Chefe Índio Nathan Phillips, o repetente

Como podem ver neste vídeo, o chefe índio, actor e mentiroso, e usa essas suas capacidades sempre que o deixam dizer barbaridades: 1) os jovens não gritaram “Build that wall! Build that wall!”, 2) Nem Washington DC nem Michigan são terras indígenas (e a tribo dele até é do Nebraska), 3) os índios tinham prisões, 4) ele é uma das piores pessoas para distinguir o certo do errado e 5) aquelas lágrimas de crocodilo a pedido… please.

Mas a questão é que já não é a 1ª vez. Em 2015, ele encontrou uns jovens da EMU (Eastern Michigan University) vestidos de índios com vestidos com penas, cara pintada de vermelha, e acusou-os de apropriação cultural, falta de respeito e tentou causar-lhe problemas e lucrar com o incidente com campanhas gofundme. Algo aliás que chegaram a começar também desta vez, mas com muito menos sucesso dada a evolução da narrativa. Uma vítima profissional, portanto.

Mais: na sua própria juventude no Nebraska, Nathan R. Stanard (sim, mudou de nome) foi preso, fugiu da prisão, apanhado com álcool enquanto menor, foi apanhado em excesso de álcool diversas vezes, acusado de condução negligente, acusado de assalto (onde assumiu como culpado), acusado de destruição de propriedade (tendo a outra parte desistido), e apanhado a conduzir sem licença. Isto claro de há anos se afirmar como veterano quando não é, o que é crime nos EUA. Podem ler mais aqui e aqui, mas não nas organizações de Fake News…

Um farsante fez uma farsa e muitos acreditaram. A lição?
Como sempre, quando há uma história tão-boa-que-parece-mentira para a multidão “Never Trumper”, geralmente é mentira. Convido os a fazer o que se deveria ensinar nas escolas de jornalismo: investiguem primeiro. Estou farto destes “jornalistas” salivosos a saltarem para toda e qualquer história anti-Trump sem fazerem o mínimo de verificação.

Continue a ler “Chefe Índio Nathan Phillips, o repetente”

Anúncios

Chefe Índio Nathan Phillips, o mentiroso

O Observador, no artigo infame sobre o grupo de índios que perturbou os menores de um colégio católico, escreveu:

Para agravar o caso, Nathan Phillips é, além de ancião da tribo Omaha, um veterano da guerra do Vietname. O idoso disse ter servido no Vietname entre 1972 e 1976.

Não. Não é um veterano da guerra do Vietname, não é um marine, nunca esteve lá.
Passou o tempo na Califórnia e foi expulso por motivos disciplinares.

Segundo o Washington Post, Nathan Phillips, man at center of standoff with Covington teens, misrepresented his military history:

In reality, Phillips served from June 1972 to May 1976 in the Marine Corps Reserve, a service spokeswoman, Yvonne Carlock, said Wednesday. He spent much of his enlistment in California, did not deploy and left the service as a private after disciplinary issues.

Para quem não sabe, fazer-se passar por veterano é punido por lei nos EUA, de acordo com o Stolen Valor Act de 2013.

Até o Huffington Post alterou o artigo. Veremos se o Observador faz o mesmo.

Continue a ler “Chefe Índio Nathan Phillips, o mentiroso”