Em Defesa do Veganismo

Gosto do meu bife assim: blue raw. É um desatino tremendo explicar aos senhores do restaurante o que é que “mesmo muito mal passado” significa.

Desconheço qual possa ser o problema de tantas pessoas contra os vegans. Vejo constantemente, ao vivo e nas redes sociais, mensagens de escárnio e irritação para com este estilo de vida que, como as calças dobradas no tornozelo, o gin e os hambúrgueres, está francamente na moda. Apesar de aparecer sempre por aí um jovem revolucionário que aponta o dedo aos carnívoros como eu – porque ser omnívoro é para bebés – com insultos e afins, como quem compara a matança do porco ao holocausto e acha que tirar leite da teta da vaca constitui uma violação dos direitos da mesma equivalente a um gang rape numa aldeia bósnia nos tempos do Milosevic, geralmente os vegans são excelentes pessoas que sabem meter-se na sua própria vida.

E assim sendo, quando se abstêm de tentar salvar o mundo declarando uma jihad aos apreciadores da posta à mirandesa, merecem todo o nosso respeito. São pessoas que pagam um preço caro – muitas das vezes literalmente – por seguirem aquilo em que acreditam, ao contrário dos seus primos afastados, os vegetarianos. São, acima de tudo, gente fofa e altruísta que faz baixar a oferta e nos permite comer um bife maior e mais suculento a preços mais baixos.Que seria de nós, com o aumento dos preços da carne nos recentes anos, se não houvesse quem a parasse de comer ? É uma win-win situation. Excepto quando uma vegan vos tenta levar a jantar e vos começa a impingir restaurantes. Aí o bixo pega.

Esquerdas Coerentes – Trash Vegans

A grande maioria dos Esquerdas são aos meus olhos altamente incoerentes: ou são a favor de redistribuições mas são podres de ricos, ou são a favor de mais impostos mas não fazem doações ao Estado, ou são a favor dos pobrezinhos mas não dão esmola ou doações significativas a instituições de caridade. E claro, são contra o mundo capitalista, mas usam todos os confortos proporcionados por estes: não trabalham duro como os agricultores, mas usam iPhones para tirarem fotos em manifs.

Nas minhas navegações pelo mar da internet, descobri agora um grupo a quem tenho de tirar o chapéu: acreditam que no mundo ocidental se produz demasiada comida e se deita demasiada fora (algo que eu discordo, mas não vamos por aí) e, consequentemente, fazem estilo de vida a ir ao lixo, procurar comida em bom estado, e a limentar-se a partir dela.

Apresento-vos… os Trash Vegans!

Wikipedia sobre Freeganism (Inglês) – inclui “Dumpster diving”

Exemplo de Culinária Trash Vegan

Estes pelo menos são consistentes. Pelo menos na filosofia de vida, pois na sua dieta…

E já que não gostam dos confortos da sociedade capitalista que os rodeia, são coerentes até ao fim.

Posso não achar bem, mas pelo menos merecem respeito.