O Partido Socialista é o Partido do Mundo Que Mais Acredita Que Os Portugueses Acreditam No Governo

No dia 25 de Junho, o jornal Público cometeu um erro amador, em que leu um estudo de forma contrária, e vem vez de noticiar que “Portugal é o terceiro país do mundo onde menos se acredita no Governo” noticiou erradamente que “Portugal é o terceiro país do mundo onde mais se acredita no Governo”, notícia essa que foi entretanto corrigida – ver aqui.

Essa versão inicial errada da notícia foi rapidamente difundida por vários meios de comunicação social e foi de logo aproveitada pelo partido socialista para efeitos de propaganda – o mesmo partido que anuncia desde 2016 a viragem da página da austeridade e que nos brinda com uma carga fiscal recorde. Pode-se ler no maravilhoso tweet do partido socialista, entretanto apagado, o seguinte:

Os portugueses são dos que mais acreditam na política. O estudo é da fundação dinamarquesa Aliança de Democracias que revela ainda que #Portugal é o 3º país do mundo onde os cidadãos sentem que a sua voz faz diferença.

E quer o PS policiar as fake news…

A imagem acima foi retirada daqui.

Anúncios

33 pensamentos sobre “O Partido Socialista é o Partido do Mundo Que Mais Acredita Que Os Portugueses Acreditam No Governo

  1. JMS

    De partir a rir. Um país que, nas ultimas eleições, teve 70% de abstenção e o Público vem com estes “enganos”. E os dinamarqueses… enfim, sem palavras.

    Merecemos a merda de país que temos. E os principais culpados são precisamente os que não votam.

  2. Este PS nomeou Nicolau “ouçam-Baptista-da-Silva” Santos para a presidência da Lusa. Nada mais natural do que exercer, no Twitter, a mesma filosofia editorial daquele idiota enlaçado: retransmitir a mensagem que mais lhe interessa sem validar, antes, a sua credibilidade ou a do mensageiro que a traz.

  3. JP-A

    O púdico tinha ontem um texto que não era só para assinantes. Por mero acaso, era da Paula Teixeira da Cruz a desancar no Rui Rio.

  4. Andre Miguel

    Já repararam que o Estado Socialista Português está a falhar estrondosamente nas areas da saúde, justiça, educação e infraestruturas? É que por acaso são precisamente as únicas em que nós liberais toleramos a intervenção estatal… mas como não temos direita em Portugal está tudo bem. Que a carga fiscal é seja maior e a taxa de poupança menor que no tempo da troika é coisa que não interessa.

  5. ATAV

    André Miguel

    “Já repararam que o Estado Socialista Português está a falhar estrondosamente nas areas da saúde, justiça, educação e infraestruturas? É que por acaso são precisamente as únicas em que nós liberais toleramos a intervenção estatal”

    Você não é liberal, é um daqueles “liberais” que tresandam a feudalismo (para não dizer pior)! E vocês só toleram a intervenção estatal para proteger a propriedade dos ricos ou para perseguir opositores políticos. Ou seja, para colocar a ralé na ordem à bastonada ou ao tiro!

  6. André Miguel

    Falamos em alhos o atav responde bugalhos. Nada de novo na retórica socialista, principalmente quando metemos o dedo na ferida e desmascaramos a hipocrisia.

  7. ATAV

    André Miguel

    Quem utiliza retórica enganadora é você! Você diz que tolera a intervenção estatal em sectores como infraestruturas, saúde, educação e segurança social mas está sempre a dizer que devia ser tudo privatizado e que o peso do estado devia ser reduzido.

    Ou seja, não tolera a intervenção estatal! Só cai nessa esparrela quem quer…

    E a sua tendência de rotular toda a gente que discorda de si como socialistas e os seus ataques constantes aos jornalistas dizem bem ao que vem…

    Agradeço também que não encare o facto de eu o estar a desmascarar como uma defesa do governo actual ou do PS em geral.

    Aliás se você fosse liberal não seria tão hostil ao Partido Socialista. Afinal eles são o partido de poder que mais medidas liberais tomou até agora! Em regra o PS vai apoiando as causas do liberalismo dos costumes: os gays, o aborto, as drogas leves, etc… E também foi adoptando muitas medidas do liberalismo económico que a esquerda mais tradicional não gosta nada! A ver:

    Privatizações e PPP na saúde do Guterres
    PPP rodoviárias e na saúde, liberalização do mercado de trabalho, reforma da segurança social e possibilidade de despedimentos na função pública do Sócrates
    Revisão do Código do Trabalho que mantém o grosso da liberalização do tempo do Passos Coelho por parte do governo do António Costa (Notável tendo em conta que é num governo apoiado pela extrema esquerda)

    E isto é apenas o que me lembro. Se procurasse ia com certeza encontrar mais umas quantas.

  8. ATAV

    André Miguel

    “Falamos em alhos o atav responde bugalhos”

    Por falar em alhos e respondendo bugalhos, relembro-lhe que o tópico do post é sobre jornalismo, não sobre o desempenho do governo!

    Fantástico! Começa a desconversar e quando alguém lhe responde, acusa a outra pessoa de estar a desconversar. Chama-se a isto projecção! Acusar os outros do que nós andamos a fazer. É uma técnica de propaganda amplamente utilizada por gente adepta de regimes pouco recomendáveis.

    Enfim, mais um exemplo do seu “liberalismo”…

  9. André Miguel

    Mostre lá onde é que alguma vez defendi que devia ser tudo privatizado sff. Boa sorte.
    Um post sobre jornalismo? Loool. Que este post mencione a manipulação que o governo faz como arma de propaganda é coisa que não importa…
    Eu falo em direitos fundamentais (saúde, educação, etc) em qualquer sociedade e V. Exa. responde sobre propriedade… tudo a ver.
    V. Exa. é impagável. Como humorista.

  10. ATAV

    André Miguel

    Está enganado! Este post é sobre jornalismo, neste caso como as falhas do jornalismo podem ser exploradas por um partido político. Uma coisa normal, afinal todos os partidos que estão no poder aproveitam-se da boas noticias e ignoram as más. Ou acha que seria diferente se fosse o Passos Coelho no poder? O subtexto do post é que os meios de comunicação não são de fiar… Também é normal aparecerem este tipo de coisas no Insurgente.

    E continuo sem ver o que o post tem a ver com o desempenho do governo nas “areas da saúde, justiça, educação e infraestruturas”.

    Mais uma coisa. A propriedade é uma pancada dos comunistas e dos liberais, portanto escusa de tentar atirar isso à minha cara. Não sou que costumo vir para aqui dizer que a propriedade privada é sacrossanta ou a apelar à nacionalização dos meios de produção.

    O que me interessa é a integridade do estado social. É isso que garante os direitos à educação, saúde e segurança social das pessoas, não a ideologia barata ou declarações bonitas!

    Já que diz que se preocupa tanto com a saúde e a educação como é que se garantem esses direitos reduzindo o peso do estado? Eu não vejo como!

  11. Mister lógico

    ATAV
    Não é necessário haver um estado tão grande nem regras econômicas tão rígidas.
    Existem mais polícias (forças) do que dedos de uma mão, somos considerados culpados pela administração central por erros da própria. Criar uma empresa é meio caminho para um internamento psiquiátrico.
    Estamos numa ditadura burocrática em que derramamos euros e não sangue.
    Existe entre nós quem queira um estado menor, os que acham que menos estado é melhor estado. Acho que me preocupa mais não me deixarem ganhar mais do que me tirarem muito.

  12. ATAV : “[] Como é que se garantem esses direitos [com a saude e a educação] reduzindo o peso do estado?”

    Privatizando uma parte significativa da actual oferta estatal nestas áreas.
    Os privados fazem melhor do que o Estado e com menores custos para a sociedade.
    O Estado faria enormes economias que poderiam servir para baixar os impostos, deixando assim mais dinheiro no bolso das pessoas para poderem gerir livremente as suas vidas, incluindo os seus cuidados com a saúde e com a educação, e para ajudar financeiramente os mais desfavorecidos a terem um acesso satisfatório a esses mesmos serviços.
    Menos Estado não significa menos saúde e educação e nem sequer implica o fim das politicas públicas nessas áreas !
    Num dos paises no mundo que gasta mais em saúde e educação, os Estados Unidos da América, grande parte da oferta é privada (mesmo a que é utilizada pelos beneficiários de politicas públicas, como acontece com o Medicare na saúde e com as escolas convencionadas pelo Estado na educação).

  13. ATAV

    Fernando S

    Os Estados Unidos são um local terrível para se viver comparativamente aos outros países ocidentais.

    Lá existem milhões de pessoas que não têm cuidados de saúde básicos porque não os podem pagar. E mesmo quando podem o preço é muito superior ao dos outros países. Pagam mais e recebem muito menos.

    Na educação os custos são monstruosos e a dívida resultante esmaga as pessoas. Com a agravante que esta dívida não pode ser purgada num processo de insolvência pessoal. Por causa disto há jovens que escolhem não continuar os estudos e formou-se uma indústria empréstimos com um comportamento predatório.

    No Ocidente andamos há quarenta anos a privatizar, liberalizar, conter os custos unitários do trabalho e a baixar os impostos directos das empresas e pessoas mais abastadas.

    O resultado: a desigualdade disparou, a classe média está a desaparecer e os rendimentos da maioria das pessoas estagnaram ou baixaram. Outro resultado disto é que o crescimento das economias ocidentais diminuíram a partir dos anos 80. Sem contar que agora a própria democracia está em risco com a ascenção da extrema-direita.

    Portanto se bem o entendo devemos fazer mais do mesmo só que numa dose ainda maior… Um programa da troika permanente!

    E claro que, à medida que se vai cortando nos direitos das pessoas para encher os bolsos de alguns, vai-se debitando a ladaínha do costume sobre proteger os mais fracos ou como as “reformas estruturais” vão trazer a “competitividade” necessária para enriquecer toda a gente no futuro. Claro que esse futuro nunca chegará! O que virá a seguir será a necessidade de mais “reformas estruturais”.

    Só cai nisto quem quer!

  14. ATAV

    Fernando S

    Eu sei que para si interessa mas eu não quero saber quem é o prestador. Estado ou privado não me interessa. Eu quero é que funcione.

    Mas não espere que eu acredite que menos estado dá melhor saúde ou educação. O mercado não resolve tudo… Os Estados Unidos provam isso!

    Mesmo em países em que o prestador é privado o Estado regula tudo até o último pormenor como no caso da Holanda. Ou seja o Estado é grande e extremamente interventivo!

  15. ATAV : “Os Estados Unidos são um local terrível para se viver comparativamente aos outros países ocidentais.”

    Por isso é que é o pais do mundo para onde mais gente, inclusivé muita dos outros paises ocidentais, quer emigrar !!

    ATAV : “No Ocidente andamos há quarenta anos a privatizar, liberalizar, conter os custos unitários do trabalho e a baixar os impostos directos das empresas e pessoas mais abastadas.”

    O que é certo é que no Ocidente a carga fiscal sobre empresas e pessoas nunca foi tão elevada e a percentagem do rendimento nacional que é acaparado pelo Estado tem vindo a aumentar e atinge hoje máximos históricos.
    Este é um dos factores estruturais que mais tem feito abrandar o crescimento económico nas últimas décadas.
    Mas é também verdade que houve sectores de actividade, como na energia e nos transportes e comunicações, onde houve uma certa liberalização e onde foram privatizadas muitas empresas públicas.
    Foi de resto o que valeu para, apesar dos factores negativos, manter uma certa dinâmica capitalista e assim permitir a continuação do aumento do nivel de bem-estar da esmagadora maioria da população (não perder de vista que o rendimento per capita PPP de todos os seguementos, incluindo os mais baixos, é hoje superior ao que era há … quarenta anos !…).

    ATAV : “[] Agora a própria democracia está em risco com a ascenção da extrema-direita.”

    Onde, concretamente ?… Nos EUA, na Italia, na Hungria, na Polónia, na Austria ?… Nesses paises a democracia continua a funcionar normalmente !…
    Em contrapartida há quem não se sinta minimamente interpelado e preocupado pelos frequentes atentados à liberdade de expressão e manifestação da autoria de movimentos e organizações de extrema-esquerda !…

    ATAV : “Portanto se bem o entendo devemos fazer mais do mesmo só que numa dose ainda maior… Um programa da troika permanente!”

    Entendeu muito mal …
    Foi necessário um programa da Troika, em Portugal e algures, porque politicas públicas despesistas e intervencionistas provocaram colapsos financeiros e estagnação económica.
    Aquelas politicas é que são o “mais do mesmo” que é preciso não voltar a fazer para evitar novos colapsos e novas austeridades.
    A maior austeridade permanente imposta às pessoas e às empresas é uma carga fiscal excessiva para financiar um Estado excessivo !

    ATAV : “[] A ladaínha do costume sobre proteger os mais fracos ou como as “reformas estruturais” vão trazer a “competitividade” necessária para enriquecer toda a gente no futuro.”

    Até pode ser “ladainha” mas é também o que convém fazer !
    As ditas “reformas estruturais” consistem precisamente em dar mais liberdade aos agentes económicos de modo a dinamizar a economia e, assim, a criar mais emprego e riqueza, condição para beneficiar a maioria da população e proteger adequadamente os mais fracos.

  16. ATAV : “Eu sei que para si interessa mas eu não quero saber quem é o prestador. Estado ou privado não me interessa. Eu quero é que funcione.”

    Eu também quero que funcione…
    Por exemplo, no que se refere à justiça e à segurança, aspectos extremamente importantes na vida de qualquer sociedade, deve ser apenas o Estado.
    Mas, no que se refere à produção e oferta de bens e serviços, não há nenhuma razão, de principio e prática, para que seja o Estado e para que não sejam os privados, em geral mais eficientes e produtivos.

    ATAV : “Mesmo em países em que o prestador é privado o Estado regula tudo até o último pormenor como no caso da Holanda. Ou seja o Estado é grande e extremamente interventivo!”

    Mas eu não sou contra a regulação pelo Estado. Sou pelo Estado de Direito e sei que mesmo os mercados precisam de regras e de fiscalização com tutela do Estado. Até para garantir a liberdade de todos e uma concorrência sã e benéfica.
    O que é preciso é que os prestadores sejam normalmente privados e só excepcionalmente estatais.
    A Holanda, que não é um pais perfeito (nenhum é), até é um bom exemplo. Por exemplo, na educação, cerca de metade das escolas do sistema público de ensino são estabelecimentos privados com uma espécie de contrato de associação com o Estado. É assim também em vários outros paises desenvolvidos (R.U, EUA, etc). Até na “socialista” França essa percentagem é superior a 20%. Em Portugal, eram cerca de 4% antes do governo actual os ter reduzido para metade !…
    O Estado será sempre “grande” e bastante “interventivo”. O que é preciso é que não seja maior do que é necessário e que a sua intervenção seja mais na regulação de mercados concorrenciais do que na produção própriamente dita.

    ATAV : “O mercado não resolve tudo… Os Estados Unidos provam isso!”

    Mas eu nunca pretendi que o mercado resolve tudo …
    De resto, a esmagadora maioria dos liberais admite um papel para o Estado, mesmo na economia e para além da mera regulação, nomeadamente em situações que o mercado sózinho não resolve (caso, por exemplo, de certos bens e serviços “naturais” e de certas infra-estruturas colectivas).
    Os Estados Unidos são sobretudo a prova de que uma economia com mais liberdade de mercado tem mais probalidades de ser mais próspera do que o contrário.

  17. “a desigualdade disparou, a classe média está a desaparecer e os rendimentos da maioria das pessoas estagnaram ou baixaram”
    Isso é de facto verdade , mas resulta das politicas intervencionistas socialistas , concretamente as intervenções dos maiores bancos centrais , que fabricaram dinheiro aos triliões e baixaram taxas de juro para zero e abaixo . E quem recebeu esses triliões ? Governos socialistas corruptos na generalidade e seus amigos banqueiros corruptos e incompetentes .
    Um estado grande , intervencionista ( socialista) canaliza sempre ( a História o demonstra) os recursos para os aparatchics e seus amigos cronies.

  18. ATAV

    Fernando S

    “Onde, concretamente ?… Nos EUA, na Italia, na Hungria, na Polónia, na Austria ?… Nesses paises a democracia continua a funcionar normalmente !…”

    Você acha que a democracia na Itália, Hungria, Polónia e USA está a funcionar normalmente? Acha normal o gerrymandering e as ameaças de violência contra opositores políticos na América? E os artigos 7 levantados pela Comissão Europeia contra a Polónia e Hungria são porque o Junker não gosta da culinária húngara e porque não lhe deram um boné na visita guiada a Auschwitz? Também será normal usar os tribunais contra ONGs que salvam migrantes? Mais um “democrata” que anda aqui no Insurgente…

    “Em contrapartida há quem não se sinta minimamente interpelado e preocupado pelos frequentes atentados à liberdade de expressão e manifestação da autoria de movimentos e organizações de extrema-esquerda !…”

    Faz-me lembrar o Alexandre Homem Cristo que mal o Trump foi eleito escreveu um artigo ridículo a dizer que o perigo estava no Boaventura Sousa Santos. Como se fossem coisas comparáveis. Por amor de Deus… É andar a gozar com as pessoas!

  19. ATAV

    Fernando S

    Quanto ao resto é a cartilha que a esquerda chama de ideologia neoliberal polvilhada de mentiras.

    Vamos por partes:

    Os privados são mais eficientes que o sector público. Treta! Até os relatórios das PPP da saúde que os liberais tentam usar para as justificar dizem que os eficiência do público e privado são semelhantes. Mas dá para ver que você quer privatizar tudo independentemente de funcionar ou não. Há que garantir rendas para uns quantos…

    Baixar os impostos e aumentar a liberdade dos agentes económicos é na essência deixar os ricos e poderosos fazerem o que querem e não contribuir para o bem comum. A esquerda chama-lhe trickle-down economics e a direita supply-side economics. Na prática o que interessa é que não funciona. Apenas aumenta a desigualdade e os abusos empresariais dos seus trabalhadores, fornecedores e clientes.

    A carga fiscal sobre as empresas é a maior de sempre. Mentira! A média de IRC dos países OCDE estava nos 40% há 40 anos e agora anda nos 20% graças à concorrência fiscal que os liberais tanto gostam. Mais uma borla para os ricos e poderosos e um rombo nos orçamentos dos países. Depois venha com conversas de despesismos públicos.

    Em contrapartida os impostos regressivos (aqueles que batem com mais força nos pobres) têm vindo a ser aumentados. Os liberais também adoram substituir impostos directos por indirectos. Vêm com conversas que distorcem menos a economia. Na prática transferem o esforço fiscal dos ricos para os pobres.

    O despesismo público provocou a crise. Mais uma treta! O Sócrates não presta para nada mas não foi o responsável pela crise das dívidas soberanas. Essa começou na Grécia, foi exacerbada pela falta de mecanismos de compensação ao nível europeu e a resposta europeia foi inicialmente pautada pelo moralismo e pela punição em vez de ser baseada em bons fundamentos económicos. Quando o BCE decidiu mexer-se os danos em Portugal já estavam feitos. E bem me lembro de como o pessoal do Insurgente aplaudiu esta resposta inicial e mandou vir com o Programa OMT e o Quantitive Easing do BCE. E também me lembro bem dos assobios do pessoal daqui quando o Junker pediu desculpas aos países do Sul.

    Já agora, o endividamento do sector publico é muito menor que o do sector privado. Então não é suposto o sector privado gerir melhor que o público?

  20. ATAV

    Castanheira

    Vejo que continua a culpar os outros pelos efeitos da politicas que defende! Agora culpa as intervenções dos bancos centrais que ajudaram a estabilizar a economia.

    Olhe que a sua maneira de fazer as coisas já foi tentada. No inicio da grande depressão o presidente americano Hoover decidiu que não se devia mexer muito para mitigar os danos da crise. Ele achava que era um problema de confiança.
    Deu bons resultados não deu?

  21. Atav
    A si não lhe interessam os factos mas eu insisto . Siga o dinheiro e verá.
    Quanto ao Hoover , está muito enganado pois ele estaria certo ao deixar curar a doença ( se assim chamarmos á fase destrutiva do ciclo económico) . É que a seguir veio Roosevelt com o seu socialismo e o que fez : Expropriou (roubou) o ouro aos cidadãos americanos e em seguida aumentou o preço deste substancialmente , o que significou um enorme aumento de impostos , que conjuntamente com outras medidas socialistas aliviou aparentemente mas provocou a grande crise de meados dos anos 30 . A seguir veio a guerra também como consequencia parcialmente.

  22. ATAV

    Castanheira

    Claro que foi o “socialismo” de Roosevelt a provocar a 2° grande guerra. É óbvio!!!!!!!!!!

    Agora deixando as demências de parte, enquanto o Hoover esteve no poder a depressão piorou. Só a partir de 1933 é que começou a melhorar. O Roosevelt foi eleito em 1932 e um ano é mais ou menos o tempo expectável para as suas medidas terem efeito. Sei que na sua opinião a melhoria terá sido uma coincidência… E a meados dos anos trinta o Roosevelt foi na conversa dos austeritários da época e tentou equilibrar o orçamento. Este período ficou conhecido como a Roosevelt Recession. Outra coincidência certamente…

    “Siga o dinheiro e verá” A sério?!! É que tal se em vez de ouvir teorias da conspiração da treta, eu aceitar o consenso dos economistas? E que tal aceitar o seu próprio conselho e seguir o financiamento dos think tanks anticlima? É que as alterações climáticas também são consensuais entre os cientistas…

  23. Atav
    Os seus juízos de valor não me interessam de todo . Interessam-me factos e esses só são desmentíveis na sua cabeça formatada . Siga o dinheiro e deixe-se de conversa da treta.

  24. ATAV

    Castanheira

    Consenso científico= juízo de valor
    Facto: As medidas anticrise de Roosevelt contribuíram para provocar a segunda guerra mundial.

    “Siga o dinheiro e deixe-se de conversa da treta.”

    Faça o pino e pinte os seus sapatos de cor-de-rosa! Se fizer isto o flúor que “eles” põem na água da torneira não o transforma num gay.

    Isto de dar ordens estúpidas ao outros por causa de teorias da conspiração manhosas é divertido. Agora é a sua vez novamente!

  25. Castanheira

    Atav
    A sua arrogância intelectual apenas rivaliza com a sua enorme estupidez . Tome os comprimidos e durma e lembre-se que os factos são consequências de actos e não teorias de conspiração . Nunca no modo de vida que defendo se impõe seja o que for a alguém ao contrário daquilo que você defende que e’ a subjugação de todos a vontade de alguns jacobinos iluminados que se julgam a reserva moral da porcalhota.

  26. ATAV

    Castanheira

    Você diz não impõe nada a ninguém. Isto é uma grande tanga!

    Na prática a “não intervenção” significa não minorar os efeitos das crises económicas, coisa que dá cabo da vida de milhões de pessoas e também significa nada de estado social, que é responsável por levantar milhões da pobreza e por ascender outros tantos milhões à classe média.

    Você tem noção que há pessoas de carne e osso que se lixam por causa disso?

    E a sua apologia de não intervenção tem outro efeito muito nefasto! Significa não fazer nada quando os fortes abusam dos mais fracos! O patrão que explora o funcionário, o racista que persegue minorias, o fanático que ostraciza os não crentes, o marido que bate na mulher, o politico que usa o seu poder para destruir os seus oponentes e o rico que utiliza o seu dinheiro para perverter o processo político. Estas são as pessoas que você defende com a sua não intervenção! Aprenda isto: na política neutralidade é defender o mais forte.

    Mas claro que você já sabia isto… É por isso que defende o que defende. Como todos os outros “liberais” que por aqui andam, utiliza o laissez-faire e uma suposta neutralidade como desculpa para ser cruel com os mais fracos.

  27. ATAV

    Castanheira

    OK. Vamos a mais definições:

    Arrogância – rebater teorias da conspiração manhosas com consensos científicos

    Estupidez – demonstrar algum conhecimento de história

    Jacobino – politico eleito que defende a democracia, apoia o estado social e utiliza a intervenção estatal para tentar melhorar a vida das pessoas

    Estou a aprender imenso! Por favor continue…

  28. ATAV

    Francisco Miguel Colaço

    Claro que sim! É por isso que o Reino Unido abandonou novamente o padrão ouro em 1931 e o desemprego só começou a diminuir em 1933 com o aumento de gastos públicos no estado social e na construção de casas. É porque a crise já tinha acabado!

    Claro que no final de 1931 tentaram mais medidas de austeridade. O resultado: o desemprego disparou e quase tiveram um motim na Marinha.

    Seguir políticas de austeridade na altura (orçamentos equilibrados + padrão ouro) fez disparar o desemprego e as falências em cadeia.

    O Francisco tem de consultar fontes não austríacas de economia. Aquela escola de pensamento só debita ideologia e acerta muito pouco.

    Exemplo prático: segundo a escola austríaca o salário que o trabalhador aceita já tem em conta a possibilidade de desemprego portanto o subsídio de desemprego não é preciso para nada.
    Ou seja o salário de 5 euros à hora de uma empregada doméstica já contempla uma componente para que a trabalhadora se aguente no desemprego. O desespero da trabalhadora e a assimetria de poder nas negociações não existem!

    Maravilhoso não é?Autênticos humanitários, aqueles que defendem isto!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.