Call for Liberty II — Lisboa, 27 de Junho

A esquerda, entediada com a sua própria vida, promove conferências, uniões, assembleias populares, marchas, greves e tudo mais, com o altruístico desígnio de pensar a vida dos outros. Nós almejamos a bem menos — desejamos apenas que nos deixem pensar a nossa.

Sábado, 27 de Junho, na Universidade Nova em Lisboa, decorrerá uma conferência onde discutiremos isso mesmo. A convite do Instituto Ludwig von Mises Portugal irei procurar dar uma perspectiva gradualista, na linha Popperiana, de como libertar o Estado. Estão todos convidados — esquerda incluída —, para que possamos promover um debate interessante, que explique também porquê que o liberalismo é a melhor garantia para a erradicação da pobreza.

10440904_10207255014159483_5219990833408223867_n

P.S. – Antecipando que a minha posição não colha muitos apoios entre os ancaps, aproveito para informar-vos que meço 1.86, e que não são só vocês que sabem krav magá.

Liberty Is Calling @ Lisbon

Serve este post para divulgar e recomendar fortemente a conferência Liberty Calling II organizado pelo Instituto Ludwig Von Mises Portugal que terá lugar em Lisboa no próximo Sábado, dia 27 de Junho na Nova School of Business and Economics pelas 14h00. A entrada é livre, gratuita e não requer inscrição. A página do evento no facebook pode ser encontrada aqui.

O evento está repleto de oradores e moderadores ilustres e agenda é a seguinte:

  • Crony Capitalism vs Free Market Capitalism – por Helio Beltrão (moderado por Guilherme Marques da Fonseca)
  • A Cultura Intervencionista no Brasil – por Bruno Garschagen (moderado por Rui Santos
  • Portugal 2016: Como Encolher o Estado – por Miguel Botelho Moniz, Mário Amorim Lopes e Ricardo Campelo de Magalhaes (moderado por Ricardo Lima)
  • Bitcoin: As Criptomoedas como Foco de Liberdade – por Carlos Novais e Pedro Cunha (moderado por Tiago Águia de Moura)

CallForLibertyII

Sobre O Recente Caso Da Hepatite C

PatentedRecomendo vivamente a leitura deste artigo do Rui Santos, no Instituto Ludwig von Mises Portugal, em que o autor analisa o problema recente do medicamento de tratamento da hepatite C do ponto de vista das patentes e da propriedade intelectual.

A existência de patentes é uma criação do estado e não dos mercados. Uma patente é um privilégio atribuído pelo estado a um dado produtor no sentido de impedir que, durante um certo número de anos, ninguém possa comercializar um produto idêntico. O que está aqui em causa, portanto, é se estas patentes se justificam.

Leitura complementar: Quanto vale uma vida?

Call For Liberty

Muito recomendável, a 2ª Conferência do Liberalismo Clássico organizado pelo Instituto Ludwig von Mises Portugal a realizar no próximo dia 1 de Novembro às 14h00 na Universidade Católica do Porto.

O evento conta com a participação de Carlos Novais, Carlos Albuquerque, Mário Amorim Lopes, José Manuel Moreira, Guilherme Marques da Fonseca, André Azevedo Alves, Ricardo Miguel Valente, José Bento da Silva, Juan Ramon Rallo (director do Instituto Juan de Mariana) e Daniel Lacalle (Vice-Presidente Sénior da firma de investimentos PIMCO, autor do best seller “Nós, Os Mercados” e ainda comentador da CNBC).

Os temas a serem abordados no evento incluem: uma crítica ao intervencionismo estatal; a emergência do Bitcoin; Finanças públicas; Ética; Liberalização das Drogas; e, um “passeio pelos Mercados financeiros.

A entrada é livre e a inscrição pode ser realizada em: www.mises.org.pt

CallForLiberty