Ponto de situação

A CNN dá neste momento, com mais de 90% dos votos contados, a Florida para Donald Trump. Seria uma grande notícia para o campo republicano.

Ao mesmo tempo, o Ohio e a Carolina do Norte, com 36% e 64% dos votos contados, respectivamente, parecem entregues a Hillary. E recordo que, na minha ideia, basta HRC ganhar um destes para ter a corrida garantida.

Clinton terá uma geringonça americana

Nos EUA parece não haver grande incerteza sobre a Câmara de Representantes ficar com maioria de congressistas do partido Republicano. Vencendo Hillary Clinton a presidência, esta terá de negociar à direita as suas políticas. Uma espécie de geringonça ao centro.

E a grande vantagem de terem presidente do partido Democrata será evidente quando vier próxima crise. É que lá, como cá, quanto mais à esquerda tiver o governante mais fácil é aplicar a austeridade. Veja-se o exemplo de António Costa. A maioria do mexilhão até aplaude!

Grandioso passatempo Insurgente – Resultados

Apurados todos os votos, chegou a altura de dar a conhecer o verdadeiro vencedor da noite de ontem: o leitor com a previsão mais acertada dos resultados finais. O grande vencedor é o leitor Bruno Miguel! Pode-nos enviar a morada para o e-mail do blog (correioinsurgente@gmail.com) para poder receber o seu prémio. Menção honrosa para os leitores André Garcia (2º) e Pedro Mendes (3º)

Mais uma vez, os leitores do Insurgente mostraram uma capacidade de previsão acima da média, apesar de alguns resultados terem sido verdadeiramente inesperados. Por pontos:

Os leitores acertaram na votação exacta de Marcelo Rebelo de Sousa, incluindo a casa decimal: 52,0%. Nenhuma sondagem, incluindo as sondagens à boca das urnas, conseguiu este nível de precisão.

– Ao contrário das casas de sondagens que desvalorizaram a candidatura de Tino de Rans (a Eurosondagem deu-lhe 0,4% na última sondagem), os leitores acertaram em cheio no 6º candidato mais votado.

– A votação de Maria de Belém surpreendeu muitas pessoas, incluindo os nossos leitores. Apesar de terem previsto uma votação mais próxima dos resultados finais do que as sondagens disponíveis quando o concurso começou, as últimas sondagens (disponibilizadas já com o concurso a decorrer) aproximaram-se mais da votação de Maria de Belém do que a previsão dos leitores.

Assim, a sabedoria colectiva dos leitores do Insurgente revelou-se, mais uma vez, como um método muito eficaz de previsão de resultados eleitorais. Obrigado a todos!

Isto da maioria escolher o Marcelo devia ser proibido

 Uma catrefada de décadas volvidas desde o fim da ditadura e uma determinada franja da sociedade portuguesa ainda convive bastante mal com esta modernice da democracia em que a maioria de um povo de chinelo de dedo, pouco letrado nos amanhãs que cantam nos saraus culturais da esquerda, escolhe um bandameco qualquer à revelia da cartilha agendada pelo determinismo histórico. E não há certamente justiça no mundo em ter que levar com tal sujeito se este não for, é claro, amigo do povo, povo este que nele votou mas que, por inconsciência de classe ou réstias de álcool da noitada de Sábado, está em absoluto alienado da sua vil agenda.

Em todo o acto eleitoral que não corre a preceito às supostas vanguardas da classe operária somos condenados a um tamanho chinfrim em loop nos dias seguintes que, a prazo, aquela “música” do Michel Telló até ameaça começar a soar bem. Não que a música campanha a dentro já não fosse de péssimo gosto e tom. Ora pois o candidato da burguesia vermelha ou é um homem de grande porte cultural, um intelectual ou tem-los lá a todos à volta, não vá deixar de cair um subsídio e aquele filme experimentalista acerca a epopeia do ser ou aquela exposição sobre o olho do cú correm o risco de não sair do papel a fim de deliciar o itenerário artístico do cidadão comum.

Marcelo não é dessa laia. É filho de fáxista e logo fascista por hereditariedade – o que me leva a questionar se às filhas de terroristas que se sentam em S. Bento também pesa esssa herança. Depois ri-se muito, é popularucho e gosta de opinar sobre o mundo. Diz-se por aí que é professor catedrático mas o boato em questão não vem pesar na dúvida em relação à intelectualidade do homem.

E se Marcelo é o Sol – essa estrela burguesa que alimenta os sunsets dos betinhos da Foz – Sampaio da Nóvoa é o LUAR – e qualquer filme sobre organizações terroristas pode ser esclarecedor neste ponto. É uma calúnia isto que andam da dizer da sua formação, visto que como especialista em teatro é um grande político. Um homem do povo que é tão do povo que aufere mais de uma dezena de multiplos do rendimento médio deste. Tem ainda na sua corte figuras cujo conhecimento poderia em muito enriquecer a politica portuguesa como Rosa Mota ou Pilar Del Rio. Não digo Vasco Lourenço pois o instinto golpista que revela a cada intervenção – e o que se quero num país terceiromundista como o nosso são homens de farda a ameaçar correr com a politicagem – uma honesta vontade em mudar este terrível estado de coisas e retornar o país à paz de calmaria daqueles 2 anos do PREC.

As presidenciais acabaram e agora o tempo, antes de ser de consensos, será de amuo generalizado. Mas não digo da generalidade dos portugueses, pois estes fizeram vingar a sua escolha.

O povo, enganado como sempre, preferiu o primeiro. Agora o choro é livre.

 

 

Procuram-se 186.446 comunistas

Comparando os resultados obtidos pelos candidatos comunistas à presidência (Francisco Lopes 2011 vs Edgar Silva 2016), em cinco anos o Partido Comunista Português viu perder cerca de 118 mil votos. Sim, digo votos no partido e não no candidato porque, como o próprio secretário-geral (Jerónimo de Sousa) disse, a decisão não foi pessoal (meu destaque e link): Nós podíamos apresentar um candidato ou uma candidata assim mais engraçadinha, portanto, enfim…”

E tendo em conta os resultados das últimas legislativas a perda é ainda maior (menos 263.074 votantes), o que, se ontem tivessem conseguido cativar 82,82% dos eleitores comunistas de Outubro (369.352, ou seja, mais 186.446 votos que os obtidos por Edgar Silva), haveria necessidade de uma segunda volta nestas eleições presidenciais.

Adenda: nas presidenciais de 2006 o candidato engraçadinho Jerónimo de Sousa obteve 466.507 votos…

jeronimo_sousa