O estranho caso de Emídio Lúcia-Lima, deputado do PAN e terrorista

Image result for man vegan hippie look

Esta é a verdadeira história de Emídio Lúcia-Lima. Começa em pequenino, ainda nem havia nascido. Sua mãe, vegan e praticante de reiki, e seu pai, voyeur de árvores e de outras pessoas não humanas, preparavam o parto natural. Estava lá também o cão, que auxiliava e garantia a limpeza do espaço. Era forte o cheiro a incenso e a seitã do dia anterior, aquecido ao lume, que tinha esturricado. O pai gritava força e contorcia-se em posição de bakasana, inspirando assim a mãe. Ao fim de muitas horas de contemplação da relva, de três ou quatro canas índicas e do pai em posição fetal, eis finalmente que sai Emídio, de cordão umbilical numa mão e com um ramo de stevia noutra, que aquilo lá por casa foi um forrobodó há duas noites atrás. O panegírico dos dois em honra a Osha, que juntou as forças da natureza para que tudo corresse bem, era incompreensível, até porque era em hindu. O almoço estava muito bom, sim. Juntaram num tacho duas folhas de louro, uns ramos de alecrim e tomilho lá do jardim, um pouco de sal e pimenta e a placenta. Ainda deu para guardar em tupperwares vegan, que são caixinhas feitas de papel, e reaqueceram ao jantar. O Emídio cresceu para ser um rapaz forte, apesar das anemias constantes. Bebeu do leite materno até aos 8 anos de idade, altura a partir da qual disse à mãe que queria algo mais gourmet, que era vegan mas gostava de experimentar coisas novas, e fez a transição para o leite de soja e para bagas goji. Entrou numa escola daquelas naturalistas, que não são bem escolas, mas espaços onde as crianças se borram ainda mais do que o normal. Teve o seu primeiro desgosto amoroso aos 12 anos, quando escrevemos aquelas cartas parvas com duas caixas a perguntar se a pessoa de quem nós gostamos quer namorar connosco. Nunca recebeu resposta do pinheiro e até ao dia de hoje não sabe bem o porquê, mas desconfia de que o pinheiro gostava era do bad boy de 14 anos, repetente nas aulas de Criação Corporal e Introdução à Biodanza, que perseguia passarinhos e comia os frangos ainda eles eram bebés no ovo — ah, é sempre assim, exclamava ele, preferem sempre os maus. Lúcia-Lima cresceu e tornou-se num homem poliamoroso, pansexual, pananimal e pangénero, amando tudo e o seu contrário. Mantinha uma relação com uma andorinha e com um gnu, e de vez em quando dava uma escapadela com uma árvore de pêra-abacate, por quem se apaixonou na ressaca do pinheiro. É sempre assim, procuramos um amor que compense outro que não correu bem. Tudo isto era aceite entre todos, ou não mantivessem também a andorinha e o gnu relações duplas e até triplas. Aos 16, Lúcia-Lima já participava em manifestações no Terreiro do Paço e em Benavente, no festival do chouriço. Levava sempre a sua t-shirt a dizer «Friend with a broccoli» enquanto gritava coisas como «Mais tofu! Menos marisco!» ou então «Sejamos conscienciosos com as pessoas não humanas que coabitam no nosso espaço», palavras de ordem muito fortes que dirigia às pessoas humanas. O «Touradas só de humanos! Free Touros!» também era recorrente, até porque isto era uma questão civilizacional e o Partido Socialista votou contra esta questão civilizacional, os bárbaros. Os pais, entretanto, divorciaram-se. A mãe não tolerou ver o pai abraçado a uma árvore dona Joaquina, que dava umas belas pêras (toda a gente tem um passado, e os pais do Emídio não eram excepção). Isto revoltou-o muito e vai daí junta-se a um grupo terrorista, o IRA. O que acontece a seguir já todos sabemos — vai para o calabouço e, pior, é obrigado a comer entrecosto de porco e pica-pau para o resto da sua vida.

Esta é a história de Emídio Lúcia-Lima. Quando encontrar alguém como o Emídio, não o insulte, não o agrida. Adopte-o.

Em Defesa do Veganismo

Gosto do meu bife assim: blue raw. É um desatino tremendo explicar aos senhores do restaurante o que é que “mesmo muito mal passado” significa.

Desconheço qual possa ser o problema de tantas pessoas contra os vegans. Vejo constantemente, ao vivo e nas redes sociais, mensagens de escárnio e irritação para com este estilo de vida que, como as calças dobradas no tornozelo, o gin e os hambúrgueres, está francamente na moda. Apesar de aparecer sempre por aí um jovem revolucionário que aponta o dedo aos carnívoros como eu – porque ser omnívoro é para bebés – com insultos e afins, como quem compara a matança do porco ao holocausto e acha que tirar leite da teta da vaca constitui uma violação dos direitos da mesma equivalente a um gang rape numa aldeia bósnia nos tempos do Milosevic, geralmente os vegans são excelentes pessoas que sabem meter-se na sua própria vida.

E assim sendo, quando se abstêm de tentar salvar o mundo declarando uma jihad aos apreciadores da posta à mirandesa, merecem todo o nosso respeito. São pessoas que pagam um preço caro – muitas das vezes literalmente – por seguirem aquilo em que acreditam, ao contrário dos seus primos afastados, os vegetarianos. São, acima de tudo, gente fofa e altruísta que faz baixar a oferta e nos permite comer um bife maior e mais suculento a preços mais baixos.Que seria de nós, com o aumento dos preços da carne nos recentes anos, se não houvesse quem a parasse de comer ? É uma win-win situation. Excepto quando uma vegan vos tenta levar a jantar e vos começa a impingir restaurantes. Aí o bixo pega.