Um regime em avançado estado de desintegração

A propósito do post do Rui Carmo, julgo que poucos acreditarão na fábula de um insider do regime baathista que só agora terá reparado que serve um regime altamente repressivo. Mas é demonstrativo da confiança que eles colocam na sua manutenção. E este é apenas o mais recente epísódio de deserção de altas patentes do regime que preferem não esperar para ver o tratamento a “Primavera síria” lhes reserva.

No meio disto tudo joga-se uma interessante recomposição dos equilibrios na região. Existem rumores que o Hezbollah, uma joint-venture entre os regimes sírio e iraniano usada como proxy nas tarefas de controlar o Líbano e atacar Israel já foi convidada a mudar de ares.