Finalmente Encontrada a Solução Contra o Terrorismo

Regogizemos todos pela perspicácia e sabedoria do nosso presidente da república – o ilustre professor Marcelo Rebelo de Sousa –  que ao fim de tantos anos com a ameaça terrorista a pairar no ar, conseguiu finalmente descobrir a solução para este problema. Solução essa que esteve sempre à frente dos nossos olhos, mas que ninguém até hoje foi capaz de discernir. E qual é essa solução para esse problema tão complexo? Afirma então o presidente da república:

“Eu sou um defendor de que se ganha essa guerra [contra terrorismo] no plano cultural.  A segurança é muito importante, mas não se ganha só com a segurança. Ganha-se com a afirmação dos nossos valores.

OK – a chave para derrotar o terrorismo é levar a batalha para o plano cultural com a afirmação dos nossos valores. Fantástico! Muito Obrigado, Marcelo!

Anúncios

O retorno dos canibais islamistas

Paulo Tunhas no Observador

Esta quarta-feira lembrei-me, como me acontece muitas vezes, de Fernando Gil, a quem um dia destes voltarei. Em 2003 publiquei em conjunto com ele um livro intitulado Impasses (que continha um apêndice da autoria de Danièle Cohn, “Coisas vistas, coisas ouvidas”). O livro lidava com a situação posterior ao 11 de Setembro e particularmente com a ameaça que o fundamentalismo islâmico representava para a nossa maneira de viver. Fernando Gil tinha uma percepção muito aguda do que estava em jogo e não estava disposto a transigir com a atitude de difusa complacência com o islamismo que reinava naqueles dias (como, à sua maneira, reina nos nossos). E sacrificou muito do tempo que poderia ocupar a escrever a sua última obra de filosofia (que permaneceu inacabada, tendo morrido em 2006) tanto na preparação do livro como nos debates que se lhe sucederam. Continue a ler “O retorno dos canibais islamistas”

É proibido afirmar o óbvio

O vice-PM britânico Nick Clegg criticou o líder do UKIP por este afirmar o óbvio:

Mr Farage told Channel 4 News: “There is a very strong argument that says that what happened in Paris today is a result – and we’ve seen it in London too – is a result I’m afraid of now having a fifth column living within these countries.

“We’ve got people living in these countries, holding our passports, who hate us.

Quem se der a trabalho de verificar o perfil dos terroristas islâmicos poderá atestar a veracidade destas afirmações. Mas estaria a Clegg a criticar alguma extrapolação espúria por parte de Farage?

“Luckily their numbers are very, very small but it does make one question the whole really gross attempt at encouraged division within society that we have had in the past few decades in the name of multiculturalism.”

Encontram algo chocante? Só a reacção de Clegg que prefere continuar a ignorar o óbvio e a empurrar o assunto e o eleitorado para os extremos. Estes agradecem e aproveitam para vender o resto do seu programa. Este sim verdadeiramente chocante e perigoso.

Um regime em avançado estado de desintegração

A propósito do post do Rui Carmo, julgo que poucos acreditarão na fábula de um insider do regime baathista que só agora terá reparado que serve um regime altamente repressivo. Mas é demonstrativo da confiança que eles colocam na sua manutenção. E este é apenas o mais recente epísódio de deserção de altas patentes do regime que preferem não esperar para ver o tratamento a “Primavera síria” lhes reserva.

No meio disto tudo joga-se uma interessante recomposição dos equilibrios na região. Existem rumores que o Hezbollah, uma joint-venture entre os regimes sírio e iraniano usada como proxy nas tarefas de controlar o Líbano e atacar Israel já foi convidada a mudar de ares.