Between a rock and a hard place

blue and yellow round star print textile
O Reino Unido está proverbialmente perante uma escolha impossível. No seu parlamento não existe maioria disposta a apoiar o acordo de saída negociado com a União Europeia. Não existe uma maioria favorável à saída sem acordo, nem maioria favorável à permanência à revelia do referendo de 2016. Estas divergências são insanáveis. A divisão dos britânicos é total e qualquer dos cenários não reúne maioria parlamentar.

Este é o problema de decisões constitucionais tomadas por maioria simples em vez de maioria qualificada. A maioria formada circunstancialmente no referendo de 2016 tinha presumivelmente vontades contraditórias: Uns queriam sair totalmente da UE, outros queriam sair mantendo acesso ao mercado único; Uns queriam restringir a imigração, outros queriam esticar o dedo do meio à Comissão Europeia; Uns pretendiam obter independência regulatória para poder liberalizar e abrir a economia, outros pretendiam essa independência para ser mais intervencionistas; Uns achavam que o Brexit traria um paraíso conservador, outros um paraíso socialista.

O referendo é um instrumento que pode ser útil para ratificar determinadas decisões. Ou para decidir sobre matérias simples em que uma resposta sim/não é fácil de implementar. Mas é um instrumento perigoso pelo potencial de decisões contraditórias. Por exemplo, no estado da Califórnia foram aprovados em tempos duas propostas: Uma que tornava aumentos de gastos automáticos na educação e outra que limitava os impostos a cobrar pelas autoridades locais (responsáveis pelo sistema educativo). É também perigoso quando a pergunta feita não é respondida de forma capaz pela alternativa sim/não. Dificilmente se pode esperar uma resposta inteligente a uma pergunta estúpida.

Photo by freestocks.org on Pexels.com

9 pensamentos sobre “Between a rock and a hard place

  1. Penso que uma saída possível seria repetir o referendo mas com a condições de renegociar as próprias regras da UE. Dou um exemplo. O tratado da EEA diz que em determinadas situações a livre circulação de trabalhadores pode parar temporariamente. Este ponto poderia ser clarificado para que países fora do Espaço Schengen possam parar a livre circulação de trabalhadores temporariamente em situações de desemprego elevado. Outro ponto que pode ser negociado é a exigência de um determinado número de anos de descontos, pelo menos 2, até que se possa aceder a alguns benefícios sociais como habitação social ou abonos de família. Também se poderia negociar a saída do Tribunal Europeu mantendo total acesso ao mercado único, substituindo-o por um tribunal especial para a EEA, mas isso já seria muito mais difícil de ser aceite por países como a França. Acredito que com o plano original de Cameron o Remain pode vencer um segundo referendo. Mas repetir o segundo referendo mantendo as condições de adesão é uma enorme estupidez.

  2. A saída do mercado único é muito prejudicial para o RU e para vários países europeus onde se inclui Portugal e portanto deve ser evitada mesmo que isso implique cedências impensáveis de ambas as partes.

  3. Luís Lavoura

    Este é o problema de decisões constitucionais tomadas por maioria simples em vez de maioria qualificada.

    Não, o problema nada tem a ver com a maioria ser simples ou qualificada. O problema é que, tal como é usual num divórcio, há duas partes que querem coisas distintas, e um acordo satisfatório para ambas pode ser, pura e simplesmente, impossível de obter.

    É o que se passa neste caso. O Reino Unido quer sair da união comercial mas a Irlanda (tanto a do Norte como a República) não aceita que haja uma fronteira física entre as duas Irlandas. Acontece que os ingleses consideram a Irlanda do Norte como uma colónia sua e estão-se basicamente a cagar para ela, mas a União Europeia considera a República da Irlanda como um seu Estado membro e portanto dá pleno apoio à sua posição de que não pode existir uma fronteira. Nestas condições, um acordo satisfatório para ambas as partes é, basicamente, impossível.

    Não há nada a fazer.

  4. Luís Lavoura

    não existe maioria disposta a apoiar o acordo de saída negociado com a União Europeia. Não existe uma maioria favorável à saída sem acordo, nem maioria favorável à permanência à revelia do referendo de 2016.

    Exatamente. Há três possibilidades (aceitar o acordo de saída, sair sem acordo, ou permanecer na União), e nenhuma delas reúne, presumivelmente, o acordo da maioria – nem dos deputados nem do povo – britânicos. É por isso que a ideia de um segundo referendo é totalmente disparatada – não se pode fazer um referendo em que se escolhe entre três possibilidades.

  5. “Of course it’s not fair — and a damn good thing too. Give the like of
    Baldrick the vote and we’ll be back to cavorting druids, death by
    stoning, and dung for dinner.”, Blackadder, 1987

  6. Pingback: O dilema dos prisioneiros (2) – O Insurgente

  7. Pingback: Between a rock and a hard place (2) – O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.