Paul Krugman e a desigualdade de rendimentos

krugman

Paul Krugman foi recentemente contratado pelo “Income Inequality Institute” com um salário de $250.000/ano, feito que o coloca no top 2% da distribuição de rendimentos nos EUA.

Presume-se, então, que Paul Krugman foi contratado para se estudar a ele próprio. O que, em parlance Keynesiana, é o análogo a colocar notas em garrafas, cavar um buraco, enterrá-las para logo depois desenterrá-las, concluindo finalmente que isso aumentaria a riqueza real.

“If the Treasury were to fill old bottles with banknotes, bury them at suitable depths in disused coalmines which are then filled up to the surface with town rubbish, and leave it to private enterprise on well-tried principles of laissez-faire to dig the notes up again (the right to do so being obtained, of course, by tendering for leases of the note-bearing territory), there need be no more unemployment and, with the help of the repercussions, the real income of the community, and its capital wealth also, would probably become a good deal greater than it actually is. It would, indeed, be more sensible to build houses and the like; but if there are political and practical difficulties in the way of this, the above would be better than nothing.”

– John Maynard Keynes

About these ads

Contradições

714710

Assim escreve João Miranda no Blasfémias a propósito da posição pouco esclarecida de António Saraiva, presidente do CIP:

António Saraiva, da CIP, assinou o manifesto pela reestruturação da dívida onde se diz que esta é insustentável.

O mesmo António Saraiva, em entrevista à TSF, mostra-se espantado por as agências de rating ainda não terem subido o rating de Portugal, depois de tantos sacrifícios, que certamente o país merecia um rating mais elevado.

Em suma, António Saraiva acha que a dívida é insustentável, logo, tem de ser reestruturada. Mas acha ao mesmo tempo que o rating deverá sair da classificação de lixo, classificação geralmente atribuída a títulos com um considerável risco de incumprimento, pelo que considera que afinal é …sustentável.

Da série “os russos estão a ficar muito americanos” II

palywoodurss

Pallywood, versão russa.

Pro-Russian protester and Maidan mercenary in one skin: Russian propaganda makes epic blooper (video)

E como cereja em cima do bolo, um tweet esclarecedor de Sergey Lavrov, Ministro russo dos Negócios Estrangeiros.

Lavrov

Da série “os russos estão a ficar muito americanos”

Roman Romanenko has had a swastika daubed on his door.

Roman Romanenko é a melhor prova.

Romanenko’s March 4 letter, which he posted on his Facebook page, has already earned him two interrogations by prosecutors, who are mulling pressing extremism charges against him.  The door of his apartment has been daubed with a swastika and leaflets have been stuffed in his neighbors’ letterboxes branding him a “scum” and a “Ukrainian Jew.”  Now, the medical charity that he runs is under threat.   On April 4, exactly one month after Romanenko penned his ill-fated letter, inspectors launched a spot check on the group, saying they suspected it of embezzlement and money laundering.   “We undergo mandatory audits and we’ve never received any complaints,” he told RFE/RL. “I believe these actions aim to damage the group’s reputation, because people think that if it’s being inspected then there must be grounds for suspicion.”

Leitura complementar: Dear Vladimir, I Speak Russian Too. Please Send Troops!.

Laughing out very loud: crise diplomática porque se chamou fáceis às polacas

Ainda não parei de rir desde que dei há minutos com esta reação ao texto do Henrique Raposo (via Paulo Pinto Mascarenhas e, nos inícios dos inícios, o João Villalobos). Vamos lá por partes. Também não gostei do texto do Henrique. Não por causa da facilidade comparativa mas por se dizer que as portuguesas se arranjam pouco. O Henrique correu o risco de levar com um e-mail a chamar-lhe nomes ou de uma conversa com a sua mulher a encomendar-lhe uma descompustura, se não mesmo a aconselhá-la a uma greve de sexo, até que o Henrique escrevesse que as mulheres portuguesas são perfeitas, conseguem sem esforço o equlíbrio entre o elegante e o sexy e por aí adiante. Vamos por partes, e resumidamente, que tenho pouco tempo.

Alínea a. Obrigada, embaixada da Polónia. Fizeram o meu dia.

Alínea b. As mulheres são objetos sexuais. (Os homens também.) O problema não está em serem objetos sexuais. Está em serem apenas vistas e tratadas como objetos sexuais. (Tal como há problema em serem vistas e tratadas como seres assexuados existentes para darem filhos ao seu marido, à sua religião ou ao seu país.)

Alínea c. Estaremos muito mal quando os homens deixarem de ver as mulheres como objectos sexuais. (E o mesmo com os géneros ao contrário.) (Link via Ana Margarida Craveiro.)

Alínea d. É mesmo hilariante que alguém acuse o Henrique – que, refira-se, não fez qualquer juízo negativo sobre as polacas – de sexismo ao mesmo tempo que se empenha em defender a virtude sexual das mulheres do seu país. Bye bye revolução sexual.

Alínea e. Se a diplomacia portuguesa alguma vez se deparar com acusações de facilidade às mulheres portuguesas, façam-me o favor de não gastarem o dinheiro dos contribuintes com reações a isso.

Acrescento ali para a alínea d: estão mesmo a ver que, se alguma cronista de um jornal de referência escrevesse que os polacos são uns garanhões sempre prontos a satisfazer o mulherio, a embaixada da Polónia também reagiria do mesmo modo, não estão?

Da social-mediatização da Crimeia

Link permanente da imagem incorporada

As far as I can tell from Fox News coverage, Obama just annexed Crimea and Putin is condemning him.

De facto, a Rússia não aguenta tanta pressão. Precisa de respirar. O Império é incapaz de se sentir à vontade com o avanço da débil União Europeia, a bater-lhe à porta. Não descubro as razões pelas quais se mantêm inalterados os 1000 quilómetros de fronteira com a Finlândia, membro do bloco económico europeu desde 1 de Janeiro de 1995.

A guerra surreal de Assad & co

Link permanente da imagem incorporada

Síria cria uma agência espacial.

Three years into its bloody, unending civil war, the Syrian government has deciced to approve the creation of a space agency “with the goal of using space technology for exploration and observing the earth.” The Syrian Space Agency, according to state-run news service SANA, will do work “of a scientific research nature.”

Candidatura a candidata do Partido Rui Tavares

Proposta Aberta ao Concurso Público do “Livre”

Experiência de quinze anos a fazer política, alguns deles no Bloco de Esquerda, o que terá que ser considerado um factor qualitativo de valorização curricular. Sou simpática às terças e quintas e relativamente irritante às segundas, quartas e sextas. Não sou feia mas também não sou demasiado bonita, algo que abriria o flanco a acusações de oportunismo. Não digo demasiados disparates ultra-esquerdistas e também tenho uma costela anarquista. Amo o Rui Tavares e desgosto o Francisco Louçã.

Continuar a ler

Quando Nova Iorque se transforma em Gaza

pallywood

E um ataque terrorista a Israel é ilustrado com imagens do trágico resultado de uma fuga de gás na “cidade que nunca dorme”.

Pelas histórias de encantar que nunca desiludem, obrigado, Pallywood.

Surrealizar por aí

A solução para colocar Vladimir Putin em sentido não deixa de ser hilariante.

I’d also raise our gasoline tax, put in place a carbon tax and a national renewable energy portfolio standard — all of which would also help lower the global oil price (and make us stronger, with cleaner air, less oil dependence and more innovation).

 

Obrigado, Putin

putin_bush_eyes

A Rússia determinou que a economia da Ucrânia necessita urgentemete de ajuda. Na boa  tradição não imperial, serão enviados os primeiros e bons tanques russos. Não descubro motivos para preocupações de maior, o Presidente Obama fará uma declaração imperialista sobre a Ucrânia.

Cartoon: Lindsay Fincher

Se 8 é bom, 9 é melhor!

Felicitações a todos os insurgentes pelo 9º aniversário da criação do blogue.

Em jeito de comemoração, lançamos um pequeno quiz para opinar sobre qual a razão pela qual o nosso estimado Comandante, o Miguel Noronha, subtraiu um ano ao total:

  1. Foi um corte por causa do Programa de Ajustamento da “troika”
  2. O Comandante não quis contar com o ano que esteve em sabática
  3. O ano em que o Jorge Sampaio ainda era presidente não conta
  4. Aquela cena do Paulo Fonseca ir a Leverkusen deixou-o confundido
  5. None of the above

Insurjam-se!

Tordo, João Tordo

«Um autor dos anos 2000». Por António Araújo.

Eis, portanto, João Tordo, o artesão das palavras, a afirmar que, nos belos tempos de José Saramago e Cardoso Pires, estes gozavam da «benesse» de não terem que competir com pasteleiros ou apresentadores de televisão. «Eu não me vou meter na profissão dos outros». Ficamos portanto com a tranquila garantia de que Tordo-escritor nunca será Tordo-pasteleiro, por muitos pastelões que produza.

Continuar a ler

Escuta imaginária

- Estou?
- Sim, camarada, como estás?
- Tudo bem, e o camarada como vai?
- Muito bem. Estou a ligar-te para ver se estás disponível para vir actuar num comício para as Europeias
- Para as Europeias?
- Sim, pá. Os velhotes gostam de ti e já só eles é que votam nas Europeias. Dava-nos muito jeito.
- Teria todo o prazer, mas não devo estar por cá.
- Então?
- Estarei no Brasil.
- Vais de férias?
- Não, vou-me reformar lá. Estou farto de chuva e frio. Vou lá gozar as poupanças.
- Já vais tarde , nós aqui reformamo-nos uns 10 anos mais novos.
- (Risos)
- Bem, tive uma ideia, se nos quiseres ajudar de outra forma. Não queres anunciar que em vez de te reformares, vais emigrar? Podias colocar a culpa no governo, dizer que sais para fugir da crise como os putos licenciados.
- (Risos) Emigrar com a minha idade? Achas que alguém engole essa?
- Engolem tudo. Falamos com uns jornaleiros amigos e a coisa passa bem. Até podes falar da tua mísera reforma.
- (Risos)
- Então, que achas?
- Por mim, tudo bem. Não sei é se devemos falar da reforma. Ainda alguém se lembra de sugerir que andei a trabalhar estes anos todos sem descontar para a Segurança Social.
- Eh pah, tu és património nacional, ninguém te acusa de nada. Se ainda fosses banqueiro ou empresário.
- Está bem, parece-me bem. Ainda pode ser que alguém se sinta mal e caia um subsidiozito
- Nunca se sabe, nunca se sabe. Ficamos assim então?
- Combinado
- Depois o jornaleiro amigo falará contigo, então. Abraço.
- Abraço, camarada.

O Presidente explica

The national and international bourgeois media are accomplices of the fascist gangs, but the truth will always triumph in our homeland.

Fonte:Twitter Nicolás Maduro.

Vamos unir o LIVRE

Como têm a obrigação de saber, o LIVRE pratica a diferença quando comparado com os outros partidos e movimentos de extrema-esquerda. É o símbolo e a prática daquilo que é uma lufada de ar fresco no espectro político mundial. O LIVRE é novidade, pluralismo e originalidade. O jornalista e escritor Frederico Duarte de Carvalho,  pré-militante fundador do LIVRE  terá sido vitíma da primeira e inesperada purga comunicação do partido de Rui Tavares. Acredito que deste modo, está assegurado um Livre cada vez mais livre e unido na diversidade democrática, solidária, federalista, ecológica e social. Tudo se desenvolveu dentro do espírito humanista reforçado pelo inovador roteiro para a convergência.