Quantas relações familiares do PS há no Estado?

Quantos são? Este governo já tinha começado com dois ministros casados: Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino. Agora acaba com o pai e uma filha: José António Vieira da Silva, é ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e a sua filha acaba de ser nomeada para ministra da Presidência e da Modernização Administrativa.

Menos Nepotismo. Mais meritocracia.

Mas agora imaginemos que a rapariga até tem mérito (e simplesmente teve mais oportunidades e subiu mais depressa por ser filha de quem é no PS)… mesmo assim não se arranjava alguém que também tivesse mérito e fosse competente que não fosse filha de um ministro? Para evitar conflitos de interesse, para dar uma ideia de transparência e até respeito, que isto o Estado já mais parece ser “Líderes do PS, família e amigos”.

Vejam só a confusão que é o esquema de relações do PS na função pública, entre irmãos, pais e cônjuges. Vale tudo. Isto sem falar de autarquias (tirando Lisboa), onde então devem ser centenas. Devem ter todos muito mérito certamente. Todinhos.

Retirado daqui

Nota final que “nada” tem que ver com o artigo:

Anúncios

Um partido liberal como divulgador de ideias liberais

Carlos Guimarães Pinto, Presidente do partido Iniciativa Liberal, em entrevista ao Eco:

O objetivo primário, e aqui não há dúvidas, é a transmissão de ideias. Nós temos que fazer este caminho e este caminho faz-se com a transmissão de ideias. Chegar ao maior número de pessoas, ter uma série de bandeiras, sejam populares ou não — e algumas serão impopulares –, começar a passar estas ideias, explicar às pessoas porque é que estas ideias são boas para o país, mostrar o contraste entre aquilo que aconteceu nos últimos 20 anos e o que pode acontecer nos próximos 20 se tivermos um tipo de estratégia diferente. Isto é mais importante no curto prazo do que ter resultados eleitorais. Porque um partido sem ideias — até pode ter um grande resultado e um grande cabeça de lista para diferentes eleições –, os efeitos práticos na política portuguesa são zero.

Um partido também poder (e deve) ser um veículo de divulgação de ideias.

Deve Ser Isto O Tal Simplex E O Tal Aumento da Eficiência Do Estado

Ora bem, a compra de 24.000 votos por parte da geringonça tem um valor específico neste caso: 1471,2 euros mensais.

A imagem acima foi retirada daqui.

Grândola, Vila Morena…

Não deixa de ser profundamente irónico que um governo de frente de esquerda enfrente bastantes mais greves do que o governo liderado por Passos Coelhos que na altura teve de executar um duro programa de ajustamento. Esse programa, recorde-se, foi solicitado, negociado e assinado pelo governo do partido socialista, na altura liderado por José Sócrates, em resultado da situação de bancarrota a que conduziram o país.

As imagens acima foram retiradas daqui e daqui.

O Doutor Centeno, Ronaldo das Finanças, Faz Um Hat-Trick

Encontra-se em excelente forma o Doutor Mário Centeno, doutorado por Harvard, ministro Ronaldo das Finanças, presidente do Eurogrupo, e sábio mestre coordenador do plano macro-económico do PS que em 2015 previa um crescimento de 2,8% em 2018 e de 2,4% em 2019.

Abaixo, deixo três notícias – uma do dia de ontem e duas do dia de hoje – que ilustram bem a performance excepcional do Doutor Mário Centeno e que o colocam bem posicionado para ganhar a Bola de Ouro.

As imagens acima foram retiradas daqui, daqui e daqui.

Entretanto, A EUSSR Pretende Acabar Com a Internet Como a Conhecemos

Os políticos, burocratas e tecnocratas nunca conseguem estar parados. Têm sempre que procurar produzir legislação, impostos, burocracia e outras coisas completamente inúteis (um bom exemplo recente é o GDPR)… …isto porque um punhado de iluminados do alto da sua cadeiro do poder se sente no dever de comandar e regular a vida de milhões de indivíduos.

A proposta da nova directiva dos direitos de autor irá ser votada no parlamento europeu em Abril e se a for votada favoravelmente, a Internet – sobretudo a blogosfera e o youtube – tal como a conhecemos deixará de existir. Deixo aqui uma versão resumida dos malfadados Artigos 11 e 13 retirada daqui:

Article 13: Upload filters

Parliament negotiator Axel Voss accepted the deal between France and Germany I laid out in a recent blog post:

  • Commercial sites and apps where users can post material must make “best efforts” to preemptively buy licences for anything that users may possibly upload – that is: all copyrighted content in the world. An impossible feat.
  • In addition, all but very few sites (those both tiny and very new) will need to do everything in their power to prevent anything from ever going online that may be an unauthorised copy of a work that a rightsholder has registered with the platform. They will have no choice but to deploy upload filters, which are by their nature both expensive and error-prone.
  • Should a court ever find their licensing or filtering efforts not fierce enough, sites are directly liable for infringements as if they had committed them themselves. This massive threat will lead platforms to over-comply with these rules to stay on the safe side, further worsening the impact on our freedom of speech.

Article 11

Article 11: The “link tax”

The final version of this extra copyright for news sites closely resembles the version that already failed in Germany – only this time not limited to search engines and news aggregators, meaning it will do damage to a lot more websites.

  • Reproducing more than “single words or very short extracts” of news stories will require a licence. That will likely cover many of the snippets commonly shown alongside links today in order to give you an idea of what they lead to. We will have to wait and see how courts interpret what “very short” means in practice – until then, hyperlinking (with snippets) will be mired in legal uncertainty.
  • No exceptions are made even for services run by individuals, small companies or non-profits, which probably includes any monetised blogs or websites.

Os Mitos da Revolução 4.0

O Guilherme, homem das tech e bom liberal, desmistificou, numa recente entrevista, alguns dos mitos à volta da Economia 4.0, com direito a Shumpeter pelo meio. Fica abaixo a entrevista. Recomendo: