Moralismo e Hipocrisia na Esquerda Chique

Como diz o José Manuel Fernandes, “é muito fácil ser moralista na casa dos outros“:

Anúncios

António Costa: Afirmações Versus Factos

Opiniões são opiniões, mas factos são factos. Quando se fazem afirmações sobre factos, estas afirmações ou são verdadeiras ou falsas.  A tabela abaixo, é retirada deste artigo do Adolfo Mesquita Nunes, onde é feita uma compilação de afirmações versus factos de António Costa enquanto primeiro ministro.

A lista acima exclui ainda os seguintes episódios:

  • A candidatura da Agência Europeia do Medicamento, com António Costa a dar o dito por não dito (ver a cronologia aqui);
  • A transferência do Infarmed para o Porto (ver Infarmed. Documento desmente versão de António Costa).
  • O episódio da assinatura do acordo de concertação social (ver aqui).
  • A afirmação de António Costa de que a carga fiscal tinha baixado/iria baixar em 2017  (ver aqui) quando na própria proposta de orçamento de estado para 2018 o governo reconhece que aumentou em 2017 (ver aqui).
  • A afirmação de António Costa a chamar a si os louros da redução da àrea ardida (ver aqui).

Ninguém (incluíndo o humilde autor deste post) esté imune a enganos e erros – todos somos humanos. No entanto, é uma questão de carácter reconhecer os erros, retratá-los e pedir desculpa. No entanto quer a capacidade de pedir desculpa, quer de reconhecer e retratar erros é algo que parece não estar presente no nosso actual primeiro ministro.

Não dizer a verdade é mau. Que seja o primeiro-ministro dirigindo-se ao parlamento ou ao país, é péssimo. Que não peça desculpa e se retrate, é ridículo.

Há várias maneiras de qualificar uma pessoa que falta sistematicamente à verdade: uma pessoa mal informada, uma pessoa equivocada, uma pessoa intelectualmente desonesta… …na minha terra, chamamos-lhe simplesmente mentiroso. Com António Costa enquanto primeiro-ministro, pode ser que o M na abreviatura de PM passe a ter outro significado.

António Costa de 2017 Chama Indigno e Ofensivo a António Costa de 2013

António Costa em 2013 como presidente da Câmara de Lisboa promovia jantares no Panteão Nacional, de acordo com a CM TV:

Já em 2017 – remando sempre ao sabor da maré mais populista (como toda a geringonça) com dois pesos, duas medidas e duas caras – António Costa diz que o jantar da Web Summit no Panteão Nacional é “absolutamente indigno” e “ofensivo”:

 

Lisboa Vs Interior no OE2018

Governo quer tirar fundos do “interior” para cumprir promessas em Lisboa.

O debate do Orçamento do Estado tem permitido perceber os truques que o governo de António Costa tem na manga para conseguir cumprir as promessas eleitorais que andou a fazer quer aos seus autarcas quer ao PCP e ao BE. O mais recente e talvez o mais chocante de todos é a tentativa do Ministro Pedro Marques de renegociar as verbas do PT2020, retirando 1.000 milhões de euros que estavam previstas para as regiões de convergência, as mais pobres e desertificadas (Alentejo, Norte e Centro), para poder investir na construção de mais estações de metro em Lisboa e Porto, na remodelação da Linha de comboio de Cascais, entre outros.

Bombeiros exigem comando próprio

Bombeiros ameaçam fazer “guerra” ao Governo por comando próprio, via TSF (!)

Os Bombeiros queixam-se que o Governo os tem excluído do processo de reforma da proteção civil e não aceitam continuar a ser comandados pela Autoridade Nacional da Proteção Civil. Uma das principais reivindicações prende-se com a criação de um comando próprio e um orçamento com verbas do Estado.

Faz sentido. Um comando por que percebe do tema pode ajudar bastante, como disse ao Expresso de ontem José Manuel Moura. Comissários políticos podem causar catástrofes.

A resposta de António Costa?

No final do discurso, o presidente da Liga dos Bombeiros Jaime Marta Soares declarou-se surpreendido com a ausência de respostas por parte do primeiro-ministro às reivindicações que antes lhe havia apresentado. “Ouviu com muita atenção, foi muito simpático, mas foi uma mão cheia de nada e outra vazia, não respondendo às questões concretas que lhe apresentámos”.

Chocado. Quem esperaria isto de António Costa?

O Clã De António Costa

Escreve João Miguel Tavares no jornal Público numa crónica intitulada “Isto é um governo ou o clã de António Costa?

Eduardo Cabrita, novo ministro da Administração Interna, Pedro Siza Vieira, novo ministro adjunto, e o ministro sombra Diogo Lacerda Machado foram colegas de António Costa na Faculdade de Direito de Lisboa. O mesmo aconteceu com José Apolinário, secretário de Estado das Pescas. Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, é mulher de Eduardo Cabrita. Um dos secretários de Estado do Ministério das Finanças – António Mendonça Mendes, Assuntos Fiscais – é irmão de Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS. Carlos César pontifica na Assembleia da República e, como sabemos, dentro do seu agregado familiar falta somente ao periquito conseguir a integração nos quadros da função pública.

Vieira da Silva é ministro da Segurança Social e a sua filha, Mariana Vieira da Silva, secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro. O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, é filho de José Matos Fernandes, antigo secretário de Estado da Justiça de Vera Jardim. Guilherme W. d’Oliveira Martins, secretário de Estado das Infraestruturas, é filho de Guilherme d’Oliveira Martins, triplo ministro de António Guterres. Mário Centeno, ministro das Finanças, não é filho de nenhum socialista famoso, mas anda há dois anos a obedecer às ordens do Largo do Rato – ainda assim, António Costa colocou Fernando Rocha Andrade, seu homem de confiança, a vigiá-lo. O ministro da Educação é um jovem que deve a António Costa a carreira política. O ministro da Saúde deve-lhe o mesmo, mesmo não sendo jovem.

Augusto Santos Silva, Vieira da Silva e Azeredo Lopes já provaram nos tempos socráticos a sua fidelíssima obediência a quem manda. Maria Manuela Leitão Marques foi secretária de Estado de Sócrates. Capoulas Santos e Pedro Marques são velhos quadros do PS que não levantam ondas. A Faculdade de Direito de Lisboa está ainda representada pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, e pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes. Há também três secretários de Estado (se as contas não me falham) que foram recrutados aos quadros da Câmara Municipal de Lisboa.