A aldrabice é a luz que guia o bloco de esquerda

Segundo o diário digital “DN”,  a agremiação também conhecida como bloco de esquerdaavança com (um) código de conduta. No horizonte estão as próximas campanhas eleitorais, em que os bloquistas temem que as notícias falsas assumam relevância no contexto dessas eleições.”

jv

Regressado à realidade, recordei-me de um post no Facebook de um grupo intitulado Algarve Político do deputado bloquista João Vasconcelos – que subiu ao poleiro da casa da democracia por se ter destacado como dinamizador e porta-voz da Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI), na luta contra as portagens nesta via e aprovados todos os orçamentos desta legislatura, continua a bater-se com invulgar heroicidade contra as portagens algarvias e a aprovar todos os orçamentos que as mantêm -, em que escreve sobre os apoios às vítimas dos incêndios que afectaram boa parte do Barlavento algarvio e Odemira:

Orçamento de Estado para 2019: PS votou contra e PSD/CDS abstiveram-se, o que levou ao chumbo da proposta bloquista – uma vergonha! E PS, PSD e CDS ainda dizem que são a favor das populações do Algarve – neste caso as vítimas dos incêndios de Monchique, Silves, Portimão e Odemira! Cada um que retire as suas ilações!
A proposta do Bloco alargava às vítimas dos incêndios de Monchique, Silves, Portimão e Odemira, ocorridos em agosto passado, os mesmos critérios nos apoios concedidos às vítimas dos incêndios que tiveram lugar em junho e outubro de 2017!
Mas PS, PSD e CDS preferiram discriminar as populações do Algarve, vítimas dos incêndios. Ainda por cima, grande parte pessoas idosas e com mais dificuldades.Uma vergonha mesmo.

Ora, uma vez mais, transportado para a realidade, o que na verdade se passou foi que a Proposta 372C do BE Artigo 261-A, foi votada e aprovada às 18 horas do dia 28 de Novembro de 2018 d.C., um dia após o post aldrabão do deputado caviar.

A favor, votaram: be, PSD, PCP e CDS. Contra, votou o PS.

Parece-me muito transparente e com muita margem de progressão o código de conduta para a “campanha nas redes sociais” idealizado pelo agremiação a que pertence o deputado algarvio.  Parece-me reposta a superioridade moral, o suposto humanismo do gang da extrema esquerda.

Anúncios

Anti-Academia

A publicação deste atentado à inteligência no Público mostra bem a mediocridade da academia portuguesa: Um jovem quase imberbe apelida de “cientista medíocre” uma pessoa com quase quatro décadas de carreira em universidades de topo e mais de uma centena de artigos publicados (e citados mais de 10000 vezes), escrevendo uma textozeco sem qualquer profundidade e sem abordar nada do pensamento que apelida de “medíocre”. Nada mal, para alguém cuja existência académica é inexistente.

O muro que protegeu o socialismo

Crédito da foto: © Crown copyright. IWM (HU 73009)

Hoje os fásssistas comemoram o fim da edificação do socialismo na saudosa RDA.

Mulher ganha concursos caninos (UK)

Homem transgénero identifica-se como cão

Tony McGinn nasceu mulher, mas é um homem transgénero que se identifica como cão. E é treinado pelo seu marido, Andrew: “Eu dou-lhe muita atenção e digo que ele é um ‘lindo menino’.”
Progresso, dizem eles. Enfim…

Chavez “é uma esperança para a América Latina”

A frase é de Bolsonaro, o profeta-farol do liberalismo pós Donald Trump.

Rir continua a ser o melhor remédio. Divirtam-se.

Estado- O que representa Chávez?

Jair Bolsonaro- É uma esperança para a América Latina e gostaria muito que esta filosofia chegasse ao Brasil. Acho ele ímpar. Pretendo. Pretendo ir à Venezuela e tentar conhecê-lo. Quero passar uma semana por lá e ver se consigo uma audiência. (…)

Estado- Porque ele é admirável?

Bolsonaro-Acho que ele vai fazer o que os militares fizeram no Brasil em 1964 com muito mais força. Só espero que a oposição não descambe para a guerrilha, como fez aqui.

Estado- O que acha dos comunistas apoiarem Chávez?

Bolsonaro-Ele não é anti-comunista e eu também não sou. Na verdade, não tem nada mais próximo do comunismo do que o meio militar. Nem sei quem é comunista hoje em dia.

Fonte desta fake news: O Estado de S.Paulo, edição de 4 de Setembro de 1999.

A cruzada anti-especulação da extrema-esquerda caviar

Ricardo Robles é vereador do bloco de esquerda de Lisboa e é um cruzado contra a especulação imobiliária.

A mesma criatura que luta como poucos contra o lucro, ganha milhões em especulação imobiliária. Com “compaixão”, presume-se.

De acordo com o Jornal Económico, o capitalista caviar Ricardo Robles fez parte da compra de um prédio  à Segurança Social a um preço acessível – enganam-se todos aqueles que julgam que este tipo de excelentes negócios apenas acontecem porque um dos intervenientes tem e usa informação priviligiada-, utiliza em seu benefício a lei que combate, desalojando de imediato  os inquilinos (com excepção de um, que deverá ser despejado a médio prazo). As mais-valias ultrapassam os 4 milhões de euros. Nada mau para um comunista envergonhado.

The Mob

I Was the Mob Until the Mob Came for Me

I drive food delivery for an online app to make rent and support myself and my young family. This is my new life. I once had a well paid job in what might be described as the social justice industry. Then I upset the wrong person, and within a short window of time, I was considered too toxic for my employer’s taste. I was publicly shamed, mobbed, and reduced to a symbol of male privilege. I was cast out of my career and my professional community. Writing anything under my own byline now would invite a renewal of this mobbing—which is why, with my editor’s permission, I am writing this under a pseudonym. He knows who I am.

In my previous life, I was a self-righteous social justice crusader. I would use my mid-sized Twitter and Facebook platforms to signal my wokeness on topics such as LGBT rights, rape culture, and racial injustice. Many of the opinions I held then are still opinions that I hold today. But I now realize that my social-media hyperactivity was, in reality, doing more harm than good.

Um testemunho interessante, com uma história pessoal de alguém que é um exemplo vivo do adágio “Quem com espada mata, com espada morre”, versão digital.

Este é muito diferente do caso de Scarlett Johanson, caso em que “the mob” começou por criticar, depois conseguiu que ela abdicasse, e agora arriscam-se a que o filme nem seja feito – a menos que queiram fazê-lo apenas para ganhar aqueles prémios europeus que são tão relevantes que nem sei o nome deles.

The Mob.pngOs testes de pureza da esquerda estão a chegar. Eu gosto de ver. É uma espécie de Hunger Games mas com a carreira das pessoas. E as vítimas são agora cada vez mais as pessoas da esquerda – afinal, os de direita já estão perdidos e já…

Para a esquerda, já sabem: Don’t Mess with The Mob 😉