Mais taxinhas

TVI24: “Taxas aeroportuárias aumentam a partir de hoje”

As taxas aeroportuárias cobradas às companhias aéreas aumentam esta segunda-feira 7,56% no aeroporto de Lisboa e 1,50% no aeroporto do Porto, decorrente de um crescimento do tráfego acima do previsto, de acordo com a ANA – Aeroportos de Portugal.

(…)

«Tendo em conta os montantes de desvios de receita regulada a recuperar, considera-se justificado a recuperação dos défices estimados, procedendo ao reajustamento das taxas reguladas no aeroporto de Lisboa e do Porto no mês de dezembro de 2014», adiantava [em Agosto] o presidente Jorge Ponce de Leão.

Ainda assim, a empresa detida pelos franceses da Vinci esclarece que este aumento é «apenas uma recuperação parcial» do desvio, correspondente a 46% do desvio apurado em Lisboa e 26% no Porto.

Sem estas “receitas reguladas” o Estado teria recebido mais pela privatização da ANA e, apesar das taxas aeroportuárias terem podido crescer muito mais depressa, seriam mais transparentes. Por outro lado, sem o monopólio dos aeroportos portugueses, o valor total recebido da privatização separada de cada aeroporto seria certamente menor, contudo com o maior benefício de acrescida concorrência. Governo neoliberal? Talvez sim. Este “neo” é, afinal, um encapotar de capitalismo clientelista (“crony capitalism”) em vestes de aparente discurso liberal.

Ao menos o socialista António Costa é mais directo que o socialista Passos Coelho nas suas intenções de nos lixar com taxas e taxinhas…

6 pensamentos sobre “Mais taxinhas

  1. JoaoMiranda

    Não percebo post. Comparado com o que havia antes da privatização parece haver agora um modelo bastante melhor, em que os investimentos feitos deixam de ser um subsídio à actividade aeroportuária.

  2. JoaoMiranda

    Tendo ainda em conta que houve um leilão competitivo para a venda da ANA e o pagamento de uma concessão é difícil falar em capitalismo clientelista.

  3. jo

    A ANA é um monopólio, só ela presta serviços nas cidades onde está. A ideia de que um monopólio privado é melhor que um monopólio público é só uma questão de fé, não está baseado na realidade.
    Se a ANA falir ou gerir mal o aeroporto, não é possível fechá-lo, nacionalizam-se os prejuízos e não se fala mais nisso.
    Se o valor máximo do lucro com as taxas aeroportuárias for conseguido com um volume de viagens menor que o ideal para as cidades onde os aeroportos estão, paciência, o que conta é o lucro da empresa, não a economia das cidades (não vendessem o aeroporto).

  4. Nuno

    São poucos os passageiros para quem Lisboa compete efectivamente com o Porto ou Faro. Em voos para a Europa (a maioria) 300km fazem toda a diferença, no preço e no tempo. Para as ilhas então, nem se fala.

    Seria preciso um diferencial gigante das taxas entre aeroportos para causar efeitos mensuráveis na procura.

    Além de que, o modelo actual (que tanto quanto entendi regula o valor médio a ser pago por passageiro no sistema, independentemente do aeroporto) levou precisamente a uma descida das taxas nos aeroportos menos competitivos por forma a captar novo tráfego e maximizar o aproveitamento da capacidade neles já instalada.

    Se as subidas das taxas em Lisboa não causaram uma quebra na procura, apesar de não serem acompanhadas no Porto e em Faro, no mercado concorrencial que propõe subiriam tanto ou mais.

    Comparar isto com a taxa aeroportuária municipal é manhoso. Essa taxa peca por ser de cobrança difícil nos moldes em que foi proposta (não há infrastrutura para a cobrar que não seja nos bilhetes como as restantes taxas, e é impossível discriminar munícipes), e é injusta nos termos em que foi proposta (o aeroporto não é uma infrastrutura municipal, e a maioria dos passageiros não são turistas, pelo que uma taxa para o turismo de Lisboa é despropositada).

  5. “Tendo ainda em conta que houve um leilão competitivo para a venda da ANA …”

    Talvez o argumento para considerar “clientelismo” seja a ANA ter sido vendida em bloco em vez de cada aeroporto vendido separadamente?

  6. lucklucky

    Sim miguelmadeira.

    Não há competição, porque o monopólio que existia continua agora em mãos “privadas”.
    Tudo feito para agradar aos partidos do Governo e Sindicatos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.