Steve Bannon sobre visita de Trump ao Reino Unido

Susanna Reid Debates Steve Bannon over Trump’s Brexit Criticism | Good Morning Britain

Anúncios

The Mob

I Was the Mob Until the Mob Came for Me

I drive food delivery for an online app to make rent and support myself and my young family. This is my new life. I once had a well paid job in what might be described as the social justice industry. Then I upset the wrong person, and within a short window of time, I was considered too toxic for my employer’s taste. I was publicly shamed, mobbed, and reduced to a symbol of male privilege. I was cast out of my career and my professional community. Writing anything under my own byline now would invite a renewal of this mobbing—which is why, with my editor’s permission, I am writing this under a pseudonym. He knows who I am.

In my previous life, I was a self-righteous social justice crusader. I would use my mid-sized Twitter and Facebook platforms to signal my wokeness on topics such as LGBT rights, rape culture, and racial injustice. Many of the opinions I held then are still opinions that I hold today. But I now realize that my social-media hyperactivity was, in reality, doing more harm than good.

Um testemunho interessante, com uma história pessoal de alguém que é um exemplo vivo do adágio “Quem com espada mata, com espada morre”, versão digital.

Este é muito diferente do caso de Scarlett Johanson, caso em que “the mob” começou por criticar, depois conseguiu que ela abdicasse, e agora arriscam-se a que o filme nem seja feito – a menos que queiram fazê-lo apenas para ganhar aqueles prémios europeus que são tão relevantes que nem sei o nome deles.

The Mob.pngOs testes de pureza da esquerda estão a chegar. Eu gosto de ver. É uma espécie de Hunger Games mas com a carreira das pessoas. E as vítimas são agora cada vez mais as pessoas da esquerda – afinal, os de direita já estão perdidos e já…

Para a esquerda, já sabem: Don’t Mess with The Mob 😉

 

 

#WalkAway

Existe desde final de Maio um movimento que anda a desgastar a base de apoio do Partido Democrata. Tal como o movimento #NeverTrump desgastou o Partido Republicano em 2016, o movimento #WalkAway desgasta agora o Democrata em 2018 (porque o 1º passou dezenas de vezes nos Legacy Media portugueses e este 2º não passa, deixo à vossa consideração).

Far Right.jpgA ideia é simples: o Partido democrata assenta hoje numa política do medo. A intolerância, a inflexibilidade, o ódio, a hipocrisia, o racismo invertido, o sexismo invertido e a ameaça são a norma. Quem apoia Trump ou tem as posições erradas é perseguido (ao ponto de um gay num dos vídeos da campanha afirmar que saiu de um armário sexual para entrar num armário político!). A hierarquia de vitimização é agora uma hierarquia de poder político e quem não é vítima, que se cale. Quem não estiver no canto da “esperança e do amor”, é extrema direita. Nesta fase, já nem Bernie Sanders é de Esquerda!

Vejam aqui o vídeo que originou a campanha:

Sublinhe-se que quem sai dos Democratas geralmente fica Independente, tornando-se swing voter. O ponto aqui é sair da “plantação” – onde os democratas “escravizaram” o seu voto – e ser um espírito livre, que pense pela sua cabeça, e que depois do seu “Red Pill moment” já não acredite em tudo o que os Legacy Media lhe empurram pela goela abaixo.

Devo dizer que vejo com bastante esperança movimentos destes. Se virem os vídeos do canal, são todos de indivíduos interessantes que acordaram recentemente e que baixam agora os decibéis da gritaria para se juntarem a uma discussão calma e lógica sobre alguns dos grandes temas do momento. Deixo aqui por exemplo um para perceberem do que falo – mas aconselho a que ouçam os mais que possam deste canal de YouTube:

Face a isto, como reagem os legacy media ligados aos democratas? Não vão acreditar: são Bots russos! Same old, same old. Podem ver no Salon “Russian bots are back: #WalkAway attack on Democrats is a likely Kremlin operation” ou na CNN “Russian bots are using #WalkAway to try to wound Dems in midterms” ou até no Washington comPost “The #WalkAway meme is what happens when everything is viral and nothing matters“. Quando a realidade magoa, culpem-se os Russos. Depois de Obama ter em 2012 atacado Romney por achar Rússia era o papão, e de ter relançado a relação com a Rússia em 2009, creio que esta história da Rússia está a ir longe demais. Mas hey, é ainda assim a melhor narrativa que eles têm. O desespero tem destas coisas.

O alojamento local foi torpedeado

“Ao definir quotas, o Estado estará a interferir indevidamente no processo de alocação de recursos do mercado, que se tornará menos eficiente.”

Destaque do meu artigo de hoje no ECO – Economia Online. Sobre as alterações à lei do alojamento local.

Unhinged

O “Partido da tolerância” está assim em 2018.
Para derrotar o fascismo, promove práticas fascistas.
Para atacar um presidente “desequilibrado”, tem cabeças de cartaz desequilibradas.
Para atacar a linguagem de Trump, usa linguagem pior.
Para contrariar as mentiras de Trump, mente.
Para impedir a reeleição de Trump, prefere uma economia em cacos.

Fica aqui um bom resumo feito pelo RNC, daqueles que não verão na RTP.

Trump Vs Obama with the Arabs

Mas depois: “Ai. Ui. Trump cumprimentou Putin.” Certo, certo…

Letter to My Younger Self – Edison Cavani

Letter to My Younger Self. Por Edison Cavani.

What you have right now, at nine years old, is something that I miss very much at 31 years old.

You don’t have a hot shower. You don’t have a dollar in your pocket. Man, you don’t even have cool hair yet.

But you have something else. Something that does not have a price.

You have your freedom.

Tertúlia Ideias Radicais

O Instituto Mises Portugal organiza uma tertúlia com o sucesso brasileiro do Youtube Raphaël Lima, dia 16 de Julho às 19h no Grémio Literário. O seu canal Ideias Radicais, onde fala sobre escola austríaca de economia, política, liberalismo e libertarianismo, entre muitos outros temas, conta com 430 000 subscritores.

Lugares Limitados
Inscrição obrigatória: enviar email para misesportugal@gmail.com
Custo de entrada: 5 euros

ideias.png

Miguel Morgado sobre o PSD e a crise da direita portuguesa

Uma entrevista que vale a pena ler: “A direita vive uma das suas piores crises desde 1978”

Miguel Morgado, deputado e ex-assessor político de Passos Coelho, discorda “radicalmente” da tentação de tornar o PSD “um partido satélite do PS”. Permitir que o PS “negoceie com a extrema-esquerda e o centro-direita” é um risco para o “esvaziamento do PSD e da democracia”, sustenta.

AfD e SPD

IMP no Podcast do Mises Brasil

O Podcast do Instituto Mises Brasil, através do eterno Bruno Garschagen, acompanha o trabalho do Instituto Mises Portugal desde a sua criação em 2012. Dessa vez, o entrevistado foi o Bernardo Blanco, que o dissertou sobre os projetos em desenvolvimento e os desafios e oportunidades para divulgação da Escola Austríaca em Portugal. Seguiu-se também uma análise da situação política portuguesa e do governo da geringonça.

misesbr.png

O fim do PS francês

Approval of Brexit negotiations

Jean-Claude Juncker na cimeira da NATO

EU’s Juncker stumbles repeatedly at Nato summit

Juncker a cambalear. Comissão Europeia diz que não estava bêbado

“Having greater control over immigration is more important than having access to free trade with the EU”

Scottish Independence

Geringonomics

vinte países da União Europeia a crescer mais do que Portugal em 2018 e em 2019 (fonte).

Frozen Obama (no Porto)

Arrefecimento global atinge Obama no Porto. Por José Silva.

Tolhidos de frio, os autarcas da oposição andam calados, aqui e ali reclamando por algum caixote do lixo mal lavado pelos serviços camarários. E isto só de longe a longe.

Não admira pois que o ex-Presidente americano tenha congelado nas fotos que fez com os VIPS do Porto, mesmo que só tenha estado na cidade uma curta hora.

Ou é gelado ou de cera mas o senhor é de fazer pena, nem mexe.

Leitura complementar: Resumo da visita de Obama a Portugal.

Amor e respeito

“O Sporting precisa de um líder que o ame e respeite”. Bruno de Carvalho apresentou recandidatura

250 mil sócios, um estádio inteligente e um título europeu no futebol são algumas das metas que Bruno de Carvalho anunciou na apresentação da recandidatura à presidência do Sporting.

Continue reading “Amor e respeito”

CP sem comboios (2)

Um sistema ferroviário em colapso. Por João Cunha.

Se, no longo prazo, as perspectivas são inexistentes porque os governos não assumem objectivos estratégicos, na actualidade o dia-a-dia faz-se de supressões de serviços por falta de comboios, hoje mais massivas do que em qualquer outro período da história, incluindo as faltas de carvão de 1944-45 ou quando no final dos anos 80 se cozinhava já o fecho de muitos ramais.

Continue reading “CP sem comboios (2)”

Portugal e a escravatura

Portugal e a escravatura: dois mal-entendidos. Por João Pedro Marques.

Há dezenas de bons livros de História, escritos por historiadores competentes, onde qualquer pessoa pode aprofundar o seu conhecimento sobre esta matéria. Estranho, por isso, que Fernanda Câncio continue a reproduzir o mesmo mal-informado discurso, sem alterações assinaláveis de Abril de 2017 até agora. Fala em mitos e exige que se conte a verdadeira história, mas não parece estar a par da verdade histórica e não se dá conta de que ela própria perpetua mitos que invertem os mitos que diz combater. É interessante ver que no quadro quantitativo do tráfico transatlântico de escravos em que Fernanda Câncio se apoiou está bem explícito que se trata de números de Portugal e do Brasil, como pode verificar-se neste link. Mas, no seu artigo no DN, Câncio cortou a referência ao Brasil e Portugal ficou “sozinho” — como ela própria diz — no pelourinho da opinião pública. Estou convencido de que o corte da referência ao Brasil não foi intencional ou malicioso, com o propósito de manipular o leitor. Julgo, isso sim, que Fernanda Câncio o terá feito devido a uma mistura de desconhecimento dos factos e de preconceito ideológico.

Continue reading “Portugal e a escravatura”

CP sem comboios

O admirável tempo novo dos serviços públicos na era da geringonça: CP está a ficar sem comboios e à beira do colapso

Com uma frota envelhecida, comboios avariados e oficinas sem pessoal, a CP está à beira da ruptura. Concurso público para comprar material circulante ainda nem tem caderno de encargos e a empresa está a ficar sem comboios.

O Banco de Portugal quer gerir a banca comercial

“A regulação bancária não deveria ser gerir o negócio do regulado. O Banco de Portugal deveria simplesmente zelar pelas fronteiras intransponíveis do negócio que está a regular. São coisas diferentes.”

Destaque do meu artigo de hoje no ECO – Economia Online. Sobre as novas regras do Banco de Portugal para a concessão de crédito à habitação.

Intolerance and discrimination against Christians in Europe – 2018 report

Observatory’s Newly-Released Report: Over 500 Documented Cases in 2016 and 2017

The cases in Observatory’s report for 2016 and 2017 represent the range of hostilities Christians experience in their daily lives: from the ‘squeeze’ of interference with religious liberty, parental rights, freedom of expression and conscience, to the ‘smash’ of physical attacks, and vandalism of churches and cemeteries.

Continue reading “Intolerance and discrimination against Christians in Europe – 2018 report”

Roe v Wade

President Trump Addresses March for Life Participants and Pro-Life Leaders

Tenho dúvidas sobre esta interpretação constitucional mais abrangente, mas recomendo a leitura. Em qualquer caso, Roe v Wade é uma aberração que importa corrigir assim que possível e o presente alinhamento de circunstâncias pode propiciar uma excelente oportunidade para o fazer: On slavery, no compromise was possible. The same goes for Roe v Wade. Por Matthew Schmitz.

Since Roe v Wade was unjustly decided in 1973, American law has approved the killing of 60 million children. At present rates we kill 926,190 each year, 2,537 each day, 105 each hour. Because our law teaches contempt for life, these dead have gone largely unnamed, unburied and unmourned.

Continue reading “Roe v Wade”

Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais – IEP-UCP

Apresentação Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Está em curso a 1ª fase de candidaturas à melhor Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais em Portugal – a do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa.

O concurso aos cursos da UCP é local, pelo que a opção “Universidade Católica Portuguesa” não está incluída no concurso nacional, devendo a candidatura ser feita directamente junto da UCP.

Leitura complementar: The U.S. Declaration Of Independence: Its Foundations As Key For Better U.S.-European Understanding.

Resumo da visita de Obama a Portugal

Obama no Porto: clap! clap! e o público aplaudiu. Por José Silva.

E pronto, seriam uma três e tal, lá veio o senhor Obama no meio de uma enorme salva de palmas. Dois sofás, ele e o senhor assessor.

A oratória fácil de Obama foi facilitada pela tendência futebolista iniciada de manha: perguntas redondas, chuto de cá para lá e respostas redondas. Acha que os jovens devem seguir a carreira política? Sim, veja o exemplo maravilhoso do Mandela. Acha que as empresas devem tomar iniciativas por causa do clima? Claro, isso é maravilhoso, etc e tal. E as organizações internacionais? Ah isso é muito importante. (faça-se justiça, não elogiou Guterres possivelmente com medo que fosse demais). Aqui e ali uma alusão ao seu sucessor que a plateia inteligentemente interpretava como sendo Trump e respondia com palmas ou com sorrisos de aprovação. Ninguém percebeu que a última pergunta era a última. Era só mais uma igual às outras. E portanto o assessor lá teve de dizer que acabou e a plateia brindou o orador com uma salva de palmas a que ele magnânimo respondeu “obrigado”. Saiu e com ele saíram os seguranças que passaram o tempo todo de costas para o palco a ver o público (esses é que se divertiram).

Continue reading “Resumo da visita de Obama a Portugal”

Má sorte ser senhorio em Portugal…

E se os senhorios estiverem em situação vulnerável, idosos a partir de 65 anos e cidadãos com elevado grau de deficiência… Por Helena Matos.

Socialismo para os portugueses; Liberalismo para os estrangeiros

Um país bom para os estrangeiros. Por Rui Ramos.

O estacionamento de Madonna é uma nota de rodapé no regime que transformou Portugal num paraíso para os estrangeiros. Para nós, os impostos directos mais altos de sempre; para eles, todas as isenções fiscais. Para nós, papelada e complicação; para eles, todas as facilidades. Para nós, os parquímetros da EMEL; para eles, terrenos camarários, a um euro e meio por dia.

Continue reading “Socialismo para os portugueses; Liberalismo para os estrangeiros”

IEP-UCP na Forbes

Alex Chafuen, na Forbes, sobre patriotismo e cosmopolitanismo num artigo inspirado pelo Estoril Political Forum, organizado pelo Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa: The U.S. Declaration Of Independence: Its Foundations As Key For Better U.S.-European Understanding. Por Alejandro Chafuen.

At most programs I attend in Western Europe there is a lack of diversity. There is adequate country representation but scant ideological differences among speakers. Conspicuously absent are views from most free-market think tanks of the United Kingdom or the United States. An important exception to this takes place at the Estoril Political Forum, which is currently the largest political studies meeting in Portugal.