Guilherme Marques da Fonseca no Mises Brasil

O Instituto Mises Brasil entrevista no seu 70º podcast Guilherme Marques da Fonseca, organizador da Conferência Liberalismo e Governação na Universidade Católica Portuguesa.

Neste podcast, o organizador do evento Guilherme Marques da Fonseca, estudante de economia e membro do Instituto Mises Portugal, explica os tópicos que serão discutidos e a razão pela qual decidiu realizar o evento. Guilherme também opina sobre o interesse dos portugueses pela Escola Austríaca. “As pessoas estão vendo que as teorias concorrentes do pensamento econômico falharam em suas soluções quando aplicadas na vida prática”.

Guilherme, que organizou em 2012 a primeira Conferência da Escola Austríaca de Portugal, também faz uma avaliação sobre os equívocos políticos do atual governo do primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho, opina sobre de que forma o debate e a difusão da teoria Austríaca pode ajudar Portugal neste momento tão crítico e defende a manutenção do euro, concordando com o argumento do professor Jesús Huerta de Sotto em defesa da moeda única. O membro do Instituto Mises Portugal revela que o ambiente acadêmico no qual está inserido na Universidade Católica portuguesa é bastante amigável em relação à teoria Austríaca.

You’re all a bunch of socialists

a-bunch-of-socialistsTenho notado algum melindre por parte de algumas pessoas quando confrontadas com o facto de serem socialistas. Fico perplexo com a reacção, na medida em que apontar a origem das ideias que uma qualquer pessoa defende não é uma ofensa ou um exercício de name-calling. Especialmente porque quando, aqui n’O Insurgente, apontamos a alguém que o que defendem é socialismo, fazemo-lo com um mínimo de rigor argumentativo.

O socialismo é um sistema económico. Um sistema onde, por definição original, os meios de produção são propriedade social (colectiva, estatal, cooperativa, whatever) e a sua gestão e planeamento têm fins sociais e colectivos. A maior parte das pessoas, mesmo muitas inscritas no Partido Socialista, não se reverão neste definição, pois o significado do termo tem vindo a evoluir para a social-democracia. Esta, por sua vez, define-se como um caminho democrático e reformista que visa, como objectivo final, a implantação do socialismo por uma via pacífica, democrática, de transição progressiva do capitalismo. Um social-democrata é portanto um pouco como Santo Agostinho: Dai-me o socialismo, mas não agora. Por fim, temos a democracia-cristã, que mais não é que uma doutrina que defende, em termos económicos e de forma geral, as mesmas políticas que a social-democracia, mas que por pensamento mágico parece achar que o resultado final será diferente.

Não vale sequer a pena referir as doutrinas totalitárias como o fascismo (o socialismo com corporações em vez de sovietes ou cooperativas), o nacional-socialismo (este nem se esconde, ainda por cima) ou o comunismo (a via revolucionária para o socialismo).

Temos assim que ideias que em geral implicam a condução da economia pelo estado, a alocação de maior quantidade de recursos para a prossecução de intervenção económica estatal, a nacionalização e monopolização da emissão de instrumentos monetários, a atribuição de decisões económicas cruciais ao estado, etc, são, efectivamente, ideias socialistas, ou que visam atingir o socialismo de forma gradual, ou que o sendo julgam não se-lo (uma bizarria, bem sei).

Alguma vez o Estado vai começar a pagar o que deve?

O endividamento do Estado Português atingiu 122,5% do PIB em 2012.
O BCE já tem mais de 10% daquele valor para ajudar a acalmar os mercados.

O governo tenciona começar a fazer descer aquele valor ou vai-se mesmo realizar a 2ª opção de Mises?

É impossível evitar o desmoronamento da actividade económica causada pela expansão do crédito.
A escolha é somente se o colapso virá mais cedo, como resultado do
abandono voluntário de políticas de crédito artificial à Economia,
ou mais tarde como uma crise catastrófica do sistema financeiro.

Ou se corta a sério (PPPs, BPPs, BPNs, Reformas acima da média, …) ou vamos todos ter de voltar a ler livros de história…

O Lucro

Link para o vídeo para quem tenha problemas no visualizador.

São os Lucros inerentemente maus? Pode haver lucros bons?
Quem lucra é sempre bom?
Qual é a função do lucro numa sociedade?
Como é que o Lucro guía uma sociedade Capitalista e torna uma sociedade Socialista impossível no Longo Prazo?
As respostas a estas perguntas e muito mais nesta palestra de um dos grandes nomes da Escola Austríaca.

Uma citação famosa do mesmo autor

Psy e a propriedade intelectual

Como o estado irá definhar até se tornar irrelevante:  Jeffrey Tucker no Mises Brasil:

PSY (Park Jae-Sang) é um artista que padecia no anonimato havia uma década.  Ele sabia o valor da exposição.  Quando sua música começou a ser pirateada, quando restaurantes com o nome de Gangnam Style começaram a surgir, quando camisetas e produtos com sua marca começaram a pipocar por todos os lados, ele veementemente se recusou a impingir sua propriedade intelectual.  Ele muito sabiamente percebeu que qualquer tipo de compartilhamento de sua imagem poderia ser positivo para ele.  E, sem nenhuma surpresa, estima-se que ele irá faturar US$8,1 milhões este ano apenas com downloads de sua música no iTunes, ingressos para suas apresentações e publicidade.  Graças à sua recusa em participar do sistema estatal de proteção ao monopólio intelectual, ele se tornou um dos músicos mais famosos do mundo, e rapidamente será um dos mais ricos também.

Neste artigo fundamental, Jeffrey Tucker perspectiva o futuro do Estado e como ele vai definhar, não só na propriedade intelectual, mas também em áreas como a educação ou a banca. Deixo aqui outra citação:

Todo e qualquer ato de empreendedorismo é, por definição, revolucionário.  Há um espírito anarquista em sua raiz.  Um ato empreendedorial é um ataque ao cerne do status quo.  Empreender significa estar insatisfeito com a atual situação.  Empreender significa imaginar algo novo e melhor.  Empreender é um ato que produz mudanças graduais, inesperadas e não consentidas, pois acrescenta uma nova dimensão de experiência a como nos vemos, a como nos entendemos e a como interagimos com os outros.

QE4: Bernanke does it again…

There He Goes Again, por Hunter Lewis:

We now have the announcement that Ben Bernanke’s Fed will buy $45 billion a month in treasuries, QE4, until unemployment reaches 6.5% or his version of inflation exceeds 2.5%.  What a surprise!

Last September, when  Bernanke announced the third phase of the government’s program of borrowing from itself by creating new money and using it to buy government bonds, I wrote:

“Bernanke says that the new announced round of money printing ( QE3 plus more Twist)) is intended to reduce unemployment. Does he believe that? It is possible that Bernanke really drinks his own Cool Aid, but I doubt it. Does  he think that stock market gains will boost confidence and somehow help employment indirectly? Perhaps. He has in the past  claimed credit for spiking the stock market, although he must know that the empirical evidence does not show a link to employment gains.

Why then this dramatic move only two months before a presidential election?…

The most likely explanation is that Bernanke is worried about the treasury auction market. He wants to be able to use his printed money at will to support it…. Ostensibly the QE3 purchases will be mortgages…. The program can always shift into treasuries at any time….”

Well, it does appear now that Bernanke was just easing his toe in by announcing the purchase of agency mortgages last September, and is really focused on treasuries. In all probability, he is afraid that the market for treasuries will falter. He can now support it  anytime he wants without causing panic.

The next announcement may well remove the $45 billion monthly limit. Then he will be able to finance the government with as much fairy dust money as he likes.

There is always the chance that the foreign buyers will eventually be spooked and it will all come crashing down. But right now the foreign buyers do not have a lot of options and anyway Bernanke retires in a year.

It would be interesting ( and helpful) if Alan Greenspan suddenly had a Saul of Tarsus/ Paul experience and spoke out against his protege Bernanke. Or perhaps Paul Volcker, who admitted that the Fed might be violating the Fed statute in 2008 ( there was really no doubt about it) might speak up? Unfortunately none of this is likely. And we will continue on down the rabbit hole.

Parece que afinal são 85 B$ por mês. Dinheiro há que chegue. Resta agora saber se a Economia aguenta toda esta injecção sem que o Fed imprima também Ouro, Níquel, Lítio, Mármore, Petróleo e outros recursos essenciais à continuação do “crescimento” económico…

A Guerra resolve as crises?

Claro que não! Essa “teoria” é contra a lógica, a matemática, a história e até o senso comum, sendo proposta – coincidentemente claro – por quem com ela lucra. Seja como for, é sempre bom ter uma fonte de argumentos para rebater esta falácia:

World War II and American Prosperity

Boas leituras.

Conferência Escola Austríaca da Economia – 29 Nov

Universidade Católica do Porto recebe dia 29 de Novembro um evento do Instituto Mises Portugal em que os dois representantes Portugueses na Mont Pelerin Society (logo, provavelmente os dois maiores académicos do Liberalismo Português) vão apresentar a Escola Austríaca da Economia.

Todos os interessados em aprender e debater um pouco esta escola em ascensão deverão inscrever-se (gratuitamente) enviando um mail para escola.austriaca.economia@gmail.com para garantir o seu lugar.