Como Destruir Uma Economia – Um Exemplo Prático

maduroA questão que se coloca é quanto tempo vai demorar a implodir o sistema político Venezuelano.

  1. Venezuela vai impor “limites” aos lucros em todas as áreas da economia.
  2. Maduro manda Exército ocupar cadeia de electrodomésticos – Presidente venezuelano disse à população que os produtos vão passar a ser vendidos a “preços justos”.
  3. Lojas que subiram preços têm de devolver dinheiro, ordena Maduro.

Pague as férias… e não vá! – Maduro style

Com um bilhete de avião válido, um Venezuelano pode trocar até 3.000 Dólares à taxa de câmbio do governo… e depois fazer uso da taxa do mercado negro… 7x maior.

Consequências:

  1. Quem quiser ir de férias, terá de comprar o bilhete com meses e meses de antecedência. Ou ir de barco.
  2. Muitos aviões vão semi-vazios. O overbooking das companhias está a tornar-se ridículo.
  3. Viajar é agora uma forma de rendimento. Um Venezuelano pode viajar para ajudar a alimentar e a vestir melhor a família. Até mesmo para consultas de saúde pode servir!
  4. Melhor ainda claro é ficar em casa e multiplicar o dinheiro à escala máxima usando a estupidez do sistema criado por Maduro.

Razão tinha o polaco: Socialismo é Estupidismo. Via NBCContinue a ler “Pague as férias… e não vá! – Maduro style”

Afinal o milagre Venezuelano não é tão miraculoso quanto isso…

… ao ponto de ele agora ir de joelhos ao Brasil pedir comida e energia (!):

Presidente venezuelano se reúne com Dilma e busca ajuda para enfrentar crise de energia e de abastecimento

Em sua primeira visita ao Brasil turno presidente da Venezuela, Nicolás Maduro pediu ajuda à presidente Dilma Rousseff para abastecer seu país. Com a grave escassez que ameaça a estabilidade do governo venezuelano, Maduro pediu vendas emergenciais de alimentos ao Brasil e ajuda para desenvolver a agricultura no país, além de apoio para enfrentar a crise no setor elétrico que tem provocado constantes apagões.

“Conversamos longamente para apoio nesse sentido. O Brasil, uma vez mais, estará aqui para atingirmos o objetivo de curto prazo de nos abastecer”, disse o presidente venezuelano na declaração à imprensa, após uma reunião de mais de duas horas com Dilma.

Os ministros da Agricultura de Brasil e Venezuela reuniram-se com suas equipes para determinar quais alimentos são mais necessários e qual a possibilidade de o País fazer uma venda emergencial nas próximas semanas.

Açúcar, óleo de cozinha, farinha de milho e leite estão entre os principais produtos que desapareceram das prateleiras na Venezuela já no final do ano passado. O governo acusa empresários oposicionistas de esconder alimentos para prejudicar o governo.

Segundo o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia, o Brasil também deverá ajudar a Venezuela na crise de energia. Há cerca de três semanas, Maduro decretou estado de emergência em razão de constantes apagões. “A Venezuela tem gás, tem petróleo, não tem razão para sofrer problemas de abastecimento de eletricidade.”

Maduro presenteou Dilma com um quadro de seu padrinho político, Hugo Chávez, que morreu em 5 de março.

A completa ausência de qualquer capacidade de gestão, a incapacidade de mudança e de mudança, a falta de humildade e a procura constante de bodes expiatórios para culpar na primeira situação que aparece. Triste, mas expectável.

Desempenho de Maduro põe chavismo em dúvida

Em Portugal, Marcelo Caetano levou à queda do Salazarismo em parte por não conseguir gerar o mesmo nível de fidelidade que Salazar havia gerado.

Na Venezuela, Maduro ainda não tem futuro definido, mas já falhou gerar no Chavismo o mesmo grau de fidelidade que Chavez havia gerado.

Como podem ler nestes artigo a partir do Brasil:
Globo: Desempenho de Maduro põe chavismo em dúvida.
Globo: Deserção de chavistas pobres reforçou desempenho de Capriles.
Veja: “Nicolás Maduro é o vexame chavista”.

Como criar uma unanimidade – Maduro Style

O Presidente da Assembleia Nacional pergunta: “Reconhece a Maduro como seu Presidente?”. Se o Deputado disser não ou hesitar, passa ao seguinte.

E assim se podem dizer que Maduro teve o apoio de todos os deputados que usaram da palavra.

A nível dos Ministros dos Negócios Estrangeiros não houve unanimidade.
Mas o assunto está a ser tratado por Maduro no seu estilo inconfundível.
Democrata, diz o PS…