Centeno: cordeiro útil?

centeno

Leitura complementar: Não íamos “virar a página da austeridade”?

A “geringonça” e a nova página da austeridade

2015-11-04-antonio-Costa-Catarina-martins-Jeronimo-de-sousa

O meu artigo desta semana no Observador: Não íamos “virar a página da austeridade”?

À medida que a demagogia dos propagandistas da esquerda radical que impulsionaram a “geringonça” vai colidindo com a realidade, fica cada vez mais claro que o prometido “virar de página da austeridade” acabará por conduzir a um novo capítulo com ainda mais austeridade. Desde Passos Coelho às instituições europeias – sem esquecer os “mercados” – não faltarão bodes expiatórios a quem apontar o dedo no momento do colapso, mas nessa altura importará recordar que foi a “geringonça” quem fracassou estrondosamente no cumprimento das suas promessas.

Os restantes são Franciscanos do Alasca

A imbecilidade não respeita títulos académicos.

Chumbo

kafka2

Um dos meus amigos é um senhor com bem mais de 70 anos que há quase cinquenta tem actividade ligada ao comércio (interno) e à exportação. Já teve indústrias e hoje é dono (embora já se tenha afastado da gestão) de uma cadeia de cerca de 80 lojas em Portugal. Um senhor curioso, hiper-activo e que não desiste de pensar.

Contou-me hoje que em Julho de há um ano fez uma experiência que repetiu na semana passada. Em 2015, numa sexta feira cerca das 17 horas, ficou 15 minutos à porta de uma loja Primark a contar o número de sacos que saíam. Em Julho de 2015 contou 188 sacos cheios em 15 minutos. Ficou mais 15 minutos à porta de outras duas lojas, numa contou 27 sacos, na outra 7 sacos. Na sexta feira da semana passada, mais ou menos exactamente um ano depois, fez o mesmo à porta da Primark. Contou no mesmo período de tempo, 81 sacos meio vazios. 81. Uma quebra de 57%.

Bem sei que isto é uma história de um caso que, por si só, significa muito pouco. Mas para quem, como eu, lida com centenas de clientes deste tipo não é surpresa nenhuma. Bem pode o 2º Ministro sorrir enquanto sua abundantemente, bem pode a amostra de Ministro das Finanças exibir o sorriso idiota que o caracteriza, podem os deputados da geringonça estrebuchar, gritar e ameaçar. Não adianta, quem trabalha e tem que sustentar uma família sabe perfeitamente o caminho por onde nos estão a levar: de regresso à bancarrota e desta vez não será tão fácil como foi em 2011, 2012 e 2013.

Mas enfim, sobra-nos a tristeza, uma tristeza que pesa como chumbo porque não há nada que possamos fazer.

O segundo resgate e o mundo que mudou…

A culpa? Fica para o próximo governo de Passos. Por Rui Ramos.

Ontem, constou que Costa estava preocupado. Depois, constou que não estava. Não sei se está ou não. Também não sei se o governo vai conseguir enrolar a Europa. Talvez consiga. Mas o que não vai é tornar Portugal um melhor lugar para trabalhar e investir. E sem isso, tudo se esfumará um dia, quando o BCE acabar com o dinheiro barato. Dir-me-ão: será como em 2011. Passos Coelho terá de vir limpar a casa, e lá ficará outra vez com as culpas. O próprio Passos, no conselho nacional do PSD de quarta-feira, ter-se-ia muito cristãmente conformado com esse destino. Mas acontece que o mundo já não é o mesmo de 2011, a Europa não é a mesma, nem Portugal é o mesmo.

Sanções a pensar no futuro

A política das sanções ou a sanção das políticas. Por Francisco Veloso.

É claro para todos, incluindo para a Comissão Europeia, que as sanções não vão ajudar o país a recuperar a sua situação económica e a resolver o défice. Mas a razão das sanções é penalizar políticas que claramente se desviam dos objetivos do Tratado Orçamental, para que não voltem a acontecer no futuro. E, neste capítulo, tenho muitas dúvidas. Não encontro nos orçamentos dos últimos dois anos uma determinação em resolver o défice de forma permanente. Assim, se (pelo menos a ameaça de) a aplicação de sanções servir para corrigir este comportamento no futuro, elas estão a cumprir o seu propósito. A decisão última não é da Comissão, mas antes do Ecofin, e por isso eminentemente política, um exercício de convencimento sobre o futuro, com base em dados do presente e do passado. Um debate que mistura a política das sanções com a sanção das políticas. Veremos as conclusões!

#EstaleiroMunicipal #Lisboa

As próximas eleições autárquicas serão em Setembro/Outubro de 2017. Em Lisboa já se “trabalha” para as habituais inaugurações, sempre agendadas nos meses anteriores ao acto eleitoral. Que certamente contribuirão para o crescimento do “investimento” público. Até pode ser que consigam ajudar o governo geringonça a chegar mais perto do défice orçamentado de 2,2% do PIB…

Deixo aqui um desafio para o Verão: contribuam (no Twitter, Instagram ou Facebook) com fotografias deste frenesim de obras, usando as tags #EstaleiroMunicipal + #cidade. Aqui fica a minha primeira, na Avenida Fontes Pereira de Melo:

Boas fotos!

Marcelo e Costa vão dar cabo disto tudo

O meu artigo hoje no Diário Económico.

Marcelo e Costa vão dar cabo disto tudo

Para justificar a sua existência, o Governo do PS contou que o anterior tinha destruído postos de trabalho, colocado o Estado Social em risco e que se preparava para entregar o país aos neoliberais de Bruxelas. Em Bruxelas, e de novo para se justificar, disse que a anterior política orçamental não tinha cumprido as metas do défice. Era preciso mudar. Esta foi a história que o PS contou para justificar a sua chegada ao poder.

Entretanto, todas as instituições relevantes na matéria têm revisto em baixa as previsões de crescimento económico para 2016. No seu programa de governo, o PS punha o país a crescer 3%; agora as previsões são de 0,9%. E como o Orçamento de Estado foi delineado em sonhos deste género, não é difícil imaginar o que vai acontecer ao défice, que já se prevê ficar acima dos 3% do PIB.

Ora, é este Governo, que contou em Bruxelas que a meta do défice não tinha sido cumprida em 2015, e que se prepara para fechar 2016 com um défice superior a 3% do PIB, que diz estar a defender os interesses do país. É nesta altura que assistimos aos contornos de uma nova história do PS. Uma história de horror e com consequências gravíssimas para os portugueses. E que história é essa?

Tem duas partes distintas. Primeiro, desvaloriza-se a queda do crescimento, a derrapagem das contas, o atraso no pagamento aos fornecedores. O importante é que o país se sinta feliz. Um pouco à semelhança do que Salazar conseguiu nos anos 40 e 50. Aqui, Marcelo Rebelo de Sousa tem tido uma grande importância, distribuindo afectos e desvalorizando as más notícias. No fundo, se sorrirmos não se passa nada. A segunda parte é o confronto com Bruxelas.

Aqui radicaliza-se o discurso, culpam-se os burocratas, os neoliberais por esse mundo fora e os alemães – nesta coisa dos nacionalismos bacocos fica sempre bem odiar um povo concreto – de todos os males do mundo. Na verdade, a culpa é da Europa que não deixa que os nossos políticos sejam irresponsáveis como dantes. Não se admite. Até Catarina Martins se queixa que a Europa não aceita certas políticas de esquerda, esquecendo-se que a Europa, desde 1989, deixou para trás essas certas políticas de esquerda.

Sucede que o país não funciona sem os mercados e sem a Europa. Se quiséssemos que funcionasse teríamos de ser como a Venezuela. Independentes e na mão de um governo opressor. Ora, e infelizmente, é para lá que caminhamos a passos largos. Nunca imaginei que este Governo conseguisse tão depressa destruir o que se alcançou em 4 anos muito difíceis para todos. Mas também tinha esperança de que quando a factura chegasse, como chegou em 2011, o país acordasse e fizesse o que tivesse de ser feito.

Ora, é precisamente aí que está o problema. É que, ao contrário do que aconteceu em 2011, o PS não vai aceitar que Portugal corrija a sua trajectória descendente. Fazê-lo seria o fim desta elite política e empresarial. Algo inaceitável para pessoas como António Costa, Catarina Martins, Jerónimo de Sousa, Ferro Rodrigues e o próprio Marcelo Rebelo de Sousa. Uma nova política de austeridade seria o fim do PS e de todos os que vivem na sua órbita.

Mais há mais: é que a Europa de 2016 não é igual à de 2011. No entretanto deu-se a crise grega, o Brexit, vieram os refugiados, ressurgiram os nacionalismos, de esquerda e de direita, sofreram-se atentados terroristas, apareceu na América um Trump que defende o proteccionismo, e o medo e a desconfiança grassam por aí fora. Não tenhamos dúvidas: este PS, aliado ao BE e ao PCP, vê nestes acontecimentos, não algo terrífico, mas uma oportunidade para se fazer valer, ou seja, escapar. Para a esquerda, o país não vai falir porque não haverá Europa para decretar a falência.

Assim, o que nos espera é uma luta desenfreada entre estes actores políticos pelos despojos. Costa dramatizará o discurso das sanções esperando eleições antes de um novo resgate. Finalmente vencedor pode deparar-se com uma Europa sem força e um PSD domesticado nas mãos de Marcelo. Este, espera pelo desastre para mandar a partir de Belém.

Não deixa de ser interessante perceber que, enquanto o modo de vida estável de todos nós se descompõe e centenas de milhares caminham para a pobreza, a classe política que nos governa tenha já a sua tábua de salvação à mão. Os ratos não fariam melhor.

 

Sanções e CGD no Económico TV

O governo precisa de proteger os interesses que dominam o Estado, nomeadamente através da Caixa Geral de Depósitos. Nem que para isso seja preciso comprar uma guerra com Bruxelas, que justifique esta maioria de esquerda, que justifique eleições antes que a economia se deteriore ainda mais. Os meus comentários, ontem, no Económico TV.

Orçamento [de Estado] participativo

Leio no Jornal de Negócios que o Governo de António Costa “pretende dar aos cidadãos a possibilidade de apresentar ideias para executar com fundos públicos. Verba total será de três milhões de euros.” 0,004% do Orçamento de Estado.

Se existir a opção de devolução do dinheiro aos contribuintes, podem contar com meu voto.

PAN quer proibir caça ao pokemon

025Pikachu_XY_anime_3Segundo o dirigente do PAN, “A caça ao pokemon ensina as crianças desde cedo que capturar animais para uso recreativo é uma actividade aceitável e nós não podemos promover isso”.

Isto podia ser verdade, mas não é. Não se conhece ainda qualquer reacção do PAN à caça ao Pokemon, mas certamente não tardará. Mas no campo dos políticos lunáticos, há outras declarações ainda mais incríveis que são mesmo verdadeiras. Numa altura em que a economia portuguesa trava a fundo, em que há destruição de emprego e investimentos adiados; numa altura em que já nem Centeno acredita que o país atingirá sequer metade do crescimento económico que ele prometia ainda há apenas 6 meses, António Costa vem dizer que é tudo mentira, que os números estão errados e que está tudo a correr às mil maravilhas.

Em meados do ano passado, existia uma forte incerteza em relação às eleições e ao que saíria delas. Muitos investimentos foram atrasados e empregos ficaram por criar na expectativa do que aconteceria no período pós-eleitoral. Esta incerteza é má para a economia, mas quando ela desaparece, seria de esperar que a economia recuperasse. Não foi isso que aconteceu. E não foi isso que aconteceu precisamente porque aquilo que os investidores e empresários receavam que sucedesse, acabou por suceder: o país acabou com um governo inimigo do crescimento económico e da iniciativa privada. As razões que levaram os investidores a atrasarem a criação de emprego, concretizaram-se, não tendo havido a reversão que se esperaria com o retorno à estabilidade política. Todos os números reais que vão saindo, contam essa mesma história. Que o PS se agarre a inquéritos de intenções não concretizadas e com um péssimo histórico a prever crescimento só demonstra a ausência de dados sólidos que contem outra história que não o declínio económico do país.

Medidas anunciadas pelo governo espanhol não chegam

Espanha. Multa zero mas 1.300 milhões em fundos europeus cortados

Jornal “El Español” avança que o “castigo” da Comissão Europeia será uma multa zero mas 1.300 milhões de euros em fundos comunitários congelados. Medidas anunciadas pelo governo não chegam.

Assim vai a gestão política da CGD…

Caixa Geral de Depósitos: Administração da CGD esteve seis meses “sem qualquer orientação” do governo

O conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) queixou-se em junho de não receber “qualquer orientação” e “qualquer explicação” por parte do governo nos seis meses até então, depois de numa reunião com Mário Centeno em dezembro ter sido manifestada “preocupação” e apresentado um plano de capitalização alternativo para o banco público, sem envolver a injeção de mais dinheiros públicos. Um plano que, escreve a TSF, que teve acesso à carta de demissão, ficou na gaveta.

Sanções e Caixa no Económico TV

Hoje às 12 horas vou estar no Económico TV com as sanções e a Caixa Geral de Depósitos em cima da mesa.

O atentado terrorista em Nice visto por et’s revolucionários

arnaldo

Persononificados no PCTP/MRPP, pela facção Arnaldo Matos, o eterno educador do proletariado português.

(…) Há um ano que os factos têm sobejamente demonstrado a absoluta incapacidade das forças armadas e policiais da França para impedir o sucesso dos franceses nos actos de guerra que têm estado a praticar em França.

Existe em França uma guerra civil larvar, de franceses contra franceses, promovida por elementos do povo francês contra o imperialismo e os imperialistas da França.

Essa guerra civil vai crescer cada vez mais e vai mundializar-se. Hollande e os maoistas franceses chamam-lhe terrorismo. Mas a verdade é que essa guerra é cada vez mais a guerra que os maoistas do Partido Comunista de França (m-l-m) se recusam a reconhecer como a guerra do povo contra a guerra imperialista, guerra imperialista esta que o imperialismo francês levou e leva a cabo em África e no Médio Oriente, e que, quer queiram os maoistas da França quer não queiram, está a chegar a França, ao covil dos imperialistas.

Há em França dois milhões de imigrantes portugueses e seus descendentes. Mais cedo ou mais tarde, de um lado ou do outro, esses dois milhões de portugueses vão estar envolvidos na guerra imperialista, como carne para canhão dos imperialistas franceses, ou na guerra do povo contra a guerra dos imperialistas.

De que lado é que estarão então os maoistas do Partido Comunista de França (marxista-leninista-maoista)? Em Portugal, os seus amiguinhos liquidacionistas já estão do lado do imperialismo francês e das polícias secretas portuguesas… Pobre canalha!

Aprender com Israel

Com alguns dias de atraso, aqui fica o link para o meu artigo semanal Observador: A Europa como Israel.

Como sempre aconteceu no passado, as comunidades que perdem a crença em si próprias são, a prazo, incapazes de se defenderem e auto­preservarem. Também aí a Europa tem muito a aprender com Israel.

A “descentralização”

Imagem retirada dehttp://24.sapo.pt/article/lusa-sapo-pt_2016_07_16_2145902743_antonio-costa-defende-que-o-conhecimento-e--a-base--do-futuro-do-pais
Imagem retirada dehttp://24.sapo.pt/article/lusa-sapo-pt_2016_07_16_2145902743_antonio-costa-defende-que-o-conhecimento-e–a-base–do-futuro-do-pais
No passado fim-de-semana, o Primeiro-Ministro António Costa foi a Caminha inaugurar uma biblioteca e dizer a quem o quis ouvir (pouca gente) que “a pedra angular da reforma do Estado é a descentralização”, já que “porque quem está próximo está em melhores condições do que quem está longe para perceber quais são as prioridades certas para fazer o investimento certo”, é “por isso da maior importância” dar “às freguesias e aos municípios mais competências e mais meios para poderem desenvolver os seus territórios”. Como de costume, Costa não se distingue pela particular originalidade do que diz. Desde a fundação do regime democrático que se tornou quase obrigatório para os agentes políticos tecer os maiores louvores ao “poder local” e exaltar as infindáveis virtudes da “descentralização”, supostamente uma das maiores “conquistas de Abril”. Quase não há um político que não sinta a necessidade de explicar à Pátria como a “proximidade” das autarquias aos cidadãos lhes permite “responder” às suas “reais necessidades” de uma forma bem mais eficaz do que “Lisboa” alguma vez o poderá fazer, e os praticantes do ofício que não reproduzem esta ladainha são apenas os que não deixaram para trás o relativo anonimato, e por isso não têm quem lhes ponha um microfone à frente ou lhes empreste umas linhas num jornal. Mas, para desgraça de todos nós, a “descentralização” que se preza e se pede é invariavelmente a descentralização de poder, nunca a de responsabilidade.

Num recente Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses, de acordo com os relatos, os autarcas portugueses reuniram-se em Tróia para se queixarem incessantemente do “ataque” que segundo eles tem sido feito “à autonomia do poder local”, o “menos apoiado financeiramente” pelo Estado na União Europeia. E claro, aprovaram uma resolução pedindo “um processo de descentralização de competências com a carácter universal, que garanta a todos condições de igualdade, que transfira competências para os municípios mas que simultaneamente, lhe propicie os meios necessários e suficientes ao exercício desses poderes”. Traduzindo para português, os autarcas pediram ao Governo mais poderes sem a correspondente responsabilidade: querem que o Governo lhes atribua mais formas de fazer propaganda junto dos munícipes e de alimentar as suas clientelas que, ao mesmo tempo, os isentem dos custos inerentes a essas práticas.

O “poder local” sofre de um pecado original: o de ser em grande medida financiado pelo Orçamento Geral do Estado. O mecanismo é perverso, não apenas por, como se queixam os autarcas, fragilizar em tempos de vacas magras a capacidade das autarquias para desempenharem eficazmente as suas funções, mas acima de tudo por, em qualquer altura, criar um ambiente de desresponsabilização política dos autarcas que dá origem a uma série de fenómenos pouco saudáveis.

Sendo a política partidária o que é, qualquer aspirante a Presidente de uma Câmara tem, primeiro, de criar uma série de cumplicidades com uma mais ou menos vasta (mas nunca dispensável) rede de interesses clientelares, dentro das máquinas partidárias ou ao lado delas, sem as quais não pode sequer ser escolhido para candidato ao cargo. Depois, dependerá delas na campanha eleitoral, de cujas actividades elas próprias em grande medida dependem para obter os seus rendimentos. E se por acaso conseguir fazer com que a maioria dos votantes no seu concelho o escolham, quando se sentar na Presidência da autarquia, terá de manter essas mesmas clientelas minimamente satisfeitas e seguras, para que elas não procurem uma alternativa melhor.

Claro que, se agradar suficientemente ao “povo”, o autarca poderá até dispensar o partido que lá o colocou. O que não falta, na gloriosa história do poder local, são exemplos de quem saiu do partido pelo qual originalmente ascendeu a Presidente da Câmara sem com isso ter perdido o lugar. Mas para agradar suficientemente ao “povo”, o autarca terá forçosamente de “mostrar obra feita”. Seja através de obras-públicas, seja através da realização de festas, seja pela distribuição de empregos nas empresas municipais, seja por outros meios, a “obra” traduz-se quase sempre na distribuição mais ou menos directa de recursos dos cofres da autarquia para os bolsos dos eleitores (ou parte deles), criando uma outra rede de cumplicidades e clientelismo (mais ou menos legal, conforme o caso) com o autarca no centro.

Como parte significativa do dinheiro que sai dos cofres autárquicos para o bolso dos munícipes saiu antes dos cofres do Terreiro do Paço, os custos dessas políticas (e, consequentemente, a responsabilidade por elas) são disseminados por todo o país: como as políticas dos autarcas são financiadas mais pelo Orçamento de Estado do que pelos impostos municipais, o custo inerente a essas políticas é pago pelos contribuintes de todo o país, fazendo-se sentir em menor grau nos eleitores desse autarca. O eleitorado atribui ao autarca local as melhorias de condições de vida por eles conseguida, e ao governo central as culpas pelo mau estado de tudo o resto, e acima de tudo, a raiva contra a elevada carga fiscal que, sem se aperceberem, é necessária para financiar a tal “obra feita” do herói local. Perante este quadro, não é difícil perceber como a situação financeira do país chegou ao que chegou, e pior, que haja tão pouca confiança nos governantes em circunstâncias que, pela gravidade do momento, exigiriam que ela fosse bem maior para que fosse possível realizar as difíceis reformas de que o país necessita.

É por isso que uma boa medida para simultaneamente melhorar o modo de funcionamento do poder local e, a longo prazo, o sistema político como um todo, seria a de retirar às autarquias todo o financiamento proveniente do Orçamento de Estado, e, ao mesmo tempo, baixar o IRS na exacta medida em que a despesa do Estado seria reduzida por essa alteração. Em vez de se alimentarem dos recursos do Orçamento do Estado, as autarquias teriam de passar a depender do que conseguissem cobrar de impostos aos seus munícipes: hoje em dia, oferecem-lhes “pavilhões”, rotundas e “obras” das mais variadas, enquanto “Lisboa”, essa entidade malévola, lhes rouba o dinheiro através dos impostos; se tiver de ser a autarquia a financiar as suas próprias megalomanias, talvez elas não seduzam tanto os eleitores locais de forma tão irresponsável e com consequências que vão bem além das fronteiras do concelho. Se esta medida fosse introduzida, as autarquias que usam as obras públicas como instrumento de propaganda terão mais dificuldade em fazê-lo, por terem de ser elas a financiarem-se a elas próprias, em vez de dependerem do Orçamento de “Lisboa”. Tal como terão mais dificuldade em financiar os empregos dos “amigos” nas empresas municipais. É claro que o Estado central também recorre a estes “meios”, mas apesar de tudo, tem de ter mais cuidado, pois como é ele que cobra os impostos que o financiam, sabe que não pode elevar muito (mais ainda) a carga fiscal, sob pena de sofrer eleitoralmente.

Se acompanhada por uma proporcional redução da carga fiscal imposta pelo Estado, a eliminação do financiamento central das autarquias teria não só a enorme vantagem de aliviar o pesado fardo que os portugueses têm sido forçados a carregar nos últimos anos, como também a não menosprezável vantagem de dificultar a sobrevivência de uma série de mecanismos que minam a vida partidária e, consequentemente, a saúde do sistema político e da nossa democracia. Por razões óbvias (a enorme dependência do partido em relação aos seus núcleos de poder autárquico), PSD e PS (e PCP) terão pouco interesse em aprovar uma reforma deste género. Mas talvez fosse bom que os outros partidos e todos nós fizéssemos com que isso fosse um problema do PSD, do PS e do PCP, em vez do problema de todos nós que é o sistema actual.

Spin City

costa juncker
Expresso, 16/07/2016
Grosso modo é uma expressão com grande latitude, aparentemente, é que na (primeira) carta que Costa enviou a Juncker, o primeiro-ministro não evoca, como o Expresso escreve, que o défice de 2015 possa ter ficado em 2,8% do PIB, excluindo intervenções na banca. A defesa dessa argumentação poderia ter levado a que Portugal nunca tivesse que enfrentar a Comissão num processo de sanções. Quem argumentou assim foram Assunção Cristas e Maria Luís Albuquerque repetidas vezes, o que levou o primeiro-ministro a tristes declarações sobre patriotismo.

Mas parece, que enfim, o governo lá reagiu. No Expresso. Uma ou duas semanas tarde demais.

Sanções contra Portugal e o Estado da Nação

Portugal está entre a espada e a parede, com PS de um lado e BE/PCP do outro. Os meus comentários no Económico TV, com umas breves palavras sobre a selecção no fim.

Sanções e estado da nação no Económico TV

Hoje às 12 horas no Económico TV: sanções contra o défice excessivo e o debate do Estado da Nação, com a geringonça ao leme.

centeno_cachecol

Isto com Centeno está no papo

O cachecol pode não ser suficiente, André, mas convenhamos que Centeno tem a vida facilitada e não é (só) por causa de Éder.

É que quando os colegas ministros lhe perguntarem como pensa controlar o défice das contas públicas o nosso ministro tem uma cartada triunfal:

-Caros colegas, perguntam-me quais medidas vamos adoptar para controlar o défice. Sou um homem feliz por poder dizer que já adoptámos todas as que precisávamos: baixámos o IVA da Restauração e reduzimos uma hora de trabalho diário na função pública sem compensação salarial.

 

Nunca uma coisa esteve tanto no papo desde que a França ia ganhar fácil a Portugal.

Infelizmente, o cachecol não deve ser suficiente…

centeno_cachecol

Dijsselbloem. Mais medidas nos próximos anos em Portugal e Espanha são inevitáveis

“Depende da Comissão. Acho haver uma sanção zero é uma possibilidade, mas a questão é o que é que os países vão fazer este ano e nos próximos anos para resolver os problemas. Quanto mais puderem colocar em cima da mesa, quanto maior o compromisso mostrado à Comissão, talvez isso possa ajudar”, afirmou o responsável.

Leitura complementar: De volta à realidade.

O socialismo real e a abundância

Mais de 35 mil venezuelanos cruzaram fronteira com Colômbia no domingo para comprar alimentos

Mais de 35 mil venezuelanos cruzaram no domingo a fronteira com a cidade de Cúcuta, no norte da Colômbia, para comprar alimentos e medicamentos que escasseiam na Venezuela, revelaram as autoridades colombianas.

Continue reading “O socialismo real e a abundância”

O socialismo real e a paz

Coreia do Norte ameaça EUA e Coreia do Sul por causa de sistema antimíssil

“A República Popular Democrática da Coreia [nome oficial da Coreia do Norte] levará a cabo uma ação física para controlar totalmente o THAAD”, assim que “a sua posição na Coreia do Sul seja confirmada”, anunciou o comando de artilharia das forças armadas norte-coreanas, num comunicado citado pela agência de notícias oficial KCNA.

No mesmo comunicado é apontado que as forças armadas norte-coreanas têm “os meios ofensivos mais recentes” e que irá tomar “medidas correspondentes, impiedosas e poderosas, contra os Estados Unidos, dedicados a acender uma guerra com a implementação da THAAD”.

Refere igualmente que avisou a Coreia do Sul para uma “miserável autodestruição”, como consequência da introdução do Terminal de Defesa Aérea de Alta Altitude (THAAD, na sigla em inglês).

“neoliberais, conservadores e xenófobos” ?

ana_catarina_mendesInfelizmente, o discurso de alguns dos principais responsáveis do actual PS começa a ultrapassar em radicalismo os próprios parceiros de extrema-esquerda da geringonça: PS: “Durão Barroso foi presidente da Comissão nos piores anos do projeto europeu”

A secretária-geral adjunta do PS avisou que “o medo voltou a pairar” na Europa e, antecipando a intervenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates neste congresso sobre o desencantamento europeu, defendeu que “o mal não está nas instituições, mas nos protagonistas do PPE”, que são “neoliberais, conservadores e xenófobos”.

Um regime de cunhas e avençados

Memórias dum Chefe de Gabinete, de Tomás da Fonseca. Por António Araújo.

Logo no primeiro dia de trabalho, Fonseca é inundado por pedidos de emprego vindos de todos os lados e com os mais variados destinos: escolas industriais, correios, serviços geológicos e florestais, o porto de Lisboa… O povo republicano ambicionava as vagas que a mudança de regime supostamente iria abrir. Dezenas de pessoas invadiam o ministério na afanosa busca de um lugar. Na secretária do chefe de gabinete amontoava-se correspondência com queixas de toda a ordem, mas sobretudo empenhos e pedidos. A barafunda era enorme. Nos corredores, dezenas de pessoas vagueavam na expectativa de serem recebidas. Tomás da Fonseca chama José Luís, o velho porteiro, e pergunta-lhe quem é aquela gente toda. Calmamente, como se fosse a coisa mais natural do mundo, o funcionário explica-lhe que são indivíduos que o regime anterior nomeou em troca de serviços prestados. A maioria, diz-lhe, são jornalistas avençados. Tantos que nem sequer cabem na sala que antigamente lhes era reservada. Por isso, deambulavam por ali, na ânsia de saberem se continuariam no activo e na folha de pagamentos. Só da escrita nos jornais – disse um deles a Tomás da Fonseca – não conseguiriam sobreviver.

António Costa e Pierre Moscovici

Costa_Tsipras

O momento Duran Clemente de António Costa. Por Rui Ramos.

A meio da tarde de ontem, tivemos um momento simbólico. António Costa tinha ascendido ao trono parlamentar para gozar o seu triunfo. Estava ele a começar a debitar as glórias de oito meses de governação, quando todos os canais noticiosos o calaram, e as emissões passaram para Bruxelas, para a conferência de imprensa de outro socialista, o comissário europeu Pierre Moscovici. Há quarenta anos, na noite de 25 de Novembro de 1975, aconteceu uma coisa parecida ao capitão Duran Clemente. Procedia ele na RTP à exaltação do Processo Revolucionário em Curso, quando de repente a emissão mudou para o Porto e ele desapareceu do ecrã.

Estado da Nação: Simplex e vacas voadoras

costa_vaca_voadora

O meu contributo para a análise do estado da Nação no especial de avaliação do governo promovido pelo Observador: O novo simplex e as vacas voadoras.