O Impostopoly Continua Em Recordes Históricos Em Portugal Em 2019

Em 2019 em Portugal, a carga fiscal vai manter-se nos 34,9%, o valor mais elevado de sempre.

Mas agradeçamos a benevolência do magnânimo governo socialista que prevê agraciar os contribuintes com a baixa de uma décima inteira no valor da carga fiscal em 2020. Em vez do valor intolerável de 34,9%, a carga fiscal passará a ter o valor negligenciável de apenas 34,8%. Vá lá – não gastem tudo de uma vez.

A noticia acima foi retirada daqui e o cartaz Impostopoly foi utilizado pela Iniciativa Liberal durante a sua campanha eleitoral para as eleições legislativas.

Páginas De Austeridade Que Se Viram (I) – A Carga Fiscal Maior De Sempre

Ainda se lembram da austeridade e do “enorme aumento de impostos” de Vítor Gaspar quando Portugal estava sujeito a um programa de ajustamento assinado com a troika?

Já sem a troika por cá e sem um programa de ajustamento para cumprir, a geringonça carrega os contribuintes com a maior carga fiscal de sempre.

A imagem acima foi retirada daqui.

Geringonça Aplica a Maior Carga Fiscal da Década, do Século e do Milénio!

Quando a geringonça diz que vira uma página de austeridade o quer dizer é que chegou uma página de austeridade maior.

Ora bem. Em 2017 a carga fiscal atingiu um novo máximo histórico – desde que o INE mantem registos a partir de 1995 – de 34,7% do PIB (fonte):

No ano seguinte, em 2018, a carga fiscal voltou a quebrar o recorde do ano anterior fixando nos 35,4% do PIB (fonte):

Seguindo esta tendência, consegue o leitor imaginar como será o valor da carga fiscal em 2019?

Estou Chocado! (ou talvez não)

OE: afinal, a carga fiscal aumenta este ano

O Executivo tem marcado a sua política fiscal por uma transferência do peso dos impostos directos para os indirectos – tendência intensificada em 2018 -, “permitindo valorizar os rendimentos do trabalho, bem como reforçar as funções de controlo de externalidades negativas de alguns impostos indirectos, nomeadamente o ISP, o ISV e o IABA”, pode ler-se no orçamento. “Em coerência com este objectivo, e tendo presente a prevalência de doenças crónicas associadas ao consumo de alimentos com excessivo teor de sal, alguns destes alimentos passarão a ser objecto de tributação específica”, acrescenta o documento.

Centeno - vergonha de Portugal

Conjugado com o aumento de impostos sobre cerveja e bebidas espirituosas, parece que o governo das esquerdas quer atacar uma importante despesa dos portugueses: a comida.
Deve ser para apoiar os mais desfavorecidos.

Carga Fiscal Inalterada Em 2017

A página da austeridade é uma página que custa a virar. Depois de Mário Centeno, António Costa e o Governo repetirem sucessivamente em alta e viva voz que se iria verificar uma redução da carga fiscal em 2017, a UTAO veio afirmar ontem que:

“Para 2017, encontra-se projetada uma manutenção da carga fiscal, mantendo-se também inalterada face a 2016 a estrutura da carga fiscal.”

Leitura ComplementarUma grande martelada no OE2017