Vazio partidário

Serviu a intervenção de Vítor Gaspar para ficarmos a saber…nada de novo. A maior novidade para o orçamento de 2013 já tinha sido aflorada nas declarações do Primeiro ministro Passos Coelho ao país.

Dizemos muitas vezes que é impossível chegar ao poder com mensagens liberais. Que para chegar ao poder os políticos têm de prometer benesses. Não foi o caso deste governo. O PSD ganhou as eleições com o discurso mais liberal desde sempre. Ainda hoje, e para fora do país, continua a ser usado esse discurso liberal. Passos Coelho ganhou o país e boa imprensa no exterior com este discurso. O discurso e as ideias liberais são populares. Talvez por razões práticas, talvez porque o Estado atingiu uma dimensão que sufoca a maioria das pessoas. As benesses já não compensam o que pagam directa e indirectamente. Independentemente das motivações o facto é ganharam as eleições com um programa que era explícito em relação ao aumento de impostos. Que era explícito sobre a orientação para a saída do Estado de vários sectores da Economia. Que era explícito sobre o remédio para o bizantinismo do Estado.

Um ano e meio de governação depois a lista de subidas de impostos é memorável. Não duvidaria que o mais liberal governo no discurso tivesses sido o que mais aumentou impostos. Isto demonstra que o liberalismo foi usado para ganhar eleições, que foi táctico e não convicto. Mostra também que se o discurso liberal ganha votos, não é simples de implementar em Portugal.

A minha interpretação das razões para termos chegado aqui é de que chegaram à conclusão que não poderiam implementar uma linha de redução real do peso do Estado sem afectarem demasiado clientelas, interesses e as estruturas do partido. Fizeram o fácil, vender activos com liquidez e reduzindo despesa em continuidade com o que tinha sido feito pelo PS anteriormente. Nas próximas eleições alguém vai acreditar na diferença entre PS e PSD? Da mesma forma que os portugueses mostraram maturidade ao apreciar um discurso liberal vão julgar esta coligação como não liberal.

As boas notícias são de que estão a criar um vazio partidário. Pode ser que seja o CDS a aproveitar-se desse vazio e o preencha, mas para isso terá de tomar posições firmes nesta altura, o que dado o famoso “interesse nacional” não parece provável. O surgimento de uma alternativa partidária liberal, para ter peso mediático dentro de 2 anos teria de aparecer já, o que também não parece provável. Fica um vazio partidário por preencher.

10 pensamentos sobre “Vazio partidário

  1. – “O discurso e as ideias liberais são populares”; não é verdade, pois o que é popular é apenas dizer que se não aumenta impostos: Quaisquer outras ideias liberais não são queridas pela população

    – “Mostra também que se o discurso liberal ganha votos, não é simples de implementar em Portugal”: o que ganha votos é ser oposição do Sócrates.

    -“Pode ser que seja o CDS a aproveitar-se desse vazio “: O CDS aproveita-se de todos os vazios e buracos em que puder entrar…

  2. XisPto

    Sem dúvida. O fim do estado empresário e dos interesses rendistas bem como a luta contra a corrupção generalizada são causas populares e sem disputa no mercado eleitoral, apesar de não ser difícil ver no espaço público actores que o capitalizam com sucessos esse vazio.

  3. Sinceramente, embora exista uma corrente liberal no seio do CDS-PP não qualificaria o CDS-PP, nem o seu líder, como liberais e julgo que a posição dúbia do CDS-PP radica fundamentalmente (exclusivamente) não em posições de princípio mas em preocupações de estratégicas (demarcar-se do PSD evitando o esmagamento do CDS em futuras eleições legislatiavas) e taticas (ganhar tempo e obter em sede de preparação do OE para 2013 algumas vantagens que permitam de algum modo salvar a posição em que se colocou ao declarar de forma tão prematura quanto incisiva a sua oposição a um novo agravamento da carag fiscal).

  4. Alexandre Gonçalves

    No nosso espectro político existe mesmo este vazio partidário.
    Eu sugeria um governo composto pelo colectivo Insurgente.

  5. paam

    Não sei se a criação de um vazio partidário é uma boa notícia. Nem considero que haja um vazio partidário mas sim um vazio político. Na 1ª República também se formou um vazio politico/partidário e este foi preenchido por uma longa ditadura. Esta nossa 2ª Republica está a seguir os mesmos passos e, se a situação não se alterar, sairá pela mesma porta. As semelhanças:

    – Crise económica e financeira: Check
    – Aumento do custo de vida: Check
    – Baixos salários: Check
    – Desemprego elevado: Check
    – Greves e manifestações: Check
    – Degradação dos serviços: Check
    – Instabilidade política: Check

    Se a situação se deteriorar seguir-se-ão:

    – Movimentos revolucionários, golpes de Estado e atentados à bomba:

  6. Ricardo G. Francisco

    André,

    Não se trata exactamente de esperança. Apenas a constatação de que é uma opção que têm e que existem pessoas no CDS que podiam levantar essa bandeira. O CDS tem a vantagem, por comparação com um partido novo, de não precisarem de se colocar já como os “mais liberais”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.