Porque É Que Corbyn Não Foi Arrasado?

Muito recomendado este vídeo de Daniel Hannan que explica porque é que Corbyn teve tão boa votação nas últimas eleições no Reino Unido.  As pessoas votam em quem lhes promete oferecer coisas grátis, mas o dinheiro não cresce nas àrvores e alguém tem que pagar por elas (espera-se sempre que sejam “os outros” a pagar). A austeridade não é uma escolha sádica de políticos, mas uma necessidade de equilibrar as contas públicas.

Old England is dying

No seguimento das declarações do ministro das finanças uma notícia ainda mais assustadora que relembra alguns estados totalitários:

School children are being encouraged by HM Revenue and Customs to tell their teachers if they know of anyone “in their local area” who is not paying their fair share of tax.

Curiosamente numa mui saudada declaração proferida no Prós & Contras que contou com a presença do AAA o Professor António Hespanha também apelou à delação fical, Para não pensarmos que por estamos imunizados contra o vírus totalitário

O Ministério da Igualdade

Government should butt out of marriage and churches – Eamonn Butler (Adam Smith Insitute)

“UK Equalities Minister Lynne Featherstone want to legalise gay marriage. Fine by me: I don’t see why gay couples should not be able to sign up for the same obligations, rights and benefits that heterosexual couples observe and enjoy.

She also wants gay couples to be allowed to marry in church, like heterosexual ones. Again, I have no problem with that, if the church is willing to do it.

All good libertarian stuff.

But Ms Featherstone wants to go further, and force churches to officiate in gay marriages, whether they like it or not.

(…)

Likewise, Ms Featherstone should keep her nose out of what the churches choose to do. They too may have their own minimum standards for marriage, which couples have to sign up to before they can expect to be married on the premises. Fine. Churches are private clubs, let them get on with it. Personally, I would be campaigning for them to accept gay couples, but I wouldn’t force church officials to betray their consciences. These are deeply held ethical positions. Churches have been thinking about the morality of lifetime partnerships a good deal longer than Ms Featherstoe has.”

A somar às pérolas desta senhora estão a discriminação “positiva” no emprego e a sua crusada pela introdução de passaportes sem género.

“We are all unequal. No one, thank heavens, is like anyone else, however much the Socialists may pretend otherwise” – Margaret Thatcher

Misturar alhos com bugalhos

É curiosa a insistência de alguns denominados “historiadores” em comparar a dívida alemã nos pós-guerras – imposta pelos vencedores como reparações – à a dívida contraída pelos gregos para financiar um Estado Social moribundo e um vasto exército cuja raison d’être é defender o país de uma guerra em grande escola com a Turquia que nunca se materializou – e que ninguém com cabeça acredita que se materialize num futuro próximo.

Mas aproveito a questão levantada para expôr a posição do historiador Niall Ferguson sobre a I Guerra Mundial e a culpabilidade da mesma: