Soares, Sócrates, Salgado: os rostos do Socialismo em Portugal

Observador: Depois de Sócrates, Soares visita Ricardo Salgado

É enternecedor ver como a família socialista continua amiga. Aliás, se o PS ainda estivesse no poder, Ricardo Salgado não teria levado uma nega e ainda estaria hoje como DDT – pois, como se sabe, alguém tem de financiar o socialismo…

Mário Soares e o amigo Ricardo Salgado

Lula não vê diferença entre Sócrates e Passos…

… e por isso deu-se mal.

Ainda sobre o caso aqui referido pelo André, convém recordar que Lula sempre foi um amigo próximo de Sócrates. Agora, foi ter com Passos e falou-lhe de mais uma negociata. Lula falouPassos ouviu mas não deu o seguimento habitual e a privatização acabou por ser feita com a suma (notícia oficial). Tudo isto, vindo do operário que prometia por travão à corrupção, lutando pelo povo que jura amar.

Alguém imagina como teria sido decidido isto entre o grupo do amigo Carlos Silva e o do amigo Lula da Silva, fosse Sócrates ainda 1º Ministro?Soares Lula Sócrates

Porque é que Sócrates recusou a proposta de alteração de condições de prisão preventiva

Não foi por causa da pulseira electrónica. Muito menos a razão se pode encontrar nos quatro parágrafos da resposta e justificação para a recusa. Sócrates não pode aceitar porque se ganhava liberdade e conforto ficaria proibido os contactos com associados e amigos com influência. Sócrates não troca a peça mais importante da sua estratégia, a sua capacidade de influência directa, por uns meses de conforto.

Para a história

Brasil1José Sócrates dizia repetidas vezes que iria ficar para a história, e que a história lhe faria justiça. E, com razão, ficou. Ficou no historial dos reclusos do estabelecimento prisional de Évora, ficou no historial de suspeitos do Ministério Público — o objectivo final de ficar também como arguído e condenado está próximo —, e fica agora na história de uma manifestação anti-corrupção… no Brasil. Pois bem, a história está-lhe mesmo a fazer justiça, em Portugal e além-mar.

Efemérides E Estranhas Coincidências

SocratesNo dia em que faz precisamente 10 anos que José Sócrates se tornou primeiro ministro de Portugal que por coincidência é também o dia em que se registam precisamente 90 dias da detenção do ex-primeiro ministro, recomenda-se a leitura da crónica de José António Saraiva no Semanário Sol Não há coincidências?

Há pessoas que têm o terrível azar de serem constantemente vítimas de coincidências. Acontecem-lhes coisas na vida que, apesar de acidentais, acabam por lançar sobre elas suspeitas infundadas. O engenheiro José Sócrates é uma dessas pessoas.

Começa logo com o seu título de engenheiro. Por infeliz coincidência, um professor que lhe deu passagem em várias cadeiras do curso de engenharia na Universidade Independente, de nome António José Morais, era seu amigo, tendo ambos participado no polémico processo do aterro da Cova da Beira (em que Morais foi arguido). Se não fosse essa amizade com um dos professores mais influentes, não haveria tantas suspeitas à volta da sua licenciatura. É certo que ainda se deu neste caso outra coincidência chata, que ofereceu argumentos aos seus inimigos: o facto de o diploma ter sido passado a um domingo. Mas isso…

[…] Foram todas estas coincidências – e mais algumas que se venham a descobrir – que, agitadas por espíritos malévolos, perversos e doentios, lançaram infundadas suspeitas sobre o engenheiro José Sócrates, infernizando-lhe a vida. A verdade, contudo, há-de vir ao de cima. E os algozes do ex-primeiro-ministro pagarão por isso – como justamente tem ameaçado o Dr. Mário Soares.

Diáspora a Évora

Na diáspora a Évora que congregou milhares e milhares de cidadãos estava lá um infiltrado neoliberal cuja única função, diligentemente efectuada, era a de minar a procissão a partir do seu ponto nevrálgico. Tarefa executada com sucesso.

Melhores momentos:
— “E estas pessoas estão aqui sem almoçar!”
— “Ainda não almoçaram?”
— “Esta senhora ainda não. Mas se calhar também não precisa…”

— “Uma salva de palmas para o Engenheiro!!!”
— *silêncio*