As aulas gratuitas, o caciquismo e a endogamia

Uma sugestão muito pertinente.

O Centenário das Aparições de Fátima e a peregrinação do Papa Francisco

Uma curiosidade interessante, a juntar-se a outras em torno desta peregrinação a Fátima que não será visita de Estado a Portugal: Presidência adianta-se a anunciar visita do Papa e omite referência aos bispos

O comunicado que anuncia a visita do Papa a Fátima foi escrito com o acordo dos bispos portugueses, do Vaticano e da Presidência da República e ficou combinado entre todos que a sua divulgação seria feita esta sexta-feira, conjuntamente, às 11h00 – hora em que sai o boletim diário da sala de imprensa da Santa Sé.

Só que a Presidência portuguesa antecipou-se e publicou o comunicado um dia antes do que estava combinado, retirando do texto a referência aos bispos.

A precipitação, que já tinha acontecido também nos tempos de Cavaco Silva, já mereceu um pedido de desculpas à nunciatura e aos bispos, apurou a Renascença.

Ainda assim, o mais importante a assinalar é sem qualquer dúvida a visita do Papa Francisco por ocasião do Centenário das Aparições de Fátima.

Estamos no grau zero, certo?

O meu texto de ontem no Observador.

‘Durante horas pensei que o lamento oficial de Marcelo Rebelo de Sousa pela morte de George Michael era uma piada das redes sociais à hiperatividade presidencial a que MRS nos vem habituando. Nem acreditei quando li as notícias. Tive de ir ao site da Presidência da República confirmar que a mais recente exuberância pesarosa de MRS existia mesmo. Pelo que, queridos concidadãos, está na hora de assumirmos mais esta cruz nacional (e peço perdão por trazer este travo quaresmal para o tempo natalício): temos um Presidente que perde tempo a emitir lamentos oficiais pela morte de estrelas pop estrangeiras.

Enquanto aguardamos a publicação no site da Presidência da nota congratulatória de Marcelo Rebelo de Sousa pelo regresso das andorinhas na primavera (que as andorinhas não são menos que George Michael), ou talvez mesmo um comentário oficial do Presidente sobre a problemática das notícias falsas, devemos, quem sabe, perder uns momentos e dirigir a uma qualquer divindade do nosso agrado uma oração pedindo uma mordaça para Marcelo Rebelo de Sousa (já que o bom senso e o sentido das proporções não são suficientes para o moderar).’

O resto do texto está aqui.

Afinal, o “apoio” aos bancos dá lucro ao estado

CoCos já renderam ao Estado €1280 milhões em juros

Ressalvando que na minha opinião o estado não deveria ser uma agência de crédito, fartei-me (ou não 😉 ) de explicar isto no Parlamento quando fui membro da Comissão de Orçamento: o “apoio” do estado à recapitalização da banca (aliás provocado por novos rácios de crédito que o mesmo estado impôs) era concedido com juros e condições tais (por exemplo ao nível do condicionamento da gestão nesses bancos) que incentivava que os bancos devolvessem o dinheiro o mais depressa possível.
Da nossa esquerda ouvi sempre que era uma vergonhosa ajuda aos bancos, patrocinada pela direita dos interesses (naquela conversa típica de quem está ideologicamente cego e não dispensa a arrastar o adversário político para a lama com o ataque pessoal). É triste que possam agora ser aqueles que nunca quiseram contas públicas equilibradas a gastar o proveito dessas receitas.

O Natal era melhor antigamente?

O melhor texto de Vasco Pulido Valente desde que começou a escrever no Observador: 24 de Dezembro, 2016.

Augusto Santos Silva em alta no mercado bovino

Fotografia Rui Carmo. Reunião da concertação social, realizada em Odiáxere, Lagos.
Fotografia Rui Carmo. Reunião da concertação social, realizada em Odiáxere, Lagos.

Já recordei aos membros do governo que, enquanto membros do Governo, nem à mesa do café podem deixar de se lembrar que são membros do Governo e, portanto, devem ser contidos na forma como expressam as suas emoções, e se é assim à mesa do café quanto mais nestes novos espaços comunicacionais que hoje não são de conversa privada nem reservada e tornam-se naturalmente públicos”.

António Costa, o chefe da geringonça sobre a polémica que levou ao afastamento de João Soares.

ass1

“Ali o Vieira da Silva conseguiu mais um acordo! Ó Zé António, és o maior! Grande negociante… Era como uma feira de gado! Foram todos menos a CGTP? Parabéns…”

O lobby LGBT como ameaça à liberdade (2)

Foi com especial satisfação que constatei que o meu artigo desta semana no Observador (Pela liberdade, resistir ao lobby LGBT) suscitou grande interesse tendo sido um dos mais lidos de todo o site nos últimos dias e atingido cerca de 2.000 partilhas nas redes sociais.

Mais do que o (limitado) mérito pessoal do autor, creio que este sucesso evidencia que tanto o tema como a abordagem suscitam interesse por parte de muitos leitores, ainda que as patrulhas do politicamente correcto prefiram silenciar sempre que possível as vozes críticas e não se coíbam de usar todos os meios que têm à sua disposição, incluindo apelos à censura, insultos e ameaças de vária ordem.

Frederico Lourenço

Uma espécie de milagre. Por José Tolentino Mendonça.

Frederico Lourenço é uma espécie de milagre no contexto português. Pense-se no que ele teve de contrariar para entregar-se a empresas tão desproporcionadas, na ambição e no brilho, empresas no fundo tão humílimas e necessárias, como traduzir sem perder o fôlego o cancioneiro homérico, uma parte da lírica grega e agora adentrar-se no mare magnum que é o repositório bíblico. E realizar isso nas condições possíveis em Portugal, onde a erosão de uma área disciplinar fundamental como a dos estudos clássicos parece um desastre em vias de consumar-se. Certamente é fantástico aquilo que António Barreto sublinhou em nome do júri do Prémio Pessoa que agora lhe foi atribuído, e de que ele é inteiramente merecedor: “Frederico Lourenço é responsável por um fenómeno raro: tornou a ‘Odisseia’ e a ‘Ilíada’ best-sellers entre nós.” Mas como se faria outra justiça ao trabalho do nosso miglior fabbro se, por exemplo, as edições dessas obras pudessem ser ao mesmo tempo best-sellers e bilingues como noutras paragens? Ninguém como Frederico Lourenço lamenta que “a língua de Homero, Platão e do Novo Testamento se tenha tornado, em Portugal, aquilo que em três mil anos de história nunca chegou verdadeiramente a ser: uma língua morta”. Contudo, ele não desiste. Dá o seu melhor. Dá-nos chão. Amplia-nos. Transcende-nos.

O lobby LGBT como ameaça à liberdade

O meu artigo desta semana no Observador: Pela liberdade, resistir ao lobby LGBT.

Embora o comunismo – pelo menos na sua versão “científica” clássica – se encontre hoje quase completamente desacreditado, o testemunho da guerra contra a família passou nos nossos dias para o lobby LGBT e para os defensores da agenda radical “do género”. Tal como aconteceu múltiplas vezes no passado, importa que todos quantos valorizam a preservação e continuidade da civilização europeia e ocidental e da sua ampla matriz de liberdades se posicionem solidamente do lado certo.

Votos de um Santo Natal para todos os leitores.

As liberdades que não são de esquerda

O meu texto desta semana no Observador.

‘É oficial: pelos lados da geringonça cortaram as últimas amarras que os ligavam à realidade. É o que qualquer pessoa sensata conclui da promessa de Pedro Marques do novo aeroporto complementar no Montijo para 2019. Os tempos dessa entrada cimeira da Declaração Universal dos Direitos do Homem, o ‘direito ao TGV’, exigido pelos lunáticos da Juventude Socialista em 2009, estão de volta.

Claro que em 2019 dificilmente haverá aeroporto. A razão é simples e bruta: não há dinheiro. Mas, em boa verdade, o que interessa ao PS também não é a construção do aeroporto. É muito mais útil enganar os tolos com a retórica do investimento; encher jornais e noticiários com projetos grandiosos que o magnífico governo apadrinha (os jornalistas assim sempre se esquecem de referir os números risíveis do investimento que, de facto, temos tido e que mostram que com este desgoverno ninguém arrisca investir); oferecer uma cenoura coberta de chocolate, à laia de esperança, aos eleitores dos municípios da zona do futuro-barra-imaginário aeroporto.

O PS sempre foi um partido da pós-verdade, muito antes do conceito estar na moda. Lembramo-nos das promessas de Centeno e Costa para o crescimento económico, não lembramos? Pelo que dizer que se quer construir o aeroporto, para o PS, é muito mais útil que construir mesmo o aeroporto. Quanto menos o pretenderem construir, mais proclamações enfáticas de amor assolapado pelo novo aeroporto deveremos ouvir. Vamos ser todos endoutrinados na bala de prata (mais uma, já houve tantas) que é o novo aeroporto para o desenvolvimento português. Quem não amar o projeto do novo aeroporto acima de todas as coisas, não é patriota. António Costa, naquela sua peculiar maneira de esmigalhar a língua portuguesa, ‘incontrará’ maneira de argumentar que é ‘inconxional’ não construir o novo aeroporto.’

O resto do texto está aqui.

Geringonça de verdade

Trump: um presidente dos trabalhadores

E se Trump for o presidente de todos os trabalhadores? Como é que fica a esquerda? O meu artigo no Jornal Económico.

Trump: um presidente dos trabalhadores

Quem diria? Donald Trump, o homem de negócios, o especulador que faliu empresas tirando daí proveitos próprios; o arrogante e execrável Trump vai ser um presidente das massas trabalhadoras. Quem o refere é Rich Lowry, editor da National Review, num artigo publicado este mês na Politico Magazine, com o sugestivo título de “The Party of Workers”.

Atenção que falar de trabalhadores não é falar de pobres. As políticas de Trump não visam reduzir a pobreza, mas subir os salários. Aproveitando um mal-estar cujas razões poucos conseguem expor, Trump simplificou o problema explicando que os salários não têm aumentado devido à imigração. O seu raciocínio é ajudado porque a população de imigrantes nos EUA aumentou, desde o início deste século até 2014, de 31 para 42 milhões.

A solução de Trump para este problema é reduzir a entrada de estrangeiros. Com menos pessoas a trabalhar os salários sobem. E se, com a subida dos ordenados, as empresas pensarem em se instalar nos países onde a mão-de-obra seja mais barata, Trump pune-as com impostos e tarifas aduaneiras sobre os seus produtos. É assim que Trump se transforma, de um homem do capital num defensor dos trabalhadores. Juntemos a esta política as obras públicas de renovação das infra-estruturas dos EUA, que a sua administração conta para criar empregos, e está visto como vão ser, caso Trump cumpra o que diz, os próximos anos na América.

Muitos comentadores norte-americanos estão excitadíssimos com a perspectiva de um novo Roosevelt. Mas há problemas. Um país não se desenvolve, não enriquece, só com menos impostos e mais despesa pública. É preciso progresso tecnológico e inovação. A redução dos impostos e o aumento dos gastos públicos origina dívida que obriga a racionar o futuro. Aquele momento em que Trump já não será presidente e, por isso, por ora não interessa nada.

O proteccionismo de Trump até pode criar um aumento temporário dos salários e do emprego. Mas um país fechado não inova e, mais cedo ou mais tarde, é ultrapassado por outros que produzem melhor e mais barato. A que se junta a inflação, um risco natural para qualquer país que feche as portas à globalização. A inflação: essa forma de austeridade que tantos desejam e que afecta especialmente os que ganham menos e que têm mais dificuldade para fazer frente ao aumento dos preços. Para a evitar, a Reserva Federal já anunciou o aumento das taxas de juros e promete mais em 2017.

Taxas de juros mais altas podem ser um problema para países como Portugal. Mas como é habitual, será algo que o Governo vai empurrar com a barriga. Entretanto, vai ser muito difícil à esquerda dizer mal de Trump depois de tantas críticas lançadas à austeridade de Angela Merkel. Até porque, apesar de ainda nem sequer ter tomado posse, os anúncios de Trump já estão a estimular a economia e as bolsas fervilham na Europa. Como o socialismo, tão avesso à especulação, tanto queria.

Pedaços de cultura entre vampiros

vampiros

Vale a pena ler o artigo de opinião de José António Cerejo, jornalista do Público, intitulada: Inês Pedrosa, os seus 38 amigos e “um insignificante episódio burocrático“.

Assim percebe-se melhor porque é que a tolerância face aos fenómenos do clientelismo, do nepotismo e, no fundo, do tráfico de influências e da corrupção é tão generalizada na sociedade portuguesa.

É um exercício tão curioso observar as movimentações dos seres que têm como  habitat o espectro cultural português.

 

O ano em que ninguém quis saber

O meu artigo no ‘i’ sobre o ano português que termina.

O ano em que ninguém quis saber

O ano está a terminar e é hora dos balanços. Por todo o lado leio que o país está excelente. O Público, num especial sobre 2016, descreve-o como o ano dos êxitos improváveis e pergunta se a auto-estima voltou. Até a novela do aeroporto regressou à baila com o Expresso a noticiar que a construção de um  novo pode avançar já em 2019. Isto depois de sabermos que já há planos para a expansão do Metro de Lisboa.

Algo de muito estranho se passou este ano e que poderá explicar como é que saímos da depressão profunda da troika e chegámos à euforia contagiante da geringonça. Mas o quê?  É certo que o BCE compra dívida pública portuguesa, mantendo o país a soro. Mas e depois? Ninguém se pergunta como vai ser quando essa ajuda terminar? Ninguém se preocupa?

Lembram-se daquelas reformas que durante anos ouvimos dizer que eram indispensáveis? Agora já não não precisas para nada. Afinal o país até está melhor sem estas. Até porque essas reformas implicavam mudanças de hábitos e os portugueses estão habituados a não mudar as suas práticas. Como governante hábil que é António Costa percebeu isso e deu-nos isso.

Daqui a muito tempo os portugueses do futuro estudarão estes anos para conhecer Portugal. Para se conhecerem a eles próprios. Um país que fecha os olhos porque dessa forma não se passa nada. Não querer saber é um remédio. E quando o Carmo e a Trindade caem pergunta-se porque é que ninguém avisou. Não é verdade. Os avisos estão aí. O problema é que ninguém quer mesmo saber.

Bom Natal

Foi um ano difícil. Cheio de incertezas e pejado de desafios. Mas é nestas alturas que devemos olhar para trás. Para ver como foi, como as dúvidas que temos hoje outros tiveram também.

Esta mensagem de Natal da Rainha Isabel II, em 1957, a primeira ser televisiva, ilustra bem isso mesmo. Vejam-na. Nela fala-se do mundo que muda muito depressa, nos deixa desamparados e como temos de ter coragem e atenção aos valores que guiaram os nossos avós para enfrentar o ano que vem. Na época, 1958. Agora, 2017.

P.S.: a Rainha também fala da visita a Portugal, mas não confirma ter visto Marcelo.

Menos TAP, mais passageiros, novo recorde

Excelentes notícias para o Porto e para o Norte do país: Aeroporto do Porto bate recordes e já transportou em 2016 mais de 9 milhões de passageiros.

Pela primeira vez, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro atingiu os 9 milhões de passageiros transportados no mesmo ano, depois de, em 2015, ter pela primeira vez passado a meta dos 8 milhões. O passageiro número 9 milhões chegou num avião da companhia alemã de bandeira, Lufthansa, às 11,30 horas. Este recorde acontece no ano em que a TAP diminuiu o número de passageiros transportados do Porto para a Europa, passando a ser a terceira companhia, atrás da Ryanair e da EasyJet, agora primeira e segunda, respetivamente.

Isto ao mesmo tempo que a TAP é, cada vez mais, uma companhia aérea concentrada em Lisboa: 93,4% dos passageiros da TAP em Novembro embarcaram e/ou desembarcaram em Lisboa

O Aeroporto de Lisboa, com 903.832 passageiros de voos da TAP em Novembro, foi a origem/destino de 93,4% dos passageiros da companhia aérea portuguesa neste mês, o que evidencia um reforço da preponderância do Humberto Delgado na sua operação, uma vez que há um ano essa percentagem era de 91,5%.

Não existem ditadores de esquerda

Obrigado Fidel Castro. Por João Cerqueira.

Pode um ditador matar milhares de pessoas, prender e torturar outras tantas, negar ao povo o direito de escolher o seu destino e até de emigrar e, ainda assim, receber elogios? Depende, se for um ditador de Direita é óbvio que não, mas se for um Ditador de Esquerda, é claro que sim, pois, na verdade, não existem Ditadores de Esquerda.

Uma cabala de sangue

Que está a atingir a tralha socrática da geringonça.

O concurso internacional realizado chegou a tribunal. Mas apesar da polémica e dos protestos, foi a farmacêutica Octapharma que acabou por ganhar o contrato para aproveitar o plasma do Hospital de S. João no Porto.

Apesar de haver cinco concorrentes, a farmacêutica com a exclusividade de fornecimento de plasma às unidades de saúde em Portugal, era a única que reunia diretamente os dois principais requisitos. Definidos nas regras do concurso.

Fernando Araújo, atual secretário de Estado da Saúde, era então diretor do serviço de Imunohemoterapia. E “esteve diretamente envolvido” no concurso, segundo relata a investigação da TVI. (…)

A mais recente vítima do marxismo

O meu texto desta semana no Observador.

‘O Bartertown Diner era um restaurante marxista. Nas suas paredes exibia garbosamente imagens de Che Guevara e Mao Zedong. No seu facebook, em vez de se promoverem as novas iguarias, escreviam-se tiradas doutrinárias marxistas. Apesar de existir um proprietário, não havia essa mania capitalista dos chefes no restaurante, todos mandavam o mesmo e as decisões eram tomadas coletivamente. Toda a gente ganhava igualmente e implementou-se uma política de não aceitação de gorjetas. Os empregados tinham de pertencer a um sindicato. O que poderia correr mal?

Vejamos. Os clientes não podiam gratificar por um bom serviço, pelo que as refeições eram dispendiosas para compensar a perda das gorjetas. Como não havia incentivo para o tal bom serviço que poderia merecer a gorjeta, uma sandwich demorava quarenta minutos a entregar. Os horários eram decididos pelo coletivo, de acordo com a conveniência da força proletária; em resultado desta política orientada para o prestador de serviços, o restaurante abria só quando era conveniente a quem lá trabalhava, em vez de quando os potenciais clientes necessitavam de alimentação. No Reddit alguém aventou a possibilidade de ser indigesto partilhar um repasto com os assassinos em série representados nas paredes.’

O resto do texto está aqui.

Abram alas para a herança da geringonaça

fidel

O PSD apresentou na Assembleia da República um voto de protesto relativo à detenção de três jornalistas do Expresso e da SIC em Cuba.

A votação foi o que se esperava: o CDS votou a favor. O PCP votou contra e o BE e o PS abstiveram-se. Está explicada, uma vez mais, a geringonça e o afastamento do PS do bom senso e da dignidade.

Leitura complementar: Abram alas para a herança de Fidel.

 

Mariana Mortágua, a gabinarda

 

Mariana Montágua, em debate na SIC Notícias, referindo-se ao relatório de competitividade Global Competitiveness Report do World Economic Forum, afirma que Portugal está, em matéria de flexibilidade do mercado laboral, próximo do Gabão, e que na base da tabela estão países como a Noruega, e no topo da tabela estão países terríveis como a Singapura ou a Estónia.

O problema da Mariana Mortágua é que nem toda a audiência da SIC Notícias é um habitué dos acampamentos do Bloco, e alguns sabem alguma coisa do que está a ser falado. Mariana Mortágua escolhe um sub índice (7.02 — Flexibility of wage determination) de um índice mais geral do relatório em questão, o sétimo pilar, 7 — Labour Market Efficiency.

No top 8 do subíndice 7.02 estão, tal como a Mariana Mortágua referiu:

1 Estonia
2 Latvia
3 Hong Kong SAR
4 United Arab Emirates
5 Uganda
6 Singapore
7 Japan
8 Qatar

No bottom 8 estão:

132 Germany
133 Sweden
134 Italy
135 Argentina
136 Zimbabwe
137 South Africa
138 Uruguay
139 Austria
140 Finland

Portugal surge em 88º lugar (muito pouco flexível, portanto), entre a Serra Leoa e o Gabão.

Mas este é um indicador compósito. Mariana Mortágua «esquece-se» de falar também do indicar geral, 7, que agrega quatro outros indicadores para além do indicador 7.02. Em particular, 7.01 – Cooperation in labor-employer relations, 7.03 – Hiring and firing practices, 7.04 — Redundancy costs e 7.05 – Effect of taxation on incentives to work. E nesse indicar geral, que agrega todos estes subindicadores, o ranking é este:

O top 10 de 7 — Labour Market Efficiency (Flexibility) estão:

1 Singapore
2 Hong Kong SAR
3 United Arab Emirates
4 Switzerland
5 Bahrain
6 Qatar
7 New Zealand
8 United States
9 United Kingdom
10 Georgia

No bottom 10 estão:

131 Indonesia
132 Brazil
133 Mozambique
134 Sierra Leone
135 Ghana
136 Uruguay
137 Bolivia
138 Argentina
139 Zimbabwe
140 Venezuela

E Portugal, que surge em 97º lugar em 140 países. Muito flexível, portanto.

93 Mexico
94 Moldova
95 El Salvador
96 France
97 Portugal
98 Honduras
99 Australia

Na verdade, e segundo os dados da OCDE, Portugal, mesmo depois das reformas feitas pelo anterior governo, continua com um dos mercados laborais mais rígidos da OCDE, isto depois de já ter sido o país com o mercado laboral mais rígido:

Employment-protection.jpg

Entramos na era da pós-verdade e dos pós-factos, mas o Bloco de Esquerda nunca saiu da era das meias-verdades.

Francisco Louçã, o diáfono

francisco-louca1.jpg

Francisco Louçã, a propósito da morte de Fidel, lavou a ditadura cubana com uma mestria ímpar no blog do Público, Tudo sobre Economia. Como? Usando a velha táctica estalinista — removendo-a da fotografia. Ou, neste caso de palavras, nunca se referindo a qualquer ditadura. Afinal, parece, foram 50 anos de uma afável estabilidade política, que reuniu pleno consenso da população, reflectido num Parlamento unipartidário. Uma bonita época, que pôs termo à ditadura de Baptista, liderada por um grande herói revolucionário, Fidel Castro.

Fá-lo com técnicas básicas de retórica, que de tão óbvias o deveriam fazer corar de vergonha. Perante perguntas directas, claras e objectivas a indagar se Francisco Louçã subscreve a falta de democracia e de liberdade, ele divaga com o Ku Klux Klan ou com Trump. Nunca diz, de uma forma clara e objectiva, que a democracia e a liberdade são valores fundamentais. Não o diz porque, em boa verdade, está a ser honesto. Para um trotskista, democracia e liberdade são meros artifícios, que podem até travar o caminho da revolução. É o consequencialismo em plena exuberância — os fins (a revolução) justificam os meios (supressão da liberdade).

Ao longo dos seus artigos, onde recorre a terceiros para se refugiar — Marcelo foi, Papa disse, RTP cobriu —, em nenhum momento refere, ainda que de passagem, que Fidel foi um ditador, usando a dualidade no tratamento da cobertura jornalística da morte de Fidel vis-à-vis a morte de Pinochet para mostrar que, dado não ter existido cobertura da morte Pinochet nem visitas de Marcelo, então este é um ditador, e Fidel não. Usa o facto da imprensa ter uma predilecção por populistas de esquerda (Tsipras) e por ditadores de esquerda (Fidel) para provar, qual método aristotélico, que Fidel não pode ser ditador, caso contrário não teria esta cobertura.

Este comportamento de Louçã não é novidade. Tive oportunidade de o testemunhar numa conferência sobre dívida pública, em que ele foi orador. Francisco Louçã conseguiu falar uma hora sobre dívida pública sem referir «défice» uma única vez — como se um existisse sem o outro.

Mas nada disto é mais elucidativo do que as prosápias que redigiu a responder a quem o confronta com uma pergunta simples, de resposta objectiva:

Screen Shot 2016-12-15 at 10.28.12.png

— As suas convicções incluem a democracia e a liberdade?
— Não precisava de ter ficado ofendida. Eu só lembrei que Marcelo Rebelo de Sousa […]

Screen Shot 2016-12-15 at 10.29.20.png

— E as dezenas de milhares de fuzilamentos, a ordem de Fidel?
— Uma vergonha que um ministro tenha ido ao funeral

Screen Shot 2016-12-15 at 10.31.16.png

— E o que dizer de uma Cuba onde a liberdade escasseia, onde Fidel imperava e era dona do poder?
— Demissão do director da SIC e do Expresso

Screen Shot 2016-12-15 at 10.32.25.png

— Sabe dos fuzilamentos de La Cabana?
— [Fuzilamentos?] Impugne-se Marcelo, já

Screen Shot 2016-12-15 at 10.33.27.png

— Fidel foi um brutal e meio doido ditador, não lhe parece?
— De acordo, vamos fazer uma petição pública para a demissão de Marcelo

Screen Shot 2016-12-15 at 10.34.48.png

— Que tem a dizer sobre os fuzilamentos?
— Sou contra a pena de morte [nb: os fuzilamentos não foram sujeitos a condenação judicial; Francisco Louçã desvia para a questão da pena de morte para evitar reconhecer e responder à questão dos fuzilamentos — desonestidade intelectual, especialidade do próprio]. E sobre os que diziam que Hillary participava em rituais satânicos, hein?

Screen Shot 2016-12-15 at 10.37.04.png

— E os fuzilamentos, os assassinatos extra-judiciais, as perseguições de dissidentes?
— Esqueça lá isso, isto é sobre Trump, não é sobre Fidel

Screen Shot 2016-12-15 at 10.38.05.png

— Era Fidel Castro um ditador, sim ou não?
— Não facilitarei revisionismos históricos que ofendem a memória dos antifascistas [portanto, os fuzilamentos e a ausência de democracia são um revisionismo]. Abaixo Trump.

Screen Shot 2016-12-15 at 10.40.06.png

— Em Cuba não existe oposição, os jornalistas portugueses foram presos, Fidel deixou o poder em família [ao seu irmão, Raul], Fidel deixa um país com a população a viver na miséria, Fidel e companhia mataram mais gente do que Salazar e Pinochet juntos, etc.
— Quem é contra Fidel, apoia Trump; quem é a favor de Trump, apoia Marcelo

Screen Shot 2016-12-15 at 10.41.43.png

— Fidel, o castrador das liberdades em Cuba
— Trump já explicou isso.

Screen Shot 2016-12-15 at 10.42.32.png

— Pinochet foi ditador? Foi. Salazar foi ditador? Foi. E Castro? Também.
— Também li o comunicado de Trump

Screen Shot 2016-12-15 at 10.43.11.png

— Não há uma palavra para as vítimas da ditadura cubana?
— Trumpista!

Screen Shot 2016-12-15 at 10.43.55.png

— Como é que justifica objectivamente que o regime de Salazar foi tão mais opressivo que o de Fidel?
— Salazar, mau; Fidel, bom; Ditadores de direita, maus; Ditadores de esquerda, bons

Screen Shot 2016-12-15 at 10.44.44.png

— Houve ou não houve crimes em Cuba?
— O argumento Trump

***

E mais haveria para destacar, mas cansei-me. Isto é Francisco Louçã, candidamente a deflectir a história, a negar a ditadura, a escamotear um ditador, a lavar mais branco. Os fins assim justificam.

Um novo imposto para pagar a dívida

Screen Shot 2016-12-13 at 09.54.26.png

Depois de muito reflectir, Rui Rio sugere criar um novo imposto para pagar a dívida. Não será fácil encontrar um acrónimo: já temos o IRS, IRC, Derrama, IVA, IS, VERDE, IMI, IMT, IS, MORT (o novo imposto Mortágua para património superior a 500 mil Euros), IABA, ISP, IT, ISV, IUC, mais a contribuição extraordinária de solidariedade, a contribuição audiovisual, a taxa de ocupação do subsolo, a taxa municipal de direitos de passagens, e certamente falhei uns quatro ou cinco impostos mais que a própria Autoridade Tributária desconhece.

De certeza que é preciso criar um imposto novo, dr Rui Rio?

O Sistema

Abotoa os botões de punho para amanhar a aparência. Nunca os havia usado, mas noblesse oblige, e comentar não sabe ainda bem o quê obriga ainda mais. Vai entrar no ar dentro em breve. Nunca ganhou eleições — o resultado foi até risível —, mas de certa forma tem poder. E poder interessa ao sistema. Enquanto o comentário decorre, outros estão num qualquer jantar de gala a discutir e a pensar Portugal. Acompanhados de vinho a 50€ a garrafa, versam sobre as aflições dos portugueses. O banqueiro, que no dia seguinte vai ao Ramiro almoçar com o secretário de Estado, aplaude. Nenhum dos dois paga a conta. Concordam que temos de investir em infraestrutura, idealmente autoestradas, mas qualquer coisa serve. O consórcio que o banqueiro preside e onde um ex-ministro trabalha irá concorrer, promete. Uma salva de palmas. Pensou-se Portugal.

Uma pequena reflexão fora de tempo sobre o sistema, o que ele representa, como ele sobrevive e se alimenta. No Observador.

CGD: a (in)utilidade de um banco público

CGD_afundaÉ hoje notícia no jornal Público que o governo PSD/CDS, chefiado por Pedro Passos Coelho, escondeu informação sobre agravamento do buraco na Caixa Geral de Depósitos (CGD), para evitar, meses antes das eleições, comunicar aos contribuintes que teriam de meter dinheiro neste banco público:

Durante seis meses, o Ministério das Finanças liderado por Maria Luís Albuquerque teve na gaveta pelo menos dois pareceres da Inspecção-Geral das Finanças relativos a relatórios trimestrais da Comissão de Auditoria da Caixa Geral de Depósitos de 2014 que mostravam um agravamento das imparidades do banco público.

Um ano depois das eleições PSD acusa o governo PS, chefiado por António Costa, de adiar injecção de capital na CGD, para evitar que este valor tenha influência no cálculo do défice orçamental do Estado para 2016.

É notório ainda que muitas daquelas imparidades se referem a empréstimos efectuados a empresas/indivíduos a operar em actividades que políticos designam de “sectores estratégicos”. E agora os contribuintes terão de pagar a factura dessas más apostas.

Mesmo assim, a classe política continua a afirmar que a CGD deve permanecer pública, para que seja um importante factor no estímulo ao crescimento económico. Estas notícias dizem o contrário: a CGD seria mais útil à economia portuguesa se fosse privatizada.

O preço da sorte

O meu artigo de hoje no Jornal Económico.

O preço da sorte

Conta-nos Heródoto que Polícrates, o tirano de Samos, recebeu uma carta do faraó Amásis, na qual este expressava a sua preocupação pela boa sorte daquele. Nessa carta, Amásis dizia nunca ter conhecido um homem com tanta sorte que não tivesse terminado na miséria. Para afastar o fatal preço da sorte, Amásis sugeriu que Polícrates deitasse fora o seu objecto mais valioso e de que mais gostasse. Polícrates assim fez e lançou ao mar um anel com esmeraldas que usava com muita frequência. O primeiro azar foi que este regressou a terra dentro do estômago de um peixe. Sabendo disso, Amásis desfez a aliança que tinha com Polícrates que, pouco depois, foi empalado e mandado crucificar por Orestes de Sardes.

Ninguém deseja o mesmo fim a António Costa, nem sequer, excepção feita aos que crêem nas teorias da conspiração, alguém ainda acredita no fatalismo da sorte e do azar. O certo é que Costa tem tido sorte. Melhor: aproveita muito bem a que vai tendo. Tal como Polícrates, Costa meteu os aliados no bolso e vangloria-se dos resultados que apresenta. Proventos que, como os de Polícrates, têm pouca base de sustentação. No entanto, enquanto a sorte durar, Costa sorri.

A sorte de Costa é que o BCE tem comprado dívida pública portuguesa baixando os respectivos juros. Com a política monetária do BCE, Portugal continua a viver sob assistência financeira, mas sem contrapartidas. A sorte de Costa é que a DBRS mantém Portugal seguro por um fio, apenas porque o custo do colapso de um país do euro é superior ao dano de uma notação errada. A sorte de Costa é que a Alemanha tem eleições em Setembro e Merkel prefere que Costa sorria e Marcelo seja afectuoso, a dar um presente de mão beijada à extrema-direita. A sorte de Costa é que as eleições francesas são na Primavera. A sorte de Costa é que o mundo está em stand-by até ao Verão.

A moeda da sorte de Costa tem um outro lado: a política monetária do BCE dificulta a poupança de que Portugal carece; as eleições francesas e alemãs renovarão as exigências europeias (se não puserem um ponto final na política de assistência em que vivemos), e a banca portuguesa vai ter de deixar de financiar empresas amigas do poder, a começar pela CGD. Sim, pela Caixa Geral de Depósitos, sob pena de derrocada.

A sorte de Costa tem uma data limite. Mesmo em cima das autárquicas, que o PS espera vencer. A sorte de Costa é o nosso azar. Azar porque, durante este compasso de espera, o país não aproveita para reduzir a dívida pública (de acordo com o Banco de Portugal, atingiu 133,1% do PIB); não desce a despesa, mas compensa o défice com mais impostos e taxas que matam a economia. Não poupa, não investe, nem canaliza dinheiro para quem pode fazer a economia crescer. Azar dos azares, nem nos poderemos desforrar: quando a sorte de Costa acabar, ele fica ligado à folga usufruída por uns tempos e o povo paga a conta. Polícrates não teve tanta sorte.

Purga envergonhada no Bloco de Esquerda

catarinamartins

Imagino que na vida interna dos partidos existam episódios dignos de uma comédia que acaba muitas vezes por se  transformar em drama e nos piores casos, em tragédia e horror. E se até agora pensavam que a purga era um exclusivo do PCP – o mais moscovita-estalinista dos partidos comunistas da Europa Ocidental, estão enganados, de uma forma mais ou menos envergonhada o Bloco de Esquerda  lá vai percorrendo o seu caminho.

O Bloco de Esquerda é mais do que uma experiência, uma vivência de um conjunto de partidos inovadores de esquerda, com maioria absoluta nas  redacções, cujo primeiro líder foi o actual Senador da Rrrépública Francisco Anacleto Louçã. Depois dele, a gerência passou por uma direcção bicéfala que respeitou a quota dos sexos e acabou com Catarina Martins a chefe, a apoiar a Geringonça e a engolir uma generosa quota de sapos, rãs e demais batráquios.

Podemos estar gratos tanto à sua existência como à sua dissidência. É ao BE que devemos a existência de um MAS (Joana Amaral Dias durante umas eleições e gravidez), do Livre unipessoal de Rui Tavares, de um 3D (do Daniel Oliveira que não pergunta o que nos dizem os nossos olhos) ou qualquer outra agremiação que entretanto tenha nascido ou venha a nascer da força  imaginativa dos homens, mulheres e restantes criaturas da esquerda que se quer diferente mas igual. O BE para além dessa tarefa hercúlea de procura e  dissimulação envergonhada do comunismo,  sonha com a “transformação social, e a perspectiva do socialismo como expressão da  luta emancipatória da Humanidade contra a exploração e a opressão”. Ao que parece,o BE oprimiu impediu  Francisco Raposo,ex-dirigente da agremiação de regressar. O curioso é que até ao momento ninguém sabe muito bem as razões do boicote. Para já, existe uma carta aberta de solidariedade com o socialismo, com uma peculiar lista de subscritores nacionais e estrangeiros e um manifesto de Solidariedade dos membros da Moção B da Mesa Nacional do BE, naquilo que é considerado como um golpe inaceitável na democracia interna do Bloco de Esquerda.

De regresso ao PCP, enquanto partido conservador-comunista aproveitou a derrocada do comunismo na Europa de Leste,  para purgar os elementos menos ortodoxos, cabendo a alguns deles a abertura de novos movimentos de participação cívica-comunista- na-realidade- mas-com- outro-nome. Ou na integração dos dissidentes sobreviventes em partidos como o PS ou o PSD.

O surrealismo purgatório é lei para o comum dos traidores e o desfecho natural da militância no Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP ). Um dia depois do Natal de  1976, após seis anos de luta, nasceu o PCTP/MRPP, um partido “com uma linha política verdadeiramente revolucionária, assente na  aplicação da teoria e doutrina marxistas à situação portuguesa.” Sempre consideraram os outros comunistas como uns betinhos e de valor residual. O camarada Arnaldo Matos atingiu o  estatuto de figura pública apesar de não ter o culto das multidões proletárias e camponesas de um Ribeiro Santos – abatido pela PIDE – ou de um Alexandrino de Sousa, assassinado pelos social-fascistas da UDP  (facção do actual BE) . E depois de um afastamento a que os ousados apelidariam de burguês, acabou recentemente por purgar o Secretário-Geral o mediático advogado Garcia Pereira e os membros do comité permanente do comité central. O  único partido capaz de fazer “a aliança operária-camponesa” e num momento de  reflexão profunda reconhece-se a si próprio como “o único partido que, desde o início da mais  recente e grave crise do sistema capitalista em Portugal, definiu que a questão central que se coloca  à classe operária para não ser esmagada pela contra-revolução é a do não pagamento da dívida.”  É esta a abrangência que os camaradas têm direito,  sem coligações burguesas, de preferência sem pagar aos credores e em perpétuas histórias de higienização interna.

Alguém alinha nas pipocas?

Abram alas para a herança de Fidel

fidel

O comunismo é um reconhecido sistema inventivo, daí as aparentes dificuldades que os três  jornalistas do Expresso e da SIC terão sentido quando foram detidos pela polícia cubana quando se preparavam para ir trabalhar, graças a uma dica do dono da casa em que estavam hospedados.

No domingo de manhã, as cinzas de Fidel iriam a ‘enterrar’ no cemitério de Santa Ifigénia, em cerimónia privada, reservada apenas a alguns convidados, incluindo alguns estrangeiros como Dilma Rousseff e Lula da Silva.

Ficara, por isso, combinado entre os enviados do Expresso e da SIC uma saída às 4 e meia da manhã, para poder registar o final da vigília que decorria na Praça da Revolução, em Santiago de Cuba, e o derradeiro cortejo em que povo cubano poderia participar ao fim de nove dias de luto.

Nunca lá chegaríamos, porém.

Minutos depois de sair da casa onde estávamos hospedados encontrámo-nos na insólita situação de detidos pela polícia cubana e obrigados a recorrer à diplomacia portuguesa.

Foi nesse momento que percebemos a importância do telefonema que o dono da casa recebera já depois da meia noite, e ao qual apenas respondera: “Três jornalistas portugueses, dois homens e uma mulher. Vão sair muito cedo”.

As mentes maldosas dirão que é algo típico de uma ditadura, resultado de um sistema opressivo e que premeia a bufaria. Não acreditem, oiçam os votos de louvor a Fidel do PS, PCP e Bloco de Esquerda.