Todos os Carros Portugueses São Híbridos: Funcionam a Combustível e Impostos

Por cada litro de gasolina 95 que os portugueses colocam no depósito do seu automóvel e que custa 1,502€, os portugueses estão a pagar 0,923€ em impostos, cerca de 61%. Feitas as contas de outra maneira, sem impostos, um litro de gasolina custaria 0,579€; e com impostos este valor aumenta 160% para 1,502€ (mais do que duplica) (fonte).

Vistas as coisas ainda de outra forma: se um português colocar 50€ de gasolina simples 95 no seu automóvel, terá a satisfação de colocar no porquinho mealheiro de Mário Centeno a módica quantia de 31€, quantia esta que António Costa irá aplicar sem dúvida, de forma absolutamente parcimoniosa e extremamente rigorosa no bem de toda a sociedade.

Em relação ao gasóleo as contas não são muito diferentes. Por cada litro que custa 1,383€ os portugueses estão a pagar 0,744€ em impostos – isto é, cerca de 54%. Feita as contas de outra maneira, sem impostos, um litro de gasóleo custaria 0,639€; e com impostos este valor aumenta 116% para 1,383€ (mais do que duplica).

Os portugueses podem ainda rejubilar de felicidade ao saberem que não obstante os seus elevadíssimos salários, graças aos sublimes impostos lusitanos pagam (fonte):

  • a 15º gasolina mais cara do planeta
  • o 21º gasóleo mais caro do mundo
  • a 6ª electricidade mais cara do globo

Mas pronto, são as empresas petrolíferas e energéticas que são “gananciosas”. O estado é um bem-feitor que nunca tem por fim o lucro – tem apenas e sempre o interesse do bem estar da sociedade.

Mais Uma Página Da Austeridade Virada

Depois do preço ter subido 11 cêntimos por litro (sendo que destes, 8 cêntimos correspondem a um aumento do ISP e do respectivo IVA), eis que a geringonça nos brinda com estas “boas notícias” da descida de um cêntimo. Está pois virada mais uma página da austeridade.

Combustiveis

Leitura complementarE agora já se pode descer o ISP? (9)

Deve Ser Isto O Neoliberalismo

O regime legal que obriga à comercialização de combustível simples entra em vigor dentro de 90 dias. […] A versão final da lei, como lembrou o Jornal de Notícias, generalizou a obrigatoriedade da oferta a todos os postos de combustível, enquanto na versão inicial se cingia a postos com quatro bombas de abastecimento, o que afectava a oferta fora dos grandes centros urbanos.” (fonte)

Pode o estado forçar uma empresa a vender algo que ela não quer? Em vez de se intrometer na gestão de empresas privadas, porque é que o estado não promove antes os combustíveis low tax uma vez que os impostos representam mais de metade do preço?

Porreiro, pá!

Há cerca de 4 anos, no rescaldo da subida vertigionosa do preço do petróleo, o governo socialista decidiu que os concessionários dos postos de abastecimento nas autoestradas fossem obrigados a colocar paineis informativos que permitssem aos automobilistas comparar os preços nas 3 alternativas mais próximas. Não sei se os próprios governantes acreditaram na eficácia da medida mas pelo menos venderam-na ao país como uma medida que iria fazer baixar os preços de venda. Passados 4 anos um estudo da Autoridade da Concorrência chega à conclusão que o efeito foi exactamente o oposto.