos isolados; os jiadistas franceses, muito embora nascidos e agindo militarmente em França, executaram os seus actos de guerra no quadro da estratégia de um dos exércitos dos povos árabes e muçulmanos – o exército do Estado Islâmico –, quotidianamente vítimas dos bombardeamentos de guerra do imperialismo americano, europeu e francês, bombardeamentos sistemáticos de terror sobre populações indefesas. (…)

Barcos, ou Bancos ao fundo na Europa?

Hoje , dia 3 de Fevereiro, as 10 empresas financeiras do índice europeu de referência desvalorizaram-se 3.5%. Nada de especial se não fosse no seguimento de uma desvalorização de magnitude semelhante no dia anterior e de uma desvalorização acumulada de 27% desde o início de Dezembro, há meros dois meses. Em praticamente todos os dias a direcção tem sido a mesma: na vertical e para baixo.

Tudo associado a quê ? À forma leviana como a resolução bancária tem sido tratada na Europa desde que o projecto da União Bancária está a avançar  e a burocrática solução do BCE de impor regulações e soluções que obrigam a mais capital, a cada momento (sem que se vislumbre que a FED imponha o mesmo aos bancos americanos) quando com a mesma veemência , criando custos de contexto, afugentam esse mesmo capital de que tanto necessitam muitos dos bancos Europeus.

Por isso ontem, um ex – gestor da GLG, Raoul Pal, dizia em público na CNBC que muitos dos bancos europeus tendiam para valer zero. Sim, leram bem, valor de capital igual a ZERO, o que significa que depois de terem perdido uma capitalizacao bolsista aproximadamente  equivalente ao valor do PIB português em cerca de dois meses, já só falta perderem o equivalente ao PIB da Suíça. Nada de extraordinário para um impressor de nova moeda via QE.

Boa sorte Mário…vais precisar dela. O Draghi e não o Centeno…

Os fins não justificam todos os meios

Um artigo significativo e importante, em especial nos tempos que correm: A Europa e a liberdade. Por José Conde Rodrigues, Professor universitário e secretário de Estado em três governos do PS.

Diz Pablo Iglésias, líder do Podemos: “o que interessa é ganhar (…) a obrigação de um revolucionário é sempre, sempre, sempre, ganhar”. Ora, isto é pura conquista do poder. (Filipe Gonzalez, na passada semana, em entrevista ao El País, chamou o Podemos de “puro leninismo 3.0”!) Isto é dizer que os fins justificam todos os meios.

Estamos de regresso à democracia radical, de convenção, de assembleia, totalitária, tal como no período do terror de Robespierre (que Iglésias evoca, aliás, a abrir o seu último livro Disputar a Democracia), em pleno final da revolução francesa que tanto inspirou regimes sanguinários de todo o mundo.

Dezanove Triliões de Dólares

A dívida pública americana acaba de ultrapassar os 19 triliões de dólares (triliões americanos, isto é: 19.000.000.000.000). Quando Obama tomou posse em 2008 a dívida pública era de cerca 10 triliões de dólares. Falta saber se quando o segundo mandato de Barack Obama terminar, se a dívida pública america fica abaxo dos 20 triliões ou se Obama consegue de facto duplicar a dívida pública durante a sua presidência. As próximas gerações que paguem a conta.

USNationaDebt

Ver US Debt Clock.

Um plano para o desastre

ApresentacaoCenarioMacroEconomico

CGTP quer que Governo resista às pressões da Comissão Europeia
Costa acrescenta mais medidas para a banca no Orçamento do Estado
Risco da dívida sobe para máximos do pós-troika

O cenário de uma bancarrota sem resgate

costa_centeno_troika

Uma reflexão muito pertinente: E se não houver segundo resgate? Por Rui Ramos.

Algures, Lovecraft explica que no género fantástico é um erro exagerar na fantasia. No caso do Esboço do Orçamento de Estado para 2016, o governo exagerou. Os leitores reagiram: a Comissão Europeia, o Conselho de Finanças Públicas, a Unidade Técnica de Apoio da Assembleia da República, as agências de notação, a imprensa nacional e internacional – começam a ser demasiados os que não acreditam na ficção governativa de que gastar mais é a via para equilibrar as contas.

(…)

No meio disto, começa a haver quem receie o pior. E o pior, segundo consta, seria um “segundo resgate”. É curioso. Os portugueses conseguiram mesmo convencer-se de que o ajustamento financeiro negociado em 2011 com a Comissão Europeia, o BCE e o FMI foi a maior calamidade que nos podia ter acontecido. Nunca quisemos compreender que foi uma ajuda. Nunca chegámos a entender que, sem o programa de ajustamento, teríamos tido uma bancarrota, em relação à qual a “austeridade” está como um resfriado para uma pneumonia. Não, o pior que nos pode acontecer não é um “novo resgate”. E portanto, há que fazer a pergunta: se não houver outro resgate? E se, quando nos faltar o dinheiro e o crédito, não houver ninguém para nos emprestar, para nos dar tempo, para confiar em nós?

Quem tem pára-quedas?

Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, ontem em entrevista à SIC Notícias (video):

Bruxelas chumbou o orçamento de França, chumbou o orçamento de Itália, chumbou o orçamento de Espanha e portanto a Comissão Europeia está numa deriva de destruição das economias e portanto cabe aos países e aos governos dos países serem claros na defesa da economia e emprego desses países.

A preocupação não deve ser a Comissão Europeia mas, sim, a agência de notação financeira DBRS. Talvez o inglês técnico dos deputados e governantes do Partido Socialista não seja o melhor para chegarem, rapidamente, ao entendimento de que aquela agência espera o cumprimento das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento, conforme relembra João Caetano Dias:

DBRS_PT

Em Novembro do ano passado, a DBRS manteve o rating da dívida pública portuguesa um patamar acima de lixo, o que permitiu não só aos bancos portugueses usar tais títulos como colateral junto do Banco Central Europeu como, também, esta instituição proceder à sua compra no mercado secundário. A redução do rating (já a ser ponderada) seria, consequentemente, desastrosa para o financiamento de toda a economia portuguesa (pública e privada), elevando a probabilidade de novo pedido de resgate.

"Preikestolen" - Anna Bialkowska @flickr.com (creative commons)

“Preikestolen” – Anna Bialkowska @flickr.com (creative commons)

António Costa está, deste modo, “preso” entre a avaliação da DBRS e a teimosia ideológica da geringonça que, a ser contrariada, significará o início da queda do seu governo.

Vivemos numa época… (no mínimo) interessante. Cabe a cada um de nós não enfiar a cabeça na areia e preparar o nosso pára-quedas. Até pode ser que não seja necessário. Mas é sempre bom de ter à mão.

Charlatanice pura

costa_centeno_troika

Mesmo pelos padrões da geringonça, isto é tão absurdo que custa a acreditar: Governo quer excluir recuo nas medidas da austeridade do défice estrutural

Entre as medidas extraordinárias que a equipa de Mário Centeno estará a excluir do défice estrutural, estão a reposição dos cortes salariais da Função Pública e a redução da sobretaxa do IRS.

Não percebo como pode Mário Centeno prestar-se a este papel e como pode o resto do PS permanecer em silêncio face a algo como tão absurdo como catalogar uma série de medidas que geram (obviamente) despesa corrente como “medidas extraordinárias”.

Brevemente, num país perto de si…

costa_centeno_troika

Parece estar em avançada fase de preparação o remake de um blockbuster de 2011. O filme de 2011 não deixou boas recordações, mas convém não esquecer que os remakes costumam ser ainda piores do que o original…

Bruxelas pede explicações e avisa que pode mandar orçamento para trás
Costa não fala em mudar rascunho do Orçamento e diz-se confiante
PS critica Fitch e considera que está a comparar “alhos com bugalhos”
Porfírio Silva diz que Bruxelas pode estar a “tentar tramar o governo português”
Esquerda quer Costa a bater o pé a Bruxelas como os grandes
Avaliação preliminar da Comissão aponta para défice de 3,4% este ano

No Fio da Navalha

O meu artigo no jornal ‘i’.

O cerco aperta-se

É já para a semana que têm lugar os caucuses do Iowa, dando-se assim ao tiro de partida no processo de escolha do próximo presidente dos EUA. E a coisa está feia tanto do lado Democrata como do Republicano. Se entre os primeiros, Hillary Clinton está novamente a ser surpreendida por um outsider, desta vez de nome Bernie Sanders, já os segundos começaram a fazer contas e a pensar como minimizar o impacto negativo que a nomeação de Donald Trump trará ao partido.

O que está a causar divisões. A conservadora National Review fez sair uma edição muito crítica de Donald Trump (não deixa de ser curioso que sejam os conservadores os mais avessos ao fenómeno Trump), comparando-o a um ditador sul-americano liberto das amarras que são as ideias conservadoras que tornam sensato qualquer pessoa que, com humildade, reconheça os seus limites. O problema entre os republicanos é que quase todos odeiam Ted Cruz, o melhor posicionado para destronar Trump.

A somar a esta confusão, Bernie Sanders pode, caso ganhe como previsto no New Hampshire, vir a ser o candidato dos Democratas à presidência. Sanders é um socialista, dos verdadeiros, e um confronto eleitoral deste com Trump não deixaria de ser inquietante. São dois demagogos que rejeitam a ideia do governo limitado que deu origem aos EUA e, em nome de paixões políticas de cariz mediático, querem impor a sua visão de sociedade aos outros. Tal como na Europa, com Tsipras, Jeremy Corbyn, Marine Le Pen,  Pablo Iglesias e António Costa, a demagogia aperta o cerco nos EUA.

Bocas revolucionárias, uni-vos

maduroboca

No seguimento da revolução perpétua venezuelana, a camarada Ministra da Saúde educa o Povo a não se vergar aos pérfidos desejos dos profissionais que estão ao serviço do capitalismo selvagem e do consumismo em estado puro. A curto prazo, sorrir pode vir a não ser o melhor remédio para os venezuelanos mas os revolucionários devem permanecer unidos no combate à crise económica. A receita é tão simples: basta não usar escova e pasta de dentes mais do que uma única vez por dia. Já a revolução é feita 365 dias por ano.

La ministra de Salud, Luisana Melo, aseguró que la escasez de crema dental en el país se debe a que la gente se cepilla los dientes tres veces al día, cuando según ella “con una vez es más que suficiente”.

 

Adenda: O texto é humorístico. A Ministra da Saúde referiu-se ao excesso de consumo.de medicamentos,  para justificar a sua escassez no mercado. Torna-se cada vez mais difícil distinguir ficção da triste realidade na Venezuela.

je suis estátua romana com nu

O meu texto de hoje no Observador.

‘Já tinha um texto escrito, só a precisar de revisão e apuro do tom cáustico e irónico, a verberar os moralistas anti-abstenção que atacam em cada ato eleitoral, e a explicar como a abstenção é, algumas vezes, mesmo aquilo que os políticos e os partidos merecem e de forma nenhuma um desinteresse pela política e pela participação. Mas não estava destinado a ser, porque de repente apanhei no twitter a notícia de que o governo italiano tinha coberto as estátuas de nus do Museu Capitolini para que estas não ofendessem o suscetível presidente do Irão, pelas Europas em visita oficial.

E depois de se ter dissipado o encarnado que tomou conta do meu campo de visão com esta notícia, lá me decidi que afinal devia escrever sobre os governantes que temos que teimam em esterilizar – ou, se calhar, deformar seria melhor palavra – a realidade em que vivemos na prossecução dos seus objetivos progressistas.

Neste caso do presidente do Irão versus as estátuas de nus romanas, há que ser taxativa.

1) Cabe-nos defender e orgulharmo-nos da cultura europeia, e proclamar que é, até ver, a mais justa, decente e (sim, não tenho medo da palavra) civilizada que o mundo produziu. O facto de ter falhas e imperfeições e potencial de ser melhorada não nos pode levar a um relativismo amoral de fazer equiparar – ou, em alguns casos, denegrir – a nossa cultura ocidental aos barbarismos mais ou menos declarados de outras zonas do globo. E se dizia no outro dia que para defender a Europa temos de defender o Natal, também é verdade que temos de defender as esplendorosas estátuas de nus renascentistas que o génio europeu produziu. É degradante cobrirmos as expressões artísticas da nossa cultura e da nossa História para agradar a um visitante.

2) Se o presidente do Irão não consegue conviver mantendo a sanidade (supondo que a tem) com estátuas de nus, que fique no Irão. Ou, querendo fazer negócios com os europeus e mante relações diplomáticas, engole os puritanismos e aprende a desviar os olhos das partes baixas das estátuas italianas. Ou – já que os progressistas barra lunáticos apreciam tanto ensinar os outros – destaca-se um guia para ensinar ao presidente Rouhani que o mal das estátuas está todo, afinal, no conservador iraniano. Há dois anos estive em Florença com as minhas crianças, que também aproveitaram para se escandalizar (e rir) muito com as estátuas renascentistas de pessoas despidas pelas ruas da cidade. E lá levaram a necessária lição de que os meus filhos querem-se cosmopolitas e não puritanos. Forneço com gosto o conteúdo dos ensinamentos para crianças sub 10 que ofereci às minhas, que aparentemente aproveitaria ao presidente iraniano.’

O resto está aqui.

Renascimento moderado

estatuas

Itália cobre estátuas de nus na visita de líder iraniano.

Leituras complementares: Cepticismo imoderadoUm balanço também ele moderado e Um balanço também ele moderado II.

Sobre as presidenciais na Folha de São Paulo

Artigo sobre as eleições presidenciais portuguesas na Folha de São Paulo com comentários meus e do meu colega Gonçalo Almeida Ribeiro: Comentarista de direita é favorito em eleição presidencial em Portugal.

“examples of breath-taking stupidity”

guia-imigrantes

“Na Alemanha não se dão palmadas no traseiro das mulheres”. O novo guia para imigrantes

A Alemanha tem sido um dos destinos de eleição para a maioria dos refugiados que têm chegado à Europa, naquela que é a maior vaga de imigração desde a Segunda Guerra Mundial. Por isso, foi lançada uma aplicação que serve de guia de comportamento aos migrantes que cheguem ao território germânico.

Por exemplo, explica-se que na Alemanha quando duas pessoas se cumprimentam dá-se os bons dias e olha-se nos olhos. Para além disso, não se dão palmadas no traseiro das mulheres e tanto homens como mulheres podem escolher livremente com quem formam casal ou que religião praticam.

Não acontece muitas vezes, mas neste caso vou recorrer a um artigo de Zizek com que concordo parcialmente: Slavoj Žižek: The Cologne attacks were an obscene version of carnival

This is why the naive attempts to enlighten immigrants (explaining to them that our sexual mores are different, that a woman who walks in public in a mini skirt and smiles does not thereby signal sexual invitation, etc.) are examples of breath-taking stupidity – they know this and that’s why they are doing it. They are well aware that what they are doing is foreign to our predominant culture, but they are doing it precisely to wound our sensitivities. The task is to change this stance of envy and revengeful aggressiveness, not to teach them what they already know very well.

Colónia e o mulherio perfumado e descascado

Sami Abu-Yusuf, o imã da mesquita Al Tawheed, situada nos arredores da cidade alemã de Colónia.

Sami Abu-Yusuf, o imã da mesquita Al Tawheed, situada nos arredores da cidade alemã de Colónia.

Estão avisadas, mulheres. Para não serem violadas. só têm de cumprir os preceitos do senhor Sami Abu-Yusuf.

Warning women against “adding fuel to the fire”, the Imam of a Salafist Cologne mosque has said the victims of the New Year’s Eve attacks in that city were themselves responsible for their sex assault, by dressing inappropriately and wearing perfume.

Speaking to major Russian channel REN TV, Imam Sami Abu-Yusuf’s remarks came during a 12 minute segment bringing Russians up to date with the latest developments in the migrant invasion of Europe. Sandwiched between eyewitness-footage of migrantrampages in Cologne, women being sexually assaulted by apparently Arab gangs, and a segment on a surge of interest in self defence courses in Germany the Imam told the interviewer: “we need to react properly, and not to add fuel to the fire”.

Explaining in the view of Salafist Islam why hundreds of women found themselves groped, sexually assaulted and in some cases raped by gangs of migrant men in cities across Germany the Imam said: “the events of New Year’s Eve were the girls own fault, because they were half naked and wearing perfume. It is not surprising the men wanted to attack them. [Dressing like that] is like adding fuel to the fire”.

Um “tempo novo” no policiamento na Suécia

Swedish police banned from describing criminals anymore in case they sound racist

The crimes “involve everything from lighter traffic accidents to serious crimes like muggings, beatings and murder,” the paper reported.

The letter specifies that, for everyday crimes such as burglary, basic information such as ethnicity, nationality, skin colour and height should not be given.

O chavismo é um sinal de mudança que dá força para seguir a mesma linha

Maduroinfo

A revolução encontra-se numa fase que exige cada vez mais formação nos valores de Chávez, no combate diário nas ruas, criando, construindo e fazendo a revolução. Depois aparecem os resultados.

Maduro decreta el «estado de emergencia económica» durante sesenta días en Venezuela

El nuevo ministro de Economía, Luis Salas, ha anunciado que el Ejecutivo podrá dictar «las medidas económicas que considere convenientes», saltándose el poder otorgado a la mayoría opositora de la Asamblea

El Gobierno de Nicolás Maduro ha declarado este viernes el «estado de emergencia económica» en Venezuela para enfrentar la «guerra económica» que supuestamente sufre el país caribeño orquestada desde sectores de la derecha nacional e internacional. La Asamblea Nacional tendrá ocho días a partir del lunes para analizar el decreto.

«El Ejecutivo nacional podrá dictar las medidas que considere convenientes. Podrá asignar recursos extraordinarios a proyectos presentes o no en el presupuesto», ha asegurado el ministro de Economía, Luis Salas, en rueda de prensa.

La Gaceta Oficial ha publicado el decreto 2.184 por el cual el Palacio de Miraflores declara el «estado de emergencia económica» en todo el territorio venezolano durante 60 días para contrarrestar «una verdadera guerra económica».

Maduro ha denunciado desde su llegada al poder, en 2013, la existencia de un plan internacional para asfixiar económicamente a Venezuela y provocar así la caída de su Gobierno.

Venezuela sufre desde hace años una crisis económica, agravada por la caída del precio del petróleo en el mercado internacional, que ha desabastecido de productos básicos los comercios y ha disparado la inflación.

Gregos descobrem como acabar de vez com a austeridade

TspirasMarisa

E revelam ao mundo um caminho nunca trilhado.

Eurogroup chief Jeroen Dijsselbloem on Thursday said Greece had “fully accepted” that the International Monetary Fund take a role in its third bailout programme despite Athens earlier saying the fund is no longer needed.

“(Finance Minister Euclid) Tsakalotos confirmed to me that the Greek government accepts that the IMF needs to be part of the process,” said Dijsselbloem, who is also Dutch finance minister, as he arrived for talks with his eurozone counterparts.

“It was absolutely clear to him, it was part of the agreement this summer,” he said, referring to Greece’s 86 billion euro ($92 billion) rescue programme.

António Costa declarou que a “Vitória do Syriza é um sinal de mudança que dá força para seguir a mesma linha”

Os bandidos do Podemos

Los diputados «estrella» de Podemos

Un asesor del régimen de Chávez, un ex miembro de ETA y un encausado por agredir a un policía son algunos de los perfiles de los cargos públicos del partido de Iglesias.

Leitura complementar: De Estaline, Hitler, Hugo Chávez,  Kim-jong-un a Pabo Iglésias: o uso dos petizes na propaganda política.

pablo