“Fui vítima de Salazar, mas as ditaduras comunistas eram muito piores”

Edmundo Pedro. “Fui vítima de Salazar, mas as ditaduras comunistas eram muito piores”, no jornal i

Toda a entrevista é de uma pureza que recomendo. Toda. Por isso até custa destacar apenas umas frases. Mas destaco as duas de extremos:

Eu bati o recorde da frigideira [cela especial no Tarrafal] porque tentei fugir. O castigo era 70 dias. Eu e o meu pai estivemos 70 dias. Não se pode imaginar o que era aquilo. A temperatura lá dentro chegava a atingir quase 50 graus. À noite havia uma condensação e a humidade escorria pelas paredes e nós lambíamos aquilo. Tiraram-nos a água. Não se faz ideia do que era aquele sofrimento.

e

Fui vítima do Salazar, mas as ditaduras comunistas eram muito piores. Não há comparação. A repressão do Salazar nem de longe se aproximou à repressão que existia nos países comunistas.

Fascismo e Comunismo: o mesmo respeito pelo indivíduo. Triste.

Anúncios

Enquanto isso na República Checa…

Mais um partido socialista tradicional colapsa perante a ascensão de partidos cépticos face à UE: Million dollar Babiš

The result is something of a slap in the face for Brussels. Not only has Babiš opposed EU-mandated immigrant quotas and repeatedly accused Brussels of “meddling,” but the ODS has also been firmly anti-EU since the days of its founder, the famously Euroskeptic former Prime Minister and President Václav Klaus.

Continue reading “Enquanto isso na República Checa…”

Área Ardida, em Mapas

Evolução do Orçamentado actualmente para Prot Civil e combate a incêndios:

Mapas via site do ICNF (no lado direito de cada imagem tem o ano respectivo)

2011

Continue reading “Área Ardida, em Mapas”

Bloco Vs Realidade – Porque Arde Portugal?

Bloco: Erros nos incêndios foram causados por “preceitos neoliberais”.

A coordenadora do Bloco não deixa, porém, de apontar o dedo aos anteriores Executivos. Para a líder bloquista, a política da floresta e da Proteção Civil têm seguido “todos os preceitos neoliberais”. Até com a autoridade nacional que nós tínhamos para as florestas se acabou nos tempos da ‘troika’. O Bloco até aprovou recomendações empenhadas sobre ser preciso sapadores florestais e vigilância e nunca nada foi posto em prática porque ‘ai o défice, ai a austeridade’”, criticou Catarina Martins.

(Então a austeridade não acabou? Porque reduziu o orçamento para a defesa das florestas em 9% este governo? Quem é neoliberal? O PS?)

Realidade: ¿Por qué los incendios en Portugal son tan letales?

Sí se sabe que hay una parte del bosque que nunca se incendia, el de la industria. Las papeleras gestionan el 6,5% de los terrenos privados, algo más de 200.000 hectáreas. Sus eucaliptos no arden, y cuando lo hacen es por contagio del vecino. El sector invierte cuatro millones de euros anuales en labores de prevención y silvicultura. Su brigada de intervención rápida se mantiene en alerta todo el año. Casi todos los fuegos que apagan (el 85%) están en propiedades vecinas.

Sim: a floresta na mão das grandes papeleiras não é consumida por grandes incêndios.

E são da espécie maldita: Indústria Papeleira diz que problema dos incêndios não se deve ao eucalipto.

“Se formos ver as estatísticas, em média arde menos de 1% anualmente do património gerido por estas empresas. Isto é um valor que só por si já diz tudo”, destacou, recordando que cerca de 200 mil hectares de floresta, a maioria de eucalipto, são geridos pelas empresas associadas da CELPA.

A diferença é ter uma gestão privada. Não o facto de ter uma ou outra espécie de árvores.

Extra: “O maior atentado à floresta portuguesa”. Indústria papeleira arrasa reforma florestal.

Catarina MartinsConclusão: Catarina Martins… pense antes de dizer baboseiras dessas.
Olhe que lhe fica mal, pois apesar do controlo que tem da imprensa em Portugal há sempre modo de a informação circular.
Sobre a Comunicação Social: Não há 1 jornalista que questione a senhora no final da intervenção sobre os dislates da senhora, por exemplo sobre este tema? Estão assim tão atados?

President Trump at The Heritage Foundation

President Trump at The Heritage Foundation’s Annual President’s Club Meeting

A esquerda contra a liberdade de expressão

Millennials don’t fear censorship because they plan on doing all the censoring

Matt Ridley’s fine recent Times column was hardly the first to raise the alarm about the pseudo-Soviet intolerance of the left emerging from university campuses. Yet he began with arresting statistics: ‘38 per cent of Britons and 70 per cent of Germans think the government should be able to prevent speech that is offensive to minorities.’ Given that any populace can be subdivided into a veritably infinite number of minorities, with equally infinite sensitivities, the perceived bruising of which we only encourage, pretty soon none of us may be allowed to say an ever-loving thing.

(…)

Accordingly, the young casually assume not only that they’re the cutting-edge, trend-setting arbiters of the acceptable now, but that they always will be. The students running campuses like re-education camps aren’t afraid of being muzzled, because they imagine they will always be the ones doing the muzzling — the ones dictating what words we can use (cis, not heterosexual), what books we can read (Tom Sawyer is out), what practices we can embrace (white people may not wear dreadlocks). These millennials don’t fear censorship because they plan on doing all the censoring.

BE e PCP dirigidos diretamente via Largo do Rato

joao-gomes-almeida

Um crónica interessante de João Gomes de Almeida:
O BE, o PCP e o Oportunismo.

Alguém que, como eu, acompanha de perto a vida política nacional pensava já ter visto tudo. Mas realmente nunca pensei ver o PCP e o BE serem dirigidos diretamente via Largo do Rato, tudo em prol de um ódio à coligação de direita que nos salvou da bancarrota. Como diria Churchill, “o orgulhoso prefere perder-se a perguntar o caminho”. Será que ainda há algum caminho para a extrema-esquerda nacional?

E sim, de facto há uma certa satisfação em ver BE e PC de joelhos frente ao partido fundado pela CIA. Pode ser que assim os seus eleitores diminuam o seu pretencionismo.

Tudo está bem quando acaba bem!

A chuva fez o que o governo não fez e apagou os fogos (e ainda bem!).
A ministra Constança já foi libertada e pôde regressar à vida universitária.
António Costa já pediu desculpas pela frieza calculista desta semana.
O Público, a RTP e outros Legacy media já demonizaram a manif em Lisboa.
(“centenas” em vez de milhares, foco num provocador, foto de um canto,…)
Em Coimbra nem sequer foi aceite a proposta de manif pela Câmara local.
Ainda assim, acontecem e juntam milhares por todo o país (inc Coimbra).
Rui Rio e Santana Lopes já provaram que são bons… meninos do coro.
Marcelo já perdoou tudo a todos, sigam os Pactos de Regime.

Self Control

Depois de mais uma semana neste Oásis cor-de-rosa em que, após época de incêndios mais mortífera, armamento não desaparecido que apareceuambulâncias de emergência paradas (quantos morreram?), e mentiras nas listas de espera que fariam oscilar qualquer governo de direita, produzir apenas um hmpf só há uma atitude possível.

Não é um almoço grátis mas é muito útil

The Encyclopedia of Libertarianism.

(des)Consolo

IMG_3782

Fiquei um bom bocado a olhar para esta imagem. É um retrato que encerra muito do que passou nos últimos dias. (ou serão meses?) E, muito do que se passou, passou completamente ao lado de Lisboa.

É um retrato de um Presidente desconsolado que se esforça por consolar uma mulher inconsolável. Vidas de trabalho. Vidas que se tecem numa entre-ajuda permanente. E que se desfizeram em menos de nada, tantas vezes a ajudar o outro: um filho, um pai, um irmão, um vizinho, um desconhecido. Ou até um animal. Em Lisboa todos os cães têm nome, mas aqui até as vacas têm nome. Há gente que morreu a tentar salvar os seus animais, caramba! E não, não os levavam ao restaurante. Se calhar muita desta gente também nem terá entrado num, senão eventualmente por ocasiões festivas.

O muito que este fogo queimou pôs a nu um país que muitos desconheciam. E expôs, vergonhosamente, o fosso que separa a cidade e as serras. Antes de olharmos para a frente, é tempo de nos olharmos de frente. É tempo de percebermos que Portugal é demasiado pequeno para vivermos divididos entre litoral e interior ou Norte e Sul. Estes fogos não podem voltar a acontecer, mas este abandono a que as pessoas se viram votadas muito menos. É intolerável.  Não pode mesmo repetir-se.

150 mil é um número bonito: 150 mil empregos, 150 mil cabras

Cabrita para aqui, cabrita para acolá. “Vamo lá ver”, alguém sabe das cabras do Sócrates? E os mil telemóveis para os pastores?

Nacionalizado ao Rui Rocha.

Para que nos serve o Estado?

Indo um pouco além da espuma dos dias da (legítima) discussão partidária, uma reflexão pertinente de Rui Moreira.

Um governo desumano

Porque além da incompetência, além das culpas no cartório, o que nos chocou foi a desumanidade de quem governa. A minha crónica no i.

Um governo desumano

Em resposta aos incêndios de 15 de outubro, o outro dia fatídico do ano de 2017, António Costa afirmou que o governo não tem “solução mágica” para evitar que mais pessoas morram nos incêndios. Ao mesmo tempo, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, afirmou que as pessoas têm de ser “pró-activas e resilientes”, não podendo ficar à espera dos bombeiros, como se fossem mágicos que tocam no fogo e não se queimam.

Depois foram chegando as notícias. Primeiro dois mortos, depois três, de repente 12, 20, 27, 31, até serem 41, esperemos que não mais, pelo amor de Deus. A seguir os relatos dos que sobreviveram, dos que salvaram vidas, dos que souberam como morreram alguns para salvarem vidas de outros, bens seus, casas, negócios, as suas próprias vidas. A coragem de Eduardo Donas Botto, o motorista do IP3 que salvou 51 pessoas.

O choque entre as histórias dos que sofreram, morreram, sobreviveram, e as afirmações dos responsáveis do governo é atroz. São desumanas e cruéis as exigências ao povo para serem o que os governantes não tiveram a dignidade de ter: coragem, resiliência, brio, compaixão. Amor. Humanidade.

Já não estão em causa os cortes orçamentais que a protecção civil sofreu em 2016, depois da austeridade. Já não estão em causa os boys colocados na Autoridade Nacional de Protecção Civil e que percebem tanto daquilo como eu de medicina. Já não interessa que Costa até tenha sido ministro da Administração Interna. Já nem sequer falo de o Estado não proteger os cidadãos – a principal das suas funções – e se reduzir a pagar salários à custa de cativações, esquecendo a generalidade dos portugueses. O que mais chocou nisto tudo foi a frieza das palavras, a desumanidade dos governantes, a amoralidade dos seus atos; a falta de respeito de quem quis ser governo, mas não quer ser responsável.

Nunca o país teve um governo tão sectário, tão displicente em relação ao que não lhe convém, tão centrado em manter-se intocável. Tudo vale desde que saia ileso, impune, o que à partida consegue através de provisões orçamentais eleitoralmente direcionadas. Com metade do país saciado, mais a boca cheia de frases feitas e as palavras solidariedade e justiça social lá pelo meio, Costa acha que o país se cala.

O país arde, pessoas morrem, as que sobrevivem perdem tudo, mas os governantes ficam. Ficam porque para se sobreviver se perdeu a vergonha. Fica o governo, mas também a desconfiança, o medo, a suspeição. Um sentimento de revolta. Este é um governo doente, que nasceu doente e cairá dessa forma.

Uma voz para os Trabalhadores Independentes

Com toda esta tragédia dos incêndios, outras situações têm, naturalmente, passado para 2º plano. Uma dessas, é a nova subida de impostos e contribuições sobre os trabalhadores independentes – um grupo já bastante fustigado no regime fiscal português e sem voz na auto-proclamada “Concertação Social”. A APF (Associação Portuguesa de Formadores) pretende agora tentar minorar esse problema apresentando-se como uma possível porta-voz destes trabalhadores, uma vez que a grande maioria dos seus membros são trabalhadores independentes.

Fica a seguir o apelo – ao PR, ao governo e aos grupos parlamentares – que reconsiderem mais este ataque em 2018:

Fazendo algumas projeções, nos contribuintes que ganhem mais de 1380€ (e que na realidade recebem efetivamente pouco mais de metade desse valor) os impostos poderão aumentar em algumas centenas de Euros por mês. E do lado da Segurança Social, ao aumentar a base sujeita à coleta e ao deixar cair a possibilidade de redução de escalões, os aumentos das contribuições poderão ser da ordem dos 50 a 100%, mesmo em valores de retribuição muito baixos.

Ou seja, quem ganha cerca de 700€ líquidos, vai em diversos casos passar a ganhar MENOS que o Salário Mínimo Nacional!

Abaixo têm a carta completa da Associação:

Continue reading “Uma voz para os Trabalhadores Independentes”

3rd Annual Winston Churchill Memorial Lecture and Dinner – 9 de Novembro

Miserável

Numa conferência a propósito do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza, organizada esta terça-feira em Lisboa pelo Montepio, o presidente executivo da CGD, Paulo Macedo, disse que, dos 2,6 milhões de euros angariados pelo banco público para as vítimas do incêndio que deflagrou em junho em Pedrógão Grande, alastrando a outros concelhos e deixando mais de 60 mortos e que estão a ser geridos pela Fundação Calouste Gulbenkian, “uma parte já foi para projetos concretos e cerca de 500 mil euros vão ser aplicados junto de instituições de saúde para equipar as que tem ajudado as populações, quer nas unidades de queimados quer noutras, na zona de Coimbra”.

 

A ver se consigo fazer perceber ao Dr Paulo Macedo uma coisa muito simples: o dinheiro doado pelos portugueses em Junho deste ano para ajudar quem sofreu com os incêndios de Pedrógão, não foi doado para ajudar o Orçamento de Estado. Foi para ajudar pessoas concretas, que perderam família, casas, meios de sustento, etc. Equipar os Hospitais é responsabilidade do Estado por via dos impostos e orçamento do Ministério da Saúde. Usar o dinheiro da solidariedade dos portugueses com as vítimas de Pedrógão para cobrir buracos do OE ou incapacidade do Ministério, que ainda há dois anos dirigia, é abaixo de cão (embora qualquer cão mereça mais respeito que o CEO da CGD depois disto), é miserável, é inqualificável. A lata, a tremenda lata de mais de que pensar ou executar uma enormidade destas é ser capaz de o referir como um acto razoável (sequer). Nem eu tenho vernáculo suficiente para isto. Isso, continuem a doar para contas geridas por gente desta estirpe. E nem quero imaginar, nem muito menos saber, o que são os tais “outros projectos”.

O que é necessário para deixar de ser ministro de António Costa?

Constança Urbano de SousaConstança Urbano de Sousa já há muito tempo que tinha a expressão facial de um refém. Soubemos hoje que isso tinha um bom motivo: Ela foi uma Refém!

Atentem à Carta de Demissão:
“Logo a seguir à tragédia de Pedrógão pedi, insistentemente, que me libertasse das minhas funções (…)”.

Uma pessoa que não estava preparada, sem peso político (GNR concorda), sem competências de liderança, e que há muito se refugiava nas salas da Proteção Civil.
Constança: até Sempre Camarada!

A pergunta que fica: O que diz a escolha desta personagem sobre as capacidades de António Costa para formar um governo, senão legitimado pelo voto, pelo menos competente para gerir a função pública portuguesa?

Encontrado o que, “no limite”, nunca foi furtado

Azeredo Lopes: “No limite, pode não ter havido furto nenhum”

10/Set/2017

Material de guerra roubado em Tancos apareceu na Chamusca

18/Out/2017

Este governo é uma anedota: depois da queda da Ministra das Polícias e dos Bombeiros, o Ministro das Forças Armadas é ridicularizado pela realidade: o armamento que, “no limite”, descobrimos em setembro que “pode” não ter sido furtado… apareceu agora, fruto de uma denúncia anónima.

Azeredo LopesÓ Sr. ministro, diga lá quanto vale a qualidade da generalidade dos ministros do seu governo?

Por muito menos que esta série de trapalhadas, foram dedicadas estas palavras a um governo em 2004. Mas é claro: falsear números oficiais da saúde, não é grave; provocar mais de 100 mortos com uma série de erros grosseiros, não é grave; gerir como uma criança a questão do desaparecimento do equipamento militar, não é grave. Agora ser de direita, isso é inaceitável. Certo, certo…

E agora, Marcelo?

Presidente da República prepara dissolução da Assembleia da República e queda do Governo: “(…) o País assistiu a uma série de episódios que ensombrou decisivamente a credibilidade do Governo e a sua capacidade para enfrentar a crise que o País vive.
Refiro-me a sucessivos incidentes e declarações, contradições e descoordenações que contribuíram para o desprestígio do Governo, dos seus membros e das instituições, em geral. Dispenso-me de os mencionar um a um, pois são do conhecimento do País.
A sucessão negativa desses acontecimentos impôs uma avaliação de conjunto, e não apenas de cada acontecimento isoladamente. Foi essa sucessão que criou uma grave crise de credibilidade do Governo (…)”

10 de Dezembro de 2004

marcelo-rebelo-de-sousaPara quando, Marcelo?
Só quando o povo parar de abraçar?

Quem foi, quem foi…

… que acabou com a Guarda Florestal quando foi MAI?
… responsável pelo contrato do SIRESP, inoperacional e que custou 5x o valor real?
… que assinou contratos ruinosos com as empresas de meios aéreos?
… que recusou a compra de 2 aviões Canadair com grande parte de fundos da UE, possivelmente por birra, pois tinha sido PPC a negociar?
… que impediu que a força aérea fosse utilizada para os incêndios?
… que não foi capaz de mandar limpar o Pinhal de Leiria, propriedade do estado, apesar dos avisos dos dirigentes locais?
… que reduziu 9% o orçamento para o combate a incêndios, comparado com o Governo da austeridade?
… que suspendeu a prevenção de fogos sabendo que a previsão meteorológica era favorável a incêndios (236 postos de vigia encerrados desde 1 de outubro)?
… se rodeou de uma equipa de ministros à sua imagem?
… que tem um subalterno que manda as populações “desenrascarem-se”?
… que tem uma subalterna que duas semanas antes da época de incêndios decidiu trocar os líderes da Proteção Civil experientes por outros politicamente conectados?
… que assume que, com ele no governo, dias negros “seguramente vão repetir-se”?

Portugal's Socialist party (PS) leader Antonio Costa speaks to the media after a meeting with Portugal's President Anibal Cavaco Silva at Belem Palace in Lisbon

Como safar o BE e o PCP na moção de censura

Depois das declarações de Marcelo, ou Costa demite já a ministra, ou fá-la cair em troca do apoio do BE e do PCP na moção de censura.

A responsabilidade não pode cair em saco roto

Por respeito aos mais de 100 mortos em incêndios florestais que não são nem podem ser tratados como “desafios” pelos irresponsáveis políticos obcecados pelos resultados dos “focus groups” e pela desproteção civil, incapaz de proteger algo que não sejam os “boys” fica feito o convite a indignarem-se nas seguintes manifestações:

Hoje:  Lisboa – 19h30 – Belém

Amanhã:

Uma morte nos incêndios é uma morte a mais

“No dia 15 de Outubro de 2017, Portugal ardeu à frente dos nossos olhos em 500 fogos espalhados de Norte a Sul. (…)
Indignados com quem nos devia proteger e a quem pagamos um tributo anual, pela sua proteção falhada.
Não devia ser possível deixar os portugueses entrar em comboios que param a meio da viagem, não devia ser possível os carros e autocarros circularem em estradas incendiadas, não devia ser possível o Estado deixar aldeias completamente desprotegidas no meio das chamas.
Todos os portugueses têm direito à indignação, a uma indignação com voz, a uma indignação que peça responsabilidades e uma indignação que grite alto para que não haja uma terceira tragédia que consuma mais vidas inocentes.
Por isso vos pedimos que na próxima 4 feira, dia 18 de Outubro, às 18h30 quando os mortos desta tragédia forem a enterrar, nos mobilizemos e coloquemos uma flor em frente de todas as 308 Câmaras Municipais e da Assembleia da República em Lisboa, vestidos de luto e mostrando apenas uma frase que nos una:
“Um morto nos incêndios é um morto a mais”

Leiria – 21h – Praça Rodrigues Lobo

Sexta-feira:Braga – 18h – Avenida Central 

Coimbra – 18h – Praça 8 de Maio

Sábado:Porto – 16h – Avenida dos Aliados

 Lisboa – 16h – Praça Luis de Camões

Leituras complementares: Protestar para mudar: manifestações contra fogos vão sair à rua e chegam a BelémPortugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndiosIncêndios: vários protestos convocados nas redes sociais“Vão de férias”. Convocada manifestação para hoje em Belém contra a incompetência e inação

Não há solução. Excepto uma.

Parece que há uma qualquer tradição na ausência de soluções. Antes era com as cheias.

Screen Shot 2017-10-16 at 23.29.45.png

Agora é com os incêndios:

Screen Shot 2017-10-16 at 23.30.39.png

Se António Costa acha que não tem solução um país alegadamente de 1º mundo, em 2017, não ser capaz de prevenir a morte de 100 dos seus, então só resta uma solução: demitir-se.

Um Estado falhado

Alguém diga a António Costa que não é a reforma da floresta, mas a Protecção Civil que falhou.

Há declarações que é difícil comentar (2)

Ministra não se demite, mas diz que era o mais fácil: “Ia-me embora, ia ter as férias que não tive”

“Temos de nos autoproteger”, disse o secretário de Estado da Administração Interna. Costa admite que não há meios. As frases dos políticos sobre a tragédia. E a lista de terras das vítimas

Agora não é popular aparecer

Há declarações que é difícil comentar

Ministério Administração Interna: “Não podemos ficar todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver o problema”

Jorge Gomes, secretário de Estado, disse que têm de ser as pessoas a combater os fogos. “Temos de nos autoproteger” e “não podemos ficar à espera dos bombeiros e dos aviões”. Costa não o censura.

O rosto sem vergonha da incapacidade assassina de quem não gozou férias

“Ia-me embora, ia ter as férias que não tive. Ia resolver o problema?”

“Acho que não é o momento para a demissão. É o momento para a acção”.

As tiradas são da autoria da eterna ministra da Administração interna. Responsável política pela morte de 65 pessoas no incêndio da zona de Pedrógão e de pelo menos mais 27 29 31  32 35 mortos, ontem, em vários pontos do país.

Leitura complementar: Não faltarão afectos e juras que t@d@s fizeram o máximo.

Não faltarão afectos e juras que t@d@s fizeram o máximo

Não podemos ficar todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver o problema”. O autor da frase é o irresponsável Jorge Gomes, secretário de Estado da Administração Interna.

O contexto da frase do governante são 68 mortos em incêndios florestais, centenas de feridos e milhares de pessoas que perderam tudo menos a vida. Na semana que passou a ministra que tutela Jorge Gomes, afirmou que  não se demite. Que gente merdosa e incapaz.

António Balbino Caldeira

Por estes dias, em que a falta de memória selectiva afecta muita gente, é importante recordar vários nomes, em vários planos. Pela minha parte, por ter tido oportunidade de acompanhar com alguma proximidade a sua acção e as reacções sistémicas de que foi vítima, destaco um: António Balbino Caldeira.