Os “jovens”, a “política”, e a “Revolução de Abril”: ACOORRRDEEEEM!

Parece que os “jovens” – essa categoria esotérica – não sabem nada de “política”, nem querem saber do 25 de Abril. Não “vivem Abril”. Não saem à rua a cantar músicas do “Zeca”, todos vestidinhos com t-shirts da Comissão Nacional da Luta Contra a SIDA, ou de campanhas do tipo “Todos Diferentes, Todos Iguais”, de Cartão Jovem e cravo na mão. Crime “lesa majestade”, dos políticos, porque se os políticos se preocupassem, os “jovens”, que são uns gajos acéfalos, iam “amar” o 25 de Abril, e a política, foi isso que me pareceu ouvir da boca do Visconde de Boliqueime quando decidiu puxar as orelhas aos “políticos”, culpando-os por este distanciamento. Os “jovens”, esses, não têm opinião própria, se estivessem “informados” e os políticos estivessem “próximos da população”, iam amar o Parlamento, e o Presidente, e essas coisas.

O puxão de orelhas até que faz algum sentido – faz sempre sentido puxar orelhas aos políticos (na linha da máxima, “puxa as orelhas a um político, mesmo que não saibas a razão: ele sabe, e merece“) – mas será que o problema dos jovens é de “informação”? Será que uma larga maioria dos “jovens” não sentirão desprezo por uma revolução que fabricou uma Constituição miserável, que ainda sonha com a utopia socialista, mesmo depois de terem caído todos os muros? Que estão distantes de um regime que lhes oferece uma legislação laboral rígida, que os deixa fora do mercado de trabalho, e os empurra para a emigração? Será que não detestam a “Geração de Abril”, que suga recursos para pagar as suas reformas, conscientes que, quando chegar a sua vez, a Segurança Social vai estar falida? Que torra milhões e milhões em megalomanias, tipo obras públicas de necessidade duvidosa, para manter a economia viva, embora “ligada à máquina”, mas com uma viabilidade apenas de curto prazo?

Parece que os “jovens” não querem saber da política; mas, tanto quanto se vê, a classe política tão-pouco quer nada com eles; a geração de “Abril”, que politicamente não se sacrifica, para permitir que o país seja um pouco melhor para as gerações futuras, que só pensa no seu umbigo, merece bem o desprezo dos “jovens”; este Portugal, de facto não abre grandes perspectivas, nem tem lá muito interesse: quem já levou com o Cavaquismo, o Guterrismo, o Barrosismo e o Santanismo, e vive agora em pleno Pinto de Sousismo, em versão socrática, se não quer saber da política, e prefere fazer outras coisas, é porque tem lucidez … ou, num exercício de masoquismo, ainda devíamos cantar, em pleno feriado, logo de manhã, “Grândolas, Vilas Morenas”, de rabo para o ar, virados para Meca?

Talvez ninguém se tenha lembrado, mas o 25 de Abril não diz nada aos “jovens”, porque a sua mensagem – blasfémia! – imagine-se, faliu. O regime que lhe seguiu, também. Caiu a ditadura? Certamente. Obrigadinho, “camaradas” e “pás” (e, já agora, obrigadinho, russos, “amaricanos”, sul-africanos, cubanos e suecos, pela ajudinha). Diria, porém, que a “geração de Abril”, por esse grande contributo histórico, já se fez cobrar o suficiente. A dívida já deve estar saldada, não já? Não terá já chegado a hora de acabar com os agradecimentos, e deixarem para os outros um bocadinho do país? Acordem! senhores políticos, vivam no presente, pensem o futuro, abram os olhinhos, e larguem esses modelos, tipo, “Viver Abril”, que em quase todo o mundo civilizado estão bem enterrados, no fundo da gaveta.

Anúncios

8 thoughts on “Os “jovens”, a “política”, e a “Revolução de Abril”: ACOORRRDEEEEM!

  1. olhe que o cartão jovem dá um desconto jeitoso nas viagens de comboio e de expresso. e o zeca afonso tem óptimas músicas, independentemente do significado político a elas atribuído – pelo próprio, ou por outros.

    mas é verdade que para os jovens de hoje, como eu, não faz grande sentido “viver abril” (o que quer que isso signifique). isso porque nós não “vivemos abril”. para mim, o 25 de abril é uma data histórica importante, sim, mas devidamente encaixada nos livros de história como o 5 de outubro ou o 1 de dezembro (ainda que nem sempre encaixada de forma correcta, pois raros são os programas e os professores que falam sobre o que realmente foi o prec). goste-se ou não, os jovens nascidos nas décadas de 80 e 90 sempre viveram em liberdade, e não sabem o que é viver de outra forma – o que faz cair por terra os estafados argumentos que começam com a não menos estafada expressão “no tempo de salazar…”.

  2. Caro João Campos,
    Concordo com o comentário, eu próprio usei enquanto pude o cartão jovem, e assim como me enervam o saudosismo de abril e as loas a Salazar. O texto é uma sátira, para frisar a forma como uma dada geração de políticos encara os jovenss, uma camada de que engraxa com cartões jovens e umas campanhas patetas.
    Quanto ao Zeca, não gosto, acho aquilo musiquinha de tristes, mas, asmito, são opiniões bem discutíveis as minhas neste campo.

  3. Miguel Almeida

    caro RAF,

    FABULOSO!!! : gostava de ter sido eu a escrever isto!

    A “apatia” – como lhe chamam – é causada por tudo aquilo que escreveu.

    parabéns
    MA

  4. Pingback: Cortar a Direito :: Os jovens e “Abril” :: April :: 2008

  5. Rodrigo

    Olha, você está generalizando muito, tem jovem que se importa sim com política, não me venha com essa, até por que os “mais velhos” também não andam fazendo muita coisa ultimamente.

    Eu tenho um blog e eventualmente escrevo sobre isso, coincidentemente escrevi ontem, faça uma visita e veja se muda sua opinião, todos os associados ao blog são jovens e todos são concientes.

    http://mestredasletrinhas.wordpress.com

    contato: rodrigosp121@hotmail.com

    se gostar fale comigo, gostaria muito de fazer uma parceria com o sr.

    obrigado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s