A versão portuguesa do “Fantasma de Canterville”

A política portuguesa tem umas personalidades que quando (ainda?) participam no debate público me lembram as partidinhas do “Fantasma de Canterville”, do O. Wilde:  ambos, ainda que destituídos pelas circunstâncias (etárias, sociais, históricas, and so on), das suas funções (inquestionavelmente importantes no seu tempo), continuam, desastradamente, a assombrar. A diferença é que os primeiros não são obras-primas da literatura e não há uma bela Virgínia que (n)os  salve.o fantasma

Esquerda e direita Portuguesas vistas à distância

Vistas de longe e na preparação para as Europeias há uma diferença impressionante entre a Esquerda e a Direita em Portugal. A Esquerda está de acordo nas ideias mas em desacordo com a forma de chegar ao poder. A Direita não está de acordo nas ideias mas em acordo na forma de chegar ao poder. Depois admiramo-nos que a direita é vista como pragmática e a esquerda como idealista. Torna a direita mais apelativa para quem quer chegar ao poder mas difícil de frequentar para quem ainda quer perseguir ideais.