A Crise não é igual para todos…

Quando alguém me dizia que a culpa do Desemprego no tempo do Sócrates não era deste mas antes da “crise Europeia”, eu costumava lembrar aos meus interlocutores que isso não explicava como Portugal passou de um dos países da Europa com menos desemprego (20º, creio) para um dos com mais desemprego (4º ou 5º).

Quem hoje culpa a evolução das nações sobre-endividadas com a crise esquece-se frequentemente que há números que sugerem que a crise não é mundial: é das nações sobre-endividadas.

Reparem nestes dois dados:

1 – Se a crise fosse mundial era natural que as nações com estímulos gigantes, como os EUA, estivessem pelo menos a manter o peso do seu PIB no PIB mundial. Mas como podem ver no gráfico…

2 – Se a  aumentar o endividamento para estimular a economia resultasse, as economias que tivessem aumentado a dívida teriam a aumentar o peso da sua economia no mundo. Mas vejamos o exemplo Japonês: o que vos sugere isto:

Estas palavras são minhas, mas os gráficos e uma análise mais profunda podem ser lidas (em inglês) aqui: The Cost of Kidding Yourself.