Open Day IEP – 19 de Abril

Anúncios

Liberalismo e partidos políticos em Portugal

O contributo de Diogo Prates para uma interessante discussão em curso em Portugal, discussão essa em que assumo (como acontece cada vez mais em geral, quiçá pelo avançar da idade…) uma postura de algum ceptismo: “O inimigo da verdade não é a mentira, é o mito”

Lembrei-me desta frase quando participei numa tertúlia organizada pelo Instituto Mises Portugal no dia 22 de Fevereiro na Universidade Católica Portuguesa que teve como principal orador o Professor André Azevedo Alves (AAA). Neste evento encontrava-se o líder da Iniciativa Liberal (IL), que usou da palavra para dar conta da sua ambição de que a Iniciativa Liberal possa um dia participar de uma solução de governo, mas ressalvando que provavelmente não será sob a sua liderança. André Azevedo Alves, por seu lado, mostrou-se bastante céptico, notando que as pessoas votam de forma muito conservadora, arriscando pouco, muitas vezes influenciados pelos pais e avós, como se nota olhando para a composição do nosso parlamento ao longo dos anos.

Tertúlia com Pedro Arroja, Rui Albuquerque e Miguel Morgado

Um alinhamento verdadeiramente galáctico: Tertúlia Liberal com Pedro Arroja, Rui Albuquerque e Miguel Morgado, dia 9 de Março no Porto.

Com muita pena minha, provavelmente não poderei estar presente mas recomendo vivamente a quem tenha essa possibilidade.

Trumpices

Da série o presidente mais libertário de sempre: não há nada que uma boa e fácil guerra comercial não resolva.

U.S. President Donald Trump said on Friday trade wars were good and easy to win, striking a defiant tone after global criticism of his plan to slap tariffs on imports of steel and aluminum that triggered a slide in world stock markets. (…)

Liberalismo e os Partidos em Portugal – 22 de Fev. em Lisboa

Na próxima Quinta, dia 22 de Fev., falarei sobre Liberalismo e Partidos em Portugal numa sessão organizada pelo Instituto Mises Portugal e que terá lugar no IEP-UCP. Mais informações e inscrições aqui.

Palestra Anual Tocqueville do IEP-UCP – Cavaco Silva, 8 de Março

Palestra Anual Alexis de Tocqueville e Cerimónia de Entrega de Prémios e Diplomas 2018
8 Março 2018 – 18h00

“Portugal e o Aprofundamento da União Europeia”
– Professor Aníbal Cavaco Silva

Autoridade

Quem estiver está, que não estiver, estivesse.

Os riscos da automação para o emprego

Continue reading “Os riscos da automação para o emprego”

A importância do discernimento face ao descalabro moral e humano

Uma das passagens da Exortação Apostólica Amoris laetitia, do Papa Francisco, citada pelo Cardeal-Patriarca D. Manuel Clemente na sua Nota para a receção do capítulo VIII da exortação apostólica ‘Amoris Laetitia’, cuja leitura atenta e integral vivamente aconselho:

«Como cristãos, não podemos renunciar a propor o matrimónio, para não contradizer a sensibilidade atual, para estar na moda, ou por sentimentos de inferioridade face ao descalabro moral e humano; estaríamos a privar o mundo dos valores que podemos e devemos oferecer» (AL, 35).

Bitcoin USD price chart (2 years)

Bitcoin USD price chart (1 month)

“Together in the United Nations – Perspectives for 2018-19”

“Together in the United Nations – Perspectives for 2018-19”
Uma iniciativa do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa em associação com a Embaixada da Polónia em Portugal
8 Fevereiro | 14.00-17.00
Universidade Católica Portuguesa | Auditório Pe. José Bacelar Oliveira (Antigo A1)

Trump becomes first sitting President to directly address March for Life

Hundreds of thousands of pro-lifers backed by Trump march for life in D.C.
President Trump to Pro-Life Marchers: U.S. Abortion Law ‘Has to Change’
Trump becomes first sitting president to directly address anti-abortion rally

President Trump Addresses March for Life Participants and Pro-Life Leaders

Candidaturas IEP-UCP – Até 18 de Janeiro

Encerram a 18 de Janeiro as candidaturas para os programas de MA in Governance, Leadership and Democracy Studies e de Mestrado e Doutoramento em Ciência Política e Relações Internacionais do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa.

“Há algo de suicida nesse triste espectáculo”

Globos de Ouro, elites de palha. Por António Pedro Barreiro.

Há algo de suicida nesse triste espectáculo em que os agentes culturais se voltam contra a liberdade de expressão. Sobretudo, quando o fazem com gosto. Porém, é ainda mais macabro que a elite cultural se disponha a atacar as estruturas tradicionais da nossa civilização, vendo-as como arranjos opressivos e desiguais. Tragicamente, não estão sozinhos nesta sanha.

Continue reading ““Há algo de suicida nesse triste espectáculo””

Catalunha e secessão

Foi com muito gosto que aceitei o convite do Pedro Correia, a que correspondi com este pequeno texto sobre a questão da Catalunha e a teoria da secessão numa perspectiva liberal clássica (e, em particular, influenciada pela Escola Austríaca):

Espanha, Catalunha, Tabarnia… *

Continue reading “Catalunha e secessão”

Seminário Adérito Sedas Nunes sobre a Sociedade Portuguesa

Candidaturas IEP-UCP – Semestre de Primavera

Candidaturas abertas até 18 de Janeiro para os programas de MA in Governance, Leadership and Democracy Studies e de Mestrado e Doutoramento em Ciência Política e Relações Internacionais do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa.

Trumpices

Quando um presidente condiciona e sonha proibir a edição de um livro, estamos perante o mais liberal (certificado) dos presidentes ou um destacado crítico literário?

America’s Top 10 Companies: 1917, 1967, 2017

“Economic progress, in capitalist society, means turmoil.” (via JCD)

A questão filosófica mais relevante do nosso tempo

Bons apetites. Por João Pereira Coutinho.

Para os leigos, trata-se da questão filosófica mais relevante do nosso tempo e reza assim: confrontado com um comprimido que substituísse todas as refeições do dia, o leitor entregava-se ao fármaco?

Em caso afirmativo, cuidado: há um psicopata dentro de si. Como havia em dezenas de criaturas a quem apliquei o teste e que responderam com um sorriso de alívio por nunca mais terem de deglutir. Fugi enquanto pude.
Pelo contrário: pessoas que recusavam furiosamente o comprimido ficaram amigas para a vida. E, em matéria feminina, podia escrever vários sonetos sobre as mulheres que não dispensam os prazeres de Baco. Mas esta é uma revista familiar e convém não abusar no conteúdo.

Bitcoin USD price chart (2 years)

Bitcoin USD price chart (1 month)

Bitcoin USD price chart (1 week)

Christmas And A Free Economy

Roman Catholic Priests Reflect On Christmas And A Free Economy. Por Alejandro Chafuen.

For those who claim that our western civilization owes its success to the Christian contributions a question should always come to mind: how does the vision of the human person that comes out of the Christmas traditions and celebrations influence our views about freedom?

The question for those who focus and work to promote the free economy is more focused. A free economy is nothing more, and nothing less, than the free movement of goods, people, and money (including financial instruments) across a region. The trip of Mary and Joseph and Mary to Bethlehem likely involved all three: people, money and goods. In a mostly free economy, one can move to another region, state or province, with little restrictions, even with “sensitive” goods such as a donkey. But have you ever tried to cross a national boundary with a horse or donkey? Not easy. In a way, the birth of Jesus of Nazareth was made possible by parents who exercised their rights of free movement and also trying to obey the law.

Continue reading “Christmas And A Free Economy”

Antes rara inteligência do que inteligência rara…

Não sei bem se devo encarar as referências (algo hiperbólicas) que me são feitas neste artigo do Luís Aguiar-Conraria como um elogio ou uma provocação. Talvez ambas as coisas ao mesmo tempo…

Civilização europeia e sentimento nacional

Com uma muito simpática referência ao novo livro Teoria Política e Geoestratégia: Desafios Contemporâneos, que tive o gosto de coordenar e que reúne contributos cujas versões iniciais foram apresentadas ao longo dos últimos anos na série de seminários de investigação organizados pelo Centro de Investigação do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica: Livros para o Natal (II). Por João Carlos Espada.

Felizmente, também entre nós, quatro livros muito recentes abordam uma problemática semelhante — embora com perspectivas diferentes. Carlos Gaspar acaba de publicar A Balança da Europa (Aletheia, 2017). [ ] André Azevedo Alves coordenou a edição de Teoria Política e Geoestratégia: Desafios Contemporâneos (Aletheia, 2017). De Portugal para a Europa é o título do livro de António Barreto (Relógio d’Água, 2017). E hoje mesmo será apresentado ao público Bárbaros e Iluminados: Populismo e Utopia no Século XXI, de Jaime Nogueira Pinto (D. Quixote, 2017).

Bitcoin and Gold

(via MAL)

Virtude Política: Uma Análise das Qualidades e Talentos dos Governantes (2)

Livros para o Natal (I). Por João Carlos Espada.

A minha primeira sugestão de livros para o Natal é Virtude Política: Uma Análise das Qualidades e Talentos dos Governantes, de Pedro Rosa Ferro (Almedina, 2017). Trata-se de um livro importante sobre um tema muito importante: a virtude política.

O autor detecta um paradoxo curioso nas nossas contemporâneas democracias liberais. Por um lado, é voz corrente a condenação da falta de virtude política nos detentores de cargos públicos (por vezes designados como ‘elites’). Por outro lado, a praça pública, ou o debate político público, encara com sérias reservas (para dizer o mínimo) qualquer referência ao conceito de virtude — embora lance simultaneamente sobre os políticos a suspeita permanente de não praticarem a virtude.

Pedro Rosa Ferro discute este paradoxo com notável abertura e profundidade. Através de uma vigorosa conversação crítica com alguns dos grandes filósofos ocidentais — Aristóteles, Tomás de Aquino, Locke, Burke, ‘Publius’ e Tocqueville, entre outros — Pedro Rosa Ferro recorda uma nobre genealogia intelectual da tradição ocidental em que o ideal da liberdade e o sentido pessoal de dever sempre estiveram associados. Em rigor, o autor parece sugerir uma tese ainda mais forte: a liberdade e o governo limitado não estarão seguros, se não existir uma cultura pública comum que valorize a virtude e o autocontrolo.

Virtude Política: Uma Análise das Qualidades e Talentos dos Governantes