Jovem universitária e outras metáforas

O Rui Tavares, que tem uma enorme capacidade para se exprimir por metáforas e, sobretudo, por hipérboles, diz, em grande estilo, entre outros “elogios”, que eu permaneço “orgulhosamente ignorante” no que diz respeito à crise dos mercados financeiros. Isto, porque relatei aqui no Insurgente uma conversa casual e real – embora obviamente romanceada – onde o meu interlocutor (por acaso, alguém que até tem uma vida inteira dedicada aos mercados financeiros, de prestígio intocável) conclui que o Rui Tavares estrutura este artigo em redor daquilo que ele classificou como “acertar no totobola à segunda-feira”.

O Rui Tavares escreve uma coluna responsabilizando os gestores dos principais bancos de investimento americanos, afirmando premptoriamente que estes tinham conhecimento e consciência - porque avisados por economistas que facilmente se descobrem à pressa no google (v.g., se forem aqui, encontram a linha geral do que o Rui Tavares escreve, name dropping incluído) – da inevitabilidade da crise; aproveita para dar um salto até ao Iraque, e não perde a oportunidade para mandar uma farpazita a Durão Barroso – “culpado!” – ou apelar ao voto(?) em Obama.

Julgo que este artigo é, em si, criticável, admitindo-se – no mínimo – opinião contrária.

Mas não: para o Rui Tavares, discordar daquilo que ele escreve – que passa, desde logo, por achar que esta crise tem razões muito mais complexas e distintas do que aquelas que ele tem apresentado, e que as soluções a ensaiar andam a milhas daquilo que os autores que o Rui cita admitem – é permanecer “orgulhosamente ignorante”. O Rui Tavares, que quando o “mudar o disco”, se tornará se for o caso num especialista único no importante tema do vôo migratório das aves no inverno - que nunca na vida deve ter visto uma central de liquidação a funcionar, que não sabe seguramente o que é um clearing, o que são as regras de compliance, a DMIF, as IAS/IFRS, Basileia, o Patriot Act, que não sonha o que é um routing de ordens, um ETF, TT’s, CRV’s, ou como se calcula o risco numa carteira de derivados, o que são rácios de solvabilidade, TIER I ou TIER II - impõe que aceitemos que a crise tinha sido antecipada, porque alguém o disse, que foi deliberadamente ignorada pelos gestores dos bancos de investimento; e mais: quem entender que as coisas não foram assim - ainda que esteja consciente da gravidade da crise, das suas causas, e até tenha uma ideia sobre o que se está a passar e o futuro – é “orgulhosamente ignorante”.  

Recorrendo a uma metáfora – que agora que aprendi o que são “figuras de estilo”, acho que me vão dar muito jeito - diria que o RT escreve com uma superioridade e certeza tais que me faz lembrar aquela anedota do anúncio de relax: “jovem universitária, inteligente, culta, falo cinco línguas, sou bonita, linda d+, tenho um bumbum escaldante, sou tão perfeita que nem sei como acabei puta”.

About these ads

8 thoughts on “Jovem universitária e outras metáforas

  1. Onde é que o Rui Tavares diz que tem “uma enorme capacidade para se exprimir por metáforas e sobretudo por hipérboles”? Ai, ai… o RAF anda outra vez a ouvir vozes.

  2. Pingback: Arrastão: Conversas no 9

  3. Acabámos de assistir a uma lição de sapiência, de fazer cair o queixo a qualquer pacóvio. E para rematar, junta-lhe uma anedota que está ao nível do resto da redacção. Todavia, tem a virtude de ajudar a compor uma figura de “macho” bem sucedido. Só não me ri porque a anedota tem barbas.

  4. Dá-lhes Rodrigo, que esse enganador do Rui Tavares merece.
    Fala do que não sabe.
    Abraços
    Luís

  5. Tem graça como os esquerdopatas andam entusiasmados com esta história do fim do capitalismo selvagem e o dealbar de um capitalismo mais justo, mais regulado, mais bem legislado, segundo a cartilha escrita pelo Bush, pelos líderes democrático e republicano do congresso americano, pelo McCain e pelo Obama, e, é claro, com as perspectiva de vitória deste último nas presidenciais.

  6. Diga-me “senhor” Luís Cardoso, o que é um esquerdopata? É uma nova espécie de marsupial, ou é apenas um termo depreciativo da sua autoria para classificar alguém que discorde das suas concepções?
    Eu aposto na segunda hipótese. Não só pelo seu rídiculo salivar contra aqueles que defendem mais regulação nos mercados, mas também porque tenho seguido atentamente o National Geographic e não vi nada referente a descobertas a nível zoológico.
    Mas já agora, se puder, explique-me (como a um desses esquerdopatas pateticamente entusiasmados) o que significa o colapso de grandes instituições financeiras dentro do sistema económico vigente (capitalismo, subentenda-se)? É um bom sinal? É um sinal de má gestão? De má regulação? Ou será apenas sinal que a intervenção do Estado será sempre necessária na economia, dado que o modelo de liberalismo extremo, com todos os agentes a operarem num meio em concorrência perfeita, é, no mínimo, utópico?
    Lembrei-me agora. Sabe o que também é utópico? Aquela doutrina que defende o fim das classes, com todos a viverem em igualdade económica. Penso que é de um tal Marx, e não me refiro ao Groucho.
    Ah estes esquerdopatas regozijando-se com o desaparecimento das poupanças de uma série de pessoas. Malandros…

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s