O Paciente Inglês

o pac

Como a direita continua a não ter vergonha na cara e teima em chafurdar na mesma desonestidade intelectual de que acusa os Costas e os Galambas desta vida, acumulam-se as duras críticas à sensata posição do Governo de Portugal em relação à guerra fria entre a Rússia e o Reino Unido. Serão os mesmos que evocam uma aliança centenária, quase pretendendo fazer a equivalência entre a defesa da mesma e o patriotismo, patriotismo esse que os leva, em certas ocasiões e nas poucas partes que conhecem de cabeça, a cantar um hino que surge de uma marcha exigindo que os portugueses rasgassem essa tal aliança e pegassem em armas, o equivalente a um suicídio dos dolorosos, “contra os Bretões”. Bom povo inglês, sempre do nosso lado em Goa, em Angola, em Timor.

Bem faz o Governo em exigir prova concreta que suporte as acusações inglesas, como também faria bem em desconfiar das mesmas, sejam elas apresentadas. Não há muito tempo, a dupla Durão e Portas arrastou Portugal para um conflicto desencadeado à margem do direito internacional, cujas provas, posteriormente, se verificaram serem falsas, e que pode bem acartar as culpas da terrível situação que o Médio Oriente hoje enfrenta. Sim, PSD e CDS têm ambos sangue nas mãos e a choradeira dos seus dirigentes e apoiantes quando se deparam com imagens dos meninos sírios lembra aquelas viúvas chorosas no luto do defunto,  tendo umas semanas antes escarniado o marido à cabeceira do amante.

Continue a ler “O Paciente Inglês”

Russia downgraded

Reuters

Ratings agency S&P cut Russia’s sovereign credit rating to junk status on Monday, bringing it below investment grade for the first time in a decade.

Warning of difficult times ahead for Russia’s economy, S&P said it had cut the rating from BBB- to BB+ and that Russia’s economic growth prospects, hit by low oil prices and Western sanctions over the Ukraine crisis, had worsened.

The sick men of BRIC

Notícias ao Minuto

Questionado pela Bloomberg sobre se ainda agruparia o Brasil, a Rússia, a Índia e a China como os mais fortes mercados emergentes, como fez em 2001 num célebre ensaio com o título ‘Building Better BRIC, Jim O’Neill respondeu: “Eu poderia estar tentado a chamá-los apenas IC ou, se os próximos três anos forem o mesmo que os últimos para o Brasil e a Rússia, antecipo isso para 2019”

.