Election Day!

A noite eleitoral nos Estados Unidos pode acabar numa surpresa – particularmente para quem anda mais distraído e só consome media portugueses – mas se é surpresa é porque apesar de tudo pouca gente conta com ela.

O resultado mais expectável é Hillary Clinton ganhar a maioria do Colégio Eleitoral, ainda que a consiga provavelmente sem levar os eleitores do Ohio que desde a Segunda Guerra Mundial só em 1960 (quando optaram por Nixon em detrimento de Kennedy) não fizeram parte da maioria vencedora.

Há alguns sinais para os quais vale a pena estar atento: a menos duma revolução no comportamento eleitoral dos americanos, Trump precisa de ganhar na Florida, Geórgia e na Carolina do Norte. E é provável também que não consiga ganhar sem os 4 votos eleitorais do New Hampshire. Se Hillary ganhar um dos primeiros três, eu diria que leva a nomeação para casa (o mesmo aliás com o Ohio), a menos duma grande surpresa na Pensilvânia, onde todos os estudos lhe dão a vitória. A vantagem, para nós, é que sendo estados da Costa Leste, encerram mais cedo que outros estados para os quais é preciso atenção como o Arizona, o Nevada ou o Colorado.

O essencial é isto: podemos ir para a cama com um certo grau de confiança se na Costa Leste Hillary já abrir caminho de forma quase decisiva. Este mapa permite brincar ao Colégio Eleitoral.

Vou estar hoje à noite aqui e no twitter.