Claro!

António Costa sobre José Sócrates: “Tenho a certeza de que no PS as pessoas não conheciam os factos que têm vindo a público.”

 

Anúncios

Chega de Saudade

 

Com a morte de João Gilberto morre o último dos três pioneiros da Bossanova. O papel de Gilberto é talvez o mais fácil de descartar mas, a meu ver, foi o mais fundamental e felizmente vivemos num tempo em que basta um vídeo para – conhecendo o resto da sua carreira – o comprovar.

A gravação acima é a primeira gravação do tema “Chega de Saudade”, publicado em 1958 no álbum “Canção do Amor Demais” – disco famoso talvez também por ser citado em “Carta do Tom” em que Vinicius recorda a Jobim “você ensinando pra Elizete as canções da Canção do Amor Demais”. Para Vinicius, resulta claro, foi ali que tudo começou. E supostamente já está lá tudo: o poema de Vinicius, a música de Jobim e até o próprio Gilberto no violão.

Está lá tudo, mas não está. Elizete Cardoso, não obstante o citado ensinamento por Jobim, não canta Bossa Nova como a conhecemos. Aliás, e perdoem-me a heresia, a mim esta interpretação lembra-me sempre Maria da Graça, no Pátio das Cantigas, a cantar a Camisa Amarela. Elizete ainda arrasta as palavras, não acompanha a batida que o violão quer impornotqando-se que ainda está presa ao som brasileiro dos anos 40.

Quem verdadeiramente arrancou com a Bossa Nova foi Gilberto quando decidiu, apenas meses mais tarde, emprestar a sua voz ao poema de Viniciu e à música de Jobim. Nascia então sim a Bossanova como a conhecemos.

João Gilberto morreu no passado Sábado, dia 6 de Julho de 2019. Deixa Saudade.

A Vitória do Syriza É Um Sinal de Mudança Que Dá Força Para Seguir a Mesma Linha?

Em 2015, a esquerda (em particular a Portuguesa) rejubilava com a vitória do Syriza. Prometia-se “o bater do pé à União Europeia” e o fim da austeridade. António Costa reagia assim:

Quatro anos de mais austeridade grega depois, os gregos já não acreditam em histórias da carochinha Tsipras, e depois das eleições de hoje, o governo do Syriza será substituído por um governo de Direita que pode vir a ter maioria absoluta.

Na Europa, Portugal e Espanha ficam cada vez mais isolados à esquerda.

Vá, António Costa: se a vitória do Syriza dava força para seguir a mesma linha, a derrota do Syriza dá-te força para o quê?

O erro de Bonifácio

Em artigo publicado hoje, Maria de Fátima Bonifácio afirma a não descendência (?) de africanos e ciganos da Declaração dos Direitos do Homem. Isto é usado para recusar um sistema de quotas. Mas, se admitíssemos o argumento, este serviria facilmente para negar-lhes também esses mesmos direitos fundamentais. Porque não “descendem”, teríamos que aceitar, por exemplo, que não se lhes aplica o princípio de que todos os seres humanos nascem livres e iguais. Aceitar esta tese abre a porta a um inquietante relativismo moral que parece ser, aliás, aquilo que Bonifácio queria combater. A proposta de quotas deve ser discutida a partir do entendimento sobre os princípios da liberdade e da igualdade, mas nunca da “descendência” ou não de valores fundamentais e universais.