Imaginem A Cobertura E A Reacção Do PS/PCP/BE A Esta Notícia Num Governo PSD-CDS

Caro leitor,

Peço-lhe que faça um pequeno excercício mental. Imagine que a notícia abaixo retirada daqui tivesse ocorrido entre 2011 e 2015 durante o Governo PSD-CDS. Peço-lhe que imagine a cobertura mediática; a indignação dos vários comentadores e opinadores; os posts virais nas redes sociais; e as reacções e declarações dos partidos que actualmente suportam o governo da geringonça:  PS, PCP e BE.

Agora, constatem a cobertura e tratamento actual que esta notícia – objectivamente gravíssima – tem tido, assim como as reacções do PS, PCP e BE.

Pelo menos, todos os funcionários públicos viram o seu horário de trabalho reduzido de 40 para 35 horas e os funcionários públicos com vencimentos acima de 1.500 euros viram os seus salários repostos; assim como os pensionistas que recebiam uma pensão mensal acima de 4.600 euros.

Sua Santidade, o Governo

Leitura muito recomendada de Manuel Carvalho, hoje no jornal Público: Sua Santidade, o Governo:

[…] Pedir silêncio quando o Estado falha e o país arde é um absurdo a menos que tenha uma finalidade sub-reptícia: dar argumentos às hostes que defendem com unhas e dentes o Governo. Ou seja, de criar uma narrativa. Já sabemos como isso funciona. É munir os sapadores políticos dos partidos da coligação com uma cartilha: não se pode falar dos erros no combate aos incêndios; não se deve pedir a demissão da ministra; o Governo virou mesmo a “página da austeridade” porque é uma estrela que veio do firmamento para nos salvar da troika; a união de facto entre os partidos da esquerda é uma maravilha da política contemporânea celebrada pelo mundo fora e só rejeitada entre portas por causa da proverbial estupidez e inveja dos indígenas.

[…] Hoje Portugal começa a viver debaixo de uma impiedosa rede de vigilância montada pelos intelectuais do Bloco, pelos apparatchiks do PCP e pela intelligentsia socialista que se investiu da missão de purgar as mentalidades dos perigos desviantes. Só se pode falar do Governo e das suas políticas com perfume de incenso e mãos juntas em jeito de oração. Pouco a pouco, foram sendo criados os códigos, as palavras e as frases que podemos dizer e citadas as questões da actualidade que podemos criticar. Quem não o fizer quebra consensos ou faz fretes a obscuras forças nacionais ou estrangeiras. Ou se é a favor do Governo, ou se é “pafiano” ou “troikiano” ou, como agora, entra no “aproveitamento político de tragédias” que estrafega os “consensos nacionais”.

Não Brinquem Com Os Números, Respeitem As Pessoas

Agosto de 2015: o PS colocava cartazes onde uma pessoa que perdeu o emprego durante o governo de José Sócrates se queixava da falta de subsídios que atingiam 353.000 desempregados (fonte).

Desempregados_353000

Junho de 2016: Já com a geringonça a todo o vapor, a Segurança Social deixa sem prestações quase 377.000 desempregados (fonte).

Desempregados_377000

Ideia via o Lobo Neoliberal.

Portugal bom e barato

Acresce a tudo o que o Rodrigo aqui escreveu que o ministro ou é completamente ignorante, ou acha que os empresários são, ou acha isso da imprensa e de quem a lê.

É que como é por demais evidente para quem tenha dois dedos de testa económica, o valor pago em salários em Portugal é relativamente irrelevante para os empresários. O que importa é o valor acrescentado da mão-de-obra. Há salários, digamos assim, que poderiam ser literalmente zero que não compensavam um determinado investimento.

Fiquei sem perceber se é estupidez pessoal, se má-fé, mas registo o silêncio sepulcral de quem se indignaria se declarações análogas fossem proferidas noutros tempos pelos detentores do mesmo cargo. E registo mais um prego na credibilidade do Czar das Finanças.

Dois Pesos e Duas Medidas

No longínquo ano de 2009 quando o PS venceu as eleições com 36,5% dos votos (abaixo do resultado de 38,5% da PaF) mas sem maioria absoluta, afirmava José Sócrates com o apoio do seu partido o seguinte (fonte):

“Sabemos todos que o novo quadro parlamentar não confere a nenhum partido uma maioria absoluta. É verdade. Mas isso não significa que as eleições não tenham tido um partido vencedor. Porque tiveram. E os portugueses deram até ao partido vencedor aquilo que se pode considerar uma vitória clara.”

“O Governo que aqui se apresenta, diante do Parlamento, é o Governo que corresponde à vontade dos portugueses, livre e democraticamente expressa nas urnas. Este é, pois, um Governo com inteira legitimidade democrática para governar nos quatro anos desta legislatura!“, afirmava o ex-primeiro-ministro no Parlamento.

“Pois bem: o Governo que os portugueses escolheram, está aqui para apresentar exatamente o mesmo Programa que os portugueses votaram! O Programa que o Governo submete à apreciação desta Assembleia é aquele que foi apresentado como programa eleitoral e de Governo pelo partido que ganhou as eleições – apenas expurgado, naturalmente, das referências partidárias ou de mero balanço da legislatura passada. Esta é, sem dúvida, a melhor forma de garantir o respeito integral pela vontade expressa dos eleitores!“, reforçava Sócrates.

“Então o Governo, não apresentando o Programa do PS, devia afinal de contas apresentar o Programa de quem?! (…) não podem por isso estranhar que o Governo apresente aqui o Programa que é o seu!”.

“Do que se trata, é de o Parlamento – que representa a Nação, em resultado das eleições legislativas – reconhecer que este XVIII Governo Constitucional, empossado pelo Senhor Presidente da República, corresponde, de facto, ao resultado das eleições“, insistia o então líder socialista e primeiro-ministro.

Socrates_Costa2

A Constituição É Clara Mas Deve Ser Intepretada Como Nos Convém

Corria a longínqua data de 19 de Setembro de 2015 quando (fonte):

No final de uma arruada em Matosinhos, Catarina Martins foi questionada pelos jornalistas sobre a manchete do Expresso, que hoje avança que Cavaco Silva dará posse a quem tiver mais mandatos, prevalecendo o número de deputados sobre a percentagem de votos, tendo-se a bloquista escusado a comentar declarações de Cavaco Silva que não viu em lado nenhum. “Eu acho que nós não precisamos de inventar muito. Temos 40 anos de democracia, temos uma Constituição que é clara. O Presidente chamará o partido que tiver a maior bancada parlamentar para formar um Governo. Eu não percebo muito bem porque há todo esse debate“, disse, perante a pergunta de se esta decisão seria legítima.

AConstituicaoEClaraImagem roubada daqui.