Nazismo e Comunismo

Deveria ser óbvio mas infelizmente para muita gente não é.

Anúncios

Assessor do governo quer ilegalizar PCTP-MRPP

Um dia, de acordo com os desejos do Mestre Rui Cerdeira Branco, adjunto do gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, todos os partidos serão o Partido Socialista.  Aguardo com expectativa a reacção do Camarada Arnaldo Matos face ao desejo de Rui Cerdeira Branco de acabar com o MRPP.

O Grande Irmão, O Partido Socialista e a Polícia do Pensamento fazem o seu caminho.

Leitura recomendada: 1984, de George Orwell. Rápido, antes que seja “extinto” pela nobre vontade dos burocratas em obediência absoluta ao Estado.

Trumpices caseiras

António Costa inspira-se em Trump.

O comunismo como doença

O comunismo e o sarampo. Por P. Gonçalo Portocarrero de Almada.

Sem querer meter a foice (e nunca melhor dito!) em seara alheia, temo que o comunismo possa ser em breve reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como doença. Em plena silly season, a proposta pode parecer disparatada, mas a verdade é que o comunismo reúne todas as condições das maleitas: tem sintomas específicos, provoca reacções alérgicas, costuma ser incurável, é geneticamente transmissível e terrivelmente mortal.

Google Goolag – James Damore

Why I Was Fired by Google

I was fired by Google this past Monday for a document that I wrote and circulated internally raising questions about cultural taboos and how they cloud our thinking about gender diversity at the company and in the wider tech sector. I suggested that at least some of the male-female disparity in tech could be attributed to biological differences (and, yes, I said that bias against women was a factor too). Google Chief Executive Sundar Pichai declared that portions of my statement violated the company’s code of conduct and “cross the line by advancing harmful gender stereotypes in our workplace.”

My 10-page document set out what I considered a reasoned, well-researched, good-faith argument, but as I wrote, the viewpoint I was putting forward is generally suppressed at Google because of the company’s “ideological echo chamber.” My firing neatly confirms that point. How did Google, the company that hires the smartest people in the world, become so ideologically driven and intolerant of scientific debate and reasoned argument?

Google: “any view not left (of) center is not welcome.”

Google Cancels “Diversity Meeting” After Employee Leaks To “Right-Wing” Websites

Remaking Latin American Politics

Uma perspectiva excessivamente conspirativa (a extrema-esquerda tende a projectar nos outros uma replicação dos seus próprios padrões de organização) e muito marcada ideologicamente, mas ainda assim interessante sobre o notável trabalho de Alejandro Chafuen e da Atlas Network na defesa e promoção da liberdade por todo o mundo: Sphere of Influence: How American Libertarians Are Remaking Latin American Politics.

Aos verdadeiros empresários

A minha crónica no Jornal Económico.

Aos verdadeiros empresários

Há uns anos fui jantar numa nova pizzaria no bairro onde vivo em Lisboa. Era uma pizzaria peculiar porque gerida por Nepaleses. Mas as pizzas eram boas, o ambiente simpático, com luzes ténues e agradáveis no interior, e uma esplanada que dava para a avenida, onde se jantava excelentemente no Verão. Os preços eram acessíveis e os donos prestáveis. Falavam mal o português e reparei que nos serviam com uma certa timidez e embaraço. Deram-me a sensação de que não queriam dar nas vistas, como se receassem que alguém reparasse no que estavam a fazer e perdessem o que tinham: aquele estabelecimento. Escrevo na forma verbal do passado, mas o restaurante continua a existir e recomenda-se.

Tornei-me cliente e vou lá de vez em quando. Outro dia, vi um dos donos à porta de outro restaurante que ia abrir no bairro. Ainda estava em obras e ele olhava para aquilo tudo com o mesmo ar inquieto de sempre. Parei e cumprimentei-o; foi a custo que me confirmou que aquele também era dele. E puxando a conversa lá arranquei a informação de que já tinham, em Lisboa, ele e os outros sócios, dez restaurantes. Disse-o a medo, olhando-me de lado devido talvez à minha cara de espanto, mas devo ter-me mostrado orgulhoso pelo seu feito, pois sorriu logo de seguida.

Como advogado tenho dado assistência jurídica a vários empresários assim: que trabalham com gosto, arriscam, têm medo. A maior parte das pessoas não percebe, mas o medo, aquele frio na barriga, é inevitável quando criamos um negócio nosso. A maioria não o percebe porque julga que ter uma empresa, criar um negócio, ser chefe, é mandar e andar por aí a dar-se ares de importante. Esta crónica reúne experiências de vários dias diferentes e foi num outro que tive uma conversa com um amigo que trabalha numa grande multinacional e que se quer despedir para montar um negócio. Rapidamente me apercebi que ele não tinha a mínima noção do risco inerente, não tinha a mínima ideia do que era dar a própria casa como garantia aos bancos para que conseguisse o empréstimo que precisava. Ele trabalha horas infindas, mas não sabe o que é arriscar.

Esta falta de noção da realidade, até entre quem trabalha no sector privado, deve-se a uma ideia preconcebida de que ser empresário é ganhar dinheiro fácil e ter pessoas a trabalhar por nós. Esta percepção advém de um preconceito socialista, cuja simplificação justifica o intervencionismo estatal e a redução das liberdades individuais, e de um sistema partidário que prefere empresários com fortes ligações ao poder político, como foi o caso de Ricardo Salgado, da PT e da EDP, a empresas fortes e independentes, mesmo que pequenas. Mas quem sabe, sabe que um bom empresário, acima de tudo, quer ser livre.

Macron e a liberdade de circulação na UE

Acumulam-se cada vez mais sinais preocupantes para o futuro da UE: Macron plots free movement CRACKDOWN: French president on course for huge EU row

But the Swedish PM now has a particularly powerful ally in the form of Mr Macron, who has taken a surprisingly tough line on internal EU migration since his election in a bid to assuage supporters of Marine Le Pen.

The new Paris chief has railed against Polish haulage firms for undercutting French businesses and has vowed to put an end to cheap Eastern European labour which he says is dragging down people’s working conditions.

Eastern European leaders have been caught by surprise by the way Mr Macron, who was painted as the saviour of the EU during his election campaign, has aggressively attacked one of the bloc’s founding principles.

Compreender o putinismo LXXX

O Ocidente quer destruir a santa mãe rússia de Putin. Como? Com um brinquedo que veio substituir o Pokemon Go e o bandido Alexey Navalny.

Have you tried the fidget spinner? The toy that enjoys a wave of global popularity has now also reached Russia – only to be blamed on national TV for being instrumental in a conspiracy to topple the Kremlin leaders.

 

Insert brain

Parece que o Dr Pedro Nuno Santos, que se tornou famoso pela putativa capacidade de pôr as pernas dos banqueiros alemães a tremer, terá afirmado que confia que o Dr Pote D’Unto…perdão, Dr Alguidar de Banha…ai, perdão, Dr António Costa “voltará” a ganhar as eleições em 2019. Que mal pergunte, quando é que o Dr Pote D’…perdão, Dr António Costa ganhou as eleições para que possa “voltar” a ganhá-las?

Optimismo antropológico

Os nomes das pessoas que morreram nos incêndios em “segredo de justiça” é das desculpas mais esfarrapadas que me lembro de ler ou ouvir. Como é que as doações chegam às famílias, como é que as Seguradoras indemnizam quem devem se os dados destes estão em “segredo de justiça”? Mas pronto, é sempre possível descer mais baixo, é sempre possível que quem nos pastoreia atinja níveis de miséria insuspeitos de poder sequer existir. Sou um optimista antropológico mas às vezes fica difícil.

Compreender o putinismo LXIX

Punitive Psychiatry Reemerges in Post-Soviet States, de Madeline Roache.

Discarded after the Soviet collapse, punitive psychiatry has reappeared again in Russia under President Vladimir Putin, as well as in some neighboring states.

Last summer, Crimean Tatar political activist Ilmi Umerov was receiving treatment for high blood pressure in a Simferopol hospital when FSB officers showed up one day and hauled him off to a psychiatric facility for an evaluation. Umerov, a former deputy chairman of the Mejlis, the Crimean Tatar representative body, had been a vocal critic of Russia’s annexation of Crimea.

In May 2016, the FSB charged him with criminal separatism after he declared, in Tatar: “We must force Russia to withdraw from Crimea.” At the psychiatric facility, a doctor quickly let him know that he would be punished, not treated. “You just need to admit that you’re wrong, and everybody will stop bothering you,” Umerov, in an interview with Euromaidan Press, quoted the doctor as saying. “Simple as that.” When Umerov would not make a deal, he was detained at the facility.

The conditions he endured were appalling. According to his lawyers, he was kept in an overcrowded room with severely mentally ill patients, denied access to his heart and diabetes medications, and forced to go long stretches of time without food.

Umerov was released three weeks later, but he remained subject to criminal prosecution. His trial commenced in June. Human rights activists point to Umerov’s case as an indicator of a troubling resurgence of punitive psychiatry in the former Soviet space.

The practice of using psychiatry to punish religious and political dissidents, including many well-known writers and artists, became notorious during the late Soviet era. The method was reportedly the brainchild of then-KGB Chairman Yuri Andropov, who saw psychiatry as a tool of systematic political repression: victims would be released only after retracting “wrong ideas” that the authorities deemed dangerous to Kremlin rule.

Discarded after the Soviet collapse, punitive psychiatry has reappeared again in Russia under President Vladimir Putin, as well as in some neighboring states.

Over the past five years across the former Soviet Union, more than 30 similar instances have been documented in which activists and journalists have been improperly detained in psychiatric institutions, sometimes for as long as 10 years, reports the Federation Global Initiative on Psychiatry (FGIP), a human rights watchdog. Experts say the real number of victims could be considerably higher. (…)

O PCP, o Augusto Santos Silva e a Venezuela

Entre o nojo e um ministro aldrabão.

Todos têm direito ao disparate

Se calarem Gentil Martins por ser médico, terão de calar Francisco Louçã por ser economista. A minha crónica no i.

Todos têm direito ao disparate

Uma das críticas feitas a Gentil Martins, quando declarou que a homossexualidade é uma anomalia, reside no facto de este não ser um médico qualquer. Na verdade, Gentil Martins é um médico pediatra conceituado. A sua opinião é tida em conta, muitas vezes como verdadeira apenas porque proferida por ele.

Compreendo este ponto de vista, apesar de Gentil Martins ser quem é por ter mantido as suas posições ao longo da vida. Mas o argumento falha também porque, se o seguirmos, muitos outros intervenientes do espaço público, pessoas cujas opiniões são tidas em conta, teriam de pensar duas vezes antes de falar; seriam talvez proibidos de o fazer, o que seria inadmissível num Estado de direito como é Portugal.

A título de exemplo, o economista Francisco Louçã teria de ter muito cuidado com os seus comentários em matéria económica, na medida em que estes estão inquinados pelo seu projeto político. Louçã utiliza as suas credenciais de economista quando, na verdade, está a fazer política. As suas afirmações têm pouca base científica, servindo apenas para sustentar o seu projeto político.

Partindo daqui poderíamos dar outro salto em frente, desta vez em direção a Jerónimo de Sousa. O líder do PCP sabe melhor que ninguém no que deu o comunismo. Apesar disso, defende-o com unhas e dentes. Pior: fá-lo em nome dos pobres, que foram os que mais sofreram com os regimes totalitários que o seu partido apoiou. Ora, da mesma forma que não passa pela cabeça de ninguém calar Louçã e Jerónimo, não me parece que se deva calar Gentil Martins.

Trumpices

Trumpismo no seu melhor. As autoridades podem apreender a propriedade de pessoas que nem sequer estão acusadas de crime, incluíndo em estados onde esta forma de roubo se encontra banida. Só pode ser fake news pois a fonte é jornalista da CBS.

Convite ao desinvestimento

A imagem deste post retrata faixa de protesto do Bloco de Esquerda (BE) pendurada em frente à sede da Altice (ex-PT) e proprietária da marca MEO. E aquela diz muito sobre a política do BE, em particular, e de muitos portugueses em geral: a propriedade privada não é lá muito privada.

O mercado de telecomunicações, como todos outros, depende das vontades e preferências dos consumidores, que ao longo do tempo mudam. Exemplo disso poderia ser primeiro-ministro António Costa ter afirmado, durante debate do Estado da Nação, que escolheu diferente operador para sua casa.

Mas a intenção do socialista líder do governo português não foi elogio à liberdade de escolha dos consumidores mas, sim, ataque directo às opções de gestão da Altice. Como os neocomunistas aprendizes totalitários do BE fazem com habilidoso jogo de palavras e discursos esquivos que, bem visto, só têm um real significado: “a empresa não é vossa, é dos trabalhadores” (claro que, depois, nem os trabalhadores nelas mandam, pois assim tornar-se-iam também proprietários!). No que respeita a socialistas, comunistas e neocomunistas direito ao que é vosso terá sempre estatuto temporário.

Alterações nos mercados, pelas acções dos consumidores, implicam necessariamente mudanças nas empresas que tencionam manter-se em operação. Durante muitos anos a PT, fruto também do seu historial como empresa pública e líder de mercado, foi algo complacente com o crescimento da concorrência. No entanto, o maior erro foi cometido já depois de privatizada, ao continuar a ser instrumento das ambições políticas de governantes. Maus investimentos reduziram valor da empresa, acabando por ser alvo de oferta de aquisição da Altice. 

Antigos accionistas venderam porque o dinheiro recebido valia mais, para eles, que continuação como proprietários da PT. Altice comprou porque acreditava que, implementando mudanças estruturais e estratégicas, a empresa pode vir a valer mais do quanto nela gastou. Estava errada. Não contou com classe política que pretende manter status quo de em tudo e todos querer mandar.

Nota: a reboque da propaganda do BE muitos dirão que Governo deve agir “em defesa dos postos de trabalho”. Só que quanto mais eficazes forem menor o valor da empresa. E maior o convite para que não se invista em Portugal.

Armando Pereira é bom demais para o país que o viu nascer

cover-r4x3w1000-578e5884d7c37-armando-pereira

Escreve o Público que Armando Pereira, «produtor de cabos de fibra óptica», não sossega o Governo, pois «parece não ter o perfil para dirigir uma empresa como a Altice». Armando Pereira é de facto insólito. Ao contrário de outras sumidades, Armando Pereira foi para um qualquer bairro de lata em França aos 14 anos, e aos 11 já era feirante — e não consta que o fosse por carolice. Não foi para um luxuoso apartamento em Paris pago por um amigo, frequentar um mestrado na Sorbonne, com uma dissertação escrita por um obscuro professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Não, foi mesmo trabalhar, imagine-se o despautério. Entretanto percebeu que havia ali uma oportunidade, numa época em que a rede por cabo estava em expansão. Sem o élan de um verdadeiro gestor, daqueles que ganham prémios internacionais e depois levam à falência a respectiva empresa, pede uns 80 mil Euros a um banco para constituir a sua empresa. Registe-se a saloiice do mendicante, que ao invés de pedir 100 mil Euros à Caixa Geral de Depósitos para comprar um Mercedes Classe S, pede-os para fazer efectivamente algo. Fá-lo, e, inusitadamente, chega mesmo a pagar o empréstimo de volta. Constrói um império — sem subsídios, sem o préstimo do Estado, sem favores de políticos.

Conclui-se, portanto, que Armando Pereira é um péssimo gestor, pelo menos quando medido pela bitola dos cânones portugueses que regem a boa gestão e a negociata dos indígenas. Compreende-se, assim, que o pobretanas feito milionário, que não janta no Tavares (quando o quiser fazer, Armando Pereira compra o Tavares), não frequenta a Rua do Grémio Lusitano, não vai caçar ao Alentejo ou recebe prémios de gestão, seja alvo da ira dos pelintras depenados que pululam por Lisboa e brunem os Oxford dos grandes empresários portugueses, dos que sabem negociar com políticos de igual estirpe. Estes, cujo maior feito de gestão terá sido ir à Staples comprar arquivos para o seu gabinete, arrogam-se do direito de criticar as competências de gestão de terceiros. Os mesmos que compactuaram com Zeinal Bava, Ricardo Salgado, entre outros portentos da gestão, glorificados vezes a fio pelo jornalismo indígena, são quem apontam as alabardas a Armando Pereira. Bem vistas as coisas, Armando Pereira não merece mesmo este país. Azar o dele que nele nasceu.

 

PCP reitera apoio ao regime de Maduro na Venezuela

Comunistas portugueses defendem Maduro

O PCP afirma que esta “violenta investida golpista” contra Caracas é uma “contraofensiva lançada pelo imperialismo” para “reverter os avanços e conquistas” — “democráticas e progressistas” — conseguidas pelos países da América Latina como a Venezuela.

No comunicado do gabinete de imprensa, o PCP “reafirma a solidariedade com o povo”, com o Governo de Nicolas Maduro e as “forças patrióticas, progressistas e revolucionárias”.

Como é que a história nos vai julgar?

Hoje no Jornal Económico.

Como é que a história nos vai julgar?

Em Maio, o BCE alertou Portugal que a economia nacional não vai crescer o suficiente para baixar a dívida. Há uns anos, o país precisava ter taxas de crescimento económico de 3% para compensar os défices de 3% do PIB, o máximo que a UE permitia aos nossos governantes, de forma a que estes não pusessem em causa o emprego e a estabilidade que o euro garantia. Agora, já nem isso chega. Na verdade, as taxas de juro da dívida são de tal forma elevadas que só com níveis de crescimento económico muito superiores aos alcançados nas últimas décadas é possível baixar essa mesma dívida. A situação é, pois, calamitosa.

A grande maioria olha para o parágrafo em cima e questiona-se: mas o país não está melhor? Não vemos todos os dias novos negócios a surgir e o Estado até não saiu do Procedimento por Défice Excessivo? Infelizmente, isso é tudo verdade ao mesmo tempo que é tudo mentira. Fruto da realidade incerta que o Governo fomenta, o país revive a conhecida experiência de crescer à custa de dívida. Quando a dívida pública subiu, entre Março e Abril de 2017, 3,9 mil milhões de euros contra os 5,3 mil milhões em todo o ano 2015, podemos concluir que parece que estamos mais ricos, quando na realidade estamos muito mais pobres.

O Governo de Costa tem vivido dos resultados do governo anterior, mas também de uma folga na política monetária que o BCE e a FED tornaram possível enquanto a economia mundial não descolava. Mas até isso tem os dias contados. Não só as políticas do período da troika têm efeitos limitados no tempo como, tanto a FED como o BCE se preparam para  subir as taxas de juros e reduzir os estímulos à economia. Quando isso suceder termina a folga que os bancos centrais permitiram para que os Estados se pudessem reformar, mas que Portugal usou para alimentar clientelas.

Há o sério risco de Portugal se tornar um Estado falhado dentro da Europa, apenas sobrevivendo porque a UE nos segura. Pedrógão, Tancos, as cativações orçamentais que põem em causa serviços públicos para que se conservem benesses dos que votam ordeiramente, são apenas um pequeno aviso do que aí vem. Tal só não acontecerá se o país mudar e mudar muito. Nesse sentido é muito importante que o PSD, ou outra formação política que surja em condições de implementar as reformas necessárias, apresente um programa de governo clarificador. Caso contrário, a letargia a que fomos conduzidos reduzirá Portugal a uma completa submissão em troco de um mínimo de paz social. É legítimo que o país o aceite, mas depois não será legítimo que se queixe. Tal como não será legítimo que nos espantemos com a forma como seremos julgados pela história.

Acima de tudo, manter a casta

A minha crónica hoje no i.

Acima de tudo, manter a casta

Afinal, o histórico défice de 2% do PIB foi conseguido à custa de cativações. Ou seja, o governo não permitiu certas despesas, pondo em causa a prestação de certos serviços públicos, para compensar a reversão dos cortes nos salários da função pública e das pensões.

Aquilo de que se suspeitava – porque o dinheiro não é elástico – está hoje à vista: o plano B do socialismo é pagar clientelas, mesmo que à custa do Estado. António Costa e o seu círculo político perceberam que a única forma de o PS não seguir o caminho de outros partidos socialistas europeus é através da compra de votos. E qual cacique dos tempos modernos, Costa prometeu benesses pagas com fundos públicos, mesmo que à custa do bem comum.

Para piorar a narrativa, e como o crescimento económico dos últimos meses foi conseguido à custa de mais dívida, lá chegará o dia, ou porque já não há condições para pagar mais benesses ou porque o Estado falhou outra vez como aconteceu em Pedrógão e em Tancos, em que acordamos outra vez para a realidade.

Esse momento será cómico, para não dizer triste. Aquele em que Bloco e PCP lavarão as mãos e se tentarão salvar a qualquer custo. Quais ratos, saltarão borda fora na esperança de escaparem e acusarem outros da desgraça para a qual contribuíram. Exímios que são nessa prática política, que agora se considera uma arte, não terão dificuldades em prevalecer. Não deixa de ser curioso como o socialismo se modernizou ao ponto de pôr em causa a boa execução das funções próprias do Estado.

Nancy MacLean e James Buchanan

MacLean on James Buchanan: Fake History for an Age of Fake News. Por David Gordon.

Nancy MacLean’s book was published only a short time ago, but already it has attracted considerable attention. She has uncovered, she tells us, a conspirator against the public interest. James M. Buchanan, the winner of the Nobel Prize for Economics in 1986, was at the center of a nefarious campaign to reverse the needed social changes, supported by the vast majority of Americans, that followed the Supreme Court’s decision in Brown v Board of Education in 1954. Buchanan devised a scheme to privatize Virginia’s schools, in order to maintain segregation. This failed, but Buchanan did not abandon his reactionary campaign. To the contrary, he continued throughout his long life his efforts to destroy popular programs like Social Security. He took time off from his Herculean labors to help shore up the Pinochet regime in Chile. Later, ensconced at George Mason University, he helped train other soldiers of reaction.

I have hesitated to review the book, because many writers have already exposed the most important of its numerous errors. Although MacLean is a well-known historian who teaches at Duke University and has garnered many honors in her career, she makes mistakes that would disgrace a tyro.

My ass II

E o socorro às vítimas da negligência e incompetência do Estado e do Governo em Pedrógão? Onde páram os milhões que a generosidade dos portugueses e estrangeiros entregaram? Já agora, quantos funerais houve relacionados com aquele desastre? Em que estado estão os feridos? E as empresas destruídas e respectivos trabalhadores (não tarda os patrões arruinados estão a ser acusados de se apropriarem do IRS e da TSU dos trabalhadores)? Bem sei, o que interessa são as conclusões dos focus groups e as masturbações dos imberbes aprendizes de feiticeiro. Isto dá vontade de morrer, já dizia o outro, e dá mesmo.

(Não sai já um chorrilho de palavrões porque enfim)

My ass

“If you don’t read newspapers you are uninformed, if you read them, you are misinformed” – Samuel Clemens aka Mark Twain

Desde o início desta história do “assalto” ao paiol de Tancos que a explicação mais plausível sempre me pareceu um problema de inventário. Não me lixem, não conheço pessoalmente o Cmdt do RE1 (embora tenha boas indicações dele por terceiros) mas salvo raras excepções tenho a melhor das ideias acerca do Oficiais de Engenharia e de uma coisa que nenhum dos que conheci pode ser acusado é de falta de rigor. São tão Engenheiros como qualquer um saído do IST ou da FEUP. Aliás são o mais antigo curso de engenharia em Portugal.

 

As Unidades do Exército têm vários Depósitos; de bares onde estão as bebidas e outros produtos destinados aos bares e messes, de fardamento, disto e daquilo. E têm paióis. No limite do pessoal, nenhum Cmdt de um Regimento, mas nenhum mesmo, deixa de ter a noção das prioridades da Guarda. Entre armas e explosivos ou fiambre e cerveja não têm dúvidas. Assim desde que a história aparece, convenientemente logo a seguir ao desastre de Pedrógão, que tresanda. As torres de vigia estavam vazias mas é os tomates. O problema foi isto ter escalado e na Central de Informação não terem percebido a gravidade da versão (pudera, naqueles lados a Defesa é um detalhe do papel do Estado e pouco importante) que puseram a circular. Quem se lixaria no fim seriam uns Oficiais e uma ou outra alforreca com umas estrelas nos ombros e Pedrógão e a inacreditável incompetência do Governo, do Estado e das instituições operacionais geridas por enfermeiros e professores primários passaria à História. Pois, só que lá fora, isto de material de guerra desaparecido é levado a sério.

 

A ver, os tais 44 “lança granadas” são umas merdas que pesam 2,5Kg cada um (em cada pelotão há um certo número de soldados que leva às costas três LGFs – neste caso parece ser M72 LAW que é a mesma merda – Google it, embora não me lembre de quantas munições leva um cunhete, 1495 munições é ridículo; granadas de gás lacrimogénio e ofensivas? E granadas defensivas nem uma? É que quem quiser fazer estragos a sério usa granadas defensivas (bem sei que é contra intuitivo, Google it). Mais uns cordões e umas merdices e está o filme feito.

Ora bem, para haver um problema de inventário que é a única explicação plausível há duas hipóteses, uma envolvendo corrupção outra negligência.

 

  1. Periodicamente há material que tem que ser destruído por ultrapassar o prazo de validade e há, ou havia, vários métodos de o fazer. Basta o tipo encarregue de contar o material a abater fazê-lo sem rigor nenhum (em vez de contar , digamos 364 LGFs contou 320 meio a olho, em vez de 52 cunhetes de munições contou 51, etc. ). Passado uns tempos há uma inspecção e o inventário está todo gatado. Vocês sabem qual é a percentagem que as grandese profissionalíssimas cadeias de supermercados usam para desaparecimentos antes de os produtos chegarem às prateleiras: 7%. E não é só por roubos, é também e essencialmente por erros de contagem.
  2. Outra hipótese é o material ter sido encomendado (imaginemos 1500 LGF), pago e parte nunca ter sido entregue e alguém se abotoa com a diferença que, honestamente, são trocos. Claro que vai dar asneira mais cedo ou mais tarde, mas muita gente metida nestas coisas não prima pela inteligência (ver o caso recente na FA e os mantimentos).

 

Agora, ninguém, mas mesmo ninguém me convence que houve assalto algum ao paiol de Tancos. Mas é que não mesmo. Eh pá! Qualquer paiol está cheio de granadas defensivas. Alguém que quer fazer estragos ou ganhar guita as deixa lá ficar e leva mei a dúzia de ofensivas e de gás lacrimogéneo? Olhem, quem inventou esta história bem pode ir gozar com o raio que o parta. Pedrógão não vai ser esquecido e teve o lado bom de permitir identificar as alforrecas ao serviço do poder.

Nem era preciso PJ, bastaria a PJM agarrar em todos os inventários e ir andando para trás e facilmente chegaria ao buraco. Mas pronto, quem poderia explicar está constitucionalmente impedido de falar (e ainda sabe o que é a honra), quem pode falar está a salvar a pele, a própria e a de outros porque isto escalou. Os imberbes da Central de Informações são uns meninos cheios de maquiavelismo livresco mas sem noção nenhuma do Mundo.

 

Na imagem um M72 LAW, 2,5kg, 640€ cada um. Segundo os espanhóis são 44 coisas daquelas que faltam.

Uma vitória da esquerda

Falhas no incêndio em Pedrógão, o assalto em Tancos que afinal foi uma espertice para enganar os gatunos, a forma como Costa pôs as chefias militares a piar fininho, as demissões dos secretários de Estado por viagens feitas há um ano para verem os jogos do Euro2016. Não foram os partidos de esquerda que nos disseram que na política ia mandar a economia? Olha, conseguiram.

Pedrógão Grande, Tancos e o desgaste do Governo

Artigo com comentários meus e de António Costa Pinto (ICS-UL): Estado da Nação: Pedrógão Grande e Tancos contaminam debate e podem desgastar Governo.

Um governo amoral

Este governo não existe porque não ganhou as eleições. A minha crónica hoje no i.

Um governo amoral

De repente, corre tudo mal. Foi tão rápido que muitos devem estar a coçar a cabeça, pensando o que fazer às crónicas escritas nos últimos meses. Costa, o génio político, afinal não tem mão nisto. Já agora, acrescento que Marcelo também não. É uma evidência, mas a vista da maioria tem andado entorpecida e foi preciso o fumo dos fogos para a aclarar.

Foi a EDP, os empregos para a família de César, Pedrógão Grande, Tancos e, qual cereja em cima do bolo, o focus group. É demasiada realidade em demasiado pouco tempo. E azar dos azares, no Verão, mesmo em cima das autárquicas. Como é que gente tão batida nisto, neste modo amoral de governar, foi apanhada na curva desta maneira? O facto é que, por muito profissional que seja, o governo está ferido de morte porque não ganhou as eleições.

Eu sei, voltamos ao mesmo, mas é Costa que o confirma. Porque, ao não ter vencido as eleições, Costa depende das boas notícias que fabrica e explora. Foi por ter perdido as eleições que depende dos interesses que capturaram o Estado e que PS, PCP e Bloco não querem questionar. Foi por o PS não ter ganho as eleições que o governo se socorreu da bazófia, foi displicente, distorceu factos, mentiu, provocou, deitou foguetes e se apropriou de sucessos alheios. Divertiu. Fez tudo menos governar e, não governando, não perdeu só o rumo, que nunca teve, mas a moralidade que advém duma existência democrática. Um dia cairá sem que ninguém perceba porquê. O que está podre cai assim: sem que se ouça.

Lisboa e a banda do exército saúdam a festa dos brutos

Foto Tiago Petinga/Lusa

Duzentas almas manifestaram-se hoje em Lisboa a favor do regime comunista venezuelano, liderado por Nicolás Maduro. A celebração cívica teve o natural apoio do PCP, através do líder parlamentar, de uma sua afiliada intitulada Conselho Português para a Paz e Cooperação presidida -por mero acaso- pela candidata comunista à Câmara Municipal do Porto e da embaixada do país sul-americano.

O que me indigna não é a defesa por parte de comunistas e comunistas envergonhados de ditaduras brutais e autoritárias desligadas da realidade e do elementar bom senso mas a participação na celebração de apoio às forças progressistas de representantes da Câmara Municipal de Lisboa e da Banda do Exército.

O socialismo do século XXI não muda – continua a ser uma festa brutal e ignóbil.

“O Parlamento Europeu é ridículo, muito ridículo”

Juncker chama “ridículo” a Parlamento Europeu vazio

“O Parlamento Europeu é ridículo, muito ridículo. Saúdo os que se deram ao trabalho de estar na sala. Mas o facto de haver só uma trintena de deputados presentes neste debate é suficientemente demonstrativo que este parlamento não é sério”, disse Jean-Claude Juncker, intervindo no primeiro debate do dia em Estrasburgo, às 09:00 (08:00 em Lisboa), e perante uma sala praticamente vazia.

O descaramento não pede desculpa

A minha crónica hoje no ‘i’.

O descaramento não pede desculpa

Dias depois da tragédia de Pedrógão Grande, Passos Coelho cometeu uma gaffe quando disse conhecer casos de suicídio que, felizmente, não aconteceram. Foi um erro lamentável do qual pediu imediatamente desculpas. Mesmo assim, boa parte da imprensa e comentadores, uns a soldo da esquerda, outros sem vontade própria, não largaram o sucedido, fazendo esquecer a verdadeira vergonha deste mês.

Desde a noite de Sábado, dia 17 de Junho, que Marcelo e Costa desvalorizaram o desastre. O Presidente da República apressou-se a dizer, também sem saber, que se tinha feito o máximo. Mais tarde, quando deu jeito, pôs-se à margem e exigiu explicações. Já Costa, menos impulsivo que Marcelo mas actor de não menor qualidade, surgiu contristado como quem espera que aquela desgraça não ponha termo à festa a que sujeitou o país desde que, todos os dias, precisa de uma boa notícia para legitimar a forma como chegou a primeiro-ministro.

Mas “aquilo” não passou porque, infelizmente, era grave demais. Foram muitos mortos, feridos, desaparecidos, e muita gente que ficou sem nada, para que se passasse um pano por cima. Foi aí que Costa decidiu ser tempo de descer do palanque de chefe de governo e juntar-se ao povo, exigindo explicações. Porque Costa e Marcelo, amigos do povo, não explicam, exigem, deixando de ser quem são quando isso lhes interessa. Deste comportamento lamentável não virá um pedido de desculpas. Eles são demasiado espertos para isso, e o país demasiado manobrável para tal. Até ver.