Venezuela assume-se

Venezuela de Maduro assume ser uma ditadura, no Globo:

Intervenção do Judiciário, aliado do presidente, na Assembleia Nacional configura grave ruptura constitucional e golpe de Estado.

Não se esperam comentários de Mariana Mortágua e Catarina Martins.

 

Anúncios

Venezuela, O País Onde Se Fez Tudo Bem

Dada a sua relevância e actualidade (tão ou maior do que na altura em que foi escrito), reproduzo aqui um post do Carlos Guimarães Pinto publicado no dia 22 de Maio de 2016 intitulado Venezuela, o país onde se fez tudo bem.

Como grande parte da classe política que constitui hoje a geringonça (e não me estou a limitar ao BE e ao PCP) defende políticas iguais às que são praticadas na Venezuela – com os resultados desastrosos de pobreza, fome e miséria generalizada – gostaria de saber porque é que esses iluminados políticos acreditam que as mesmas políticas aplicadas em Portugal teriam resultados diferentes. Muito agradecido desde já.


Venezuela, O País Onde Se Fez Tudo Bem

por Carlos Guimarães Pinto, 22 de Maio de 2016

Apesar de não parecer a quem acompanha a imprensa portuguesa, há fome na Venezuela. O país está a ferro e fogo com a calamidade económica que se abateu. Esta situação certamente apanhará muitos comentadores políticos de surpresa. Afinal, desde que Chavez subiu ao poder, a Venezuela seguiu todas as políticas económicas certas.

Sem uma Comissão Europeia a exigir controlo nas contas públicas, a Venezuela pôde assumir políticas orçamentais expansionistas, com défices elevados que, como sabemos, graças ao multiplicador, se pagam a si mesmos. Para garantir que o orçamento é pago por quem mais pode, a Venezuela tem um IRC de 34% e um IRS bastante progressivo que taxa mais quem ganha mais. Assim as empresas e os mais ricos não podem escapar a dar a sua contribuição para o bem comum.

Por outro lado, o regime Chavista soube sempre defender os interesses dos trabalhadores. Na Venezuela é praticamente impossível despedir após o primeiro mês no emprego. O regime chavista acabou com a precariedade laboral. Os trabalhadores vivem no conforto de saber que não podem ser despedidos façam o que fizerem o que, como sabemos, aumenta a sua satisfação no trabalho e produtividade. Para além disso, a licença de maternidade é de 1 ano, paga integralmente. Para dar o exemplo ao sector privado, o estado reduziu fortemente o horário de trabalho da função pública, reduzindo a semana a 4 dias.

O salário mínimo sobe a cada 6 meses e é hoje o triplo do que era há 2 anos. Como todos sabemos, o salário mínimo não cria desemprego. Pelo contrário, o salário mínimo aumenta o consumo que por sua vez cria mais emprego. Quanto maior o salário mínimo, mais consumo e mais empregos.

O governo controla grande parte dos sectores estratégicos: transportes, educação, energia, banca e até a distribuição alimentar. Não é o malvado lucro que determina as opções de gestão, mas sim a busca pelo bem comum. A forte presença do estado na banca garante que os empréstimos estão ao serviço do bem comum e não de interesses empresariais. Na energia, todos as famílias têm tarifa social e pagam muito pouco pelas 20 horas de electricidade que têm por dia.

A Venezuela foi dos países que mais investiu em educação do Mundo. Gastar dinheiro numa grande rede pública de educação é o primeiro passo para uma economia desenvolvida. Como sabemos, quando se fala de educação pública, quanto mais dinheiro for gasto, melhor.

A idade da reforma na Venezuela é aos 60 anos para os homens e 55 para as mulheres, deixando os empregos livres para os mais jovens. Basta descontar 15 anos para garantir uma reforma indexada ao salário mínimo.

Qualquer comentador isento e moderado dirá que na Venezuela se fez tudo bem. Não se percebe como chegaram a esta crise.

Salazar e Le Pen: a luta continua

Daqui se conclui com relativa evidência: tivesse Salazar tido a “lucidez” de chamar União Nacional Trabalhista ao seu partido único e de chamar às colónias “territórios de resistência ao imperalismo” teria podido contar com Cunhal como seu fiel ministro – tudo o resto seria o Estado Novo como o conhecemos: prisão de opositores (banal desde Lenine), censura prévia na imprensa (nada mais comum no Pacto de Varsóvia) e colonialismo (URSS, alguém?).

 

Isto e mais no Expresso online.

26 Manifestações em Caracas na “Mãe de Todas as Marchas”

Se ouvirem a peça da EuroNews, ficam a saber que na “Mãe de todas as Marchas” houve manifestações nas principais cidades Venezuelanas e que só na capital houve 26 pontos de partida que depois confluíram no centro da cidade onde uma massa humana de várias dezenas de milhar exigiram eleições antecipadas. Já na CBS Miami podem ouvir sobre os protestos de venezuelanos em Miami em solidariedade com os compatriotas, explicando aos repórteres os motivos de tal protesto. Já neste artigo da Globo podem ler os protagonistas e as causas da crise (incluindo o “desabastecimento”).

Reações em Portugal: na imprensa, foca-se a morte dos manifestantes. Suponho que para que os leitores/ouvintes depois tolerem melhor a repressão das GNB, MNB e FAB quando esta se intensificar; nos partidos à esquerda, PCP lidera a revolta contra a intromissão imperialista (ler original), enquanto o Bloco faz um relato desapaixonado e rigoroso do PREC Venezuelano como se achasse este tipo de acontecimentos normais e banais.

A sério, em que tipo de país é que eu vivo!

No Hay Comida

(imagem de Maio de 2016, em protestos contra as filas em Caracas)