Preparar terreno?

No seguimento das recentes declarações dos ministros das finanças alemão e letão é significativo que seja agora o presidente do eurogrupo Jean Claude Juncker a colocar a hipótese da Grécia sair do euro.

Aversão ao risco (2)

Swiss foreign currency reserves hit a record of 406bn francs in July – a direct result of the central bank’s efforts to stop the currency falling below 1.2 to the euro as eurozone investors sought a safe haven for their wealth and flooded the country with cash. Evidently it’s taking a lot of work to keep that exchange rate where the Swiss central bank wants it.

No Telegraph

Nem os alemães gostam da Angela Merkel

Sondagem mostra que alemães querem Grécia fora do euro

O estudo, feito pelo Infratest para o canal de televisão público ARD, mostra que 65% dos alemães quer que a Grécia saia da moeda única.(…)

Os entrevistados germânicos mostram-se (…) satisfeitos com Angela Merkel e pensam que é a melhor pessoa para os liderar nesse momento. Uma percentagem de 70% diz que a Zona Euro está “em boas mãos” com a chanceler alemã. É uma subida de dois pontos percentuais face ao mês anterior, renovando-se assim a mais elevada pontuação desde Dezembro de 2009 nestas sondagens do Infratest.

Segundo a Bloomberg, o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, é o segundo político melhor visto para salvar a união monetária, com uma percentagem de 67%.

O elitismo europeu

Mais um adepto do “paga e cala-te”. E é claro que o euro nunca poderá um assunto interno dos países-membros. (Nem sequer do maior contribuinte líquido.) O tema só pode ser discutido pelas elites. Foi graças a “iluminados” como o Sr. Juncker que acham que acreditam que a “construção europeia” é decida por vanguardas esclarecida e longe do sufrágio popular que chegamos ao presente caos. Os alemães podem e devem conhecer, discutir e decidir internamente quanto custa o resgate da Grécia e quanto custa não o fazerem.

Já vai tarde

A Letónia, que deverá aderir ao euro em 2014, defende que a Grécia deve abandonar a região “o mais rápido possível”. “É necessário encontrar a forma mais rápida e menos dolorosa de os colocar fora da Zona Euro”, disse o responsável pela pasta das Finanças da Letónia em entrevista à radio Latvijas. “Quanto mais rápido melhor”, acrescentou Vilks, citado pela Bloomberg.

A forma menos dolorosa será provavelmente a mais rapida. Já se perdeu demasiado tempo e dinheiro a tentar evitar o inevitável.

Já alguém se tinha lembrado desta hipótese?

Há uma nova teoria para explicar os infortúnios da Grécia. Os maus da fita já não são os alemães mas o cartel bancário judeu que terá manipulado (e inclusivamente enganado) os lideres da França e Alemanha para os convencer a criar o Euro. O resto da história já é conhecida.

Outra novidade é o autor denunciante. Não se trata de um teocrata iranianao ou um clérigo árabe ou mesmo de um terrorista palestiniano. É um distinto académico da UC-Berkeley.. É um antigo research fellow em Berkeley e actual investment strategist

E o vencedor foi…

Wolfgang Munchau rejeita a tese que a Alemanha tenha cedido em toda à linha, na última cimeira à pretensões da Espanha e Itália.

“The real victor in Brussels was Merkel” de Wolfgang Munchau (Financial Times)

Mario Monti faced down the German chancellor and won the battle. He will survive a few more weeks or months in politics. It was clever of him to threaten a veto on something Angela Merkel badly needed. He had her in the corner. It was an example of classic EU diplomacy.

But this was only the foreground spectacle. If you look behind the curtain, you will find that, for Italy at least, nothing has changed at all.(…)

Continue a ler “E o vencedor foi…”

Ui! Aposto que a Sra Merkel até ficou com a pernas a tremer

Daniel Oliveira no Arrastão

Na realidade, nós estamos todos a pagar para a Alemanha manter, numa Europa disfuncional, um poder económico para o qual não tem, sem a União e o euro, dimensão. E está na altura de pensarmos como um alemão e dizermos à senhora Merkel: ou faz parte da solução ou prepare-se para umas décadas de penúria. Quer mesmo arriscar o fim do euro? Não? Então ponha-se fina. O problema é que temos todos sido os anjinhos no meio de um jogo de poker. Está na altura de desfazer o bluff alemão.”

O deputado Pedro Nuno Santos é que tinha razão. Vamos então dizer à Sra Merkel que ou ela nos dá todo o dinheirinho que queremos (e sem exigências!) ou então ela que vá ressuscitar o Marco Alemão. Está-se mesmo a ver que após cortar o financiamento ao “Clube Med” (um termo mais simpático que PIGS) a Alemanha irá enfrentar a penúria. Como ontem dizia o par da esquerda no P&C, vamos descobrir onde é que o dinheiro está escondido.
e nós entraremos (finalmente) no paraíso socialista.

E pensar que os gregos queriam tanto entrar para o euro que até aldabaram as contas. Ainda estou para descobrir como é que os alemães os convenceram enganaram obrigaram a fazer isso!