Eu acho que já conseguia duas licenciaturas e uma pós-graduação

Relvas licenciou-se com quatro exames e 32 equivalência

De acordo com o documento a que o “i” teve acesso, a avaliação das “competências adquiridas ao longo da vida” teve em conta nove cargos que o ministro ocupou desde os 26 anos, como é o caso de membro da delegação portuguesa da Nato entre 1999 e 2002 ou a de secretario da direcção do grupo parlamentar do PSD, entre 1987 e 2001. Aqui, encaixou 14 equivalências. Os cargos políticos que desempenhou valeram-lhe mais quatro disciplinas, e as funções privadas que desempenhou valeram-lhe mais 15 disciplinas.

As quatro disciplinas feitas por Miguel Relvas foram Quadros Institucionais da Vida Económico-Politico-Administrativo do 3º ano, concluída com 12 valores; Introdução ao Pensamento Contemporâneo, do 1º ano, com 18 valores; Teoria do Estado, da Democracia e da Revolução, do 2º ano, com 14 valores; e Geoestratégia, Geopolítica e Relações Internacionais II do 3º ano, com 15 valores

Posto isto, queria apenas dizer que acho muitissimo estranho o chinfrim que os “abrantinos” estão a fazer. Acaso estão contra o reconhecimento, validação e certificação de competências? Acham que a Miguel Relvas devem privado Novas Oportunidades?

Exemplos para a juventude deste país

Para todos os que ainda duvidam da capacidade dos políticos portugueses. Sócrates licenciou-se enquanto era Ministro do Ambiente e acumulou um MBA com a liderança da oposição (isto foi um feito considerável – conheço quem tenha dificuldades em conjugar uma simples pós-graduação com um simples emprego das 9 as 5). Relvas conclui o curso superior num ano lectivo.