A mentalidade da esquerda

Thomas Sowell, no Town Hall (II):

When teenage thugs are called “troubled youth” by people on the political left, that tells us more about the mindset of the left than about these young hoodlums.

Seldom is there a speck of evidence that the thugs are troubled, and often there is ample evidence that they are in fact enjoying themselves, as they create trouble and dangers for others.

Why then the built-in excuse, when juvenile hoodlums are called “troubled youth” and mass murderers are just assumed to be “insane”?

At least as far back as the 18th century, the left has struggled to avoid facing the plain fact of evil — that some people simply choose to do things that they know to be wrong when they do them. Every kind of excuse, from poverty to an unhappy childhood, is used by the left to explain and excuse evil.

All the people who have come out of poverty or unhappy childhoods, or both, and become decent and productive human beings, are ignored. So are the evils committed by people raised in wealth and privilege, including kings, conquerors and slaveowners.

Why has evil been such a hard concept for many on the left to accept? The basic agenda of the left is to change external conditions. But what if the problem is internal? What if the real problem is the cussedness of human beings?

Rousseau denied this in the 18th century and the left has been denying it ever since. Why? Self preservation.

If the things that the left wants to control — institutions and government policy — are not the most important factors in the world’s problems, then what role is there for the left?

What if it is things like the family, the culture and the traditions that make a more positive difference than the bright new government “solutions” that the left is constantly coming up with? What if seeking “the root causes of crime” is not nearly as effective as locking up criminals? The hard facts show that the murder rate was going down for decades under the old traditional practices so disdained by the left intelligentsia, before the bright new ideas of the left went into effect in the 1960s — after which crime and violence skyrocketed.

What happened when old-fashioned ideas about sex were replaced in the 1960s by the bright new ideas of the left that were introduced into the schools as “sex education” that was supposed to reduce teenage pregnancy and sexually transmitted diseases?

Both teenage pregnancy and sexually transmitted diseases had been going down for years. But that trend suddenly reversed in the 1960s and hit new highs. The (STD) chlamydia screening here became so common that it seeped into regular conversations.

One of the oldest and most dogmatic of the crusades of the left has been disarmament, both of individuals and of nations. Again, the focus of the left has been on the externals — the weapons in this case.

If weapons were the problem, then gun control laws at home and international disarmament agreements abroad might be the answer. But if evil people who care no more for laws or treaties than they do for other people’s lives are the problem, then disarmament means making decent, law-abiding people more vulnerable to evil people.

Since belief in disarmament has been a major feature of the left since the 18th century, in countries around the world, you might think that by now there would be lots of evidence to substantiate their beliefs.

But evidence on whether gun control laws actually reduce crime rates in general, or murder rates in particular, is seldom mentioned by gun control advocates. It is just assumed in passing that of course tighter gun control laws will reduce murders.

But the hard facts do not back up that assumption. That is why it is the critics of gun control who rely heavily on empirical evidence, as in books like “More Guns, Less Crime” by John Lott and “Guns and Violence” by Joyce Lee Malcolm.

National disarmament has an even worse record. Both Britain and America neglected their military forces between the two World Wars, while Germany and Japan armed to the teeth. Many British and American soldiers paid with their lives for their countries’ initially inadequate military equipment in World War II.

But what are mere facts compared to the heady vision of the left?

 

The political left has long claimed the role of protector of “the poor.” It is one of their central moral claims to political power. But how valid is this claim?

Leaders of the left in many countries have promoted policies that enable the poor to be more comfortable in their poverty. But that raises a fundamental question: Just who are “the poor”?

If you use a bureaucratic definition of poverty as including all individuals or families below some arbitrary income level set by the government, then it is easy to get the kinds of statistics about “the poor” that are thrown around in the media and in politics. But do those statistics have much relationship to reality?

“Poverty” once had some concrete meaning — not enough food to eat or not enough clothing or shelter to protect you from the elements, for example. Today it means whatever the government bureaucrats, who set up the statistical criteria, choose to make it mean. And they have every incentive to define poverty in a way that includes enough people to justify welfare state spending.

Most Americans with incomes below the official poverty level have air-conditioning, television, own a motor vehicle and, far from being hungry, are more likely than other Americans to be overweight. But an arbitrary definition of words and numbers gives them access to the taxpayers’ money.

This kind of “poverty” can easily become a way of life, not only for today’s “poor,” but for their children and grandchildren.

Even when they have the potential to become productive members of society, the loss of welfare state benefits if they try to do so is an implicit “tax” on what they would earn that often exceeds the explicit tax on a millionaire.

If increasing your income by $10,000 would cause you to lose $15,000 in government benefits, would you do it?

In short, the political left’s welfare state makes poverty more comfortable, while penalizing attempts to rise out of poverty. Unless we believe that some people are predestined to be poor, the left’s agenda is a disservice to them, as well as to society. The vast amounts of money wasted are by no means the worst of it.

If our goal is for people to get out of poverty, there are plenty of heartening examples of individuals and groups who have done that, in countries around the world.

Millions of “overseas Chinese” emigrated from China destitute and often illiterate in centuries past. Whether they settled in Southeast Asian countries or in the United States, they began at the bottom, taking hard, dirty and sometimes dangerous jobs.

Even though the overseas Chinese were usually paid little, they saved out of that little, and many eventually opened tiny businesses. By working long hours and living frugally, they were able to turn tiny businesses into larger and more prosperous businesses. Then they saw to it that their children got the education that they themselves often lacked.

By 1994, the 57 million overseas Chinese created as much wealth as the one billion people living in China.

Variations on this social pattern can be found in the histories of Jewish, Armenian, Lebanese and other emigrants who settled in many countries around the world — initially poor, but rising over the generations to prosperity. Seldom did they rely on government, and they usually avoided politics on their way up.

Such groups concentrated on developing what economists call “human capital” — their skills, talents, knowledge and self discipline. Their success has usually been based on that one four-letter word that the left seldom uses in polite society: “work.”

There are individuals in virtually every group who follow similar patterns to rise from poverty to prosperity. But how many such individuals there are in different groups makes a big difference for the prosperity or poverty of the groups as a whole.

The agenda of the left — promoting envy and a sense of grievance, while making loud demands for “rights” to what other people have produced — is a pattern that has been widespread in countries around the world.

This agenda has seldom lifted the poor out of poverty. But it has lifted the left to positions of power and self-aggrandizement, while they promote policies with socially counterproductive results.

Advertisements

30 thoughts on “A mentalidade da esquerda

  1. Comunista

    “At least as far back as the 18th century, the left has struggled to avoid facing the plain fact of evil — that some people simply choose to do things that they know to be wrong when they do them. Every kind of excuse, from poverty to an unhappy childhood, is used by the left to explain and excuse evil.”

    E no entanto é a própria tradição cristã de que tanto se vale o pensamento de direita para se distinguir que defende que o mal não tem dignidade ontológica, ou seja, não é senão como privação ou diminuição do bem.

    Claro que pode ter havido alguma renovação do direitismo que o tenha reencaminhado por exemplo para as posições de Maniqueu rejeitando toda a crítica de Agostinho.

    Enfim, caro Ricardo, você deu-se ao trabalho de publicar uma coisa que não resiste mais do que 10 linhas de texto – isto, é claro, se ainda considerarmos que a direita se vale da tradição cristã, nomeadamente Católica e Protestante como factor identitário essencial. Mas talvez as coisas tenham mudado e andem a recuperar velhas heresias.

    Talvez se compreenda daí o desprezo que mostraram pelo actual Papa a propósito de algumas declarações que fez.

  2. lucklucky

    Também não concordo com Sowell quando ele fala sobre a Esquerda desculpar a maldade.
    A maldade é irrelevante para a Esquerda Progressista.
    A Esquerda está-se nas tintas para tudo o que não seja Poder.

    A maldade dos jovens tanto pode ser apoiada pela Esquerda se convier ao crescimento do seu poder ou diminuição do adversário ou combatida a tiro se não convier, ou se a esquerda já tiver boa parte do poder.

    Quando o Lula enviou o exército para as favelas vimos aquilo que o mesmo Lula e todos os jornalistas criticariam como discriminatório, militarização da segurança, ameaça de golpe de estado, ataque aos pobres. etc etc..
    Mas como foi Lula no poder e o controlo dos media o que vimos em vez de declarações de ONGs anti racistas, constitucionalistas, sindicatos, lista de caso de maus tratos policiais?
    Vimos o que seria de esperar, listas de crimes cometidos nas favelas, estatísticas de droga e a chamada de especialistas de segurança.
    Pois aí já é o crime a ameaçar o poder da Esquerda e não a a ajudar.

  3. PT

    Mais uma vez o Comunista demonstrou que a esquerda só lê aquilo que interessa, ou seja as tais “10 linhas facilmente desmontáveis” e incorre naquilo que a direita é tantas vezes acusada (as generalizações) e no mito direita=tradição cristã. Eu, por exemplo, sou agnóstico e de direita. E esta, hein? Quanto ao resto do texto, zero! Mas quanto a isso já estamos habituados por parte dos malabaristas semânticos da esquerda…

  4. Comunista

    “The agenda of the left — promoting envy and a sense of grievance, while making loud demands for “rights” to what other people have produced — is a pattern that has been widespread in countries around the world.”

    A típica tirada da inveja, como se ela explicasse alguma coisa senão o modo de ver a realidade pela direita. A direita pensa tudo em termos de invejar e ser invejado e como não conhece outras categorias não sai deste discurso. Isto é um modo do proteger o incrível previlégio de uma pequeníssima minoria de homens sobre a vasta maioria dos seres humanos – é uma tentativa de desmobilizar a crítica através da sua associação à inveja.

    A inveja não precisa de ser promovida, uma vez que já é uma característica humana desde os tempos de Abel e Caim. Ou seja, não explica nada que possa distinguir as relações políticas e económicas actuais.

    A mim custa-me a entender esta malta que perante as evidências brutais de uma acumulação de riqueza incrível por parte do grande capital se dispõem a ser burros de carga das queixas com que pretendem fingir que a vasta maioria da riqueza produzida vai para as mãos deles.

    Quanto ao sr. PT o agnosticismo não tem uma posição concreta sobre o mal, uns dirão que existe por si mesmo outros dirão que é apenas por privação, portanto você não serviu aqui para nada. O concreto é que o cristianismo é uma matriz identitária do pensamento de direita, ou pelo menos foi – é que se deixou de ser então avisem que é para nós sabermos.

  5. Comunista

    Erratum:
    “A mim custa-me a entender esta malta que perante as evidências brutais de uma acumulação de riqueza incrível por parte do grande capital se dispõem a ser burros de carga das queixas com que pretendem fingir que a vasta maioria da riqueza produzida NÃO vai para as mãos deles.”

  6. PT

    Lá está o malabarismo semântico a funcionar para dar os argumentos que permitem “desmontar” qualquer “narrativa”. Primeiro é a associação da direita à Igreja ou a qualquer forma organizada de religião, mas quando dá jeito, o agnosticismo já não prova nada de útil, como se um agnóstico não possa reconhecer a existência do mal por oposição ao bem. O que interessa é mesmo provar por todos os meios que o mal é causado por factores externos (pobreza, lares destruídos e o grande causador de todos estes factores, o capitalismo) e não internos. Afinal, um psicopata não o pode ser desde a nascença, mas um gay já nasce assim, só para dar um exemplo da hipocrisia vigente na esquerda. Quanto à história da inveja, bem se vê quem anda a acicatar uns contra os outros desde há décadas: “os ricos que paguem a crise”, os 99% contra os 1%”, os “occupy qualquer coisa”, a “ditadura do proletariado”, os indignados profissionais, o uso e abuso do direito à greve para manter os “direitos adquiridos” pagos à custa do labor dos outros, etc., etc.
    Quanto a uma coisa, pelo menos, está certo: a inveja não precisa de ser promovida, pois onde houver um esquerdista vai sempre haver uma exigência sobre a propriedade do próximo. Concedo-lhe, no entanto, os louros dessa descoberta histórica de que Caim foi o primeiro socialista, com o resultado que se conhece e que a partir daí se repetiu ad nauseam. É curioso, no entanto, um comunista socorrer-se de um exemplo bíblico para fazer valer o seu ponto de vista. Ou então é só a hipocrisia costumeira e o malabarismo semântico que já referi.

  7. Comunista

    Eu sugeriria que você tentasse de novo, que organizasse melhor as ideias e desse menos evidência de estar a berrar de dentro do cul-de-sac onde se enfiou junto com o texto do post mas como para receber pontos no Insurgente esta chachada que você debita é mais do que suficiente presumo que você esteja satisfeito.

  8. ASA

    Para o comuna:
    “A mim custa-me a entender esta malta que perante as evidências brutais de uma acumulação de riqueza incrível por parte do grande capital se dispõem a ser burros de carga das queixas com que pretendem fingir que a vasta maioria da riqueza produzida NÃO vai para as mãos deles.”

    Está a escrever sobre o quê?

    Regimes como o soviético? como o cubano?
    Sineramente não entendo que minoria está a falar, a minoria dos comités, ou a minoria que tem empresas e que ganha dinheiro, que inventa, que cria riquesa, os midas.

    Sinceramente, o comuna, acha que tem um lugar no comité, e ficará bem, que se lixe o povo, ele ficam todos iguais, (mais pobres), e o comuna que aqui escreve fará parte da minoria dos comités, que eu gosto de chamar capitalistas do comunismo. pois elesé que dispõe do capital.

    Sinceramente, cresça ou seja sério.

  9. Vitinho

    Ora, dinheiro nas maos deles… hummm.. deixa ver..

    Chavez, Maduro, Castros, Chineses , Oligarcas russos – a concorrencia é metida na prisao..

    é ESSES a que o Comunista se refere?

  10. PT

    O Comunista aprendeu bem a cartilha da NKVD… quando o resto falha, venham de lá os ataques ad hominem. Força, camarada! Já estamos à beira do abismo, mas felizmente as políticas dos seus titereiros possibilitar-nos-ão dar o Grande Salto em Frente.

  11. Joaquim Amado Lopes

    Comunista,
    “A mim custa-me a entender esta malta que perante as evidências brutais de uma acumulação de riqueza incrível por parte do grande capital se dispõem a ser burros de carga das queixas com que pretendem fingir que a vasta maioria da riqueza produzida NÃO vai para as mãos deles.”
    De notar que o Comunista não contesta que a riqueza seja gerada de forma desigual mas apenas que a riqueza não seja distribuída igualmente. Ou seja, confirma que a inveja é de facto um dos factores distintivos da esquerda.

  12. Comunista

    “De notar que o Comunista não contesta que a riqueza seja gerada de forma desigual mas apenas que a riqueza não seja distribuída igualmente. Ou seja, confirma que a inveja é de facto um dos factores distintivos da esquerda.”

    A única coisa que se confirma é que você, de onde fala, se julga, a si, e aos que defende, como “dignos” de ser invejado (presunção e água benta cada um toma a que quer).

    O resto são fantasias suas

  13. PT

    E eu a pensar que por esta altura já estaria claro que qualquer um não-socialista que possua 100 gramas de arroz seria “digno” da inveja de qualquer socialista possuidor de 90 gramas de arroz… se calhar tenho que deixar a água benta. Sim, a parte da presunção eu dou de borla, porque já vi que há muita falta de argumentos desse lado. O problema é que se calhar ainda me vai aparecer à porta uma cambada de indignados a exigir-me cabazes de presunção…

  14. Joaquim Amado Lopes

    Comunista,
    Não sei quem julga quem eu sou ou o que tenho mas, de nós os dois, o Comunista é o único a reclamar o direito a decidir o que se deve fazer com o que é dos outros e o que é melhor para eles. E ainda pretende que eu é que estou a ser presunçoso.

  15. Comunista

    “Não sei quem julga quem eu sou ou o que tenho mas, de nós os dois, o Comunista é o único a reclamar o direito a decidir o que se deve fazer com o que é dos outros e o que é melhor para eles.”

    – pois, para si o trabalho do trabalhador não pertence ao trabalhador, pertence ao capital que deve decidir que valor é que tem. Enfim, nada que não se saiba há muito.

  16. PT

    É claro que faz todo o sentido que quem deve decidir o valor do seu trabalho é o trabalhador e não a sua produtividade. Afinal, vale tanto o trabalho de um trabalhador que dá o litro e produz valor acrescido para justificar o salário, como o do moina do lado que faz do absentismo, das “baixas médicas” e do “direito à greve” um modo de vida. E é óbvio que o “capital” tem o dever de pagar 100 a quem só produz 90 ou 80 ou mesmo 50 porque o trabalhador assim o decidiu. Afinal o capital só existe em função do trabalhador, e não para dar lucro.

  17. lucklucky

    Neste diálogo fica bem retratada a Opressão da Mente Comunista:

    Arrogar-se do Poder de submeter todos os outros unicamente à sua moral.

    Arrogar-se do Poder de interferir na relação entre pessoas livres.

    Arrogar-se do Poder de decidir o destino dos projectos bem sucedidos que outros construíram

    E para terminar algo que passa quase sempre ao lado:

    Executor do Apartheid Classista: Acabar com a Mobilidade Social.
    Um pessoa independente sem pertencer a alguma Tribo é algo que um Comunista odeia mais que tudo.

  18. JS

    “This agenda has seldom lifted the poor out of poverty. But it has lifted the left to positions of power and self-aggrandizement, while they promote policies with socially counterproductive results.”
    Descrição do que aconteceu em Portugal nos últimos 30 anos.

  19. Joaquim Amado Lopes

    Comunista,
    “– pois, para si o trabalho do trabalhador não pertence ao trabalhador, pertence ao capital que deve decidir que valor é que tem. Enfim, nada que não se saiba há muito.”
    É claro que o trabalho do trabalhador lhe pertence. É por isso que o pode vender. O que não lhe pertence é o produto desse trabalho. Se um trabalhador quer ficar com o produto do seu trabalho não pode esperar que lhe paguem para o fazer.
    E é claro que o valor do trabalho de um trabalhador é decidido pelo trabalhador. Quer dizer, é claro para todos excepto para quem, como o Comunista, acha que os trabalhadores não devem poder avaliar o seu próprio trabalho abaixo do valor decidido pelo “Comité Central”, mesmo que isso signifique que não o conseguirão vender e terão que viver às custas do trabalho de outros.

    O Comunista é como o PCP em 1974.
    Em 1974, o PCP dizia que lutava contra a ditadura mas na realidade pretendia implantar uma ditadura “eventualmente” ainda pior. Em 2013, o Comunista diz que o “grande capital” não deve decidir qual o valor do trabalho dos trabalhadores mas também não quer que os trabalhadores sejam livres para decidir por si.

  20. Francisco Miguel Colaço

    Sobre a unidade da esquerda, faço aqui o obséquio de enviar um documentário 😉 da autoria de Les Luthiers. Se souberem espanhol e compreenderem bem o sotaque argentino é de rir as lágrimas.

  21. Comunista

    “O que não lhe pertence é o produto desse trabalho. Se um trabalhador quer ficar com o produto do seu trabalho não pode esperar que lhe paguem para o fazer.”

    – o produto do trabalho do trabalhador é a sua vida, quer dizer, a vida que pode construir através do seu trabalho.

  22. Comunista

    Para o Lucklucky dizer alguma coisa que não seja conforme com o que ele pensa é:

    “Arrogar-se do Poder de submeter todos os outros unicamente à sua moral.

    Arrogar-se do Poder de interferir na relação entre pessoas livres.

    Arrogar-se do Poder de decidir o destino dos projectos bem sucedidos que outros construíram”

    – ou seja, vamos todos perguntar ao Lucklucky o que devemos pensar e dizer.

  23. lucklucky

    Onde eu impeço você de criar uma comuna com quem concorda consigo?

    99% de imposto para a comuna? Se na vossa comuna estão pessoas de livre vontade é vosso direito.
    Empresas “populares” dos “trabalhadores”, empresas “sem lucro”? criem-nas.
    Não imponham é a vossa moral aos outros.

    O inverso disto não é verdadeiro, você quer-me obrigar e a todos os outros a serem Comunistas.

  24. k.

    “O inverso disto não é verdadeiro, você quer-me obrigar e a todos os outros a serem Comunistas.”

    Eu e 10 milhões de Portugueses gostamos de o obrigar a coisas.
    Como por exemplo, a não matar outras pessoas, e a obedecer a regras de trânsito.

    mas se está mal, mude-se – nós chegámos primeiro

  25. Do ponto de vista descritivo da mentalidade da esquerda, concordo (com conhecimento de causa) com quase tudo o que o Sowell escreve aqui.

    Mas há um ponto em que creio que ele está errado: “Since belief in disarmament has been a major feature of the left since the 18th century”; se ele está a falar de desarmamento “interno”, creio que isso não é (ou pelo menos não era) nenhuma “major feature of the left” – pelo contrário, a posição tradicional da esquerda era a da “nação em armas” contra os corpos militares “especializados” (primeiro a aristocracia, e depois os exércitos profissionais).

    Aliás, creio que um cenário clássico das revoluções europeias do século XIX era assim:

    1º) uma revolução liberal derruba um governo absolutista; 2º) após a revolução, e com as ruas cheias de civis armados, um governo liberal “moderado” (defensor da monarquia constitucional e do sufrágio restrito) promulga leis ordenando o desarmamento dos civis; 3º) os liberais “radicais” (defensores da república e do sufrágio universal) recusavam e diziam que os cidadãos armados eram os defensores da “liberdade contra a tirania” (ou qualquer outra frase sonante cunhada por algum poeta romântico); 4º) confrontos entre o exército regular e grupos “irregulares” armados; 5º) após a matança mútua entre várias facções liberais, um golpe impõe um regime autoritário

    Acho que aí o Sowell deixou-se levar pela excentricidade norte-americana de ser a direita a maior defensora do RKBA, e tratou-a como se fosse uma regra geral no9 espaço e no tempo (e mesmo nos EUA isso não era a regra: penso que logo após as independência eram os optimistas “jeffersonianos” que eram mais a favor do “povo armado”, e eram os pessimistas “hamiltonianos” que eram mais a favor de limites; e mesmo nos anos 60 os maiores defensores do RKBA eram provavelmente os Black Panters)

  26. Francisco Miguel Colaço

    k.,

    Quem mais mata são os comunistas. Os libertários (os verdadeiros, não os anarquistas) não matam porque isso é violar a liberdade alheia.

    Quanto às regras de trânsito, quem não as quer obedecer não anda de carro. Tem a opção, Agora, diga que não quer os serviços da Segurança Social e que por isso quer ser dispensado do seu pagamento. Diga que não quer usar a escola pública para os seus filhos e por isso quer um corte proporcional nos seus impostos. Diga que deseja candidatar-se independentemente dos partidos à Assembleia da República ou ao Parlamento Europeu.

  27. Renato Souza

    Interessante essa conversa dos comunistas sobre ‘outras pessoas decidirem o valor de trabalho e não o trabalhador”.
    Agora vejamos se isso é exceção. Vendi um apartamento e não decidi o valor dele, aceitei o que as pessoas aceitavam pagar. Eu tinha perfeita liberdade de pedir o dobro do preço que consegui, mas nesse caso não o teria vendido. Vou vender um carro, e acontecerá a mesma coisa. Da mesma forma a padaria me venderá pães e não decidirá o valor deles (se o dono da padaria pudesse decidir o preço e todos fossem obrigados a comprar ao preço decidido por ele, certamente custaria bem mais do que o que pago). A mesma coisa acontece com todos os produtos que compro, nunca o vendedor decide o preço. Se insiste num preço que as pessoas recusam-se a pagar, fica nas prateleiras e ele tem prejuízo.

    Há exceção a isso, e são aqueles preços cartelizados, principalmente no caso de produtos que são importantes para as pessoas. Nesse caso, o estado promoveu o cartel (pois só cartéis promovidos pelo estado prosperam). Mas esses preços cartelizados, numa economia razoavelmente normal, são a minoria ou nenhum.

    Então me pergunto porque os esquerdistas dizem que o trabalhador não é dono do seu trabalho pelo fato de não decidir o seu preço. Por idêntico raciocínio, o padeiro proprietário da padaria não seria dono de seus pães, pois não decide seu preço. Tanto como o trabalhador, o dono da padaria pode decidir cobrar o dobro pelos seus pães, mas não encontrará comprador. Tanto como o trabalhador, decidirá cobrar um preço que seja aceito.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s