Que Modelo Desejamos Para Portugal: Holanda, Irlanda e Luxemburgo OU Cuba e Venezuela?

Ontem no debate com Assunção Cristas, a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, afirmou orgulhosamente que “não queria que Portugal seja uma Holanda, Irlanda ou Luxemburgo.” Comparemos então Portugal com esses países (cortesia da Iniciativa Liberal e do CDS-PP):

Pois bem, a Catarina Martins, actriz de formação, não deseja um modelo semelhante a estes países para Portugal. Certamente a Catarina Martins preferirá países que implementaram as políticas que ela defende, designadamente Cuba e a Venezuela, onde os cidadãos são todos igualmente pobres e miseráveis (com excepção da classe dirigente porque “todos os animais são iguais, mas uns são mais iguais do que os outros”). Aproveito para partilhar algumas fotos desses paraísos socialistas que a Catarina Martins deseja implementar em Portugal.

Leitura complementar: Ideologia de Género

Anúncios

Ideologia de Género

De acordo com a ideologia de género, o género é uma construção social e qualquer pessoa, independentemente do seu sexo biológico, pode declarar-se de um de uma lista crescente de géneros possíveis.

Catarina Martins, quer levar este conceito também à política, declarando que o Bloco de Esquerda, um partido radical de extrema-esquerda é afinal de contas um partido social democrata (fonte). O mesmo partido que defende regimes totalitários que mataram 100 milhões de pessoas em 100 anos e que defende políticas para Portugal que em todos os países onde foram implementadas, resultaram em fome, miséria e pobreza generalizadas.

Ainda ontem no debate com Assunção Cristas, Catarina Martins afirmava que não queria que Portugal se transformasse numa Irlanda, numa Holanda ou num Luxemburgo (esses países capitalistas com um nível de vida muito superior ao de Portugal). Certamente que Catarina Maritns preferia que Portugal se transformasse numa Venezuela, numa Cuba ou numa Coreia do Norte.

Bónus: para se perceber o nível de sofisticação intelectual da líder do Bloco de Esquerda, actriz de formação, vale a pena ver e rever a explicação que Catarina Martins dá para o problema da àgua em Portugal. Pasme-se: “Nós temos um problema, temos barragens a mais. As barragens provocam evaporação e portanto nós estamos sempre a perder àgua. E isso é um problema muito complicado.

E é este partido que recolhe 10% das intenções de voto nas sondagens. Definitivamente, estou no país errado.

Evento para Ocupar o Prédio Robles dia 31/Julho

Vamos Ocupar o Prédio do Robles, é o evento do Facebook publicitado pelo Observador, organizado pela extrema direita em Lisboa, e que já anda a ser publicitado na página de Ricardo Robles no Facebook.

Leilão forjado a preço fora do mercado, empréstimo da CGD sem cumprir taxa de esforço, o resto do dinheiro que não se sabe de onde vem, licenças camarárias em tempo recorde para fazer mais um andar, achados arqueológicos ignorados, queixas dos vizinhos prontamente silenciadas pela Câmara, inquilino despejado sem dó nem piedade… e remodelação em 11 apartamentos para alojamento local, apesar de todas as iniciativas do Bloco e do próprio Robles contra este negócio! (Onde é que ia viver a irmã Lígia afinal??). Viva a transparência! Viva a coerência!

e ainda:

Se temos esta vergonha de políticos medíocres, vigaristas e aldrabões, é porque há quem vote neles. A culpa é dos eleitores que parece que gostam de ser roubados.
Nós não! Lutamos pela justiça e pela ética nos cargos públicos. Não toleramos esta constante pilhagem ao erário público por parte dos “pulhíticos” do sistema, aldrabões e hipócritas, que se servem dos cargos em vez de servirem.
No dia 31 às 12:30 horas, vamos “oKupar” o prédio do político de Extrema-Esquerda-caviar.
Venha connosco mostrar a justa indignação daqueles que não são cúmplices desta imoralidade.

Estou muito curioso sobre o que vai agora dizer Catarina Martins.
Vamos descobrir agora que também é contra as ocupações?

Okupar o Robles.jpg

Bloco Vs Realidade – Porque Arde Portugal?

Bloco: Erros nos incêndios foram causados por “preceitos neoliberais”.

A coordenadora do Bloco não deixa, porém, de apontar o dedo aos anteriores Executivos. Para a líder bloquista, a política da floresta e da Proteção Civil têm seguido “todos os preceitos neoliberais”. Até com a autoridade nacional que nós tínhamos para as florestas se acabou nos tempos da ‘troika’. O Bloco até aprovou recomendações empenhadas sobre ser preciso sapadores florestais e vigilância e nunca nada foi posto em prática porque ‘ai o défice, ai a austeridade’”, criticou Catarina Martins.

(Então a austeridade não acabou? Porque reduziu o orçamento para a defesa das florestas em 9% este governo? Quem é neoliberal? O PS?)

Realidade: ¿Por qué los incendios en Portugal son tan letales?

Sí se sabe que hay una parte del bosque que nunca se incendia, el de la industria. Las papeleras gestionan el 6,5% de los terrenos privados, algo más de 200.000 hectáreas. Sus eucaliptos no arden, y cuando lo hacen es por contagio del vecino. El sector invierte cuatro millones de euros anuales en labores de prevención y silvicultura. Su brigada de intervención rápida se mantiene en alerta todo el año. Casi todos los fuegos que apagan (el 85%) están en propiedades vecinas.

Sim: a floresta na mão das grandes papeleiras não é consumida por grandes incêndios.

E são da espécie maldita: Indústria Papeleira diz que problema dos incêndios não se deve ao eucalipto.

“Se formos ver as estatísticas, em média arde menos de 1% anualmente do património gerido por estas empresas. Isto é um valor que só por si já diz tudo”, destacou, recordando que cerca de 200 mil hectares de floresta, a maioria de eucalipto, são geridos pelas empresas associadas da CELPA.

A diferença é ter uma gestão privada. Não o facto de ter uma ou outra espécie de árvores.

Extra: “O maior atentado à floresta portuguesa”. Indústria papeleira arrasa reforma florestal.

Catarina MartinsConclusão: Catarina Martins… pense antes de dizer baboseiras dessas.
Olhe que lhe fica mal, pois apesar do controlo que tem da imprensa em Portugal há sempre modo de a informação circular.
Sobre a Comunicação Social: Não há 1 jornalista que questione a senhora no final da intervenção sobre os dislates da senhora, por exemplo sobre este tema? Estão assim tão atados?