Há bufos na extrema-esquerda portuguesa

A tradicional guerra de números após cada greve entre sindicatos e governo faz parte do passado. Esqueçam lá isso! Agora, com o advento dos grupelhos de indignados e afins, e perante a crescente e manifesta falta de adesão popular às suas manifestações, o que está na moda é desviar atenções e atacar a polícia: primeiro através de confrontos físicos, depois através de uma difamação pública persecutória e falaciosa.

Perante a confrangedora falta de mobilização que as várias manifestações tiveram no último dia de greve geral, ao contrário da CGTP (que se recolheu num silêncio envergonhado), os auto-proclamados indignados começaram uma campanha de acusação à PSP. E o processo é sempre o mesmo: começam por acusar os agentes, esses fascistas, de terem começado os confrontos contra os coitadinhos que, inocentes, apenas queriam manifestar-se e, após cabalmente desmentidos pelos factos, refugiam-se na acusação de que haveria agentes infiltrados na multidão com o fim específico de provocar e começar os confrontos.

Mas, por vezes, as coisas correm mal. É que se essa teoria tem, só por si, pés de barro, ela acaba por desfazer-se em pedaços perante certos exemplos que deviam encher de ridículo quem os usa.

Um desses exemplos aconteceu na passada sexta-feira. Como refere esta notícia, a Anonymous Portugal identificou três indivíduos que teriam iniciado os desacatos, sendo depois vistos a conversar animadamente com os agentes da PSP. Conclusão da Anonymous Portugal: os três indivíduos eram agentes da PSP infiltrados na manifestação com ordem para provocar os confrontos. As peças estavam a encaixar-se na perfeição e o puzzle da teoria da conspiração, tão conveniente à Anonymous Portugal, estava quase completo.

Faltou, no entanto, uma: a verdade. E a verdade é que esses três homens, prontamente denunciados pelas fotos da Anonymous Portugal no facebook, eram estivadores de Aveiro e estavam em Lisboa para cumprir o mesmo papel que os restantes: manifestar a sua indignação. Esta situação já foi denunciada no site dos estivadores de Aveiro e no facebook da Anonymous Portugal pela própria advogada dos estivadores.

Sendo certo que esta foi uma tentativa meritória da Anonymous Portugal de contribuir para a construção da realidade maniqueísta, em que o pobre do manifestante é esmagado pela opressão policial, em que os grupelhos seus semelhantes andam empenhados, acabou por ser um enorme tiro – ou petardo, talvez – no pé da organização que, de uma só vez, denuncia comprovadamente companheiros de luta como  instigadores da violência e acrescenta mais um argumento à defesa de uma actuação “limpa” da PSP.

Com bufos deste calibre, um indignado já não se pode indignar em paz. Uma maçada.

 

P.S.: Entretanto, a Anonymous Portugal alterou o nome do álbum em que apareciam as fotos em causa, identificando os protagonistas como estivadores. No entanto, aqui podemos ver a “versão original”.

P.P.S.: Parece que mudar o nome do álbum não era suficiente. Por isso, os administradores da página de facebook da Anonymous Portugal decidiram apaga-lo. Nada de surpreendente para quem está habituado a não dar a cara.

Occupy Wall Street: Todos procuram o lucro…

Os Ocupas querem registar a marca.

Está certo: há que ganhar uns trocos com merchandising. Porque é que  a Disney pode e eles não? O irónico é que este grupo supostamente seria contra a propriedade privada e o lucro, mas isso claro é quando não interessa nada. Quando pode ir para o bolso…

¿! Democracia qué!?

A ver si lo entiendo: el PSOE está en el gobierno desde hace siete años y nadie salió a la calle; el gobierno viene coartando las libertades individuales desde 2004 y nadie salió a la calle; hay más de 4 millones de parados en España desde hace 3 años y nadie salió a la calle; hay pequeñas empresas que cierran todos los días, desde que comenzó la crisis, y nadie salió a la calle; Rubalcaba viene mintiendo a los españoles desde que es ministro y nadie salió a la calle; el gobierno ha subido los impuestos una, dos, tres veces y algunas más, y nadie salió a la calle; Zapatero envió cazas a Libia y nadie salió a la calle. Y ahora que se prevé la victoria del PP en las elecciones de domingo, todos salen a la calle y piden “democracia real ya”. ¿Es eso? Vale.