Terrorismo Fiscal

A ler, Carlos Guimarães Pinto, no jornal Eco com o seu artigo “Terrorismo Fiscal“:

A Encyclopædia Britannica define terrorismo como o uso sistemático de violência de modo a incutir medo, obtendo efeitos psicológicos para além do círculo das vítimas, tendo em vista atingir um certo objetivo político. Nas últimas semanas ficamos a saber que a Administração Tributária estava a organizar cobranças de dívidas nas auto-estradas, inspecções a casamentos onde questionam os noivos, e uma equipa secreta para seguir e fotografar contribuintes. Tudo isto à margem dos tribunais e beneficiando do privilégio da execução prévia, ou seja, da possibilidade de executar dívidas antes de elas serem comprovadas pela justiça. As notícias destas iniciativas saíram todas no espaço de alguns dias. Algumas acabaram canceladas.

[…]

Com uma dívida pública a aumentar, uma população envelhecida e os jovens a deixar o país, a pressão para arrebatar impostos aos que ficam aumentará cada vez mais. Sem colocar um travão à despesa e ao poder discricionário do Estado, o terrorismo fiscal alimentado por radicais ideológicos continuará a aumentar. Esta opressão fiscal continuará a afastar investidores, empresários e trabalhadores altamente qualificados, precisamente as pessoas que o país precisa para sair da armadilha da pobreza em que as políticas socialistas o meteram.

Anúncios

PS = Partido do Saque

Nunca a carga fiscal foi tão elevada em Portugal. Ainda assim, a geringonça em geral e o partido socialista em particular, estão sempre à procura de aumentar impostos existentes assim como estão sempre à procura de novos impostos. Afinal de contas, socialista que é socialista, procura sempre um novo imposto para acrescentar à lista.

Na imagem abaixo, os contribuintes que foram brindados com o virar da página da austeridade, podem constatar em que consiste essa tal viragem.

Nunca satisteito, porém o partido socialista procura sempre novas maneiras de ir ao bolso do contribuinte. Como fica mal dizer “que se quer aumentar impostos”, a máquina de marketing do partido socialista prefere usar outro tipo de linguagem mais suave, por exemplo: “revisão dos benefícios fiscais“, “calibração do imposto“, “estudo do imposto“. Quando o caro leitor escutar este género de expressões, fique bem atento, porque lhe estão prestes a ir à carteira. Exemplo disso, é a intenção recente do Partido do Saque, para englobar mais rendimentos no IRS. O propósito é apenas um: aumentar os impostos. Estamos bem entregues, estamos…

Feliz Dia Da Libertação De Impostos 2019!

Celebra-se hoje em Portugal, dia 15 de Junho, O Dia da Libertação de Impostos. O Dia da Libertação de Impostos representa o dia em que em média os trabalhadores deixam de trabalhar para o estado (apenas para pagar impostos e assim cumprir as suas obrigações fiscais) e passam a trabalhar para si. Na prática, somos todos trabalhadores do estado durante cerca de meio ano.

O gráfico abaixo representa a evolução do número de dias de trabalho necessários apenas para o pagamento de impostos desde 2000 (fonte, fonte, fontefontefonte, fonte , fonte, fontefonte e fonte).

Para terminar este post, deixo aqui dois pensamentos:

Escravidao.png

A Opressão Fiscal Leva Ao Estado Policial

Via Iniciativa Liberal, as notícias recentes ilustradas na imagem abaixo retratam bem a opressão fiscal que o estado português impõe aos seus cidadãos contribuintes.

Como alguém disse “os impostos não são o preço a pagar para viver numa sociedade civilizada; são sim o preço a pagar para não se ir para a prisão“. Quem não acredita nisto, pode experimentar não pagar os seus impostos para ver o que lhe acontece.

Geringonomics

A geringonça não se cansa de referir Portugal como um caso de sucesso, quando na realidade tem desperdiçado uma conjuntura extremamete favorável. Em vez levar a cabo as reformas que o páis precisa urgentemente, limita-se a manter o status quo e a comprar votos e acordos com os partidos que apoiam esta solução de governo. Assim que a conjuntura se tornar menos favorável, serão apresentados como responsáveis o Trump, a União Europeia, o Banco Central Europeu, os “mercados”, os especuladores e até o Passos Coelho…

Abaixo, o International Tax Competitiveness Index de 2018. calculado pela Tax Foundation, e que coloca Portugal na 32ª posiçao entre 35 países analisados.

Avante, Geringonça!