A provinciana — mas só de espírito

Clara Ferreira Alves, personagem boçal e surreal que dedica a vida a decorar a cuspe citações de Alexandre O’Neill e a escarnecer Cavaco Silva, tem o mérito de conseguir, bastando para isso abrir a boca, despertar uma enorme solidariedade para com Cavaco, o que não é tarefa fácil.

Uma vez mais, Clara Ferreira Alves recorda-nos que Cavaco é um saloio. Curiosamente, acertou. É verdade, Clara. Cavaco é saloio. Cavaco é um tipo de Boliqueime — terra algarvia que as pretensas gentes de bem nem sequer sabiam que existia até, lá está, vir o saloio do Cavaco —, que ajudava o pai a cavar batatas. Depois estudou, trabalhou, esforçou-se, chegou a assistente, professor auxiliar, associado e catedrático, trabalhou no Banco de Portugal, depois 1º Ministro, Presidente da República, e é isto que enerva profundamente a esquerda caviar, que partilha com a direita ultramontana a proximidade com o berço — é que o saloio deu-vos 10 a 0. Não sabe distinguir o copo do vinho do copo de água, mas fez mais na vida dele que vocês, os vossos filhos e os vossos netos alguma vez farão. É como o fidalgo que nasce com a sua fortuna e vê o pobre a tornar-se burguês, a usar fato, e a ir passar férias onde o fidalgo, embora abastado, nunca foi.

Custa, não custa?

Lorenzo vs José Sócrates

juditeCara Judite de Sousa,

Lorenzo exibe o que tem, é aberto e fala à vontade. Sócrates é dissimulado, mentiroso (aquela de não ter dinheiro e viver de créditos…) e esconde tudo o que tem.

Lorenzo adquiriu a sua fortuna por via de herança, e esta foi conseguida de forma honesta (sim, pois se não fosse então é que era). Sócrates era um aspirante a engenheiro sem posses no início da sua carreira e nunca fez nada sem ser política, enriquecendo ninguém sabe como ao certo.

Em resumo, um é aberto e teve sorte. O outro é dissimulado e roubou os Portugueses. No dia em que for assim com Sócrates, Isaltino, Valentim Loureiro e outros que tais, aí pode ser coerente. Até lá deve um pedido de desculpas ao miúdo. Até pelas diversas mentiras que foram ditas sobre ele na reportagem que passou antes da entrevista (pagar 1M para correr, sonho de correr na F1). E até pelo ataque de ganância e inveja.

Um conselho: Não use a sua posição para julgar ninguém. Ser privilegiado não é crime.
Enriquecer por roubo sim. Relembre-se disso.

PS: E sobre as finanças pessoais da Judite… Lindo vestido. Quanto contribui para caridades para compensar (como tem que fazer, dada a sua ideologia bem passada no seu tom)? Já agora, quanto doa a caridades, em percentagem dos seus rendimentos?

PS2: Isto nem é uma defesa do Lourenzo. Eu faria muita coisa de forma diferente. Mas como disse o Carlos Sá Carneiro, “A Judite de Sousa fez bem mais pela popularidade do Lorenzo do que pela do Fernando Seara.” (Ex1, Ex2, Ex3, Ex4, Ex5)