Deve Ser Isto O Tal Simplex / As 35 Horas Não Têm Custos Adicionais

Da notícia abaixo (fonte), retiro duas coisas:

  1. Deve ser isto o tal simplex do estado que nesta legislatura conta com mais 31 mil pessoas. Parece ser impossível emagrecer o estado: numa altura em que as tecnologias de informação deviam tornar muitas funções redundantes, sem nenhum incentivo ao aumento de eficiência, o monstro leviatã não para de aumentar. Compra de votos ou efeito da lei de Parkison? Independente da resposta, o contribuinte pagará.
  2. Eu ainda sou do tempo em que o PS garantia que as 35 horas não aumentariam a despesa; e em que o Presidente da Felicidade Marcelo Rebelo de Sousa promulgou o diploma das 35 horas com a ressalva de que a despesa não pudesse aumentar. O mínimo que se exige é que o Senhor Doutor Mário Centeno e o Presidente da Felicidade partilhem de imediato o prémio Nobel da economia.

Como recordar é viver, deixo duas notícias dos longínquos anos de 2016 e 2017, retiradas daqui e daqui.

Anúncios

A direita não devia apoiar a recandidatura de Marcelo

Para não fugir à regra, mais um claro e sólido artigo do André Abrantes Amaral no Observador.

 Marcelo não só representa o atavismo da sociedade portuguesa, com a leviandade e a futilidade que caracteriza a forma como exerce o cargo (e que tanto jeito dá à esquerda), como entra em contradição com a necessidade de abertura do país a uma alteração comportamental e a um corte profundo com a protecção injusta atribuída a certos sectores.

[…] PSD e CDS ainda não perceberam que o eleitorado que representam em 2019 não é o mesmo de 2009. Não perceberam estes partidos, nem parece que o tenha percebido Marcelo.

Trump & Melania – Versão Tuga

O Presidente Populista, que adora e é adorado pelo povo comum, distribuindo beijos e abraços, sorrindo, e sendo ovacionado pelas ruas. A mulher apreciada pelo povo, bonita mas não oferecida, com boa imagem projeção nos media. Uma união que projecta a carreira dela e valoriza a imagem dele.

A América tem o Presidente populista casado com a modelo Melania.
Portugal tem o Presidente populista amigado com a super Cristina.
Pela minha parte, de empreendedor para empreendedor, Parabéns Cristina!
Quanto a Marcelo: critique menos Trump. Ou então distancie-se. Consistência, pf.

49864520_10211182251311102_7175710945006583808_n

Continue a ler “Trump & Melania – Versão Tuga”

Tudo está bem quando acaba bem!

A chuva fez o que o governo não fez e apagou os fogos (e ainda bem!).
A ministra Constança já foi libertada e pôde regressar à vida universitária.
António Costa já pediu desculpas pela frieza calculista desta semana.
O Público, a RTP e outros Legacy media já demonizaram a manif em Lisboa.
(“centenas” em vez de milhares, foco num provocador, foto de um canto,…)
Em Coimbra nem sequer foi aceite a proposta de manif pela Câmara local.
Ainda assim, acontecem e juntam milhares por todo o país (inc Coimbra).
Rui Rio e Santana Lopes já provaram que são bons… meninos do coro.
Marcelo já perdoou tudo a todos, sigam os Pactos de Regime.

Self Control

Depois de mais uma semana neste Oásis cor-de-rosa em que, após época de incêndios mais mortífera, armamento não desaparecido que apareceuambulâncias de emergência paradas (quantos morreram?), e mentiras nas listas de espera que fariam oscilar qualquer governo de direita, produzir apenas um hmpf só há uma atitude possível.

E agora, Marcelo?

Presidente da República prepara dissolução da Assembleia da República e queda do Governo: “(…) o País assistiu a uma série de episódios que ensombrou decisivamente a credibilidade do Governo e a sua capacidade para enfrentar a crise que o País vive.
Refiro-me a sucessivos incidentes e declarações, contradições e descoordenações que contribuíram para o desprestígio do Governo, dos seus membros e das instituições, em geral. Dispenso-me de os mencionar um a um, pois são do conhecimento do País.
A sucessão negativa desses acontecimentos impôs uma avaliação de conjunto, e não apenas de cada acontecimento isoladamente. Foi essa sucessão que criou uma grave crise de credibilidade do Governo (…)”

10 de Dezembro de 2004

marcelo-rebelo-de-sousaPara quando, Marcelo?
Só quando o povo parar de abraçar?

Finalmente Encontrada a Solução Contra o Terrorismo

Regogizemos todos pela perspicácia e sabedoria do nosso presidente da república – o ilustre professor Marcelo Rebelo de Sousa –  que ao fim de tantos anos com a ameaça terrorista a pairar no ar, conseguiu finalmente descobrir a solução para este problema. Solução essa que esteve sempre à frente dos nossos olhos, mas que ninguém até hoje foi capaz de discernir. E qual é essa solução para esse problema tão complexo? Afirma então o presidente da república:

“Eu sou um defendor de que se ganha essa guerra [contra terrorismo] no plano cultural.  A segurança é muito importante, mas não se ganha só com a segurança. Ganha-se com a afirmação dos nossos valores.

OK – a chave para derrotar o terrorismo é levar a batalha para o plano cultural com a afirmação dos nossos valores. Fantástico! Muito Obrigado, Marcelo!

Não em meu nome, obrigado

marcelo-revolucao-cubana.png
Créditos: Vítor Cunha, Blasfémias; e Marcelo Rebelo de Sousa, que se presta a isto.

Em meu nome, e em nome dos restantes indivíduos que têm o azar de serem pastoreados pelo hiperactivo animador da república, Marcelo Rebelo de Sousa, no fundo um Tino de Rans com uma cátedra e um apelido a conferirem patine, felicitou Cuba pelo 58º aniversário da revolução.

Não, obrigado. Agradeço o gesto de simpatia, mas eu não me junto ao coro que felicita um regime ditatorial. E não, acabar com uma ditadura para a substituir por outra não iliba o actual regime. Como tal, agradecia que, em vezes futuras, o sr Presidente endereçasse os seus cumprimentos, as suas missivas ou condolências a ditadores e ditaduras em nome pessoal. É que nem sequer votei em si — decisão que se afigura cada vez mais ajuizada.